“Oito Odiados”: Tarantino fala muito


Quentin Tarantino sempre disse que sua principal inspiração na criação de diálogos foi Elmore Leonard (1925-2013), o cultuado escritor de romances policiais (o terceiro filme de Tarantino, “Jackie Brown”, foi adaptado do livro “Rum Punch”, de Leonard).

Como grande fã de Leonard, Tarantino certamente sabe que o escritor fez uma lista de dez regras para escrever bem (leia aqui). A décima regra de Leonard é das mais importantes: “Tente deixar de fora a parte que os leitores tendem a pular”. Infelizmente, Tarantino não tem obedecido a essa regra de Leonard. E “Os Oito Odiados” é a maior prova.

O filme tem quase três horas de duração, e pelo menos uma hora é dedicada a um blablablá sem fim e sem importância. A primeira metade do filme beira o insuportável. Pouco acontece, e esse pouco vem soterrado em diálogos intermináveis. Tarantino sabe escrever diálogos como poucos, mas parece tão confiante em seus superpoderes de criação que se deixa levar pelo exagero.

“Os Oito Odiados” tem dois cenários: as montanhas geladas do Wyoming e o interior de uma estalagem, onde chega uma carruagem com dois caçadores de recompensas (Kurt Russell e Samuel L. Jackson), uma criminosa (Jennifer Jason Leigh) que o personagem de Russell está levando para uma cidade para ser enforcada, e o novo xerife da cidade (Walton Goggins).

Na estalagem, o grupo encontra alguns personagens – um inglês (Tim Roth), um mexicano (Demian Bichir), um velho soldado (Bruce Dern) e um caubói quieto e misterioso (Michael Madsen). Fica o mistério: essas pessoas são quem dizer ser, ou bandidos que tentarão salvar a criminosa?

É uma premissa interessante, embora a ideia de confinar personagens em lugares pequenos não seja nada nova. Mas estender isso quase três horas?

Tarantino é um cineasta de estilo tão particular e marcante que consegue transformar qualquer lugar, seja a Europa da Segunda Guerra (“Bastardos Inglórios”), o sul escravocrata dos EUA (“Django Livre”) ou as montanhas de Wyoming em cenários que parecem fábulas. Basicamente, ele faz o mesmo filme em qualquer lugar, tempo e circunstância. Suas imagens são irreais e lúdicas, e a maneira peculiar como encena diálogos e confrontos entre os personagens dá aos filmes um tom vagamente surrealista. Nada ali parece real, mas um universo tarantinesco próprio, amplificado, em “Os Oito Odiados”, pela fantasmagórica trilha de Ennio Morricone.

Quando a história é boa, como em “Bastardos Inglórios”, os longos diálogos não atrapalham, mas impulsionam a trama. Já em “Django Livre”, “Os Oito Odiados” e, principalmente, “Prova de Morte”, a falação mais atravanca do que ajuda. Os diálogos são sempre espertos e bem feitos, mas acabam entediando o espectador, que fica à espera que algo de interessante aconteça.

Em “Os Oito Odiados”, isso é exacerbado pelo confinamento dos personagens e a fraqueza da trama. Todo mundo sabe como o filme vai terminar, e as surpresas da história, convenhamos, não são tão surpreendentes assim. Se Tarantino tivesse seguido o conselho de seu mestre Leonard e extirpado as partes que o público tende a pular, suspeito que “Oito Odiados” teria uns 80 minutos de duração. O que o tornaria um filme muito, mas muito melhor.

Um ótimo fim de semana a todos.

137 Comentários

"“Oito Odiados”: Tarantino fala muito"

22 de January de 2016 às 07:05 - Postado por André Barcinski

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Djino
    - 05/02/2016 - 02:07

    P.S: O artigo que colocou no link sobre Leonard é ruim, viu? :-) kkkk, Sorry

    Responder
  • Valdemar
    - 04/02/2016 - 21:55

    Não vi o filme ainda e nem sei se vou. Não estou muito no clima pra ver Tarantino ultimamente. Vi agora uma matéria sobre o fato de que, no set, foi destruído - aparentemente por engano - um violão da Martin que 'não tinha preço', um instrumento antigo de 1870 que havia sido alugado para a filmagem. Como músico (amador / hobbysta), fiquei um bocado chateado com isso: https://reverb.com/blog/cf-martin-responds-to-the-destruction-of-145-year-old-guitar-on-hateful-eight-set

    Responder
  • Djino
    - 03/02/2016 - 03:40

    Nada sobre o diálogo do filme com "The Birth of a Nation", "Young Mr. Linlcon" ou "Lincoln"? Nada de colocar o filme numa perspectiva histórica? Acho que perdeu algo essencial aqui...

    Responder
  • Ricardo
    - 26/01/2016 - 07:26

    ta rolando uma discussao na imdb, onde todos concordam que este filme eh copia de um episodio de the rebel. um seriado que rolou nos anos 50. http://www.imdb.com/title/tt3460252/board/thread/252479670?p=1

    Responder
  • Guto Jimenez
    - 25/01/2016 - 20:30

    Não foi só nos diálogos que Tarantino errou a mão: teve muito, mas muito mais molho de tomate espirrando do que o necessário... Pra mim, nenhuma produção do cineasta superou "Cães de Aluguel". Seria bom se ele voltasse à sua essência de sagacidade verbal e planos mais curtos nos seus últimos filmes.

    Responder
  • Tiago Nogueira
    - 25/01/2016 - 18:59

    off topic - Já viu Cartel Land? Que trabalho impressionante...e que dia vc irá aparecer no excelente programa Panelaço, do João Gordo?

    Responder
  • Ed
    - 25/01/2016 - 10:00

    Alguma coisa me diz que este filme tem alguma ligação com a peça teatral A Ratoeira.

    Responder
  • Thiago Maldonado
    - 24/01/2016 - 21:45

    eu tenho achado q com o tempo o Tarantino perdeu a mao. Gosto demais dos primeiros filmes, Caes, Pulp, Kill Bill (principalmente a primeira parte). O Bastardos ja achei mais ou menos.. mas ainda um bom filme... ja esse Django nao gostei. Porem, por incrivel q pareça, vejo q sou um dos poucos q gosta (muito) do A Prova de Morte rs

    Responder
  • Giulliano Roman
    - 24/01/2016 - 21:03

    Pra mim, o cinema do Tarantino acabou com Jackie Brown. Ainda que eu tenha gostado da primeira parte de Kill Bill, já era um filme auto referente - e daí pra frente, foi ladeira abaixo, quase como se o diretor dissesse, ao final de cada cena, "viram como eu sou foda". Não vi e nem pretendo ver "Os Oito Odiados" - o trailer já foi ruim o suficiente.

    Responder
  • Henrique.
    - 24/01/2016 - 19:27

    Off: Barça, viu que as operadoras de TV a cabo querem torpedear a Netflix? Ridículo, para dizer o mínimo http://tvefamosos.uol.com.br/noticias/ooops/2016/01/24/operadoras-perdem-quase-1-milhao-de-assinantes-e-estudam-ataque-a-netflix.htm

    Responder
1 2 3 4 5