Humor – No Congresso do PT Ministro Explica o Inexplicável

Crônica muito sarcástica baseada no diálogo da peça francesa  “O Diabo Vermelho” (bem sugestivo o  título) escrita há 400 anos atrás no reinado de Luiz XIV, e escrita em tempos do 5º Congresso do PT,  em Salvador.

 

(Primeiro,  único,  e indecente ato)


Cidadão - Para arranjar dinheiro, há um momento em que enganar o contribuinte já não é possível. Eu gostaria, senhor Ministro, que me explicasse como é possível gastar mais dinheiro para tocar o País quando   já se está endividado até o pescoço…

Ministro - Um simples cidadão  quando está coberto de dívidas e não consegue honra-las, vai parar no SPC, na Justiça, tem bens penhorados, ficha suja...Mas o Estado é diferente! Então, ele continua a endividar-se…

Cidadão - Ah, sim? Mas como será  isso, se já foram criados todos os impostos imagináveis?

Ministro - Aumentando as taxas de luz, gás, promovendo cortes na Educação, Saúde, Cultura e Segurança Pública; além disso podemos reduzir os benefícios previdenciários e até criar novos impostos.

Cidadão - Mas já não se pode  sacrificar ainda mais os cidadãos comuns. Porque não lançam  impostos sobre as grandes fortunas...os Bancos...as grandes famílias que dominam a mídia...os ricos...

Ministro - Os ricos  não. Eles parariam de gastar. E um rico que gasta, faz viver centenas de pobres.

Cidadão - Então, como fará?

Ministro - Você parece um petista, daqueles   que só  tem titica na cabeça. A quantidade de pessoas  pobres e de classe média é muito maior , mas muito maior que a de ricos, então que sustentem  a merda   em que nos metemos. Porque quanto mais aumentamos os encargos sobre eles mais eles trabalharão, mais os ricos ganharão dinheiro com o trabalho deles, e mais os ricos fornecerão empregos e farão viver milhares , milhões de cidadãos comuns.

Entendeu como funciona a nossa teoria econômica? Quanto mais tirarmos dos trabalhadores mais eles trabalharão para compensar o que lhes tiramos. Formam um reservatório inesgotável de mão de obra barata, disponível e divididos entre si...fáceis de dominar e assim continuar “tudo como dantes no Quartel de Abrantes”.

Cidadão – (Com cara de imbecil) Ah...agora entendi ...Puxa!! Que legal,  o Aécio ganhou a eleição e eu nem percebi!

(Fecha o pano rápido- Só dói quando eu rio)

 

Crônica de Humor – Foi Assaltado? O Criminoso É Você

 

José Amaro dos Santos é um taxista carioca. E como milhares -  milhões, - de cariocas,  exposto à violência e jogado à Insegurança Pública.

Pois foi numa dessas tardes outonais que José Amaro foi assaltado durante o trabalho. Dois passageiros tão bem trajados que ele julgou que poderiam até ser dois deputados, eram na verdade dois assaltantes.

-  “O que vem a dar quase no mesmo”, disse minha mulher chegando revoltada do supermercado.

Roubaram a féria do dia de José Amaro , e levaram sua carteira com todos os documentos. Mas deixaram o táxi dele.

Mais adiante assaltaram outro táxi e levaram o dinheiro e o carro, que foram abandonar horas depois em local ermo. Nem tão ermo que a polícia não encontrasse o veículo roubado e dentro dele os documentos de José Amaro dos Santos.

Aí continuou o calvário de José Amaro. Recebeu uma ligação da delegacia informando que encontraram seus documentos e que ele deveria comparecer lá. Alegre com a notícia ele foi pra lá, de boa.

 - Depoimento? Mas como?

- O senhor sabe que foram encontrados seus documentos dentro de um carro roubado?

- Sei, sim,  eu vim busca-los.

- Não é bem assim...

- Como ?!

- O senhor é suspeito de ter roubado o carro.

- Mas como suspeito? O roubado fui eu, tenho o boletim de ocorrência do roubo dos meus documentos.

- É... mas seus documentos foram encontrados dentro de um carro roubado...logo...

--- Logo o que? Eu fui vítima, tá aqui o BO.

- É...mas seus documentos estavam dentro de um carro roubado...  Repetia o policial num monocórdio psicopatês…

- E daí? EU FUI ROUBADO!

- O senhor está nervoso!

- E não é pra estar?

- Isso é culpa!

- Culpa é o cacete! Eu sou a vítima. Parem com esse jogo de maluco!

 Aí o bate-boca esquentou, cacete prá lá, cacete prá cá,  até que a palavra final ficou com a Autoridade:

- Você está me desacatando. Está preso por suspeita de roubo de carro e desacato à autoridade policial.

 Ainda bem que a família do taxista  depois de dois dias de procura conseguiu encontra-lo no xadrez, e com um advogado libertou-o do “estado islâmico”. Mas ele continua respondendo processo por roubo e desacato.

 Bem feito,  José Amaro dos Santos...quem mandou acreditar?

Humor – A Arrogânica Norte Americana

 

burro Humor   A Arrogânica Norte Americana

Só dói quando ele ri....

Sei que a história é antiga e já deve ter rodado a Rede trocentas vezes, mas sempre que leio dou risadas.

O diálogo abaixo foi travado entre um navio da Marinha Norte Americana e as autoridades costeiras do Canadá, próximo ao litoral de Newfoundland.

Os americanos começaram na maciota:
- Favor alterar seu curso 15 graus para norte para evitar colisão com nossa embarcação.  Os canadenses responderam de pronto:


- Recomendo mudar o SEU curso 15 graus para sul.


O americano ficou mordido:
- Aqui é o capitão de um navio da Marinha Americana.  Repito, mude o SEU curso.


Mas o canadense insistiu:
- Não. Mude o SEU curso atual.


O negócio começou a ficar feio. O capitão americano berrou ao microfone:


- ESTE É O PORTA-AVIÕES USS LINCOLN, O SEGUNDO MAIOR NAVIO DA FROTA AMERICANA NO ATLÂNTICO. ESTAMOS ACOMPANHADOS DE TRÊS DESTROYERS, TRÊS FRAGATAS , SUBMARINOS E  NAVIOS DE APOIO. EU EXIJO QUE VOCÊS MUDEM SEU CURSO 15 GRAUS PARA NORTE, OU ENTÃO TOMAREMOS CONTRAMEDIDAS PARA GARANTIR A SEGURANÇA DO NAVIO. 

E o canadense respondeu:


- Aqui é um FAROL, Câmbio!!!!. 

O Riso Celebra a Vida

 

riso 1 O Riso Celebra a Vida

 

Certa vez uma amiga, conhecida por seu mau humor,  me disse:

 - “Bemvindo eu tenho inveja de você. Queria ser como você: você agradece a vida o tempo todo.”

Claro. Vou agradecer a quem? À Morte? Vou celebrar a Morte a troco de quê

Celebro a vida através do meu humor.

Pessoas permanentemente mal humoradas são um hino à  Morte.

O Riso pressupõe inteligência, por isso o fascista espanhol, o quadrúpede General Astray  gritou durante a guerra civil , espanhola: “Viva a Morte, abaixo a Inteligência!”

Que a gente tenha uma vez ou outra, uma crise de mau humor, faz parte da normalidade humana.

Mas passar o dia, ou temporadas de cara amarrada, com mau humor...?

Não ter senso de humor?

Fascistas não o tem. Pessoas rígidas, não o tem.

São os chamados “cururús!. Aqueles sapos gigantes que ficam na beira da lagoa só enchendo o saco com os resmungos deles.

E o Riso, reparando bem, varia de tom e intenção com a própria origem de classe social.

Povo fala alto e estridente. Gargalha onde deveria  apenas sorrir, como manda o gosto das elites.

Afinal, para quem tem tudo na vida, viver pode ser muito tedioso, chato. A vida para tais pode ser muito chata. Não há razão para celebrá-la.

Às vezes, nem precisa ser dos que tem tudo na vida. Basta ter o olhar ruim. Se o teu olho é ruim tudo o que você vir será ruim, semn graça,  sem humor.

E há os que acreditam que  antes de mais nada é preciso ganhar dinheiro. A busca do dinheiro comanda a vida destes.

Rir de quê? Por quê? Não há tempo para isso.

Rir é perder tempo com coisas bobas.

Mas como o bardo inglês,  eu afirmo: "A vida é sonho...ilusão".

Séria é a morte com seu cortejo de horrores.

Humor, humor sempre!

O Riso é emoliente. Acaba com prisões:  de ventre, e de pélvis.

Crônica de Humor – Gelsimar,o Azarado,Na Festinha Happy Hour

Festa Rave Crônica de Humor   Gelsimar,o Azarado,Na Festinha Happy Hour

Gelsimar, casado, fiel, todo certinho,  chegou feliz na festinha aonde fora convidado. Foi a primeira vez que foi a uma festa sem a esposa. Não deu nem tempo de avisa-la, naquela sexta-feira foi arrastado direto do trabalho,  por um colega. Telefonou pra avisar a mulher, mas a bateria dela estava descarregada.
Foi  parar num conjugado no Catete. 20 metros quadrados e mais de 40 pessoas se espremendo ali ao som de Anitta.Gelsimar tem um problema...é uma espécie de fobia...basta ficar em lugar apertado com muita gente que vai batendo aquela dor de barriga ...  e foi ficando verde, a barriga parecendo manifestação de black block: bomba de gás pra todo lado.
- “O banheiro...” pensou. “Preciso chegar ao banheiro.É logo ali. Três passos...”. Mas a multidão o empurrava de volta para o canto da geladeira. Usando seu treinamento de sobrevivência no metrô conseguiu alcançar o banheiro. Banheiro não: quartinho, solitária de Guantánamo! Um metro por um metro:  a pia, o vaso, e entre os dois o chuveiro.
- “Como o cara conseguia tomar banho ali? Devia botar um pé na pia, outro no vaso e o bingolin era o ponto de equilíbrio.”
Um basculante enferrujado, e do teto cinzento esverdeado pingava uma goteira bem em cima do vaso. Gelsimar precisava ir ao vaso, mas quando foi sentar descobriu que estava cheio de gelo até à boca. O gelo que sobrou jogaram no vaso. O jeito que tinha era sentar devagar e ir derretendo o gelo com a bunda...aí descobriu  que a porta não tinha tranca. Botou o copo de cerveja na pia, segurou a pia com as duas mãos, prendeu a porta com o queixo e com as calças arriadas e as pernas bem abertas,  por causa da goteira, foi arriando o bumbum bem devagarzinho sobre aquele iceberg sanitário. Mas quando o fiofó sentiu aquilo gelado... fechou que não passava nem pensamento. Gelsimar desesperado doutrinando o fiofó parecia sessão espírita:
- “Vai, dá passagem...dá passagem...” e nada. Quando finalmente conseguiu, pifou o som da sala. Gelsimar ouvia o pessoal falando.  E ouvia-se do banheiro o ribombar dos gases. Gelsimar pensando: - “Se eu ouço eles, eles me ouvem aqui. O jeito é disfarçar o som. Vou dar descarga.” Não tinha água. O jeito era tossir. Começou a tossir; começaram a bater na porta:
- “Tá passando mal? Precisa de alguma coisa?”  Vexame! Finalmente terminou. –“Papel!?Onde está o papel?” Não tinha. Não tinha nada. O jeito era usar a cueca. Usou, jogou pelo basculante, e saiu do banheiro com a maior cara de pau. Durou pouco o alívio. Foi o tempo do síndico, um coronel dentista, entrar pela festa a dentro com um revólver na mão gritando:
- "Qual foi o fdp que jogou essa cueca na minha sala?"
- "Daqui não foi."
- "Foi sim!"
Foi, não foi... e aí:
- "Tira a calça todo mundo!" Esbravejou op coronel  com o revolver na mão.

Quando a polícia chegou flagrou todo mundo sem calça. Todos pra delegacia. Mas o pior da noite  foi o Gelsimar ter que explicar pra sua mulher que não estava numa suruba num conjugado no Catete

Crônica de Humor – Parem de Fumar Maconha!

Hoje a crônica escreveu-se a si própria. Nem precisei  da inspiração para que o humor surgisse.

Isto  aconteceu no Recife, que é  - como diria  Bob Freire, o Carlos Lacerda do século XXI -  Cidade pequena porém decente!

Aliás, será que é por um comunicado como o abaixo   que as más línguas dizem que Bob Freire não se  elege em Pernambuco  nem como Síndico? (risos sardônicos).

Recebi esta cópia de um amigo do Recife. Verdade ou não,  é no mínimo ridícula, portanto: risível.

sindico Crônica de Humor   Parem de Fumar Maconha!

Video de Humor -É Muita Mediocridade e Corrupção

Há criações artísticas que não  perdem a atualidade, Ao contrario, tornam-se cada vez mais atuais  e contundentes.

Crônica de Humor – Vovô Faz Cem Anos e a Festa É Na Tv

velho1 Crônica de Humor   Vovô Faz Cem Anos e a Festa É Na Tv

 

Toda vez que a televisão mostra alguém que está fazendo 100 anos eu olho e penso: Só 100? Parece que tem 200!
E fico imaginando a angústia da família quando o cara faz 99 anos. Tenho a sensação de que ficam pensado:
- Não vai morrer agora não, porra! Tu tem que chegar aos 100. Depois tu pode desencarnar. Mas 100 anos vai fazer, já contatamos até a TV . Não vai deixar a Fátima Bernardes  na mão, né?
Finalmente o dia do centenário. Festa, bolo, 100 velas. 100 não. Uma só, que se ele apagar as 100 morre antes por falta de fôlego. Aí vem a TV e começam as perguntas. E o  velho xingando e resmungando.
- O que ele disse?
-Sei lá, há um ano ele fica falando essas coisas  que ninguém entende. Mas vai perguntando porque ele adora você Fátima, ele sempre assiste o seu programa.
- O senhor vê televisão? Sabe quem sou eu?
- Sei,  a Sabrina Sato! (silêncio de segundos. Saia justa)
- O senhor viu a Semana de 22?
- A semana tinha  sete dias...mudou pra 22 ? O Papa mudou tudo , né?
- O senhor se lembra da Intentona Comunista de 35?
- Nunca me interessei por política.
- O senhor come glúten?
- Ah não lembro, mas acho que não comi não,  sempre fui fiel à minha mulher...
- O senhor acha que o Brasil está melhor ou pior que antes?
- O Brasil  era bom no tempo do Dutra.
-E como era no tempo do Dutra?
- A mesma coisa que hoje.
E ai vem a inevitável pergunta :
-Qual o seu segredo para viver tanto?
- Ah , eu nunca fui a uma festa, nunca bebi, nunca fumei, nunca dormi tarde, nunca atravessei fora da faixa, nunca fiz suruba, nunca viajei,  nunca mudei de casa ...Sabe dona moça, pensando bem, que merda de vida que eu tive!

Homem-Bomba: Quem Não tem Padrinho Explode Pagão

 

f 42169 Homem Bomba: Quem Não tem Padrinho Explode Pagão

Pra homem-bomba pobre a fila não anda...

Como morador do Rio - a maior cidade do Estado Islâmico (EI) fora do Oriente Médio - tenho interesse sobre tudo que se passa por lá nas arábias. Porque tudo que acontece por lá acontece no Rio,  só que aqui com mais intensidade.

  Leio denúncia de jihadista sírio de que o nepotismo impera na escolha dos homens bombas. Diz ele que os filhos dos ricos da Arábia Saudita têm preferência na fila pra se explodir.

- O senhor está na fila há quanto tempo?

- Três meses e meio.

- Por que a demora em ser escolhido pra explodir?

- Porque sou sírio pobre. Os filhos de ricos têm precedência. Consegui com um primo meu que é agente alfandegário uma vaga na frente, mas era pra explodir na Guatemala.Lá eu não quero porque não dá nem notícia nos jornais. Queria explodir em Londres, Paris..., mas estes lugares são reservados para os filhos de ricos da Arábia Saudita.

- Tem gente há mais tempo na fila?

- Tem muita gente, eu até que estou bem, estou no 324º lugar, atrás de mim tem os haitianos, os burundistas, e os somalis, e bem lá no finzinho me disseram que tem um cara de Alagoas.

- Mas quando chegar a sua vez o senhor acha que vai explodir numa boa?

- Não sei. Pros filhos de ricos eles botam explosivos de primeira classe. Coisa comprada dos americanos. Pra nós, os pobres,  é tipo Fogos Caramuru. Umas cabeça-de-nego que dão chabú e você explode pela metade.

- Se não fosse homem bomba o que o senhor gostaria de ser?

- Brasileiro. Gostaria de morar no Brasil, no Rio. Me disseram que as coisas lá funcionam muito bem, sem pistolões. Que tem lugares muito democráticos e mais refinados, nem precisa de pistolão: tem a Lagoa, o Aterro do Flamengo, o Complexo do Alemão... Aqui não, aqui quem não tem padrinho

explode pagão. No Brasil é diferente , né?

Crônica de Humor – Cem Anos Na TV

 

velho Crônica de Humor   Cem Anos Na TV

 

Toda vez que a televisão mostra alguém que está fazendo 100 anos eu olho e penso: Só 100? Parece que tem 200!

E fico imaginando a angústia da família quando o cara faz 99 anos. Tenho a sensação de que ficam pensado:

- Não vai morrer agora não, porra. Ele tem que chegar aos 100. Depois ele pode desencarnar. Mas 100 anos vai fazer, já contatamos até a TV . Ele não vai deixar a Fátima Bernardes  na mão, né?

Finalmente o dia centenário. Festa, bolo, 100 velas. Cem não. Uma só, que se ele apagar as cem morre antes por falta de fôlego. Aí vem a TV e começam as perguntas. E o  velho xingando e resmungando.

- O que ele disse?

-Sei lá, há um ano ele fica falando essas coisas  que ninguém entende. Mas vai perguntando porque ele lhe adora Fátima, ele sempre vê seu programa.

- O senhor vê televisão? Sabe quem sou eu?

- Sei,  a Sabrina Sato!

- O senhor viu a Semana de 22?

- A semana tinha  sete dias...mudou pra 22 ? O Papa mudou tudo , né?

- O senhor se lembra da Intentona Comunista de 35?

- Nunca me interessei por política.

- O senhor come glúten?

- Ah não lembro, mas acho que não comi não,  sempre fui fiel à minha mulher...

- O senhor acha que o Brasil está melhor ou pior que antes?

- O Brasil  era bom no tempo do Dutra.

-E como era no tempo do Dutra?

- A mesma coisa que hoje.

E ai vem a inevitável pergunta :

-Qual o seu segredo para viver tanto?

- Ah , eu nunca fui a uma festa, nunca bebi, nunca fumei, nunca dormi tarde, nunca atravessei fora da faixa, nunca fiz suruba, nunca viajei,  nunca mudei de casa ...Sabe dona moça, pensando bem, que merda de vida que eu tive!