70% dos brasileiros se informam pelo Facebook, e 187% sabem que isso é mentira

monkey pc 1024x469 70% dos brasileiros se informam pelo Facebook, e 187% sabem que isso é mentira
O site “Observatório da Imprensa” publicou um artigo (leia aqui) em que afirma que 70% dos brasileiros se informam pelo Facebook.

O artigo foi republicado em sites, blogs, e divulgado pelas redes sociais. O número, de fato, era impressionante: sete em cada dez brasileiros usariam o Facebook como fonte de informação.

Assim que li o texto, suspeitei que havia algo errado. Lembrei ter lido, em algum lugar, que apenas metade dos domicílios brasileiros tinha acesso à Internet.

Fiz uma busca rápida. Bingo. Segundo a mais recente PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), divulgada no fim de 2014 pelo IBGE, o percentual de internautas no Brasil subira de 49,2% em 2012 para 50,1% em 2013 (leia aqui).

A matéria do “Observatório da Imprensa” estava furada. Se metade da população brasileira usa a Internet, é impossível que 70% se informem pelo Facebook.

O passo seguinte foi checar a fonte usada pelo “Observatório da Imprensa”. O texto mostrava um gráfico com um suposto “ranking mundial dos países que mais consomem notícias pelo Facebook”, onde o Brasil aparece em primeiro, com “67% de sua população buscando informação, prioritariamente, na rede social”.

O gráfico foi tirado de uma matéria do site Quartz (veja aqui). O Quartz, por sua vez, obteve as informações de um relatório de 2014 sobre jornalismo no mundo digital, elaborado pelo Instituto Reuters de Estudos do Jornalismo (veja o relatório aqui).

Li o relatório do Instituto Reuters. Na página 36, ele informa que apenas 46% dos brasileiros têm acesso à Internet.

Ou seja: o índice de “70%”, divulgado pelo “Observatório da Imprensa”, estava errado. O correto seria dizer que 67% dos brasileiros com acesso à Internet (46% do total dos brasileiros) usam o Facebook para se informar. O número total, portanto, seria de 30,8%.

Ainda parecia demasiado. Chequei a metodologia usada pelo Instituto Reuters e percebi que a “pesquisa” era, para dizer o mínimo, questionável. Para começar, foi feita pela Internet, com 1015 pessoas. Dos dez países pesquisados, apenas no caso do Brasil os pesquisadores resolveram ignorar o interior do país e perguntaram exclusivamente a moradores de centros urbanos. A própria pesquisa trazia um aviso: “No caso do Brasil, o resultado representa a população urbana e não a população nacional, e isso deve ser considerado ao interpretar os resultados”.

Resumindo: a pesquisa falou, pela Internet, apenas com pessoas que moram em cidades e têm tempo para responder a perguntas pela Internet. Parece óbvio que o percentual de usuários de Facebook e pessoas com hábito de navegar pela web nesse grupo seja bem maior do que na população em geral.

O que eu precisava era de uma pesquisa que respondesse a duas perguntas: quantos brasileiros usam o Facebook? E desses, quantos usam o Facebook para se informar?

No fim do ano passado, circulou a notícia de que o Facebook tinha 89 milhões de usuários no Brasil. Mas o dado era da própria empresa e, portanto, sujeito a desconfiança. Fora que não levava em consideração contas abertas e não usadas e usuários que gerenciavam múltiplas contas.

Consegui a resposta, pelo menos parcialmente, numa pesquisa citada na própria reportagem do “Observatório da Imprensa”. A pesquisa foi feita em 2013, pelo Núcleo de Estudos e Opinião Pública (NEOP) da Fundação Perseu Abramo (veja aqui).

A pesquisa do NEOP era muito mais confiável que a do Instituto Reuters. Foi realizada em abordagem domiciliar, com 2400 brasileiros de 120 municípios, urbanos e rurais. E os resultados elucidam muita coisa.

O percentual de brasileiros com acesso à Internet, segundo a pesquisa, seria de 43%. Desses, 38,4% dizem usar o Facebook. Ou seja: segundo a pesquisa, 16,15% dos brasileiros usam o Facebook.

A pergunta seguinte do NEOP foi: “Quais assuntos você lê ou consulta na Internet?”. E 68,6% disseram usar a web para obter informações e notícias.

Não era a pergunta ideal para responder à nossa dúvida. Para isso, a pergunta deveria ter sido “Quem usa o Facebook para se informar?”, e a questão deveria ter sido colocada apenas para os 16,15% que disseram usar o Facebook.

Para efeito de cálculo, vamos SUPOR que 68,6% dos usuários do Facebook o utilizem para obter notícias. Isso significaria que o percentual total de brasileiros que usam o Facebook para se informar é, no máximo, de 11%.

Esse número é exato? Claro que não. Para isso, as perguntas deveriam ter sido outras. Mas é um número muito mais perto da verdade do que os 70% divulgados na matéria do “Observatório da Imprensa”.

A matéria do “Observatório” continha mais um erro grave: citando a pesquisa do NEOP, dizia que a Internet era “fonte primária na busca de informações e notícias para 68,6% da população”. De novo, o autor esqueceu o pequeno detalhe, citado na própria pesquisa, de que só 43% dos brasileiros usam a Internet.

A reportagem do “Observatório da Imprensa” foi ao ar dia 21 de abril. Li o texto na quinta, 23. Na manhã de sexta, 24, alguém notou o erro e trocou o título original (“Cerca de 70% dos brasileiros se informam pelo Facebook”) por “Cerca de 70% dos brasileiros ativos no Facebook se informam pela rede social”. Mas o texto continuava com os mesmos erros de informação e dava a impressão de que 70% do total de brasileiros se informam pelas redes sociais.

Aí, o estrago já estava feito. O "fato" de que "70% dos brasileiros se informam pelo Facebook" já se espalhara como uma praga pelas redes sociais.

O que me entristece nessa história não é o erro de informação da matéria. Errar, todo jornalista erra: eu erro, meus colegas erram, vencedor do Pulitzer erra. Triste mesmo é perceber que uma informação pode circular livremente por incontáveis pessoas e ser espalhada pelo mundo digital, sem que ninguém questione sua veracidade.

As pessoas reclamam da qualidade do jornalismo brasileiro, e com razão. Mas e a qualidade dos leitores?

Como pode alguém ler uma matéria que traz uma informação absolutamente incredível e cheia de números estapafúrdios, e não parar por 15 segundos para pensar no que está lendo?

O pior é saber que, nesse exato instante, alguém está fazendo uma pesquisa no Google sobre hábitos de leitura dos brasileiros e vai ler a “informação” de que “70% dos brasileiros se informam pelo Facebook”. Garanto que essa cascata já está sendo propagada em agências de publicidade digital e redações por aí, num tsunami devastador de desinformação.

Enquanto isso, outra pesquisa – essa, aparentemente, verídica – da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), diz que sete em cada dez pessoas no Brasil não leram nenhum livro em 2014. Devem ser os mesmos 70% que se informam pelo Facebook.

123 Comentários

"70% dos brasileiros se informam pelo Facebook, e 187% sabem que isso é mentira"

27 de April de 2015 às 07:05 - Postado por André Barcinski

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Bia
    - 27/04/2015 - 12:07

    Estatística é uma ciência séria, o problema é o que fazem com ela. Sabem aquele velho ditado de torturar os números até que eles digam o que você quer? Um livro que foi um divisor de águas para mim foi "Como mentir com estatísticas", do Darrell Huff. É uma obra um. pouco antiga, mas atemporal, vale muito a leitura.

    Responder
  • Leonardo
    - 27/04/2015 - 11:43

    Barça, OT, mas o que foi a folha dedicando capa na ilustrada pra carreira literária do Sarney? Achei desnecessário hahaha

    Responder
  • Anderson
    - 27/04/2015 - 11:42

    Percebo que hoje se dá muito mais valor à quantidade do que à qualidade. Em tudo. E em todas as esferas. Preocupante.

    Responder
  • Marco
    - 27/04/2015 - 11:10

    Off Topic:Parece que o tal do Tidal do Jay Z já virou água. Não deu nem um mês e ninguém quis cair no golpe das celebridades milionárias querendo ganhar mais dinheiro.... Como diz o ditado: Dinheiro não aceita desaforo.

    Responder
  • neder
    - 27/04/2015 - 10:59

    É possível se informar muito bem no Facebook.Tanto pela mídia nacional, como internacional. Você monta um bom feed de páginas de jornais, revistas, canais de televisão, jornalistas, escritores etc., e passa a receber notícias e conteúdos para leitura (e debate, se tiver paciência). Claro que o objetivo da rede não é esse - servir de aglutinador de links que levam a textos que valem a pena. Mas é uma opção. E ainda tem a possibilidade de não receber posts dos "amigos de facebook", com suas gracinhas e demonstrações de "felicidade". Eles continuam "amigos", mas em silêncio na sua página. Idem Twitter. Quanto ao hábito de leitura, acho que as novas gerações vão se interessar mais por eBooks e leituras online. Passou da hora de pensar e discutir esta alternativa.

    Responder
  • João
    - 27/04/2015 - 10:52

    André, tá explicado porque o Lemmy não fez o show no sábado: Ele estava com sede e foi beber a água de São Paulo e aí passou mal. Fonte: Facebook

    Responder
  • Paulo R. Siqueira
    - 27/04/2015 - 10:47

    Já desisti de falar para as pessoas que conheço que a informação mais segura é obtida nos jornais tradicionais, os quais mesmo assim estão sujeitos a erros. Certa vez ouvi de uma pessoa com nível superior que eu ler tantos livros não servia para nada, tendo em vista que era possível obter informações bem mais úteis e de "qualidade"na Internet, incluindo o Facebook. Sendo que essa pessoa acredita em 95% de tudo o que lê na rede, até mesmo blogs que são notoriamente manipulados por empresas e partidos políticos. Lamentável a situação da cultura e do conhecimento no Brasil.

    Responder
  • Andrei
    - 27/04/2015 - 10:46

    Caso tenha interesse, dados oficiais da Anatel em relação a prestação de serviços de telecomunicações, bem como quantidade de usuários e acessos podem ser verificadas nesse link: http://www.anatel.gov.br/dados/

    Responder
  • André Pontes
    - 27/04/2015 - 10:44

    Barça, parabéns pela aula de como fazer jornalismo. Você tem curso superior de jornalismo? Essa informação não tem no seu perfil. Essa questão do post de hoje puxa outra: a atividade de jornalista está aberta a qualquer um (e assim deve ser!!!). Porém, diversos blogueiros não observam regras mínimas do exercício da atividade, como a checagem das fontes. O pior é que alguns deles realmente se tornaram "formadores de opinião", por assim dizer. Por essas e outras que ainda pago a assinatura de um jornal "de verdade". Isso me poupa um pouco o trabalho de separar o joio do trigo. PS: captcha de hoje: "cobras porno". hahahahaha me lembrou o Veríssimo.

    Responder
  • Jean
    - 27/04/2015 - 10:31

    "As pessoas reclamam da qualidade do jornalismo brasileiro, e com razão. Mas e a qualidade dos leitores?" Concordo. Você, que há anos publica textos, já deve estar cansado de responder ou aturar comentários de pessoas que só leram o título. Além da preguiça, me assombra a facilidade que as pessoas têm em acreditar tudo o que é postado no facebook, como se aquilo fosse a enciclopédia, sem nem checar a veracidade da fonte ou consultar outro lugar. Não teve aquela história da cobra que apareceu numa unidade (Jundiaí) da mais famosa rede de lanchonetes? O que eu conheço de gente que replicou aquilo... Puxa, a quantidade de fontes de pesquisa hoje é tão grande e me assombra também algumas bolas foras vinda da imprensa, como exemplos recentes: nesse fim de semana li e ouvi que em 1959 o Santos de Pelé enfrentou o Palmeiras de Ademir Da Guia (o Ademir nem estava no Palmeiras nessa época) e mês passado li em mais de um lugar que o Kasabian nunca tinha se apresentado em SP (já em 2007).

    Responder
1 2 3 4 5 6