Ao Mestre Com Carinho

 

ao mestre com carinho 1967 01 Ao Mestre Com Carinho

Inesquecível no papel de um professor , Sidney Poitier

 

O título do post de hoje é o mesmo de um filme de grande sucesso estrelado por Sidney Poitier em 1967, é um filme britânico , que retrata questões sociais e raciais em uma escola localizada na comunidade pobre de Londres.

Mas por que recorro a este título hoje?

Porque hoje é o Dia do Professor.

Recordo-me com carinho dos meus professores. De todos eles através dos tempos.

Tive o prazer e a honra de ter sido aluno de Orlando Valverde, Evanildo Bechara e Paulo Rónai, entre tantos outros.

Muitos outros dos quais não me recordo mais o nome , mas guardo com carinho a fisionomia, os gestos, e as palavras de incentivo.

Mas tudo isso foi num tempo em que os professores ganhavam bem; que ser professor era ser respeitado pelo sistema e pelos alunos.

Nas escolas que formam os cidadãos de amanhã os professores hoje vivem ameaçados, violentados, coagidos por delinquentes que são chamados de alunos.

Mas esta é a face triste que mostramos hoje.

Prefiro lembrar-me dos mestres que nos formaram.

E de todos que apesar de todas as dificuldades, sobretudo nos lugares mais distantes do Brasil continuam fazendo da sua profissão um exercício de fé nas novas gerações, num Brasil cada vez melhor.

Para os Mestres de ontem, de hoje e de sempre, o meu carinho .

Quem Tem Medo de Itália Fausta?

O título deste post é também o título de uma peça que fez muito sucesso ha alguns anos nos palcos brasileiros.

A peça na verdade nada tinha a ver com Italia Fausta, a atriz paulista.

Mas sobretudo para as novas gerações de atores e para o público em geral escrevo este post de hoje.

Fausta Polloni (São Paulo SP 1879 - Rio de Janeiro RJ 1951) foi uma das maiores atrizes brasileiras,  ligada às antigas tradições de um teatro colonizado pelos portugueses, está presente em importantes realizações que marcam as reformas modernizadoras introduzidas nas décadas de 40 e 50 no Brasil.

Estréia, ainda criança em teatro amador. Em 1913 foi covidada e passa a atuar, com grande êxito, em Lisboa.

De volta para o Brasil, participa do Teatro da Natureza, um vasto anfiteatro ao ar livre instalado no Campo de Santana, no Rio de Janeiro, capaz de comportar mais de 13.000 espectadores.

Em 1917, protagoniza A Ré Misteriosa, de Alexandre Bisson, que passa a ser o seu cavalo de batalha, por muitos anos, junto com O Crime da 5.ª Avenida.

Transferindo-se para o Rio de Janeiro, com o mesmo repertório acrescido de novas montagens cria a Companhia Itália Fausta que durou por duas décadas.

Em 1938, aceita o convite de Paschoal Carlos Magno para dirigir o espetáculo de lançamento do Teatro do Estudante do Brasil, TEB, Romeu e Julieta, de William Shakespeare, onde tem a oportunidade, como nunca antes tivera na mesma medida, de transformar em prática a sua vasta cultura teatral e os seus conhecimentos do teatro moderno.

A sua presença é decisiva para marcar os rumos de um movimento que colaboraria para a modernização da mentalidade teatral.

Na marcante temporada realizada pelo TPA em 1948/1949, no Teatro Fênix do Rio de Janeiro, ela atua sob a direção Ziembinski em Anjo Negro, de Nelson Rodrigues.

fausta Quem Tem Medo de Itália Fausta?

 

No Rio O 2º Turno Para Governo É Coisa Pra Analisar

maos No Rio O 2º Turno Para Governo É Coisa Pra Analisar   Pouquíssimas vezes usei este blog para assuntos políticos.

Mas neste domingo não consigo deixar de registrar, como cidadão, um fenômeno inesperado no cenário político fluminense.

Escrevo muito mais motivado pela curiosidade de um agente social - artista que sou - que como um eleitor partidarizado.

Há 15 dias do segundo turno eleitoral há uma onda no Rio de Janeiro que cresce quase como um tsunami: Crivella.

Por quê Crivella? O que leva o eleitor a essa escolha? Um assunto para ser analisado não por mim (que disto entendo menos que de física quântica) mas pelos sábios doutores.

Aonde vou, por onde passo só ouço o voto para Crivella.

É espantoso que um candidato que tinha apenas um minuto de tv para propaganda da sua candidatura, sem coligação, sem prefeitos, com apenas dois deputados no Estado tenha tomado este vulto eleitoral.

Mas há uma coisa que fica muito clara, e que talvez seja essa mensagem que os eleitores entenderam como motivadora : as mãos limpas.

Este é o mote do Senador. Esta é a base da campanha de Crivella.

E parece que o eleitor do Rio entre escolher a gulosa goela já conhecida e as mãos limpas de Crivella, optou pela segunda.

Pezão, seu adversário,  vem tentando jogar com a questão religiosa. E quanto mais joga com isso mais se perde. Porque ja passou o tempo desse tipo de assunto. Isso é papo furado. Na Bahia a gente chama de "conversa pra criança dormir sem ceia." O equivalente de tentar assustar mentes infantis para que  se recolham.

Não tem adiantado. Há uma transparência e uma paz nos olhos de Crivella que conquistam eleitores em todos as classes.

Pezão pensou que levando para a questão ecelsiástica estaria desconstruindo Crivella. O eleitor fluminense parece querer mais que essa manipuladora discussão.

Afinal, parafraseando o que já disse uma vez o ex- deputado Roberto Freire: estamos votando pra eleger Governador e não pra eleger um Papa.

Vejamos o que vem por aí nos próximos 15 dias. Será mesmo um tsunami ou uma "marolinha"?

Quem Nunca Leu Revista em Quadrinhos?

tico1 Quem Nunca Leu  Revista em Quadrinhos?

 

Quem nunca leu revista de quadrinhos?

Desde os comics da Disney ao nosso querido Maurício de Souza?

Pois eu fui mais além: li o Tico-Tico.

Hoje completam-se  99 anos do lançamento da primeira revista de histórias em quadrinhos do Brasil. "O Tico-Tico".

Oficialmente tico-tico também é um nome de um pássaro brasileiro.

 

Pois essa revista era um sucesso entre a garotada brasileira da antiga.

Personagens divertidíssimos, entre eles o Zé Bolão, e  o Azeitona.

Hoje talvez a revista fosse classificada , entre outros epítetos , de rascita e politcamente incorreta.

ó Tempore, ó Mores (Os costumes mudam com os tempos).

Os exemplares que ainda existam hoje são raros e valem seu preço histórico.

Imagino a raridade do primeiro número.

Ganhei meu primeiro Almanaque do Tico Tico em 1954. Era um dos meus tesouros de criança.

Ano que vem comemoraremos o Centenário do "Tico Tico".

Bem que algum produtor teatral poderia criar um espetáculo infantil a partir da revista e seus personagens.

Além de cultural seria muito importante para a memória nacional. Pois até uma das mais f amosas mpúsicas do cancioneiro popular chama-se "Tico-Tico no Fubá".

 

Dá Pra Confiar em Pesquisas Eleitorais?

pesquisa Dá Pra Confiar em Pesquisas Eleitorais?

 

Realmente depois do primeiro turno das eleições ficou mais que provado e comprovado que as pesquisas não são confiáveis.

Como em 72 horas Aécio Neves salta nas pesquisa de 19 para 33 pontos nas urnas? Quatorze pontos assim, do nada? de repente? Em 72 horas?

Agora para o segundo turno já começou o estranhamento de novo.

A primeira pesquisa nacional  , vinda do Paraná, dava Aécio dez pontos à frente de Dilma. Vinte e quatro horas depois surgem novas pesquisas que dão como empate técnico.

Mas o que é isso?

Entre segunda feira e terça feira Aécio teria ganho mais 22% dos votos. Pulando dos seus 33% para 55% .

Por quê? O que aconteceu de tão rápido? E entre quarta para quinta, de repente perdeu quase tudo de novo, estando agora em empate técnico com Dilma.

Realmente não dá pra levar à sério.

Estou agora à espera das pesquisas de segundo turno para o Governo do Rio.

Que aliás por falar em campanha do Rio,  Pezão está achando que por ter pé grande  vai levar também na Mão grande. E vai metendo os pés pelas mãos.

Muito feio e grosseiro da parte dele no debate com o Senador Crivella tentar atiçar o ódio e o preconceito religiosos.

Apelar num debate para a questão religiosa é enveredar pelo caminho da intolerância religiosa que tanto combatemos.

Eu se fosse o marqueteiro dele dava meia volta , não creio que há de ser com chistes sobre religião que Pezão vai ganhar os votos de que precisa.

Por isso aguardo com expectativa as tais "pesquisas" da campanha do Rio.

Mas pra falar  a verdade eu já tou "legal de pesquisa".

Como Você Reage Diante da Perda ou da Derrota?

despair Como Você Reage Diante da Perda ou da Derrota?

 

No relato Bíblico, Davi tem seu filho com Urias gravemente enfermo.

Então o rei Davi prostra-se ao chão, humilha-se, jejua, ora, pranteia, recusa-se a comer, a se lavar, a falar...por sete dias.

Sómente no sétimo dia, quando ouviu o murmúrio dos servos e soube que seu filho havia morrido então levantou-se , lavou-se, comeu e bebeu, ungiu-se, adorou a Deus e voltou à vida normal.

Indagado porque havia procedido desta forma quando devia ser o contrário -  o sofrimento devia ser após a morte da criança - Davi respondeu:

- "Vivendo ainda o menino, eu jejuava, e chorava, dizendo: Quem sabe se Deus terá compaixão de mim e o menino vivrerá? Mas agora que é morto para que hei de jejuar? Poderei eu faze-lo voltar? Eu irei a ele, mas ele não voltará para mim."

Em seguimento, passado o tempo, Davi deitou-se com sua mulher Bate-Seba e desta união nasceu aquele que seria um dos maiores reis da Antiguidade: seu filho, o sábio Salomão.

E você, como reage diante do fato consumado que lhe foi adverso?

Rasga as vestes, lamuria-se, chora, desespera-se ou tendo lutado até o fim a luta dos justos no desenlace desfavorável se ergue e segue em frente e retoma a vida?

Dessa atitude depende a sua vida. Depende a continuidade dos frutos da sua árvore da vida.

O povo tem um ditado que reflete bem, de forma mundana, como agir quando a adversidade nos vence num dado momento:

"Não adianta chorar pelo leite derramado."

Vida que segue.

Dona Bela Deixa Saudades Há 15 anos

 

zeze1 Dona Bela Deixa Saudades Há 15 anos

Zezé entre Oscarito e Norma Benguell em "O Homem do Sputnik"

A maioria do público a conheceu como a "Dona Bela" da Escolinha.

Mas a carreira e o trabalho de Zezé Macedo é muito maior que sua participação nos bancos da escola.

É a recordista feminina no Brasil em participações de cinema, tendo feito 108 filmes. Seu tipo físico, magra e baixa, sempre lhe garantiu papéis cômicos, apesar de ter sempre afirmado que também gostaria de representar papéis dramáticos em novelas. Oscarito dizia que ela era a maior comediante do cinema brasileiro. Grande Otelo chamava-a de Carlitos de saia; e Ivan Cardoso, de primeira-dama do cinema brasileiro. Na época das chanchadas, também ficou conhecida como a empregadinha do Brasil, numa referência aos inúmeros papéis de empregada doméstica que interpretou ao longo de sua carreira.

Também se destacou como poetisa, tendo publicado quatro livros de poemas seus.

Quando trabalhei com ela ouvia seus poemas declamados entre os intervalos das gravações. Românticos, apaixonada que era por seu marido.

Mas o que pouca gente sabe é que Zezé, um dos rostos mais grotescos da tv brasileira tinha um corpo escultural.

Eu a vi trabalhando como vedete no Teatro República, no Rio de Janeiro. E posso dizer com certeza.

Um de seus grande sucesssos no cinema foi com a comédia "O Homem do Sputnik" ao lado de Oscarito,em 1959.

Seu primeiro casamanto não foi feliz, e mais tarde casou-se com o grande amor da sua vida, o ator Vitor Zambito, que atuava no antigo Teatro Recreio.

Por muitos anos, antes da carreirasde atriz Zezé declamou poesias nas rádios do Rio.

Dá pra imaginar a Dona Bela romântica, declamando poesias com grande sucessoa através das ondas sonorsas das rádios cariocas? Pois é.

Faleceu aos 83 anos, de um aneurisma cerebral.

Uma das curiosidade que lembro dela é que mesmo aos 80 anos recusava o carro da emissora, e adorava tomar o ônibus para ir para casa.

Precedendo assim muito antes, a atual musa do transporte urbano, minha amiga,  Lucélia Santos.

Ressaca Eleitoral

ressaca Ressaca Eleitoral

Ontem não postei nada no meu blog.

Motivo: ressaca da eleição.

Gosto muito de política. Sempre gostei.

Aprendi com meu pai que era do PSD mineiro - tempo do Juscelino.

Então, ontem além da ansiedade de votar houve a ansiedade de acompa nhar os resultados, sobretudo dos amigos e conhecidos candidatos a deputados e senadores.

Feliz com a vitória de muitos. Frustrado com a derrota de alguns.

Um deles meu colega Castrinho, candidato a deputado estadual. Lutador, ainda assim o eleitor preferiu ele com seu humor a sentar-se numa cadeira de deputado.

Mas a surpresa no Rio ficou por conta do senador Crivella passar o Garotinho e ir para o segundo turno.

Digo surpresa porque o candidato tinha apenas um minuto de tempo de tv e rádio, nenhum acesso à máquina eleitoral de deputados, prefeitos etc. etc. e nenhuma coligação partidária.

Agora é preparar-se o David para a briga com o Golias.

Cada dia está mais difícil o processo eleitoral. Não para nós, eleitores, mas para os candidatos.

Urge a Reforma Política. Mas ela só virá pelo voto dos próprios deputados agora eleitos. E será que interessa aos eleitos mudar as regras?

Na crista da onda das eleições deste ano milhões de eleitores firmaram um abaixo assinado pedindo a Reforma Política. Passou em brancas nuvens no noticiário e na Câmara.

Espero que agora volte a proposição do eleitorado à pauta de Brasília.

E assim, aos poucos retorna à normalidade o meu metabolismo (risos).

Saio da ressaca destes dias de ansiedade e já estou aqui,  de volta , escrevendo meu post diário.

 

 

Me Segura Que Eu Vou Dar Um Voto

voto Me Segura Que Eu Vou Dar Um Voto

Há 32 anos eu festejava o direito de votar

 
Esta foi minha primeira performance de humor. Alguns preferem hoje chamar de stand up.

O ano era 1982.pela primeira vez , depois de quase vinte anos íamos votar para governadores.

Ainda n~çao eramn as Diretas para Presidente.

Mas já era muito para a Ditadura em qu vivíamos.

Morava na Bahia. Era ano de Copa do Mundo. Os teatros tem prejuizo nesta época. Eu precisava passar pelos meses da Cpa com alguma renda. Pagar aluguel, comer, etc..

Então resolviu fazer um espetáculo solo, de humor, num pequeno teatro de 80 lugares `Pas segundas feiras  e vender ingressos por livro de ouro. Assim garantiria o orçamento dos meses.

Na antevéspera da estreia o dono do teatro encagou-se porque era um epstáculo político e inventou uma desculpa para cortar min ha estriea.

Foi quando corri para minha amiga Gilda Carvalho, do teatro Maria Bethania (700 lugares) e ela cedeu-me a pauta das segundas-feiras.

Mas como lotar um teatro de 700 lugares? Antes era um de 80.  Fiz um acordo com o Comitê Feminino Pela Anistia - a presidenta era Dona Yolanda Pires - e metade da venda dos ingressos iria para o MFPA.

Foram semanas lotadas. Um sucesso.

Até que um dos candidatos a governador  da Bahia - Clériston Andrade - morreu num desastre aéreo a um mês da eleição. Acabou o humor.  (Eram naquela época apenas dois partidos.)

Foi quando Yan Michalsky, crítico do JB do Rio noticiou que meu espetáculo era o único do Brasil naquele momento que falava de  política.

A amiga, produtrora,  Norma Dumar convidou-me para terminar a temoporada no Rio. Adaptei para os candidatos cariocas (Brizola e Moreira Franco) e estreei no Teatro Rival ( da amiga da Ilha do Governador, a atriz  Angela Leal)  por um mês.

Ali começava meu retorno do exílio baiano (deixei o Rio em 1970)  e meu reencontro com os palcos cariocas.

Trinta e dois anos após tiro da gaveta   com carinho meu título de eleitor para mais uma vez exercer meu direito de votar, pelo qual tanto lutei e não abro mão.

E agora o papo é outro: "Não me Segura que Eu Vou Votar!"

Hoje é Sábado, Segunda Feira Começo Nova Dieta

pizaa Hoje é Sábado, Segunda Feira Começo Nova Dieta

 

Quando era jovem fazia dieta para engordar.

Era muito magro e achava horrível que assim fosse.

Então comia mais calorias que o necesssário : iogurtes, bifes, ovos, manteigas, cremes, sorvetes...e nada. Não engordava.

Vim engordar quando deixei de fumar , há 16 anos.

Nos primeiros meses nada aconteceu com meu peso. Mas cinco meses depois havia passado de 78 para 90 quilos.

E aí tornei-me diabético, tipo 2.

Que ironia: deixo o cigarro para evitar doenças, engordo, e ganho de saída uma síndrome metabólica: o diabetes com todas as suas mazelas.

De lá pra cá inverti as dietas. Não se tragava mais de engordar, mas de emagrecer.

Já tentei muitas, várias, a que consegui manter por mais tempo foi a das proteínas. Nada de carbohidratos.

Durou um mmês eu creio. Mas uma noite, como uma avalanche famélica eu devorei todos os carbohidratos que encontrei pela frente no armário, na geladeira, em todo os lugares.

Lá se foi a dieta para o espaço.

Agora passo pelo que chamam de reeducação alimentar. Mas é muito difícil mudar os hábitos.

Estou emagrecendo e me sentindo bem melhor. Mas vamos ver até quando conseguirei ter esta nova "educação".

E assim, creio, a gente vai se distraindo com as dietas e reeducações enquanto a natureza segue seu curso.

Digo distraindo porque de dieta em dieta chega-se até o dia - que menos se espera - em que se vai desta para melhor.

E as dietas seguem conosco para a eternidade. Que coisa chata. (risos).

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com