Já viu “Making a Murderer”?


O Netflix está exibindo, desde o fim de 2015, a série documental “Making a Murderer”. Assisti no fim do ano e a história acabou com os festejos natalinos e de Réveillon aqui em casa. Poucas vezes vi uma coisa tão triste e arrasadora.

Dirigida por Moira Demos e Laura Ricciardi, a série tem dez episódios e acompanha, durante cerca de dez anos, a vida de Steven Avery, morador do condado de Manitowoc, no estado de Wisconsin, norte dos Estados Unidos. Em 1985, Avery foi preso pelo estupro de uma mulher e passou 18 anos na cadeia, até ser libertado depois que testes de DNA provaram sua inocência.

O filme mostra como a polícia de Manitowoc colaborou decisivamente para a condenação de Avery, seja por falhas gritantes na investigação ou por não divulgar informações que poderiam provar sua inocência.

Mas a história não termina ali. Pouco depois de ser libertado e processar o condado de Manitowoc pelos 18 anos que passou na cadeia, Avery foi preso novamente, dessa vez acusado do assassinato de uma fotógrafa. Novamente, a polícia local pareceu ter agido com má-fé e feito de tudo para condená-lo.

A série acompanha em detalhes as investigações desse crime e levanta suspeitas terríveis contra a polícia, incluindo a de forjar provas e arrancar confissões de menores de idade com evidentes problemas mentais.

Os personagens parecem saídos da imaginação bizarra dos Irmãos Coen. Para começar, há Steven Avery e sua família, donos de um imenso ferro-velho de automóveis. Os Avery são considerados a escória da comunidade e unanimemente odiados por vizinhos. Steven é um sujeito simplório, dotado de um QI baixíssimo e que não parece ter noção da gravidade das acusações contra ele. Mas é um verdadeiro gênio se comparado ao sobrinho adolescente, Brendan, que é preso como cúmplice, mas só está preocupado em assistir a programas de luta-livre na TV.

Os policiais são igualmente estranhos, uma galeria medonha de psicopatas que parecem viver no tempo do faroeste (um deles, chefe da polícia local, diz a uma repórter de TV que teria sido mais fácil matar Steven Avery do que forjar provas contra ele). O promotor do caso diz aos jurados: “E daí se a polícia plantou provas contra Avery? Ele é culpado!”. A coisa toda parece um pesadelo.

“Making a Murderer” funciona como relato jornalístico de um caso intrigante, como desfile de personagens incríveis e como denúncia de um sistema judicial completamente falho e injusto. A série é viciante.

82 Comentários

"Já viu “Making a Murderer”?"

14 de January de 2016 às 07:05 - Postado por André Barcinski

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Breno
    - 14/01/2016 - 11:17

    Péssima época do ano pra ter 69/70 anos, não é? Todo mundo morrendo.

    Responder
  • Fábio Camargo
    - 14/01/2016 - 10:58

    Eu vi essa série em 3 dias e foi uma experiência pré-natalina bem punk. Houve até uma manifestação da Casa Branca sobre o caso. Inacreditável o que aconteceu com esse cara!

    Responder
  • Igor Sousa
    - 14/01/2016 - 10:30

    Investigações e julgamentos falhos de acusações capitais é um dos sub-gêneros mais prolixos e impactantes do documentário e que, provavelmente, nunca cessará de material para novos filmes. Paradise Lost, Linha Tênue da Morte, este Making a Murderer, sei que tem um filme do Herzog sobre isto também.

    Responder
  • Marcel de Souza
    - 14/01/2016 - 09:52

    Tem coisas muito bizarras nos Estados Unidos. Esses caras esquisitões do interior, parece coisa de filme de terror ou western mesmo.

    Responder
  • Fred
    - 14/01/2016 - 09:47

    Nossa que bizarrice, por aqui deve ter bastante casos desse hein, nossa justiça tarda e falha.

    Responder
  • Alex
    - 14/01/2016 - 09:40

    Valeu pela dica. Não vou perder este documentário por nada. O.T.: André, já viu o novo do Tarantino, "Os Oito Odiados"? Foi o filme que ele deveria ter feito em "Django Livre", só que a aqui não tem heróis, só crápulas da pior espécie. O final apocalíptico-melancolico te faz sair do cinema numa desesperança devastadora. E de brinde, ainda tem o gênio Enio Morricone com uma trilha sonora desde já, épica.

    Responder
  • Dhiancarlo Miranda
    - 14/01/2016 - 09:40

    Só vi o primeiro capítulo e já fiquei malzão. Off Topic: Assisti ao Spotilight ontem e gostei bastante. O filme não é perfeito (há inúmeras falhas de continuação e edição), mas o elenco é bom e a história é muito interessante. O fato de mostrarem o trabalho de coleta de dados e investigação de uma redação de jornal também deve fazer você se interessar.

    Responder
  • Paulo R. Siqueira
    - 14/01/2016 - 09:31

    Agora assista uma série de ficção que vai alegrar seu dia, Ash Vs Evil Dead. Uma das mais engraçadas que já vi. São dez episódios de cerca de meia hora. A trilha sonora também é ótima, tem até Stooges.

    Responder
  • Jonas
    - 14/01/2016 - 09:27

    André, desculpe o off-topic, mas você já escreveu algum texto sobre o King Crimson? Abraços

    Responder
  • leon
    - 14/01/2016 - 07:39

    A série tá dando muita discussão, falam em reabertura do caso e pedidos de perdão

    Responder
1 2 3 4 5