Feliz aniversário, Bebê-Diabo!

bebediabo3 Feliz aniversário, Bebê Diabo!Se você esbarrar na rua com um sujeito peludo, ostentando um par de chifres e um rabo pontiagudo, pode parebenizá-lo: o Bebê-Diabo acaba de fazer 40 anos.

A estranha criatura nasceu num domingo, 11 de maio de 1975, na primeira página do jornal “Notícias Populares”.

O dia anterior fora um sabadão tranquilo, daqueles em que até os criminosos pareciam ter tirado folga. Não havia um crime sequer para apimentar o noticiário.

Sem assunto palpitante para manchetar, o então secretário de redação, José Luiz Proença, que comandava o jornal no dia de folga do editor, Ebrahim Ramadan, decidiu dar uma boa chamada para um caso curioso: num hospital do ABC, nascera uma criança com duas saliências na cabeça. O “NP” publicou: “Nasceu o Diabo em São Paulo”.

A reportagem parecia o roteiro de “O Exorcista”: depois de descrever o petiz como “uma criatura com o corpo totalmente cheio de pelos, dois chifres pontiagudos na cabeça e um rabo de aproximadamente cinco centímetros, além do olhar feroz, que causa medo e arrepios”, o texto relatava o dia em que o tinhosinho, furibundo com uma enfermeira que teria deixado entrar a luz do sol no berçário, ameaçara o staff: “Fechem as janelas ou mato a todos!”.

No domingo, poucas horas depois de o jornal chegar às bancas, Proença recebeu um telefonema do departamento de circulação: a edição estava esgotada. O Bebê-Diabo tinha se espalhado como uma praga pela cidade.

Foi o suficiente para o “NP” continuar a história na segunda-feira (“Bebê-Diabo Desaparece”), terça (“Feiticeiro Irá ao ABC Expulsar o Bebê-Diabo”) e quarta (“Bebê-Diabo do ABC pesa 5 Quilos”). A circulação subiu tanto que o “NP” deu 27 manchetes para o filho do capeta.

 Feliz aniversário, Bebê Diabo!

A saga incluiu um taxista que dizia ter levado o Bebê-Diabo para um rolê no centro da cidade, moradores de um bairro do ABC que descreveram o diabinho pulando pelos telhados das casas, e até o suposto “pai” da criaturinha, um fazendeiro que, dizia a reportagem, “tem dois chifres e não tira o chapéu”.

Zé do Caixão, que dois anos antes ajudara o “NP” a expulsar o Vampiro de Osasco, um monstro que aterrorizara os moradores de Osasco ao chupar o sangue de vários cachorros, foi convocado para caçar o Bebê-Diabo na Bahia, onde o monstrinho fora visto, e mandou dois assistentes, Satã e Marcelo Motta, atrás do maldito (curiosamente, Satã foi visto andando com Zé do Caixão pelas ruas do Ipiranga quando deveria estar em terras baianas caçando o capetinha).

Assim como nasceu, o Bebê-Diabo morreu, sem choro nem vela. A explicação, na redação do “NP”, foi a falta de interesse do público, que cansara de acompanhar a trama. Mas não importava: a criaturinha já tinha cumprido sua missão na Terra, que era a de fincar seus caninos na história do imaginário popular e das lendas urbanas brasileiras, assim como o Chupacabras, o Homem-Mãe, e a mais famosa aberração de todas, a Loira-Fantasma, uma lenda do século 19 que fora ressuscitada no fim dos anos 1950 pelo jornalista Orlando Criscuolo, do "Diário da Noite".

O “NP” ainda tentaria faturar em cima de outros petizes amaldiçoados, como o “Bebê-Peixe” e o “Bebê Atômico”, mas nenhum deles chegou ao rabo pontiagudo do Bebê-Diabo. Vida longa ao senhorzinho das trevas.

90 Comentários

"Feliz aniversário, Bebê-Diabo!"

24 de June de 2015 às 07:05 - Postado por André Barcinski

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Fábio
    - 01/08/2015 - 03:09

    A finada revista General, comandada pelo Forasta e o Rogério de Campos, fez matéria com o Bebê-Diabo e a Loira-Fantasma.

    Responder
  • Ivancildo
    - 26/06/2015 - 16:23

    André, O desenho do carrinho do Bebê-Diabo, foi "chupado" do "Bebê de Rosemary", não foi?

    Responder
  • José Eduardo
    - 25/06/2015 - 13:45

    Olá André Vc sabe dizer se o grupo folha irá digitalizar todas as edições do Diário Popular e disponibilizar aos leitores? Uma vez li que iria acontecer isso mas até agora.... Mesmo que tivesso acesso pago seria um acervo histórico disponível,como a Folha de SP,que já tem seu acervo digitalizado. A propósito com a falência da Editora Bloch,será que haveria algum impedimento legal para alguma "boa alma" digitalizar e disponibilizar o acervo da revista Manchete?

    Responder
  • Bode Velho
    - 25/06/2015 - 08:56

    Barça, sou jornalista e sempre admirei jornais populares. Inclusive meu trabalho final na UnB foi a produção de um jornal popular. Mas eu pergunto: qual sua opinião sobre essa fase do NP em que matérias eram inventadas? As histórias podem ser ótimas, mas é um recurso deveras antiético, não? Caberiam num jornal estilo "Pasquim" e "Planeta Diário", mas não em um jornal, que deve apenas relatar fatos verdadeiros. PS: Nunca esqueço de uma manchete do NP sobre um homicídio em que a cabeça do morto foi encontrada decepada bem longe do resto do corpo ("A ocorrência foi registrada em duas delegacias")!!

    Responder
  • Ado Silva
    - 25/06/2015 - 01:44

    Seria possível imaginar como seria o NP nos dias de hoje com a ditadura do politcamente correto e essa onda ultraconservadora que o país atravessa?

    Responder
  • Pedro
    - 25/06/2015 - 00:16

    André,vc soube da atitude do senador Romário,manifestando que irá votar contra a MP do futebol porque a mesma não tem um artigo que denuncie a CBF ? É como disse o Juca Kfouri, Romário nunca deixou de ser oportunista

    Responder
  • Tr00retto
    - 24/06/2015 - 22:20

    Outra boa que o NP ajudou a propagar foi a da Gangue do Palhaço que roubava orgãos de crianças em São Paulo. A princípio, o palhaço tinha a ajuda de uma loira fantasiada de bailarina, que atraíam as crianças para uma Kombi.

    Responder
  • Lincoln
    - 24/06/2015 - 21:18

    Ta faltando mais NPs por ai..... o politicamente correto está deixando nosso País chato demais.....eu me lembro que eu e alguns colegas da escola sempre paravamos numa banca no trageto da escola para folhear o NP.....principalmente a gostosona que saia no jornal

    Responder
  • Tamir
    - 24/06/2015 - 20:57

    Off topic: Vc publicou recentemente aquela matéria que a The Quietus tinha feito com o Mark Arm sobre os discos favoritos dele. Agora a mesma publicação trás essa interessante matéria com o Mudhoney: http://thequietus.com/articles/18169-mudhoney-live-interview

    Responder
  • DODO
    - 24/06/2015 - 20:00

    Alguem pode me explicar porque o NP acabou? Era o unico jornal que eu lia.

    Responder
1 2 3 4 5