Orestes Barbosa Segue Pisando nos Astros Distraído

 

orestes Orestes Barbosa Segue Pisando nos Astros Distraído

Orestes Barbosa

 

Sobre Orestes Barbosa escreveu o poeta Manuel Bandeira:

"Se se fizesse aqui um concurso, como fizeram na França, para apurar qual o verso mais bonito da nossa língua, talvez eu votasse naquele de Orestes em que ele diz: "Tu pisavas os astros distraída..."

Realmente um dos mais belos versos da língua portuguesa.

Chão de Estrelas...

Curiosamente a profissão de Orestes era o jornalismo. Mas foi a música  que o fez famoso através dos tempos. Mesmo tempo partido deste Mundo há 48 anos, em 15 de agosto de 1966.

Como jornalista era tão atrevido que passou várias vezes pela cadeia.

Por causa de seu primeiro artigo, "As Palhaçadas do Gabinete" (2 de junho de 1912), foi impedido de entrar no Ministério da Guerra durante a presidência Hermes da Fonseca.

O artigo foi escrito no Diário de Notícias, que tinha por orientador político o grande  Ruy Barbosa.

Em 1914 trabalhou em A Gazeta de Notícias sob a direção do cronista  João do Rio. Este e Lima Barreto foram suas mais nítidas influências.

Para O Século, de Brício Filho, entrevistou, naquele ano, Dilermando de Assis, o homem que matou Euclides da Cunha.

Em 1915, no mesmo vespertino, registrou sua conversa com João Cândido, herói da Revolta da Chibata, e traçou, ao cobrir a agitação das alunas da Escola Normal, o primeiro perfil biográfico de Cecília Meireles, aos 13 anos.

Projetou-se em definitivo em A Folha, periódico fundado, em 1919, em oposição ao governo Epitácio Pessoa.

Preso, em 1921, por duas vezes, devido a processos de injúria, fez-se cronista dos encarcerados.

Estreou em 1927, no teatro, ao escrever duas letras para "Ouro de Moscou", revista musical  sua e do jornalista Martins Reys, com música do maestro Francisco de Assis Pacheco: Coração de Carmim e Flor do Asfalto.

Em 1930, "Bangalô", com melodia de Osvaldo Santiago, interpretada por Alvinho, integrante do Bando de Tangarás, inaugurou sua carreira em disco.

Mas, somente após a Revolução de 24 de Outubro - com o empastelamento dos dois jornais em que colaborava, Crítica e A Notícia, e o fechamento do Conselho Municipal, seu emprego público -, atrás de ocupação e dinheiro, abraçou de vez a música popular.

Compôs belissimas melodias, como "Arranha Céu" e a "Mulher que ficou na taça".

Mas seu sucesso inesquecível foi mesmo "Chão de Estrelas", e seu melhor intérprete até hoje foi o magistral Silvio Caldas.

sylvio Orestes Barbosa Segue Pisando nos Astros Distraído

Zuzu Angel Ocupa o Paço Imperial no Rio

zuzu 001 Zuzu Angel Ocupa o Paço Imperial no Rio

Depois de ter acontecido em São Paulo com grande sucesso, agora chega ao Rio de janeiro, a exposição OCUPAÇÃO ZUZU.

A exposição resgata a memória de uma das mulheres ímpares da nossa História.

Para os que não sabem,  Zuzu era estilista, e esta Exposição que agora contece  leva à importante reflexão da cultura brasileira através deste segmento cultural.

Relembrando, repassando o passado para ver se a dor que o passado traz  passa : Zuzu Angel, mineira, conterrânea de Curvelo, foi mãe do jovem Stuart Angel brutalmente assassinado na Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro , durante a Ditadura Civil Militar de 1964.

O  corpo de Stuart até hoje permanece desaparceido, e há quem  afirme que após assassinado teria sido jogado ao mar.

Zuzu entrou em incansável batalha para denunciar os fatos, memso sob severa vigilância e repressão da Ditadura.

Conseguiu chamar maté mesmo a atenção internacional para o crime praticado pelo Estado antidemocrático brasileiro.

Até que numa madrugada,  em 1976, ainda vigorando o Regime Militar, num "acidente" hoje reconhecido como mais um assassinato da Ditadura, capotou seu carro na saída do Túnel em São Conrado.

Hoje o túnel leva seu nome : Túnel Zuzu Angel.

Mas o fato que nos leva à moda é que após o assassinato e desaparecimento do filho, Zuzu promoveu desfiles  com  estampas nos vestidos que denunciavam o crime e o tempo de terro em que se vivia.

Uma mãe corajosa, uma mulher de talento, um exemplo de dignidade e luta para todo o povo brasileiro.

Agora, Zuzu volta para Ocupar um espaço no Rio de Janeiro, além do espaço que já ocupa em nossa memória e coração: o Paço Imperial.

Abertura da Exposição  hoje as 18h30m e visitação de 15 de agosto a 2 de novembro, de terça a domingo das 12 às 18h.

Vale a pena visitar e ocupar este espaço com  a  querida Zuzu, tendo por Curadora sua filha , a amiga querida, Hildegard Angel.

Entre Os Reis João e Roberto Navega a Censura

reis Entre Os Reis  João e Roberto Navega a Censura

A palavra escrita assusta e ameaça

 

"Penso, logo escrevo" parodiando Descartes.

Mas desde que se escreve creio existir a Censura.

No Brasil a Imprensa surge em 1808 com a chegada da Corte no Rio de Janeiro. Mas antes que circulasse o primeiro número de "A Gazeta do Rio de Janeiro" (órgão oficial do Reino) já havia sido formado o C0nselho de Censura composto de tres membros.

Sua função era censurar a própria publicação do Governo. Única no reino, por sinal, já que outra não havia. Mas à  medida que  outras foram surgindo cresceu também a Censura.

E era a Censura Prévia, ou seja: a palavra era censurada  antes sequer de ser tipografada.

Por vários períodos a Censura arvorou-se e criou raizes no Brasil. Ora maleável. ora rígida, conforme o Ditador de plantão, ou conforme a estabilidade política do Pais.

Hoje, desde a Constituição Cidadã de 1988 , não existe mais Censura no Brasil.

Em termos.

Escrever sempre foi um perigo. Porque escrever significa propalar idéias, emitir opiniões.

Mesmo se dividirmos a Imprensa em doutrinária ( de caráter político) ou informativa (que acaba sendo também direcionada para um tipo de notícia que leva à  política) escrever sempre ameaça alguém ou alguma coisa.

Sabemos que há lugares no mundo em que a  própria Bíblia é uma ameaça. Como foi ameaça o Torá lido na Idade  Média durante a Inquisição.

Hoje temos a WEB, os blogs e blogueiros, os tuiteiros, os zapzaps, os faces e tudo mais.

Todo mundo escreve e posta. E incomoda muito.

Pode não haver mais a Censura, mas agora há as questões judiciais. Sobretudo na área política e pública.

Processos e mais processos são movidos pelos que de alguma forma sentem-se ofendidos com o escrito (ou digitado).

Para dar um exemplo: Roberto Carlos é não só o Rei Roberto, é também o Rei da Censura Prévia Moderna  ao mover processos impedindo que se escreva sobre sua vida.

Os processos rolam na Justiça, mas já correm para o Congresso: discute-se o direito de escrever biografias não autorizadas.

Mas, apesar de tudo continuamos a escrever (ou digitar).

Em idos tempos já falei e escrevi tanto,  e já fui tão censurado também,  que fico me perguntando o que nasce primeiro: a palavra ou a censura?

“Deixa Falar” a Primeira Escola de Samba do Brasil

 

deixa Deixa Falar a Primeira Escola de Samba do Brasil

Em 1946, nascia em Porto Velho, a "Deixa Falar" primeira Escola de Rondonia. AScarioca "Deixa Falar" deu frutos por todo o Brasil.

 

Há 86 anos nascia a a primeira Escola de Samba do Brasil. Embora não tivesse este nome ainda, mas já podia ser considerada uma "Escola" pois seus integrantes entre eles Ismael Silva ( autor de Antonico), ensinavam samba aos seus integrantes.

Nasceu no Bairro do Estácio no Rio de Janeiro.

De saltos em saltos acabou tornando-se bem mais tarde na raiz da Escola de Samba Estácio de Sá, antiga Unidos de São Carlos.

Quando a "Deixa Falar" surgiu em 1928 desfilavam apenas os ranchos, as sociedades carnavalescas e os blocos.

Por algum tempo a "Deixa Falar" foi considerada pelas "autoridades" como um bloco.

A Escola durou pouco tempo, fazendo "embaixadas" (visitas a outros redutos de samba como Mangueira, Oswaldo Cruz e Madureira) e desfilando na Praça Onze nos carnavais de 1929, 1930 e 1931,

Em 1931 já preferira desfilar como Rancho, e em 1932, quando ocorreu o primeiro desfile oficial das Escolas de Samba do Rio (Mangueira entre elas) a "Deixa Falar" não participou indo desfilar entres os Ranchos.

Foram membros da "Deixa Falar" que introduziram no samba a cuíca e que inventaram o surdo.

No dia 29 de março de 1933 ocorre o fim da "Deixa Falar", que se funde ao bloco "União das Cores", formando o "União do Estácio de Sá".

Osvaldo da Papoula,um dos fundadores junto com Ismael Silva  após isso, foi para o "Recreio das Flores", da Saúde, e Ismael até o fim de sua vida jamais se associou a outra agremiação carnavalesca.

Em homenagem à "Deixa Fafar" choje existem por todo o Brasil Escolas de Samba com este nome.

“Não quero a Dilma, mas não sei quem eu quero”.

image1 Não quero a Dilma, mas não sei quem eu quero.

 

Estamos há menos de dois meses da eleição para Presidente. E até hoje ainda não encontrei um eleitor que me diga que vai votar nos candidatos da oposição.

Encontro  muita gente com um quase surto psicótico esgrimindo contra Dilma. Começam um discurso de ódio e de aversão quase oníricos. descem das mais lúcidas às mais loucas acusações.

Alguns, beiram tamanha loucura de argumentos que providencialmente é melhor silenciar para evitar que a ira contra Dilma volte-se para  você.

Mas até aí  compreendo a emoção . O que me surpreende é que  o vituperante  eleitor, ou eleitora, passado o surto raivoso não consegue responder-me em quem vai então votar.

Esse sim é para mim o fenômeno estranho ocorrendo a tão pouco tempo das urnas. Uma trama digna de Hamlet.

Vejo os pretensos votos pelas pesquisas, mas não encontrei até hoje quem me diga então em que candidato vai votar e sobretudo:enumerando as qualidades de qualquer dos anti Dilma.

A  situação é angustiante. Como se dissessem "não suporto esta realidade, mas não há outra onde abrigar-me".

Não têm sequer o direito à esquizofrenia política.

E neste reducionismo da raiva pela raiva, do ódio pelo ódio, lembro-me de Saramago, o escritor português , dizendo que a democracia hodierna reduziu-se "ao direito de tirar um Presidente de quem não se goste para eleger um outro que a gente vai ver se vai gostar ou não."

Talk Web Com Giusepe Oristânio

giu1 Talk Web Com Giusepe Oristânio

 

Nosso talk web de hoje é com o ator Giusepe Oristânio, que também mantém aqui no R7 o Blog do Giu. Atualmente Giusepe está gravando a nova série da record  "Pano Alto".

1-      Dia e mês de nascimento

15 outubro

2-      Cidade que deixou saudades

Florença, Itália

Fernando de Noronha, Brasil

3-      Deus

Suporte fundamental

4-      Acredita em inveja?

Acredito. Às vezes, até sinto.

5-      Prato preferido

Sinceramente? Arroz e feijão.

6-      Time

Santos F.C.

7-      Livro

São tantos e tão importantes. Ler, pra mim, é pura diversão e emoção.

8-      Filme

Alguns muito bons. Gosto mais dos filmes humanizados, sem grandes efeitos especiais. O Carteiro e o Poeta é um desses, por exemplo.

9-      Peça

Aquelas que nos falam ao coração e nos faz pensar em algo. Fundamentalmente, algo que o público goste de assistir. Dá pra fazer ótimo teatro sem ser chato, claro que dá.

10-   Personagem que mais gostou de fazer

Felizmente tive boas oportunidades. No teatro, gostei demais de fazer A MANDRÁGORA, MEPHISTO, A MARACUTAIA...

Na TV, adorei fazer VIDA NOVA na Globo, adorei fazer quase mil capítulos de Malhação. Gostei de Ana Raio e Zé Trovão e Kananga do Japão. Nos últimos anos, adorei LUZ DO SOL, DONA XEPA e a série FORA DE CONTROLE. Na verdade, eu gosto mesmo é de estar trabalhando sem parar. De preferência, trabalhando muito. Quanto mais trabalho, mais fico bem de cabeça, de coração e de saúde.

11-   Música

Preferencialmente MPB. Quase tudo.

12-   Hobby

Eu me amarro em fazer coisas práticas: quebrar pedras, consertar OU DESMONTAR coisas... às vezes, mais quebro que conserto – mas adoro.

13-   Desejo

Sinceramente? Precisava de um pouco mais de dinheiro.

14-   Medo

De que meus filhos não sejam felizes.

15-   Velhice

To vislumbrando a velhice logo ali adiante. Não há escapatória.

16-   Brasil

Não sou tão pessimista quanto muita gente. Tem muita coisa errada, falta tanto pra que sejamos um grande país...porém, e sempre existe um porém, já melhoramos muito. Em todas as áreas. O que precisamos é seguir em frente, combatendo os políticos antigos que se valem do cargo em benefício próprio – usando a lei e o voto. E sempre devemos estar atentos com quem nos representa. E as mudanças começam com a gente mesmo, antes de tudo. E leva tempo. Precisamos começar já.

17-   Casado?

Sim, faz tempo. Com a Silvana.

18-   Quantos anos juntos?

Casados há 25 anos. Mas estamos juntos há 32 anos. Ela me apoia e me sustenta emocionalmente.

19-   Mensagem para os fãs

Eu sou sempre muito agradecido pelo carinho com que me tratam, sempre. Fico feliz em poder estar sempre em atividade, oferecendo o meu melhor às pessoas.

Vamos em frente, sempre juntos. Porque ator sem público – e sem fãs -  é ator infeliz.

 

Meu Stand Up “Dona Encrenca” Chega Hoje em Brasília

DONA ENCRENCA Bemvindo Sequeira 3 Meu Stand Up Dona Encrenca Chega Hoje  em Brasília

 

Hojé é sábado.

Dia de diversão e lazer.

Mesmno na Capitgal Federal - sobretudo na Capital Federal -porque ninguém é de ferro.

Estreio hoje, às 21 ho =Teatro Sala 3 do Brasil  Cultural meu novo stand up "Dona Encrenca, Só Muda o Endereço".

São apenas duas apresentações: hoje e amanhã.

São 80 minujtos de gargalhadas. Sem parar,. Medidas: uma a cada 15 segundos.

Com mais de trinta anos de um feliz casamento concordo com o dito popular que diz que “mulher só muda o endereço”.

Neste stand up  relato com muito bom humor as chamadas “relações de casamento” que são discutidas sempre entre os casais e cujos temas são sempre os mesmos, só mudando realmente de endereço. Homens e mulheres, casados ou não se verão refletidos  com muita simpatia e bom humor nesse festival  de gargalhadas

É assistir e conferir que realmente as  “Dona Encrenca”,  assim carinhosamente chamadas no  linguajar popular,  só mudam de endereço.

doia Meu Stand Up Dona Encrenca Chega Hoje  em Brasília

Eu com a minha "Encrenca" amada

 

É Imperdível a Comédia “Elza e Fred” em Cartaz no Rio

 

elza1 É Imperdível a Comédia Elza e Fred em Cartaz no Rio

Com os amigos Umberto e Suely

Estreou ontem no Rio para convidados a comédia romântica "Elza e Fred", no Teatro das Artes.

Tem no elenco principal a maravilhosa Suely Franco e o talentoso e fraternal Umberto Magnani.

No elenco estão também  Mayara Magri, como atriz convidada, além de Eduardo Estrela, Fernando Petelinkar, Luciano Schwab, Antonio Haddad, Igor Dib e David Leroy.

A peça é fruto do filme argentino do mesmo nome de autoria de Marcos Carnevale, Marcela Guerty e Lily Ann Martin.

O enredo: sete meses após perder sua companheira com quem foi casado por 48 anos, Alfredo (Umberto Magnani) muda-se para um prédio onde também mora a extrovertida Elza.

O encontro entre os dois vizinhos se dá após Elza esbarrar no automóvel estacionado da filha de Fred (Mayara Magri), que indignada com o fato de ela não apenas ter fugido da “cena do crime” como também ter ameaçado seu filho (Antonio Haddad), decide ao lado do marido (Eduardo Estrela) cobrar a dívida.

Mãe de dois filhos com temperamentos completamente diferentes, Elza é surpreendida com as acusações da família e diante daquela situação, seu filho mais velho Gabriel decide pagar a dívida.

No entanto, após receber o cheque das mãos de Gabriel, Elza se penaliza com o filho mais jovem que precisa de dinheiro para montar uma exposição com seus quadros e mente para Fred dizendo que precisa sustentar os filhos e netos.

A partir daí eles desenvolvem uma relação de carinho, amizade e muitas investidas da desinibida Elza sobre o tímido e hipocondríaco Fred.

Suelly esbanja talento e graciosidade, e todo o elenco está mujito afinado.

A platéia dá boas gargalhadas e os 8o minutos de espetáculo transcorrem numa leveza que deixa a todos inebriados e emocionados.

A  obra para Suely segue a mesma trajetória das suas comédias anteriores : "Seis Lições de Dança" e "Há um Homem na Minha Casa" (de Chico Anysio)  quando tivemos oportunidade de contracenar.

Vale a pena assistir e rir à vontade, deliciar-se com este espetáculo que promete ser o sucesso da temporada teatral do Rio de Janeiro.

Direção muito boa de Elias Andreatto.

Oliver Hardy, o Gordo do Magro

oliver Oliver Hardy, o Gordo do Magro

 

"O Glorioso e o Forte "seria a tradução ao pé da letra de Laurel and Hardy. Que no Brasil ficaram conhecidos como o "Gordo e o Magro".

Na tradução perde-se a ironia dos nomes: nem Stan era glorioso (ao contrário) nem Oliver era forte ( apenas obeso).

Mas fato é que marcaram a cinematografia mundial por mais de 50 anos e marcaram , ainda marcam, gerações e erações de espetadores. De crianças a adultos.

Oliver Hardy, que seria o Forte Oliveira, era o sofredor com as trapalhadas de Stan Laurel, nome derivado de Stanley que significa ousadia, espirito comnpetitivo, liderança laureada (risos). Ou seja a ironia completa conhecendo o biotipo das personagens.

Hoje é dia de abordarmos  Oliver Hardy. Nascido no século 19, mais precisamente em 1892 . O nome Oliver ele herda do pai, combatente Confederado na guerra de Secessão dos EEUU (1862)

Em 1914, fez seu primeiro filme. Em 1915, Hardy já fizera 50 filmes curtos para a Lubin Studios.  Trabalhou com Charlie Chaplin e com a atriz de comédias Ethel Burton Palmer, durante esse tempo.

Trabalhou depois , em 1917, em The Lucky Dog, onde  estrelava um jovem ator britânico chamado Stan Laurel . Foi a primeira vez que Laurel e Hardy trabalharam juntos.

Entre 1918 e 1923, Oliver Hardy fez mais de 40 filmes.

Em 1919, separou-se de sua esposa, e em 1921, casou com a atriz Myrtle Reeves. O casamento não foi feliz, e Hardy eventualmente começou a beber.

Foi apenas em  1927  que Laurel e Hardy apareceram juntos. O diretor supervisor do Roach Studios, observou em uma apresentação a reação da platéia, e começou a colocá-los juntos, criando assim a mais famosa dupla de humoristas da história do cinema.

Em maio de 1954, Hardy, que muito fumava e bebia, além do excesso de peso  teve um infarto do miocárdio; e no ano seguinte  Hardy teve um AVC. Em 7 de agosto de 1957, Oliver Hardy morreu, aos 65 anos.

Extremamente abatido e inconformado com a morte do melhor amigo, Laurel não teve estrutura emocional para comparecer ao seu funeral.

Stan nunca mais atuou em nenhum filme ou mesmo episódio de série após a morte de Oliver.

Dizia que não suportaria entrar em um set de filmagem sabendo que nunca mais veria o seu amigo de mais de três décadas no ambiente onde atuaram juntos por tantos anos.

Ele, assim, passou a apenas escrever roteiros para comédias, sem jamais voltar a aparecer diante das câmeras.

Terminava assim a dupla "O Gordo e Magro" que hoje é um clássico da cinematografia mundial.

Hoje é Aniversário da World Wide Web – A Rede

Em 6 de agosto de 1991 a World Wide Web tornou-se disponível ao público. Seu criador, o agora conhecido internacionalmente Tim Berners-Lee, postou um breve resumo do projeto nonewsgroup alt.hypertext e deu à luz a uma nova tecnologia que iria mudar fundamentalmente o mundo como o conhecíamos.

A World Wide Web tem o seu fundamento no trabalho que Berners-Lee fez na década de 1980 no CERN, a Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear. Ele estava procurando uma maneira para que os físicos pudessem compartilhar informações em todo o mundo, com todos usando os mesmos tipos de hardware e software. Isso culminou em seu projeto de 1989 propondo "A grande base de dados de hipertexto com links digitados"

O documento previa a Web  sendo usada para uma variedade de propósitos, tais como "O registro de documento, a ajuda on-line, a documentação do projeto, os esquemas de notícias e assim por diante."

Em 1990, trabalhando em um computador construído pela NeXT, Berners-Lee desenvolveu o primeiro software browser chamado, apropriadamente, WorldWideWeb . 

Em 6 de agosto de 1991, a World Wide Web foi ao vivo para o mundo. Não houve alarde na imprensa mundial. Na verdade, a maioria das pessoas ao redor do mundo nem sequer sabe o que a Internet era.

Mas dali em diante as coisas começaram a desenvolver-se rapidamente para a web. A primeira imagem foi postada em 1992, Berners-Lee escolheu uma foto do grupo de rock francês paródico Les Horribles Cernettes.

Les Horribles Cernettes in 1992 520x413 Hoje é Aniversário da World Wide Web   A Rede

Em 1993, foi anunciado pelo CERN que a World Wide Web seria liberfada  para que todos possam usar e desenvolver, sem taxas a pagar - um fator-chave para o impacto transformacional que logo teria sobre o mundo

O crescimento dos navegadores da Web de fácil utilização coincidiu com o crescimento do negócio de ISP comercial, com empresas como a Compuserve trazendo um número crescente de pessoas de fora da comunidade científica para a Web - e esse foi o início da Web que conhecemos hoje .

A Web se tornou uma parte da nossa vida cotidiana - algo que acessar em casa, em movimento, em nossos telefones e na TV. Ele mudou a forma como nos comunicamos e tem sido um fator chave para a forma como a Internet transformou a economia e as sociedades globais em todo o mundo. Sir Tim Berners-Lee ganhou o título de cavaleiro, e a decisão do CERN para tornar a Web completamente aberta foi talvez o seu maior presente para o mundo.

Feliz aniversário, World Wide Web!