“Ester é mais do que uma mocinha típica”, diz especialista em dramaturgia

Gabriela Durlo vive a mocinha Ester na minissérie A História de Ester (Foto: Munir-Chatack / Rede Record)

Vanessa Sulina, do R7

Entre as muitas histórias de amor que acontecem nos folhetins da TV, o romance entre a judia Ester e o rei Assuero, na minissérie A História de Ester (Record), tem tirado fôlego do público. Em conversa com o R7, a atriz Gabriela Durlo, que vive Ester na trama, explica o motivo por que a mocinha sofredora que luta com fé e coragem convenceu o público.

- A Ester é mais do que uma mocinha típica que é romântica, sonhadora e que luta pelo amor de sua vida. Apesar de seu aspecto frágil, ela arrisca o seu amor e até sua vida para salvar o seu povo. Esse é um dos fortes motivos de ela ter conseguido conquistar o público.

Segundo Gabriela, Ester mostra ainda mais o lado de uma mulher corajosa que é capaz de ficar sem seu grande amor por uma grande causa.

- O público vê uma mocinha forte que arrisca perder até seu amado para salvar seu povo. As pessoas também se identificam bastante com o amor que ela tem pela família. Além do respeito pelos seres humanos que ela demonstra.

Para o pesquisador de teledramaturgia da USP (Universidade de São Paulo) Claudino Meyer, a figura da típica mocinha como a Ester "ficou no passado". De acordo com Meyer, uma personagem que começa como boa moça nem sempre continuará até o final da trama com as mesmas características.

- Claro que mocinhas como Ester, quando o público sabe que será ela mesma do começo ao fim, faz sucesso. Mas o mercado da teledramaturgia mudou muito. Na verdade, só acompanhou essa nova sociedade que a todo momento muda. Muda de trabalho, muda de característica, muda de amor...

Meyer ainda explica que a caracterização de mocinhos dos anos 60, aqueles que o público percebia "de cara" que eram bons moços, quase não existem mais.

- O mocinho típico como Francisco Cuoco e a mocinha Regina Duarte em Selva de Pedra (Globo) ficou no passado. Hoje em dia, os autores conseguem perceber melhor o que o público quer e um ator que começa como boa pinta dá espaço para outro no meio da trama.

Segundo Meyer, um outro exemplo de como o rumo dos mocinhos pode mudar foi na novela Caminho das Índias (Globo). No começo da trama, Marcio Garcia estava escalado para ser o grande amor da vida de Maya, personagem de Juliana Paes. Mas Rodrigo Lombardi (Raj) ganhou a simpatia do público e a história de amor mudou de rumo.

- Glória Perez [autora] conseguiu perceber que um agravava mais que o outro e transformou tudo. Hoje em dia, alguém pode ser mocinho por algum momento e, depois, não ser mais.

* entrevistas concedidas na época da primeira exibição da minissérie na Rede Record