Melhores Discos do Pop-Rock Brasileiro dos Anos 80

A pedidos, aqui vai um Top 10 dos melhores discos de pop-rock lançados no Brasil na década de 80. Meus discos prediletos, em ordem cronológica, são:

Rita Lee – Rita Lee (1980)

Se o disco de 1979, também chamado “Rita Lee”, trouxera os hits “Chega Mais”, “Doce Vampiro” e “Mania de Você”, foi o LP de 1980, com “Lança-Perfume”, “Baila Comigo” e “Caso Sério” que sacramentou Rita como nossa maior heroína pop. O produtor Guto Graça Mello há anos tentava afastar Rita da imagem de “rocker”, e conseguiu.

Ritchie – Vôo de Coração (1983)

O disco vendeu mais que Roberto Carlos e que “Thriller”, de Michael Jackson, e este sucesso todo fez muita gente torcer o nariz para Ritchie e esquecer que o LP era uma jóia tecnopop, totalmente sintonizado com a cena de Duran Duran e Human League. É precisos dar crédito a Lauro Salazar, um tecladista brasileiro que vivia na Alemanha e tinha trabalhado com Falco e Alphaville e que gravou todos os teclados de “Vôo de Coração”.

Eduardo Dusek – Cantando no Banheiro (1983)

Junto com Leo Jaime e João Penca e os Miquinhos Amestrados, Eduardo Dusek criou um estilo de rock carioca, juntando rockabilly, doo-wop, ritmos brasileiros e um humor sacana e debochado. Os shows de Dusek e João Penca eram divertidíssimos, assim como seus primeiros discos. Este, com “Rock da Cachorra”, “Cantando no Banheiro” e “Barrados no Baile”, é meu favorito.

Ratos de Porão – Crucificados pelo Sistema (1984)

Disco de estreia do Ratos e o primeiro LP de hardcore de uma banda latino-americana. São 16 faixas que duram menos de 19 minutos, incluindo clássicos do repertório da banda, como “Morrer”, “Agressão/Repressão”, “FMI” e minha favorita, “Que Vergonha!”.

Garotos Podres – Mais Podres do que Nunca (1985)

O disco que me ensinou que era possível fazer punk rock em português. Mesmo com algumas bobajadas antissemitas, era impossível não adorar os Garotos Podres quando cantavam “Vou Fazer Cocô” e “Papai Noel, Filho da Puta”.

Legião Urbana – Legião Urbana (1985)

Tudo bem, o disco inteiro é chupado de The Cure, Joy Division e New Order, mas pelo menos as referências são ótimas, assim como as letras de Renato Russo. O primeiro disco da Legião é puro pós-punk. E acredite: parecia completamente inovador em 1985 – e continua muito bom.

Ultraje a Rigor – Nós Vamos Invadir Sua Praia (1985)

Da primeira (“Nós Vamos Invadir Sua Praia”) à décima-primeira faixa (“Independente Futebol Clube”), o LP de estreia do Ultraje só tem hits radiofônicos, incluindo “Rebelde Sem Causa”, “Mim Quer Tocar”, “Marylou”, “Ciúme” e, claro, o hino “Inútil”. Fui ao show de lançamento do disco, no Canecão, e foi apoteótico.

Camisa de Vênus – Viva (1986)

Entre as bandas mais populares do rock brasileiro dos anos 80, ninguém fazia um show tão bom quanto o do Camisa. Os baianos faziam o espetáculo mais sujo, radical e tô-pouco-me-fodendo do rock brasileiro. Esse disco, gravado ao vivo em Santos, em março de 1986, é prova disso.

Patife Band – Corredor Polonês (1987)

O melhor disco do pós-punk brazuca, cortesia de Paulo Barnabé, irmão de Arrigo. Até então, a Vanguarda Paulistana tinha feito discos mais interessantes do que, propriamente, bons. “Corredor Polonês” foi o balanço perfeito de experimentalismo sonoro e acessibilidade. Que não tenha sido um sucesso só prova a pobreza de nosso público e de nossas rádios.

Ira! – Psicoacústica (1988)

Claro, gostei muito dos dois primeiros LPs do Ira! – “Mudança de Comportamento” (1985) e “Vivendo e Não Aprendendo” (1986) - mas meu predileto sempre foi “Psicoacústica”, o mais eclético e experimental da banda, quando Nasi e Edgard abraçaram o pós-punk e ampliaram os horizontes musicais do Ira!. E será que existiu, no rock nacional, uma música melhor que “Pegue Essa Arma”? Difícil.

P.S.: Estarei fora até o início da noite e impossibilitado de moderar comentários. Se o seu comentário demorar a ser publicado, peço desculpas e um pouco de paciência.

145 Comentários

"Melhores Discos do Pop-Rock Brasileiro dos Anos 80"

9 de April de 2015 às 07:05 - Postado por André Barcinski

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Paulo c p marques
    - 25/08/2015 - 22:52

    Legal o seu blog . Relembrar é viver. Me diz uma coisa . Como era o nome da banda que fez uma música satirizando o senado. Acho que a música chamava " Senado Romano"

    Responder
  • Rodrigo Lee
    - 19/08/2015 - 14:00

    Oi André. É, eu sei que listas são pessoais e sempre faltarão (ou sobrarão) discos. Mas na minha estariam: Capital Inicial - Capital Inicial, Camisa de Vênus - Batalhões de Estranhos, Os Paralamas do Sucesso - O Passo do Lui, Lulu Santos - Tempos Modernos, Ira! - Vivendo e Não Aprendendo, Inocentes - Panico em SP, Titãs - Cabeça Dinossauro, Legião Urbana - Dois, RPM - Revoluções por Minuto, Lobão - O Rock Errou.

    Responder
  • Ricardo
    - 24/04/2015 - 15:44

    Caro Andre, sua lista e muito boa, mas Patife Band e Garotos Podres, não são melhores que Uns e Outros 89, Capital Inicial e Engenheiros também de 89.

    Responder
  • Ayra
    - 23/04/2015 - 22:19

    E o RPM? Como se enquadram no cenário do rock? Qual a sua importância? Obrigada

    Responder
  • Diego
    - 23/04/2015 - 16:57

    Agora faça uma lista do pop-rock brasileiro dos anos 90, Barça!

    Responder
  • Sandro Macedo
    - 13/04/2015 - 15:19

    Muito boa a lista, e legal demais incluir o Dusek e o Ritchie, música pop muito bem feita, e o humor do Dusek era genial, nunca bobo como boa parte do rock nacional. Sobre "Pegue essa arma" tenho uma historinha, em 1997 fiz uma caranguejada lá em casa e os caras do mundo livre s/a estavam lá porque era pra eles mesmo, teve uma hora que eles tocaram várias músicas, uma delas foi "Pegue essa arma", muito legal e não acreditei quando começaram a tocar. Cantaram também, e eu junto, DeFalla, Bowie, Red Hot, Nirvana e é claro, Jorge Ben. Obs: o captcha é listas ecoe

    Responder
  • Fernando Maia
    - 12/04/2015 - 10:22

    Caraca...vendo essa lista dá vontade de chorar com a nossa música atual...as vezes me pergunto...será mera nostalgia? Nós coroas defendendo a nossa geração..rss? Enfim...o fato é que ainda ficaram fora dessa lista...Blitz, Lulu Santos, Léo Jaime, João Penca, Hojerizah, Finis Africae...Mercenárias, Fellini, Violeta de Outono...se puxar pela memória lembramos de mais bandas....vou daqui a pouco revisar minha coleção completa da Bizz em cd...rsss

    Responder
  • Renato
    - 11/04/2015 - 16:30

    Por falar em Bizz, vale a lembrança de um disco organizado pelo Alex Antunes em homenagem ao Arnaldo, "Sanguinho novo"; uma pena que não tenha uma boa edição em CD; como diria o Barcinski, é mais interessante do que bom, mas com algumas performances que considero excelentes, como Fellini (Cê tá pensando que eu sou loki?), 3 Hombres (Dia 36), Paulo Miklos (Superfície do Planeta), Maria Angélica (Te amo podes crer) e, minha favorita, Último Número (I fell in love one day).

    Responder
  • Cauê
    - 11/04/2015 - 09:14

    ENgraçado q hoje em dia já se pode falar mal de cristãos, da fé. Mas falar qlqr coisa de judeus ainda eh antisemitismo. Por que a proteção com uma das ideologias mais egoístas e separatistas q existem?

    Responder
  • Luiz Claudio de Souza
    - 10/04/2015 - 21:59

    Um disco que gosto muito e que não me canso de ouvir é o "European Tour" do Cólera. Os caras saíram do Brasil e fizeram uma turnê pelo leste europeu ainda no período da guerra fria e cantando em português. Em cada faixa se sente a energia que havia entre a banda e o público. Talvez não seja o melhor, mas está entre os melhores da década de 80 na minha opinião.

    Responder
1 2 3 4 5