Parabéns ao Ator Leonardo Villar: 90 Anos

o pagador de promessas4 Parabéns ao Ator Leonardo Villar: 90 Anos

Com Glória Menezes no filme "O Pagador de Promessas"

 

Parabéns ao Ator Leonardo Villar: 90 anos

"UM ator tem papel até o fim da vida". Esta frase de Leonartdo Villar é célebre.

Chega hoje aos 90 anos de idade.

O sucesso e o reconhecimento por seu trabalho chega para Leonardo Villar pelo seu inesquecível personagem "Zé do Burro" no filme  premiado em Cannes "O Pagador de Promessas" (1962) de Dias Gomes.

Seu temperamento reservado e tímido, nunca fez dele uma estrela, mas sempre escolheu os papéis e fez as participações que quis.

Lenardo fez mais de 70 peças teatrais, dezenas de noevlas e filmes.

Quando da morte do grande ator Sérgio Cardosos, durante as gravações da novela "O Primeiro Amor" em 1972, foi Leonardo quem o substituiu.

Lembro-me como se fose hoje: a exibição parou, todos os atores entraram   em cena , e o ator Paulo José anunciou que a partir daquele momento Leonardo Vllar sunbsituiria Cardoso no seu papel.

Em teatro tive a oportunidade de assisti-l0 em "Rasto Atrás" ; "Campeões do Mundo" e "A mOratória".

No cinema, apenas para citar alguns de seus filmes que assiti -  além do premiado "Pagador de Promessas", estão "Lampião Rei do Cangaço"; " A Hora e a Vez de Augsto Matraga"; "O Santo Milagroso" e a "Madona de cedro".

Na data de hoje Leonardo apagará 90 velinhas e envio os meus parabéns e creio qiue o de toda a nossa categoria profisisoinal a este colega que sempre honrou a nossa profissão e a criação artística.

Cleópatra , 80 Anos Desde o Primeiro Filme

cleo1 Cleópatra , 80 Anos Desde o Primeiro Filme

Taylor, mais para Lady Gaga.

 

Ah, Hollywood!!! Só mesmo Hollywood para transformar Elizabeth Taylor em Cleópátra de olhos violetas e mais parecendo Lady Gaga que a rainha do Egito há milhares de anos.

Pois fooi assim, com deslumbramento e fantasia cegando-me os ohos que assisti pela primeira vez ao filme "Cleópatra".

isso foi em 1963. Há exatos 51 anos.

Atrasos nas filmagens, cachês milionáros, desavenças entre o elenco, milhares de figurantes, Richard Burton perdendo dias de filmagem entre bebedeiras e crises existenciais. Taylor dando shows de estrelismo...tudo isto juntado numa superprodução que quase levou a Fox á falência.,

Um deslumbramento. Figurinos de fazerinveja a qualquer escola do Grupo Especial da Sapucaí.

Só Hollywood era capaz de distorcer a Hisória, os figuinos, os biotipos, a linguagem , tudo. E o fez.

Mas se vi com Elizabeth Taylor não vi o primeiro "Cleópatra".

Pensava até então eu que este filme de B. de Mille era único. Não!

Já era remake. Houve um primeiro, em 1934 com Claudette Colbert no papel título , produzido pelo próprio Cecil B. de Mille.

cleo2 Cleópatra , 80 Anos Desde o Primeiro Filme

Cartaz do prmeiro "Cleópatra"

Mas se você ainda não viu, sobretudo o segundo, vale a pena ver. É sempre um bom divertimento, guardadas e defendidas as realidades históricas.

Foram precisos ainda mais alguns anos para que o cinema italiano explorasse temas da antiguidade sem o glamour de Hollywood, trazendo para nós menos alienação e mais conteúdo.

 

Ariano Suassuna, A Pedra do Reino do Brasil

 

ARIANO DEITADO Ariano Suassuna, A Pedra do Reino do Brasil

Com a simplicidade dos sábios cochilou no chão do aeroporto de Brasília.

 

Em todo Reino há muitos heróis, e muitos vilões. Há muitos nobres, mas um só Rei.

No Reino do Brasil o Rei era Suassuna, verdadeira pedra, marco das cultura brasileira.

Rocha firme que durante décadas primou pela defesa das nossas raízes populares.

Rachel de Queiroz  assim se referiu ao romance de sua autoria "A Pedra do Reino", mas que bem serve a Ariano: "lembrança, tradição e vivência na integração do popular ao erudito, com toque pessoal de originalidade e improvisação".

Diz da "Pedra" o escritor Maximiano Campos:  "nossa epopéia áspera, sertaneja e mestiça, criada por um escritor nordestino. Uma projeção profética e simbólica do futuro no tempo do agora, a expectativa messiânica da redenção aos pobres".

Ambas definições do romance aplicam-se à personalidade de Ariano Suassuna. O Mestre que agora nos deixa.

Quem nunca assistiu, leu ou ouviu falar da obra de Ariano Suassuna  não nasceu ainda para o Brasil.

Chicó e João Grilo são plenos de brasilidade com seu humor latino, humor dos cordéis de bufoneria.

Que tristeza a morte de Suassuna. Cada brasileiro neste momento é um orfão cultural.

Foste a Pedra Filosofal do povo brasileiro  pois contigo -  através da tua alquimia, -  o simples, o humilde tornou-se ouro, e fez-te imortal.

A lucidez social de Ariano, sua linguagem , suas propostas culturais, suas posíções políticas, sua humanidade, seu bom humor, sua irreverência... (ainda outro dia deitou-se no chão do aeroporto agardando o voo) explicitam de forma clara a nossa brasilidade.

Paraibano - muitos o pensam pernambucano - propôs e criou o Movimento Armorial, uma forma de trazer para o erudito a cultura popular brasileira.

A Pátria somos todos nós, mas há homens e mulheres que pelo seu exemplo de vida nos chamam ao respeito pela formação da nossa nacionalidade.

Que zelam para que esta seja sempre uma Nação cada vez maior, mais forte, mais culta, mais respeitável, mais criativa e libertária.

Obrigado,  Ariano Suassuna.

Zelaremos pela tua memória como zelaste pela nossa cultura popular e nacional.

O Lento Suicídio do Galã Montgomery Clift

 

 

clift O Lento Suicídio do Galã Montgomery Clift

Clift como um padre em "A Tortura do Silêncio".

 

Talentoso ator, galã de Hollywood na década de 60, Montgomery Clift foi matando-se aos poucos.

Atormentado por profunda depressão, oriunda sobretudo pelo conflito da sua sexualidade.

Em 1956 , bêbado, bateu com seu carro contra um poste. Ficou meses de molho, sem trabalhar recuperando-se do acidente.

Fez atuações maravilhosas em filmes também maravilhosos: "Um Lugar ao sol; "A um Passo da Eternidade"; Os Deuses Vencidos" foram seus filmes mais importantes.

Sua revelação deu-se no faroeste "Rio Vermelho" (Red River) ao lado de John Wayne, que se sentia indignado diante da homossexualidade de Clift e mantinha-se afastado dele.

Estranhamente Jonh Wayne que era conhecido em Hollywood pela alcunha de "A Marquesa". Coisas dos "armários".

Atormentado , em uma época em que a orientação sexual era rígidamente vigiada,  o ator entreou-se á bebida e às drogas.

Hoje seria bem mais fácil, era só sair do armário.

Mas à época era o terror, ainda mais para um belo e promissor galã de Hollywood.

Foi a doença e morte de Rock Hudson pelo vírus HIV quase vonte anos depois que desfez os mitos sexuais dos galãs de Hollywood e de outra plagas.

Debilitado Montgmomery Clift faleceu em seu apartamento aos 45 anos de idade, na data de hoje no ano de 1966

Quem Disse Que Não Houve Nazifascistas no Brasil?

integralistas Quem Disse Que Não Houve Nazifascistas no Brasil?

Integralistas brasileiros fazendo a saudação nazista. Seriam os bisavós dos vândalos de hoje?

 

A gente assiste filmes de aventuras da Segunda Guerra Mundial e fica achando que os nazistas e seus colaboradores só existiam na Alemanha.

Fica achando que o mundo todo se uniu contra o Nazismo. Todos os países, todas as pessoas, em defesa da democracia e contra as bestialidades de Hitler.

Não foi bem assim.

Na Inglaterra o próprio rei Eduardo VIII era simpatizante  e favorável a uma aliança com Hitler. Os fascistas ingleses machavam fardados em passeatas sem máscaras pelas ruas de  Londres.

Eduardo VIII acabou tendo que abdicar em favor de seu irmão Alberto, que adotou o nome de Jorge VI.

Na França os colaboracionaistas criaram durante a ocupação um Governo submisso e servil comandado pelo Marechal Pétain.

Em todos os países da Europa, sobretudo  em Portugal e Espanha era grande a admiração pelo nazifascismo.

Sem contarmos a Itáia já fascista e aliada de Hitler.

A Argentina era claramente pró nazifascista.

No Brasil não foi diferente. O Ditador Getúlio Vargas namorava com a Alemanha nazista e a muito custo, sob pressão dos estudates  e das Forças Armadas,  entrou em guerra contra os alemães.

Havia aqui um líder fascista: Plínio Salgado, comandava a Ação  Integralista Brasileira . E não reunia pouca gente em torno de si, não.

Tentaram inclusive em 1937 dois golpes de Estado para implantração do fascismo no Brasil.

Eram os chamados galinhas verde porque suas camisas eram dessa cor.  Desfilavam de uniforme e seu  simbolo assemelhava-se ao do nazismo.

A saudação deles era Anauê, uma palavra indígena que significa "Eis-me aqui".

Seu líder, Plínio Salgado se elegeu e reelegeu deputado por muitas legislaturas.

Após os frustrados golpes e seu exílio em Portugal na data de hoje  em 1939, voltou para o Brasil e fundou o PRP, Partido Republicano Brasileiro pelo qual em 1954 candidatou-se a Presidente e obteve 8% dos votos ( o que seriam hoje 8 milhões de votos).

Plínio apoiou o Golpe Civil-Militar de 1964 que depôs Goulart e, com a introdução do sistema bipartidário, migra para a Aliança Renovadora Nacional (Arena) junto com boa parte dos militantes do PRP, obtendo mais dois mandatos de deputado federal.

Prestigiado entre os militares, chegou a escrever compêndios de Educação Moral e Cívica durante o regime.

Em 1974, decide se aposentar da vida pública.  E falece em 1985, aos 80 anos de idade.

200px Pliniosalgado Quem Disse Que Não Houve Nazifascistas no Brasil?

Plínio fardado, no ombro o símbolo integralista

Gravando “Plano Alto” Com Alto Astral

 

carla Gravando Plano Alto Com Alto Astral

Carla Díaz

 

Marcilio Moraes é um dos mais festejados teledramaturgos do Brasil.

Autor na Record de novelas e séries excelentes como “Essas Mulheres”, “Vidas Opostas” e “Ribeirão do Tempo”, além de “A Lei e o Crime” e “Fora de Controle

Escreveu agora "Plano Alto". Uma mini série que a Rede Record com muito esmero e direçao de Ivan Zettel -  tendo como protagonista masculino o colega Milhen Cortaz -  pretende levar ao ar ainda este ano.

Um elenco de três dezenas de atores: Gracindo Jr.;Jussara Freire;André Mattos; Flávia Monteiro; Paulo Gorgulho; Babi Xavier; Giuseppe Oristãnio; Dani Galli  e Ester Góes são alguns dos nomes que abrilhantam a série.

O tema é a política. Abordará a corrupção na política e com atualidade as recentes manifestações de junho do ano passado. Carla Díaz, protagonista feminina,  será a líder de um grupo Black Bloc. Ela será Lucrécia, uma estudante de jornalismo que foi abusada sexualmente por um político de sua cidade. O caso nunca foi à tona porque seus pais encobriram o abuso em troca de favores políticos.

A produção consta de  12 capítulos gravados no Rio de Janeiro e em Brasília.

Fui convidado a participar do elenco. Aceitei de imediato.

É daquelas obras  que a gente não tem nem pudor em pedir pra fazer. Uma delas já faz muitos anos.  Foi "Anos Rebeldes" onde tive a honra de contracenar ao lado de Francisco Milani e Norma Blum. Retratava os anos de chumbo da Ditadura Brasileira.

Agora "Plano Alto" flagra a corrupção política. Pra mim o artista tem função social. A nossa arte deve entreter e  ao mesmo tempo fazer pensar.

Outro dia disse a um pecuarista: "O seu trabalho é criar gado, o meu é transformar gado em gente."

Este é um ano difícil para a teledramaturgia: Copa do Mundo e logo depois processo eleitoral com os horários políticos. Ainda assim, a Record está numa fase muito produtiva : terminou há menos de um mês "Pecado Mortal";  tem  "Vitória" no ar; "Os Dez Mandamentos em pré Produção"; "Plano Alto" sendo produzido e já surgindo a sinopse da próxima novela.

E com muito despojamento  estarei gravando o corrupto Deputado Frederico Leão, de "Plano Alto".

“O Homem Que Amava os Cachorros”

homdem O Homem Que Amava os Cachorros

Capa do Livro

 

Enquanto aguardo o terceiro volume da trilogia "O Século" de Ken Follet, delicio-me com a leitura de "O Homem Que Amava os Cachorros" do cubano Leonardo Padura.

O livro, misto de ficção e realidade conta a vida de Ramón Mercader, assassino do revolucionário russo León trotsky, no México, em 1936, a mando de Josef Stalin.

Mercader recebeu a imcumbência de aproximar-se de Trotsky - dissidente da politica de Stalin e por isso mesmo exilado no México - para ganhar sua confiança e assassiná-lo.

A Stalin não bastava exilar ou prender, era necessário assassinar seus opositores.

Coisa que Mercader fez  ganhando a confiança de Trotsky, marcando uma visita à casa dele e  atacando-o pelas costas em seu escritório e fincando-lhe uma picareta na cabeça.

"Pousei o casaco impermeável na mesa de forma a poder tirar a picareta que estava no bolso. Decidi não perder a grande oportunidade que surgiu. No momento em que Trótski começou a ler o artigo, deu-me a minha oportunidade; tirei a picareta do casaco, segurei-a firme na mão e, de olhos fechados, dei-lhe um golpe terrível na cabeça."

Trotsky - criador do Exército Vermelho durante a Revolução Bolchevista -  morreu no dia seguinte, vítima de traumatismo craniano.

Mercader depois de cumprir pena mudou-se para Moscou e depois Cuba, onde viveu e relatou a Padura a sua história,

O escritor transformou isso num romance saboroso,  sobretudo  para quem gosta de política, aventura, ficção e história.

Leonardo Padura,  de 59 anos,  é escritor e jornalista cubano, considerado um dos melhores de seu país e detentor de diversos prêmios internacionais

Padura assumiu a cadeira de literatura latino-americana na Universidade de Havana. Destacou-se como jornalista investigativo e, depois, como ensaísta, roteirista e autor de novelas policiais.

O livro que pode ser encontrado em várias livrarias  pode também ser adquirido por menos da metade  do preço no formato e book. Foi o meu caso: paguei apenas R$ 23,00 para ter esta obra no meu tablet.

Recomendo a leitura.

Talk Web com Babi Xavier

 

babbi Talk Web com Babi Xavier

Babi como Juli di trevi em "Mutantes"

 

Galera, o papo na web de hoje é com a atriz Babi Xavier. Excelente colega e atriz. Vocês a conhecem de muitos trabalhos na tv , no cinema e teatro. Atualmente grava a série "Plano Alto" de Marcílio Moraes, pela Rede Record de TV>

Dia e mês de nascimento

06 de julho de 1974

Cidade que deixou saudades

NYC

Deus

Meu pai, minha força, meu refúgio.

Acredita em inveja?

Ah, existe, sim!

Prato preferido

Salada de maçã verde com aipo, molho de iogurte e nozes

Time

Brasil, em épocas de Copa do Mundo!rs

Livro

O livro do Amor, 2 volumes, de Regina Navarro Lins.

Filme

P.S. Eu te amo

Peça

100 Dicas Pra Arranjar Namorado!

Personagem que mais gostou de fazer :

Juli Di Trevi, em Mutantes, de Tiago Santiago. Uma vilã sem igual!

Música

Ready for Love, India Arie

Hobby

Séries de tv. AMO!

Desejo

Amar sem sofrer

Medo

Dos covardes, dos mal amados , dos que assumem no lugar de perguntar.

Velhice

Que seja serena e confortável, digna.

Brasil

As coisas são mais difíceis do que precisam ser.

Casada, solteira, ficando ou namorando?

Single and proud!

Há quanto tempo?

Há 9 meses.

Mensagem para os fãs:

Galera, olá! Em setembro, eu e Bemvindo estaremos na minissérie Plano Alto, na Record, e eu estou viajando pelo país com a peça 100 Dicas Pra Arranjar Namorado(uma comédia!). Um beijão a todos e deixo aqui o meu Instagram: @babixavier

 

João Ubaldo torna-se imortal na academia da vida

 

joao João Ubaldo torna se imortal na academia da vida

O sempre bem-humorado João, cabra retado!

Hoje partiu mais um do extenso rol de amigos e conhecidos.

Partiu João Ubaldo Ribeiro.

Conhecido de longa data, desde quando assinava a coluna Raio Laser no jornal Tribuna da Bahia, em salvador.

De lá até a Academia foi muito trabalho, muita perseverança, muita luta e muito bom viver.

Maravilhou a todos com suas obras ...Sargento Getúlio...Viva o Povo Brasileiro...Vence Cavalo e Outros Povos... além das crônicas que escrevia em jornais e revistas.

Não passava dia sem que um amigo ou colega dissesse:  "Você leu o João Ubaldo hoje? Está formidável!"

A morte o levou de nós. Sai da imortalidade da Academia para a imortal eternidade.

Nunca estamos preparados para este encontro final.

Mas ele vem. Para reis e acadêmicos. Para pobres e remediados. Para santos e pecadores.

A morte é direito da vida. Direito de cada um. A morte é que testemunha a vida.

Vamos todos sentir muita falta de João Ubaldo. Mesmo os que não o conheciam de perto tinham com ele uma intimidade que o tornava o "amigo da esquina", "o bom vizinho", "o papo legal".

Parte João Ubaldo, baiano retado, de forte sotaque, de fortes hábitos cultivados sempre que podia na bucólica Itaparica.

Agora sim, amigos , tornou-se Imortal de fato e  eterno direito.

Pra Não Esquecer A Violência Fascista Contra O Teatro

roda viva Pra Não Esquecer A Violência Fascista Contra O Teatro

Cena da peça

 

A data era 18 de julho. O ano 1968. Ditadura militar.

O teatro era o Ruth Escobar, em São Paulo,   e a peça "Roda Viva".

A autoria era de Chico Buarque em sua primeira incursão em dramaturgia,  com direção do Ze Celso Martinez Correia e tendo no elenco entre outros, Marília Pera e André Valli.

A peça que estreara no Rio  transformara-se num ícone de resistência à Ditadura.

Naquela noite o público e os atores foram espancados, e o cenário destruído por um grupo de cerca de cem pessoas do Comando de Caça aos Comunistas (CCC).

Segundo a revista "O Cruzeiro" , de 9 de novembro de 1968, participaram do ataque ao elenco do espetáculo Roda Viva: João Marcos Monteiro Flaquer (comandou o ataque ), Francisco José Aguirre Menin, Sílvio de Salvo Venosa, Cássio Scatena, Henri Penchas, Antônio Salvador Sucar, Flávio Bernardo Caviglia, Raul Careca, Souvenir Assumpção Sobrinho, Paulo Roberto Chaves de Lara, Newton Camargo Rosa e José Augusto Bauer.

Cito os nomes para que não sejam esquecidos na História do fascismo neste País.

Remontada em Porto Alegre lá também sofreu violência por parte do CCC.

Aí a peça foi retirada de cartaz.

O espetáculo conta a história de um ídolo da canção que decide mudar de nome para agradar ao público, em um contexto de uma indústria cultural e televisiva nascente no Brasil dos anos 60.

O personagem é a representação de uma figura manipulada - pela indústria fonográfica e/ou imprensa - que promove uma reflexão sobre a sociedade de consumo.

A peça é encenada em dois atos, contando a ascensão e queda de Benedito Silva, que passou a adotar o nome de Ben Silver.

O censor da peça disse que "Chico Buarque "criou uma peça que não respeita a formação moral do espectador, ferindo de modo contundente todos os princípios de ensinamento de moral e de religião herdados de nosso antepassados".

Ponto Final. Ou não.

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com