O Dia Em Que Matei a Filha de Cecília Meirelles

 

MariaFernanda PaiHeroi f21 O Dia Em Que Matei a Filha de Cecília Meirelles

Maria Fernanda sobreviveu á mim...

A data de hoje marca a morte de Madre Joana Angélica, por soldados portugueses , em Salvador no ano de  1822.

O fato histórico é conhecido: recusando a Independência do Brasil o Brigadeiro Madeira de Mello, toma posse como Governador da Bahia em oposição aos brasileiros e a Pedro I.

As tropas portuguesas  promovem atos de saques e vandalismos na Capital.

Invadem casas e dispõem-se a invadir o Convento da Lapa, com o intuito de estuprar as noviças ali internadas.

Joana Angélica depois de dar fuga ás moças pelo quintal, volta e  porta-se à frente do portão principal e diz que só entrarão na Casa de Deus se passassem por cima de seu cadáver: passaram, ela foi morta a golpes de baionetas.

Em 1978 Walter Lima Jr. resolve filmar este episódio, morava eu então na Bahia. E sou convidado para fazer o papel do soldado que mata a Freira.

Uma figuração sem fala. Tudo que tinha que fazer era matar a freirinha.

A grande atriz Mara Fernanda, filha da poetisa maior Cecília Meirelles, fazia o papel de Joana Angélica.

Caberia a mim portanto trespassá-la com a baioneta.

Isto posto, baioneta calada, estava eu face à esta grande dama  das Artes Cênicas brasileiras , filmando no sol da Bahia, na porta do Convento, fazendo o papel de um soldado português bêbado e vândalo.

Inábil ainda na profissão, grosseiro no fazer da Arte "não catei conversa", como se diz na Bahia: enfiei a baioneta cenográfica  na barriga da atriz com todo o realismo.

Claro que não a matei, mas que ela levou uma grande  pancada na boca do estômago,  isto levou!

Lembro-me que ela deu um grito, curvou-se de dor , enquanto eu,  ingênuo, creditei ao seu imenso talento o realismo com que ela fez a cena.

Sequer pensei que o olhar piedoso  que a personagem-atriz me dirigiu ao morrer devia estar significando:

- "Onde arranjaram este jumento,  que se diz ator,  pra me matar?"

Pobre Maria Fernanda, hoje passadas décadas, homenagenando a memória da Freira,  venho de público mais uma vez desculpar minha inabilidade e relembrar que quase matei pela segunda vez a Freira Joana angélica, heroina baiana e nacional.

1 Comentário

"O Dia Em Que Matei a Filha de Cecília Meirelles"

19 de February de 2013 às 06:10 - Postado por bemvindo

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Janaina
    - 19 de fevereiro de 2013 - 8:15

    Bom Dia Bemvindo Texto muito bom!!!!! Otimo Dia para você e sua familia Beijos

    Responder
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com