Ester comove Assuero sobre decreto contra os judeus e consegue salvar seu povo; veja as emoções do último capítulo

(Foto: Reprodução / Rede Record)

Ester revela a Assuero que é judia e pede que ele salve sua vida e de seu povo do decreto feito por Hamã. Hamã pede perdão à rainha e diz que não sabia que ela era judia. Assuero se irrita com Hamã, não aceita suas traições e o manda para a forca. Hamã é enforcado na forca que havia construído para matar o judeu Mordecai. Dalfom assiste à morte de seu pai na forca e se revolta. Zeres pressente a morte de seu marido e fica muito abalada.

Assuero manda chamar Mordecai no palácio e dá a ele o anel real, já que não pode revogar a lei feita por Hamã contra os judeus. Mordecai recebe o anel real para redigir nova lei que deve ajudar os judeus contra o decreto feito por Hamã. Mordecai escreve nova lei que permite aos judeus que se unam e se preparem para a guerra.

Dalfom invade casa de Mordecai e bate em Ana, ameaçando matá-la. Rebecca busca Aridai e ele defende Ana e toda sua família do irmão Dalfom. Joel perdoa Ana e pede perdão para Aridai, dizendo que ele realmente é diferente dos outros amalequitas.

Confira aqui as fotos do último capítulo de A História de Ester!

Aridai e Ana se encontram e ela diz ao amado que tem muito medo dele não voltar da guerra. Assuero vê Ester orando e se surpreende com a fé da rainha em seu Deus.

Ruben protege Mordecai e é ferido na guerra ao salvar o amigo. Ana dá à luz ao filho de Aridai durante a guerra dos judeus. Aridai briga com Dalfom na guerra, tem a chance de matar o irmão, mas desiste. Dalfom atinge Aridai pelas costas e mata o irmão. Apesar da alegria pelo nascimento do filho, Ana se desespera ao saber da morte de Aridai na guerra. Dalfom é enforcado e nenhum dos filhos de Hamã é poupado na guerra contra os judeus.

Assuero nomeia Mordecai como o novo primeiro-ministro da Pérsia. Povo judeu vai às ruas para festejar a vitória e exaltar Ester e Asssuero. Mordecai comemora a vitória dos judeus ao lado de Ester. Ester é aclamada pelos judeus como a rainha que salvou seu povo. Assuero se alegra na festa dos judeus ao lado da rainha Ester. Ester e Assuero fazem juras de amor eternas.

Assuero e Ester trocam juras de amor

Assuero acaba declarando o seu amor para Ester e ela afirma que o rei conquistou o seu coração. Veja na íntegra do capítulo desta terça (25)!

“Tentei humanizar a minha vilã”, diz Vanessa Gerbelli sobre Zeres

Vanessa Gerbelli vive a podeorsa e má Zeres na minissérie (Foto: Munir-Chatack / Rede Record)

Giovani Lettiere, do R7, no Rio

Vanessa Gerbelli destila veneno na minissérie A História de Ester, da Record. A personagem da atriz, Zeres, é muito má. Para complicar, ela ainda é casada com o vilão-mor da trama, o conselheiro Hamã, vivido por Paulo Gorgulho. Mas em conversa com o R7, Vanessa defendeu a vilã, que ela procurou deixar mais humana.

- Tentei humanizar a minha vilã. Me interesso pela humanidade dos personagens. Por que vilão não pode amar? Por que os vilões juntam sempre as piores emoções? Ninguém é de todo mal. A Zeres não é uma máquina de odiar. A busca pelo poder era uma questão de sobrevivência na época. Servia para prolongar a espécie.

Apesar da tentativa de Vanessa, Zeres trama muito contra seus inimigos e não mede esforços para ver o marido no poder. A personagem tem ainda como característica marcante o fato de ser feiticeira. Ela vê o futuro e adora vários deuses.

- A Zeres está na Bíblia, não foi uma personagem criada para a minissérie. Ela é ambiciosa e vai conspirar ao lado do marido, Hamã.

Logo no início da minissérie, Zeres provoca a queda da rainha Vasti (Daniela Galli), ao indicar que a majestade deveria seguir sua intuição enquanto joga a sorte dela. A rainha então desiste de ir a uma festa no palácio, o que irrita o rei Assuero (Marcos Pitombo), que a destitui do trono.

- Ela vê o futuro. É muito poderosa.

O R7 quis então saber se Vanessa é adepta de consultas a videntes, numerólogos e afins.

- Eu acredito em tudo, até que me provem o contrário.

* entrevista concedida na época da primeira exibição da minissérie na Rede Record

Assuero e Ester vivem momentos românticos em passeio pelo bosque; veja na íntegra!

Ester fica surpresa quando Assuero diz se lembrar dela do dia do desfile. Assuero pergunta se Ester não está feliz por estar no harém. Ela responde que sempre sonhou em entregar seu corpo ao homem que já tivesse conquistado seu coração. Ela fica surpresa quando ele diz aceitar o desafio de conquistá-la. Assuero fica encantado ao saber que Ester sabe ler.

Ana conta que encontrou Aridai e que os dois irão fugir. Ester fica preocupada com o que pode acontecer com a amiga.

Dalfom escuta Joel e Rebecca falando sobre Ana e Aridai. Dalfom e Joel discutem sobre o relacionamento de Ana e Aridai.

Aridai defende os judeus e Hamã fica chocado. Dalfom chega e diz que Aridai está namorando uma judia. Ele confirma a história e promete tirar sua amada do harém. Hamã, Zeres e Dalfom ficam revoltados com a postura de Aridai. Hamã ameaça denunciar Ana e Ariadai ao rei.

Memucã se nega a obedecer Hamã e o amalequita o ameaça dizendo que constrói uma forca para matá-lo. O judeu diz que não teme as ameaças do inimigo.

Ruben e Ester ficam emocionados ao se reencontrarem. Ester lamenta o fato de o amigo ter se tornado um eunuco, mas diz ser agradecida pela vida dele.

Aridai é impedido de entrar no palácio por Dalfom e os irmãos brigam.

Tafnes fica revoltada ao saber que o rei mandou chamar por Ester. Tafnes se encontra com Dalfom no jardim e diz a ele que fará de tudo para tirar Ester de seu caminho. Dalfom ameaça Tafnes e diz que ela tem que ser a nova rainha.

Rei Assuero convida Ester para um passeio de cavalos pelo bosque. Assuero diz a Ester que ela está livre para sair do harém, como era a vontade dela. Ester diz a Assuero que agora prefere continuar no palácio. Assuero e Ester têm momentos românticos juntos no bosque. Rei Assuero fica feliz com a decisão de Ester de permanecer no palácio e sente que está conquistando a amada. Ester se desespera ao ver que perdeu o colar herdado da mãe e Assuero oferece um novo colar, mas ela recusa e diz que o antigo tinha valor sentimental.

Veja as fotos dos melhores momentos do capítulo aqui!

“Ester é mais do que uma mocinha típica”, diz especialista em dramaturgia

Gabriela Durlo vive a mocinha Ester na minissérie A História de Ester (Foto: Munir-Chatack / Rede Record)

Vanessa Sulina, do R7

Entre as muitas histórias de amor que acontecem nos folhetins da TV, o romance entre a judia Ester e o rei Assuero, na minissérie A História de Ester (Record), tem tirado fôlego do público. Em conversa com o R7, a atriz Gabriela Durlo, que vive Ester na trama, explica o motivo por que a mocinha sofredora que luta com fé e coragem convenceu o público.

- A Ester é mais do que uma mocinha típica que é romântica, sonhadora e que luta pelo amor de sua vida. Apesar de seu aspecto frágil, ela arrisca o seu amor e até sua vida para salvar o seu povo. Esse é um dos fortes motivos de ela ter conseguido conquistar o público.

Segundo Gabriela, Ester mostra ainda mais o lado de uma mulher corajosa que é capaz de ficar sem seu grande amor por uma grande causa.

- O público vê uma mocinha forte que arrisca perder até seu amado para salvar seu povo. As pessoas também se identificam bastante com o amor que ela tem pela família. Além do respeito pelos seres humanos que ela demonstra.

Para o pesquisador de teledramaturgia da USP (Universidade de São Paulo) Claudino Meyer, a figura da típica mocinha como a Ester "ficou no passado". De acordo com Meyer, uma personagem que começa como boa moça nem sempre continuará até o final da trama com as mesmas características.

- Claro que mocinhas como Ester, quando o público sabe que será ela mesma do começo ao fim, faz sucesso. Mas o mercado da teledramaturgia mudou muito. Na verdade, só acompanhou essa nova sociedade que a todo momento muda. Muda de trabalho, muda de característica, muda de amor...

Meyer ainda explica que a caracterização de mocinhos dos anos 60, aqueles que o público percebia "de cara" que eram bons moços, quase não existem mais.

- O mocinho típico como Francisco Cuoco e a mocinha Regina Duarte em Selva de Pedra (Globo) ficou no passado. Hoje em dia, os autores conseguem perceber melhor o que o público quer e um ator que começa como boa pinta dá espaço para outro no meio da trama.

Segundo Meyer, um outro exemplo de como o rumo dos mocinhos pode mudar foi na novela Caminho das Índias (Globo). No começo da trama, Marcio Garcia estava escalado para ser o grande amor da vida de Maya, personagem de Juliana Paes. Mas Rodrigo Lombardi (Raj) ganhou a simpatia do público e a história de amor mudou de rumo.

- Glória Perez [autora] conseguiu perceber que um agravava mais que o outro e transformou tudo. Hoje em dia, alguém pode ser mocinho por algum momento e, depois, não ser mais.

* entrevistas concedidas na época da primeira exibição da minissérie na Rede Record

“Acredito no grande amor”, diz Marcos Pitombo, o Rei Assuero

Marcos Pitombo é o rei Assuero na minissérie A História de Ester (Foto: Michel Angelo / Rede Record)

Marcos Pitombo é dono de um harém. Pelo menos na minissérie A História de Ester, na qual o ator vive o Rei Assuero, monarca persa que se apaixona pela virgem judia Ester (Gabriela Durlo).

O fato de seu personagem colecionar moças trancafiadas para seu bel prazer virou assunto nas ruas do Rio e muitos telespectadores comentam a situação com o ator. Em entrevista ao R7, ele fez questão de ressaltar o contexto histórico de seu personagem:

- Muitas pessoas me abordam com preconceito sobre o fato do rei possuir um harém. Mas isso fazia parte da cultura e da época retratada pela minissérie o Impérío Persa, 400 anos a.C. e tem de ser levado em conta.

Pitombo ainda conta que os comentários nas ruas se repetem nos bastidores das gravações. O R7 perguntou ao galã se ele desejaria ter também seu próprio harém. Ele foi bem mais comedido que seu personagem:

- Não... [risos] Eu sou romântico e acredito no grande amor.

O ator afirmou ainda que Assuero é uma "grande oportunidade" em sua carreira.

- É meu primeiro protagonista, além de ser um personagem importante dentro da história.

Ele ainda fez questão de ressaltar o preparo para viver o monarca que costuma comandar bravas cenas de guerra:

- Fiz desde workshop com historiadores até aulas de montaria de cavalo.

Com mais destaque na TV, o assédio nas ruas não para.

- Sou muito reconhecido pelas pessoas, apesar de já ter tirado a barba. Elas comentam sempre que estão gostando muito da história.

(Colaborou Letícia Mendes)

*  entrevista concedida na época da primeira exibição da minissérie na Rede Record

Autora Vivian de Oliveira diz que minissérie mostra romance, fé e coragem

Rei Assuero, Ester e os eunucos Harbona e Hegai (Foto: Munir Chatack / Rede Record)

Cléo Francisco, do R7

A História de Ester foi a primeira minissérie bíblica produzida pela Rede Record e cativou o público com a história de Ester e rei Assuero. Para Vivian de Oliveira, autora de A História de Ester, a minissérie foi muito bem feita.

- É um produto diferente do que temos visto ultimamente. A minissérie mostra uma grande história de amor e fé, mas resgata valores como amizade verdadeira, com personagens que arriscam suas vidas pelo próximo.

A história se passa na Pérsia, 479 a.C. e tudo acontece quando o rei Assuero chama a mulher, a rainha Vasti, para mostrá-la aos nobres na festa que comemora o aniversário de seu reinado. A esposa se nega a obedecê-lo, o que é considerado uma afronta e, seguindo orientações de seus conselheiros, o rei a destitui e procura outra mulher. Muitas jovens belas e virgens são reunidas e levadas ao seu harém para que ele faça a escolha. Entre elas está Ester, uma judia que esconde sua origem para se manter viva. Ester e o rei se apaixonam e ela é coroada rainha. Porém, Hamã, membro de um povo chamado amalequita, pede permissão ao rei para que se matem os judeus, o que leva Ester a interceder por seu povo.

A saga de Ester para ajudar os judeus tem a atriz Gabriela Durlo como protagonista. Para Vivian, a escolha foi perfeita.

- Sempre a achei bonita e excelente atriz. Havia outros nomes quando nós fomos decidir quem faria Ester. Eu falei que achava que ela era a cara da personagem. É morena, tem doçura, é como eu imaginava a rainha Ester.

Questionada sobre a característica mais marcante da personagem bíblica, Vivian não titubeia.

- A fé. Ester era uma mulher de muita fibra.

* (Entrevista realizada na época da primeira exibição da minissérie na Record)

Ester e Assuero se encontram! Veja o capítulo desta sexta (21) na íntegra

Assuero manda buscar uma das virgens e Hegai sorteia o nome de Tafnes, que fica orgulhosa de ir ao encontro do rei. Assuero diz a Harbona que Tafnes nunca será a rainha da Pérsia. Após dormir com muitas moças do harém, finalmente chega a vez do Rei Assuero se encontrar com Ester. Rei Assuero fica encantado ao ver Ester e os dois se olham com emoção. Confira a íntegra!

Confira as melhores fotos do capítulo desta sexta (21)!

Rei Assuero se encanta por Ester no primeiro encontro

Saiba tudo o que aconteceu no capítulo desta sexta-feira (21) e veja fotos dos melhores momentos.

Rei Assuero se encanta pela beleza de Ester (Foto: Reprodução / Rede Record)

Ruben consegue entrar na casa das mulheres e assusta Hadassa/Ester. Hegai surpreende Ruben no harém e manda guardas levá-lo até o rei para ser punido. O judeu se curva diante de Assuero, diz que invadiu o harém por amor, que não deseja o mal do rei e implora pela sua vida. Apesar de poupar a vida de Ruben, Rei Assuero manda castrá-lo para que ele se torne um eunuco.

Hamã conta a Mordecai que mandou fazer uma forca para matá-lo e ameaça exterminar os judeus. Mordecai fala a Hamã que só irá morrer quando o seu Deus permitir e não se curva perante ordens do amalequita.

Ana passa mal e é amparada pela amiga Hadassa/Ester. Quinlá desconfia que Ana esteja grávida e a judia se desespera com a possibilidade de esperar um filho de Aridai. Tafnes percebe que Ester não comeu carne de porco e a acusa de ser judia.

Assuero manda buscar uma das virgens e Hegai sorteia o nome de Tafnes, que fica orgulhosa de ir ao encontro do rei. Assuero diz a Harbona que Tafnes nunca será a rainha da Pérsia. Após dormir com muitas moças do harém, finalmente chega a vez do Rei Assuero se encontrar com Ester. Rei Assuero fica encantado ao ver Ester e os dois se olham com emoção.

Veja fotos do capítulo de A História de Ester desta sexta-feira (21) aqui!

Entenda a origem histórica da minissérie A História de Ester

Marcos Pitombo é o Rei Assuero e Gabriela Durlo é Ester na minissérie (Foto: Munir CHatack / Rede Record)

Iago Bolívar, do R7

O Livro de Ester, no qual foi baseada a minissérie A História de Ester, da Rede Record, relata uma das primeiras tentativas de eliminar o povo judeu, vista como um antecedente do holocausto, a matança de milhões de judeus pela Alemanha nazista no século passado.

A atração mostra o relacionamento entre o rei Assuero (Marcos Pitombo) e Ester (Gabriela Durlo), uma judia que esconde sua origem para permanecer viva. Lembrado todos os anos pelos judeus no festival de Purim, o Livro de Ester permanece como uma lembrança das ameaças de eliminação que de tempos em tempos são feitas aos judeus e, recentemente, ao Estado de Israel, mas também pode ser visto como uma alegoria das ameaças que pesam sobre as minorias perseguidas. "Existe espalhado e dividido entre os povos em todas as Províncias do teu reino um povo cujas leis são diferentes das leis de todos os povos e que não cumpre as leis do rei, pelo que não convém ao rei deixá-lo ficar", diz o cortesão Hamã ao rei persa Assuero no terceiro capítulo do livro, que faz parte do Velho Testamento.

Ultrajado por um membro judeu da corte que não lhe prestou honras, Hamã convence o rei de que o apego dos judeus, que viviam dispersos pelo Império Persa, às próprias leis constituía uma ameaça. "E as cartas se enviaram pela mão dos correios a todas as Províncias do rei, que destruíssem, matassem, e lançassem a perder a todos os judeus desde o moço até ao velho, crianças e mulheres, em um mesmo dia, a treze do duodécimo mês (que é mês de adar), e que saqueassem o seu despojo." A ideia de que um povo com identidade própria, mesclado à população em geral, poderia ameaçar a estabilidade de uma nação estava também no centro do discurso nazista.

“A contaminação judaica não irá diminuir, o envenenamento da nação não vai terminar, até que o próprio vetor, o judeu, tenha sido banido de nosso meio”, discursou o ditador alemão Adolf Hitler, que liderou a "Solução Final", o projeto de assassinato em massa que matou mais de 6 milhões de judeus, além de milhares de membros de outras minorias, como ciganos e testemunhas de Jeová.

Em seu livro Bible in Politics, A Bíblia na Política, em tradução livre, o teólogo britânico Richard Bauckham defende que não se devem exagerar as semelhanças entre as duas situações, mas que o autor do Livro de Ester tentou mostrar que a ameaça ia além dos fatos narrados.

"Se o projeto Hamã não é, em sua forma final, um fato da história antiga, então o autor aproveitou a oportunidade dessa ocorrência histórica o fato de todos os judeus morarem no Império Persa para demonstrar imaginativamente a dimensão da ameaça imposta ao seu povo pelo antissemitismo do seu ambiente. Após o campo de concentração de Auschwitz, dificilmente poderíamos dizer que ele estava errado", escreveu Bauckham.

Professor emérito da Universidade St. Andrews e pesquisador sênior do Ridley Hall, centro de estudos religiosos da cidade de Cambridge, Bauckham destaca a identidade judaica do Livro de Ester e a natureza específica do antissemitismo, mas diz que a história pode ser utilizada para entender as dificuldades históricas de minorias como os ciganos, armênios, curdos e até dos palestinos, cuja disputa com os judeus é uma das questões centrais do Oriente Médio nos últimos 60 anos.