“All That Jazz” é obra-prima de Bob Fosse

O horário é péssimo, mas, acredite, o esforço valerá a pena. A HBO Plus exibe na madrugada de sábado, às 4h30 (veja outros horários aqui) o filme “All That Jazz” (1979), de Bob Fosse. É uma chance rara de ver um dos melhores filmes dos anos 70 e lembrar a genialidade de um cineasta de que pouco se fala hoje em dia.

Fosse (1927-1987) foi coreógrafo, dançarino, ator e roteirista. Dirigiu cinco filmes, sendo que pelo menos quatro são extraordinários: “Cabaret” (1972), “Lenny” (1974), “All That Jazz” (1979) e “Star 80” (1983). “Lenny” é um de meus filmes prediletos, e escrevi aqui no blog sobre “Star 80” (leia aqui).

“All That Jazz” é uma história autobiográfica sobre a vida de Fosse enquanto editava “Lenny” e, simultaneamente, montava a produção do musical “Chicago” na Broadway. Roy Scheider (“Tubarão”) interpreta Joe Gideon, alter ego de Fosse, um coreógrafo e cineasta viciado em fama, mulheres, sexo e drogas.

Como a maioria dos filmes de Fosse, a trama intercala temas como a busca pela fama, a vacuidade de Hollywood e o culto a celebridades a sequências oníricas de puro surrealismo e inventividade, sempre coreografadas com maestria.

A primeira sequência do filme é primorosa, quase oito minutos sem diálogos mostrando o processo de seleção de dançarinos para um musical. A montagem (de Alan Heim, parceiro habitual de Fosse) e a maneira como Fosse usa o som e coreografa suas cenas deveriam ser estudados em escolas de cinema.

Em “All That Jazz”, Fosse lida com a própria mortalidade e, de certa forma, antecipa o que iria acontecer com ele oito anos depois, quando morreria de um enfarte fulminante, aos 60 anos.

O filme marcou muita gente. Stanley Kubrick chegou a dizer que era um dos melhores filmes que havia visto. No documentário “A Personal Journey Through American Movies” (1995), Martin Scorsese destacava “All That Jazz” (veja a partir de 13m25s)

E aqui, um depoimento de Fosse, incluído nos extras de “All That Jazz” lançado pela Criterion:

Um maravilhoso fim de semana a todos.

35 Comentários

"“All That Jazz” é obra-prima de Bob Fosse"

4 de March de 2016 às 07:05 - Postado por André Barcinski

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Walter carrilho
    - 07/03/2016 - 18:42

    Que legal ver vc falando do filme. É um filme que adoro e é muito subestimado. Tem gente que acha que é um musical comum. Agora fica o exercício de comparar dois filmes que falam sobre showbizz: essa obra prima e o Birdman, com toda aquela pretensão! Que tal? kkkk Outra coisa: os anos 70 em geral são muito subestimados em relação a cinema por muita gente, né?Quanto filme sensacional na quela década!

    Responder
  • Tamir
    - 06/03/2016 - 01:31

    OT. André sobre aquele jornalista gringo que vc mencionou em um dos seus posts da semana que está acompanhando a turnê sul-americana dos Rolling Stones, o próprio Mick Jagger declarou, em uma exclusiva para a Luciana Gimenez (vantagens de ter tido um filho com o homem!! hehehe!), tudo aquilo que esse jornalista constatou nos shows do Brasil em comparação com o público da Argentina. O público está mais preocupado em fotografar os shows, ou provar que esteve nestes eventos, do que curti-los. Aqui está, da boca do próprio Mick: http://vejasp.abril.com.br/blogs/pop/2016/03/03/mick-jagger-luciana-gimenez-superpop/

    Responder
  • Leonardo
    - 05/03/2016 - 21:30

    Roy Scheider era um ótimo ator. .Acho que não teve o merecido reconhecimento em vida..Muita gente acha que ele só fez TUBARAO

    Responder
  • Paulo
    - 05/03/2016 - 20:50

    Que maravilha você lembrar desse filme! Devo ter visto mais de dez vezes. Joe Giddeon é um personagem maravilhoso e Fosse foi um gênio.

    Responder
  • Willian Oliveira
    - 05/03/2016 - 01:06

    Pô André, pode parecer até exagero meu ou leitura simplista demais, mas adoro o trabalho do Bob Fosse me marcou muito e acho que a linha entre criatividade e decadência andam simplesmente lado à lado no trabalho dele.

    Responder
  • Celso
    - 04/03/2016 - 21:06

    André já ouviu falar de um crítico chamado robert christgau? Conheci a pouco, um chato de galocha. Abraços.

    Responder
  • Hernandez Martinez
    - 04/03/2016 - 16:15

    Já leu o espetacular "Um filme é para sempre" de Ruy Castro? Há um belo capítulo dedicado a Fosse.

    Responder
  • Bruno
    - 04/03/2016 - 16:12

    André, sei que não é sua tarefa, escrever sobre esse bando de vagabundo que vive as nossas custas pendurado no governo. Mas, já que o dia hoje foi no mínimo, inédito, selecionei algumas manchetes pra mostrar que chegamos ao fundo do poço como país: "Em depoimento, Lula se irritou com pergunta sobre pedalinhos", "Dilma telefona para Lula e manifesta solidariedade após ação da PF", ""Fim de um mito": imprensa internacional destaca Lula como alvo da PF", "Maduro mostra solidariedade com Lula por "ataque miserável", entre outras.

    Responder
  • Regis Martins
    - 04/03/2016 - 15:25

    Barcinski, Bob Fosse era um felliniano assumido. Fez uma versão de 'Noites de Cabiria' com Shirley Mclaine (Charity, My Love) e para mim, 'All that Jazz' tem nítidas influências de 'Oito e Meio'.

    Responder
  • Marcelo
    - 04/03/2016 - 14:33

    Seguindo a indicação do Barcinsky, assisti Lenny. ESPETACULAR. Além de muito bem dirigido e da grande atuação do Hoffman, se trata de grande aula sobre a importância da liberdade de expressão.

    Responder
1 2 3