O Antilollapalooza

Há alguns dias, o leitor Murilo Neuman me escreveu, relatando sua experiência no festival de música Pira Rural, no interior do Rio Grande do Sul.

Murilo disse que não tinha nenhuma ligação com o evento ou com as bandas, era apenas um frequentador do festival, e elogiou demais o evento. Achei o tema muito interessante, até por se tratar de um festival totalmente alternativo e independente, completamente fora do circuito "mainstream", e pedi ao Murilo que ampliasse o texto para publicá-lo aqui no blog.

O resultado é um texto informativo e bacana sobre um festival que, tenho certeza, a grande maioria dos leitores desconhece. Eu, por exemplo, nunca tinha ouvido falar do Pira Rural. Lendo a descrição, fiquei com vontade de ir.

É muito legal saber que existem iniciativas como esta, que fogem do corporativismo e beija-mão estatal de muitos eventos musicais “alternativos” no Brasil. As fotos são de Cleo Henn, Stéphanie Chauvin, Cristofer Dalla Lana e Jéssica Martini.

PIRA RURAL – por Murilo Neuman

No final de semana de Páscoa rolou a sexta edição do festival Pira Rural, na cidade de Ibarama, interior do Rio Grande do Sul. É um festival que procura promover as artes, especialmente a música, sem fins lucrativos, e organizado de forma independente, por um grupo de pessoas da região. Eu não faço parte da organização ou de nenhuma banda, e o meu único envolvimento com o festival é de frequentador.

Para entender o Pira Rural, é preciso localizá-lo. Ocorre em uma chácara, um local com duas cachoeiras, bastante mato e com um espaço perfeito para que haja uma forte interação entre o público, bandas e organizadores. O lugar é lindo, coloca as pessoas em contato direto com a natureza e acaba sendo um dos pontos-chave da festa. Acredito que, se não fosse ali, o festival não teria nem de perto o mesmo clima de união e amizade que tem.

1 11102741 977220185635947 5657427017365965877 n O Antilollapalooza

Como o local tem uma capacidade limitada, e é preciso não lotá-lo tanto pela preservação do espaço, quanto pela comodidade dos frequentadores, estimo que havia cerca de 600 pessoas presentes. Isso torna a experiência muito agradável, pois a todo momento as mesmas pessoas estão se cruzando, os mesmos vizinhos de barraca estão dividindo espaço contigo e isso cria um clima de empatia, aproxima muito as pessoas, criando diversas amizades e dando acesso fácil dos frequentadores com as bandas e organização.

Um segundo ponto a ser destacado é o zelo que a organização do festival tem com quem está lá. Eles fazem de tudo para agradar, facilitar, ajudar e alegrar o pessoal. Os serviços de alimentação e bebidas não podiam ser melhores. Toda refeição preparada vem de matérias-primas da agricultura local, tudo orgânico e delicioso.

10 Cristopher 4 200x300 O Antilollapalooza

Como é liberada a entrada de alimentos, eu e meus amigos fizemos churrasco no almoço de chegada, na sexta-feira, na beira de um riacho. Não se pode esquecer o delicioso pão com molho que é preparado exaustivamente na festa e é fantástico, sem falar no pinhão, milho verde, sanduíche natural, torresmo, caldos de batata e de feijão, e por aí vai.

As bebidas oferecidas também são de produtores da região, com opções de vinho, destilados, sucos naturais, chopp artesanal e cerveja artesanal.

Agora, a questão das bandas. É impressionante a cena musical que se criou no underground autoral. Eu posso falar apenas do Rio Grande do Sul, não sei como funciona em outros estados. De uns quatro anos pra cá, vem surgindo uma leva gigantesca de bandas com som autoral e nada comercial. A seleção de bandas este ano foi a melhor que já vi ali. Na sexta-feira, quem abriu os trabalho foi o Davi Henn, com um show na frente da cascata. Ele toca sozinho, um homem-banda, fazendo a percussão com os pés, e nas mãos o violão. Depois foi a vez da banda da casa, a Xispa Divina, tocar o seu rock rural. A coisa ficou quente mesmo com o show da banda Scarlet, de Santa Catarina. Todo mundo ficou abismado com o rock and roll enérgico, cheio de jams e passagens inesperadas que os caras fizeram. No fim da noite, foi a vez da Célula Soul, um duo de Pelotas, tocar o terror no palco. Nunca vi um baterista bater tão forte que nem aquele. Pra encerrar a noite, a Trabalhos Manuais Espaciais, banda instrumental de Porto Alegre, colocou todo mundo pra dançar com sua mistura de funk, ritmos africanos e brasileiros. Foi sensacional.

15 stephanie 1 300x200 O Antilollapalooza

No sábado, o palco abriu cedo, às 13h, com os Cânticos Espacias de Marcos Trubian; apenas ele e uma guitarra no palco, gravando loops em cima de loops e transformando a única guitarra em até 5 ou 6. A tarde inteira foi de música boa (aliás, a pessoa pode até não simpatizar com o estilo de uma banda ou outra, mas é impossível falar que uma banda foi ruim), mas o negócio foi espetacular a partir do show da banda Rutera, de Caxias do Sul, que, como eles mesmo descrevem, fazem um reggae montanhês. Foi diferente de qualquer reggae que já escutei, era psicodélico, tinha uma mensagem muito bonita nas letras e a banda era afiadíssima.

Em seguida, foi a vez da Quarto Sensorial, trio instrumental de Porto Alegre, tocar o seu rock progressivo e dar um nó na cabeça da galera. Depois, os paulistas d'O Centro da Terra subiram ao palco; esse era um dos shows mais aguardados, porque é simplesmente hipnotizante vê-los ao vivo. É um trio com muita influência de Jimi Hendrix, que destrói no palco; parece que é a última vez que eles vão tocar na vida, de tanta gana e vontade que eles fazem aquilo. O tempo todo a coisa é fundamentada em improvisos absurdos, que não se sabe de onde saem e funcionam como se fossem ensaiados à exaustão. Como eles dizem em uma música, foi um verdadeiro Ritual Elétrico.

4 cleo 3 O Antilollapalooza

Depois foi a vez da Quarto Astral, primeira banda nordestina a tocar no Pira. Eu, particularmente, estava muito ansioso para esse show. O último álbum lançado por eles, “Quarto Astral na Quinta Dimensão”, é fantástico e eu queria muito ver tudo aquilo ao vivo. Foi emocionante demais. Pra fechar a noite, subiu ao palco a banda Rinoceronte, mas eu não consegui manter as energias e apenas escutei o show da barraca.

No domingo rolou o “Palco Livre”, onde quem quisesse, subia e tocava. Eu não pude ver até o fim, pois tive que ir embora, mas o que pude ver foi demais. Os integrantes das bandas se misturando e improvisando, longas jams que iam se transformando, e o baile seguindo num fluxo muito agradável.

Enquanto não tem nenhuma banda no palco, rola o som mecânico com a Rádio Camarim. Só toca coisa boa e da pra conhecer muita coisa nova. Em que outro lugar eu escutaria Herbie Hancock no meio da madrugada? Os caras sabem bem o que tão fazendo.

13 Cristopher 7 200x300 O Antilollapalooza

Durante o sábado e o domingo choveu o tempo inteiro, molhou tudo, mas era tanta alegria que não existia como reclamar; estávamos no meio da natureza, a chuva faz parte da natureza e estava em seu lugar.

Mas o mais bonito do Pira Rural são as pessoas. É uma sensação um tanto inexplicável estar lá. Você conhece 5% dos rostos e parece que conhece todo mundo. Todos se ajudam, todos apoiam, todos riem juntos. Tem crianças, cachorros, todos em perfeita harmonia e sabendo que estão desfrutando de duas das coisas mais lindas que existem, a música e a harmonia entre seres humanos.

Desejo vida longa ao Pira Rural e que logo chegue o próximo. Afinal, a frase que mais se ouvia por lá era: "eu não quero ir embora nunca mais". Infelizmente tivemos que ir, mas com uma consciência renovada e um gás extra pra passar todos os outros dias do ano em tranquilidade, por saber que ainda existem lugares como aquele.

106 Comentários

"O Antilollapalooza"

17 de April de 2015 às 07:05 - Postado por André Barcinski

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • André Micheloto
    - 23/04/2015 - 20:41

    André, um festival também com moldes em comum com o "Pira" (inclusive datas) é o Aldeia Rock Festival em Aldeia Velha no estado do Rio. Rolou a 13ª edição esse ano e parece bem interessante. Um abraço!

    Responder
  • Rodrigo Juste Duarte
    - 23/04/2015 - 15:31

    Esse Pira Rural segue a mesma linha do curitibano Psicodália em seus primeiros anos. Aliás, minto: a produção é feita em Curitiba mas o festival tem sido realizado numa fazenda em Santa Catarina (já passou por outras cidades antes). Bacana é que o Psicodália começou apenas reunindo o pouco público apreciador de rock psicodélico e 70's que havia nas redondezas, mas esse público cresceu bastante, e provavelmente foi por causa do festival. Nunca trabalhei nem toquei nele (até porque nunca tive banda), mas na última edição em que fui, no réveillon 2009-2010, tinha pra lá de 3 mil ou 4 mil pessoas. O mais bacana é que assim o evento pôde trazer artistas grandes. Naquele evento de ano novo tocou Mutantes. Não fui nas edições posteriores, mas pelo que li nos jornais locais, vieram gente como Jards Macalé, Baby do Brasil, Tom Zé, Paulinho Boca de Cantor, Ian Anderson (do Jethro Tull), o vocalista do Joelho de Porco, Ave Sangria, Alceu Valença, A Bolha, Arnaldo Baptista, Júpiter Maçã, entre outros. Torço para que o Pira Rural cresça tanto quanto.

    Responder
  • Cap Troz
    - 22/04/2015 - 17:19

    Tem o Psicodália também, quase na mesma vibe, que rola em Santa Catarina no Carnaval. Esse ano teve Ian Anderson, Arnaldo Baptista, Jards Macalé,Baby do Brasil e umas 30 bandas independentes. Muito melhor que o Lolla.

    Responder
  • Renzo
    - 21/04/2015 - 12:37

    Bacana demais esse texto. Deu uma baita vontade de ir. Inclusive entrei no site no evento, onde há links para soundcloud dos artistas, tudo muito legal.

    Responder
  • Lucas
    - 19/04/2015 - 12:14

    Barça, aguardo um comentário seu sobre o "Caderno de Teses" do PT, 2015, congresso a ser realizado em junho em Salvador. https://www.facebook.com/Fabio.Oliveira.NaoClick/videos/421504608032552/?pnref=story

    Responder
  • Aline Gallo
    - 18/04/2015 - 22:12

    O Pira é o Festival mais bonito e aconchegante que já fui! o pessoal que organiza é tudo gente boa, e isso tudo ressoa no ambiente super familiar ali. e família é o que acaba ficando por ali, porque quando acaba o festivas, (quase) todo mundo ja se viu, trocou uma ideia ou um sorriso. A música sempre é sensacional. Vou há uns 5 anos eu acho, e não espero perder nenhum próximo.

    Responder
  • ricardo t
    - 18/04/2015 - 20:33

    Oi Andre, Off. Acho que vc com certeza conhece, mas queria comentar desses 20 minutos do Ministry, acho impressionante demais, La na Bridge School, la para 1994, la vai tempo hein.Ab. https://www.youtube.com/watch?v=JTfKW_FRemo

    Responder
  • Tinho
    - 18/04/2015 - 18:58

    Interessante...mas deve ser chato pacas. rs

    Responder
  • Banana Joe
    - 18/04/2015 - 10:10

    Acho muito bacana esse tipo de evento. Legal mesmo. Mas para produções maiores e de bandas mais famosas não tem mais como manter esse clima "paz e amor". Não dá pra fugir das grandes estruturas e eventos mainstream tipo Lolla ou RIR. Infelizmente.

    Responder
  • Willian
    - 18/04/2015 - 04:39

    Obrigado André, pela iniciativa de postar o texto no seu blog, e parabéns Murilo depois que a gente termina de ler o texto da vontade de participar de um evento tão sóbrio como esse !!!!

    Responder
1 2 3 4 5