Há 81 Anos Hitler Iniciava o Extermínio de Judeus

 

dachau Há 81 Anos Hitler Iniciava o Extermínio de Judeus

Dachau, vergonha para toda a História.

 

A gente sempre pensa ao falar dos Campos de Concentração nazistas que eles foram construídos e instalados durante a II Guerra, a partir de 1940.

Não é fato.

O primeiro campo de concentração, que chegou a abrigar 200.000 prisioneiros, e onde morreram ao menos 32.000 pessoas,  foi constrúído apenas seis semanas depois que Hitler subiu ao poder, na data de hoje em 1933.

A política de eugenia, de raça pura e de extermínio dos judeus já estava em execução muito antes que a guerra fosse declarada .

Já era planejada mais de sete anos antes da guerra.

Denúncias já eram feitas em todo o Mundo, mas de maneira omissa os governos, a mídia, e  demais poderes dos aliados não tomavam conhecimento.

Somente em 1945, depois de 12 anos foi o Campo finalmente fechado pelas tropas norte-americanas ao final da Guerra.

Dachau foi o primeiro dos campos e serviu de modelo para os que vieram depois.

Vergonha para a humanidade. Mancha que não se apaga da História.

Os campos de extermínio., chamados eufemisticamente de Campos de Concentração compõe o quadro terrível de até onde o ser humano pode chegar nos seus atos de crueldade para com o próximo.

A paz , o respeito à diversidade,  a convivência pacífica entre as etnias, e a autonomia dos povos deve ser buscada todos os dias em que pesem os interesses economicos da indústria bélica e demais  interessados financeiros nas lutas fratricidads.

Dachau é exemplo histórico que não pode se repetir.

No Rio Um Dia de Fúria Com Dois Pesos e Duas Medidas

pesos No Rio Um Dia de Fúria Com Dois Pesos e Duas Medidas

O fato aconteceu esta semana no Rio de Janeiro.

Um dia de fúria.

O dono de um Corolla (portanto de origem de classe alta) dirigindo perigosamente chocou seu carro contra um outro Corolla.

Tudo isso aconteceu na Barra da Tijuca, bairro nobre do Rio.

Após a batida o imprudente motorista não quis conversa e fugiu do local em seu carrro. Passou a ser persegudio pela vítima.

Na fuga o desaastrado atropelou uma senhora e nem sequer parou pra socorre-la.

A partir daí uma viatura policial passou a persegui-lo também.

Nesta nova fuga ele bateu em mais outro veículo.

E afinal foi cercado e detido.

Discussão com polícia, vítima e amigos das vítimas gritando, carro de portas abertas...

E é aí que entra em cena um flanelinha, nem bem um flanelinha, mas um ladrãozinho pé-de-chinelo e resolve roubar o celular do detido, que estava no banco do Corollla.

Foi também preso pelos policias e levados os dois - motorista e flanelinha - para a Delegacia.

O motorista do Corolla pagou fiança e foi liberado.

O pé-de-chinelo continhua lá. Preso. Tão incompetente e pobre que nem um celular conseguiu roubar.

Pobre  o suficiente pra permanecer preso, sem dinheiro pra fiança e à espera de um Defensor Público.

É isso que chamam de dois pesos e duas medidas?

Saiba Qual a Primeira estrada Pavimentada do Brasil

 

uniao industria Saiba Qual a Primeira estrada Pavimentada do Brasil

Carruagem de passageiros na Estrada União e Indústria. Século 19.

Pra quem trafega pelas estradas paulistas, ou mesmo pelas estradas fluminenses e de mais alguns estados,  pedagiadas,  pode dizer que é uma maravilha, que estão muito bem conservadas.

Mas as que não são pedagiadas fazem a gente sentir-se lesado quando pagamos o IPVA.

Crateras, falta de sinalização vertical e horizontal, barreiras caídas, enfim: quem viaja pelo Brasil sabe do que estou escrevendo.

E pasmem: hoje completa-se 156 anos da pavimentação da primeira estrada no Brasil

Deu-se o fato ainda no Segundo Império. Foi a pavimentação da Estrada União e Indústria.

Trecho de Pedro do Rio a Petrópolis. Um total de aproximadamente 31 quilômetros. O projeto todo previu a ligação Juiz de Fora-Petrópolis, a Cidade Imperial.

Mas já nasceu privatizada. O Comendador Mariano Procópio recebeu do Imperador a concessão por 50 anos  para construir  a estrada com direito a  cobrar pedágio das mercadorias que passassem por ela.

Isto há um século e meio trás. Já naquele tempo o Estado brasileiro não conseguia por si só manter a pavimentação das nossas estradas.

A coisa piorou quando um País gigantesco como o Brasil, de dimensões continentais, na década de 1950 não conseguiu do Banco Mundial dinheiro para aplicar em ferrovias.

Interessava aos banqueiros e à indústria estrangeiros a fabricação de pneus, carros e a construção de estradas e pontes.

O então Presidente Juscelino Kubistcheck só conseguiu verba para rodovias, e foi aí que perdemos pouco e pouco a malha ferroviária, abrimos estradas pelos nossos 8.5000.000 quilômetros quadrados e não conseguimos atender a demanda do tráfego de mercadorias e de transportes de passageiros.

E pensar que tudo começou na data de hoje há exatos 156 anos...

Há Milênios o Desafio Masculino É Decifrar as Mulheres

 

esfinge Há Milênios o Desafio Masculino É Decifrar as Mulheres

A Esfinge disse a Édipo: "Decifra-me ou devoro-te"

 

A mulher  tem uma capacidade de deixar a gente numa sinuca de bico  que é impressionante.
De repente, num dia de semana qualquer, depois que você chega do trabalho, quando está se preparando para jantar ela diz:

- Você ontem nem lembrou, né?

Tensão no ar. Vem coisa aí.

- Lembrei de quê?
- Que dia foi ontem?
- 3ª feira, dia 19.
- Então?...
- Então, o quê?
- Você não lembrou...

Ah meu Deus, eu tinha que lembrar de quê, Senhor? Comprar o pão integral? Trocar a lâmpada? Pagar que conta? Buscar quem ? Telefonar pra  quem? O que foi que eu esqueci?

-Não lembrei o quê?
- Ontem foi aniversário do dia que a gente começou a namorar!

Ela  fica o dia inteiro caladinha, deixa passar pro dia seguinte só pra te pegar na saia justa de ter esquecido a tão sonhada data!
Mas isso é realmente falta grave. Mas não tão grave quando você chega em casa, num dia de semana qualquer, depois que você chega do trabalho,  um caor de rachar...tudo que você quer é tomar banho e relaxar... quando está se preparando  ela diz:

- Não notou nada , não?

Tensão no ar. Vem coisa aí.

- Notar o quê?
- Não notou nada?
- Não...
- Você nunca nota nada...
- Mas o que eu tinha que notar?
- Meu cabelo. Cortei! E você nem percebeu!

Respondam-me: cortou o quê? Uma ponta e cabelo e quer que a gente perceba!
Mesmo que fosse cabeleireiro de profissão eu juro que não notaria.

- Cortei uma pontas e dei um reflexo!

Esse tal “reflexo” então...reflexo pra mim é coisa de vidro, espelho, coisa forte que ofusca a vista. Como eu vou entender o que é reflexo numa mecha entre dezenas de outras na cabeça dela?

Ainda assim, talvez por todas essas coisas é que amo demais a alma feminina. É uma novidade a cada momento.

Lucélia Santos, a Dama do 522: Botafogo-São Conrado

 

busao Lucélia Santos, a Dama do 522: Botafogo São Conrado

Com Lucélia na peça "Deus Lhe Pague"

 

Lucélia andou de transporte coletivo e o fato virou até coluna de jornal.

Ainda bem, ela não foi a primeira nem é a única. Mas concordo que causa espécie uma "celebridade" andando de ônibus.

Lembro-me bem da querida Zezé Macedo - a Dona Bela  da Escolinha - aos 80 anos de idade dispensando o carro da emissora e tomando o ônibus no ponto do Jardim Botânico pra ir pra casa.

Claro que no auge de um sucesso televisivo não dá nem pra ir na quitanda da esquina , tamanho o assédio.

Mas passada a glória fugidia dá pra gente fazer tudo: mercado, praia, farmácia, cinema...e até teatro! Embora haja celebridades que não gostam de teatro . (Risos). E concordo, a gente escolhe o que gosta.

À exceção do ex-prefeito de Porto Alegre, Olívio Dutra, que ia para o trabalho de busão eu desconheço político usando transporte coletivo. Até porque o risco que corre deve ser bem maior. (risos).

Sempre que posso uso o metrô. Gosto muito, mas quando está  vazio. Lotado, parando por até vinte minutos entre uma estação e outra é a sala de espera do inferno.

E uso ônibus sempre. Mas apenas para percursos pequenos e seguros. Uma viagem longa de coletivo, do tipo do Humaitá ao Centro, passando pelo Aterro ou pelos túneis  sempre pode trazer o desgosto de um assalto.

Do Humaitá à Barra corre-se também  o risco, quase sempre  nos túneis do trajeto.

Então uso apenas para pequenos percursos.

Gostaria de usar mais , se houvesse mais segurança e mais conforto.

No Rio há uma diferença brutal na qualidade dos serviços de transporte da Zona Sul  para a Zona Norte .O que reflete a injusta divisão social e cultural da Cidade.

Mas vale o aviso aos coleguinhas famosos que forem pegar ônibus: é ótimo.

Ninguém te enche o saco, ninguém pede autógrafo. Você,  se achar lugar, pode viajar sentado olhando a paisagem pela janela, absorto, ou observando os demais passageiros.

Sabe porque ninguém te incomoda? Porque eles acham que se você está no ônibus deve ser uma pegadinha. Ou então vai ver nem é o "artista" que eles veem na tv.

A perversão do sistema de transporte urbano afeta a auto estima dos usuários. Tipo: "Não é possível que  essa pessoa  especial esteja no mesmo transporte que eu."

O transporte público é tão ruim, tão maltratados seus usuários que ele é sinônimo de pobreza, de penúria e de castigo, punição.

O público quer a fantasia, a ilusão de que os artistas são diferentes, que vivem num mundo de magia e glamour.

O preconceito contra o transporte público é tão forte que uma tarde o próprio trocador, bem ousado, disse-me;

- A Record devia por carro pros artistas dela pro senhor não precisar pegar ônibus.

- Mas ela põe , meu filho. É que  eu também  gosto de andar de ônibus. É uma forma de lhe prestigiar, compreende?

Quando o Cinema Brasileiro Criou Seu Primeiro Estúdio Profissional

 

cartaz o descobrimento do Brasil 1937 Quando o Cinema Brasileiro Criou Seu Primeiro Estúdio Profissional

Filme da Cinédia , em 1937

 

Antes, muito antes no tempo, quando apenas um ou  outro dos que me leem havia nascido,quase na época do descobrimento do Brasil (risos)    nasceu a Cinédia.

Dia 15 de março de 1930 no Rio de Janeiro. Fundada por Adhemar Gonzaga,  e se dedicou a produzir dramas populares e comédias musicais, que ficaram conhecidas pela denominação genérica de chanchadas.

Humberto Mauro assinou o primeiro filme da companhia, "Lábios Sem Beijos".

beijos1 Quando o Cinema Brasileiro Criou Seu Primeiro Estúdio Profissional

 

Em 1933, ele dirigiu, com Adhemar Gonzaga, "A Voz do Carnaval", com a cantora Carmen Miranda. Carmem ainda iria fazer sue grande  sucesso nos EEUU.

Aliás o sucesso de Carmem no cinema americano até hoje não foi batido por nenhum outro artista nacional: o maior pagamento  de Imposto de Renda.

Com comédias musicais como "Alô, alô, Brasil"; "Alô, alô, Carnaval" e "Onde Estás, Felicidade?" , lançou atores como Oscarito, Grande Otelo e Dercy Gonçalves.

Os reis da chanchada, e no dizer do crítico de arte Sábato Magaldi (SP) legítimos remanescentes da Commedia D'Lart italiana.

oscarito Quando o Cinema Brasileiro Criou Seu Primeiro Estúdio Profissional

 

O maior sucesso de público da Cinédia foi O Ébrio, de 1946, produzido por Gonzaga e dirigido por Gilda de Abreu. Gilda dirigiu o sucesso musical da época, e que não era Lepo Lepo. Era o barítono Vicente Celestino, seu marido, o protagonista.

ebrio Quando o Cinema Brasileiro Criou Seu Primeiro Estúdio Profissional

Cena de "O Ébrio". Sentado , Vicente Celestino

Destacando-se também "O Cortiço" de 1945; "Estudantes",  de 1935;  "Ganga Bruta",  de 1933 -  Fantástico filme que retrata o serviço braçal de trabalhadores  brasileiros à época. E o genial "Limite" de 1931.

ganga Quando o Cinema Brasileiro Criou Seu Primeiro Estúdio Profissional

Eu, que sou quase um dinossauro,  ainda cheguei a gravar nos antigos estúdios da Cinédia, mas aí já não era mais  cinema e sim televisão.

seda Quando o Cinema Brasileiro Criou Seu Primeiro Estúdio Profissional

 

Para o Amigo e Mestre Paulo Goulart o Nosso Aplauso

sabadom2 Para o Amigo e Mestre Paulo Goulart o Nosso Aplauso

Paulo e eu na comédia"Sábado , Domingo e Segunda" Teatro Maison de France, Rio 2004

 

Meu amigo querido Paulo Goulart , companheiro de incontáveis bons momentos durante nossa amizade, solidário em tantos momentos difíceis porque passamos eu e minha querida Doia,  partiu para a Eternidade.

Cumpriu com dignidade e bom humor o mistério da existência.

Paulo sempre procurou pautar a sua vida dentro dos princípios de equilíbrio, amor ao próximo, profissionalismo, mas sobretudo a caridade.

Não essa vaidade de sair por aí mostrando a todos como se pratica a caridade.

Mas aquela que traz em seu gesto o carinho discreto de amparo ao próximo desvalido.

Sempre recebeu em troca. Conversamos muitas vezes  sobre isso.  Acreditava na Lei crística de que é dando que se recebe.

Tratou a todos com equidade, respeito, solidariedade e sobretudo fraternidade, sabendo que somos todos uma só família, uma única humanidade universal.

Compreendendo a Lei da ação e Reação sempre soube que se praticasse uma má ação receberia  de volta uma má reação.

Passou ao lado da amada Nicete os tempos mais felizes da sua vida. Sem ela eu diria que ele  seria metade , ela o tornou inteiro.

Sei o quanto ele passou por momentos tristes,  amargos,  mas sobretudo sei das atitudes de fé que impulsionavam a ele e a todos à sua volta, demonstrando para nós que a vida é muito maior que as atribulações.

Que fossem  quais fossem os problemas que se apresentassem eles só se apresentavam porque tinham solução.

Sempre teve imenso prazer no trabalho criativo. No trabalho de comunicar ao próximo a inspiração que recebia das artes cênicas como bênção sobre si .

Procurou ser fiel aos amigos, e esquecer os que de alguma forma não o compreenderam. Mágoas soube vence-las e transforma-las em flores.

Rodeado pelos filhos, netos e por sua doce Nicete , com o carinho dos amigos, Paulo foi mais que uma pessoa: fui sobretudo uma família. A família humana.

Despede-se de nós  nesse momento.  A vida é breve. "A vida é sonho" disse o dramaturgo espanhol Calderón de La Barca.  Por seu lado Shakespeare escreveu " Há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe a nossa vã filosofia."

E dizia-me Paulo numa de nossas prosas: "A  Sabedoria de Deus é muito maior que tudo que possamos sequer imaginar" . Por isso em seu momento final rendeu-se à Ela com a serenidade dos que são mansos de espírito, pois embora por vezes ameaçador com a sua possante voz, sempre foi o cordato, o pacificado Paulo no altar da Vida.

Descansa em paz amigo justo e reto.

Em 1838 Nasceu a Dramaturgia Brasileira

 

Goncalves de magalhaes Em 1838 Nasceu a Dramaturgia Brasileira

Gonçalves de Magalhães

Na data de hoje, há 176 anos atrás, em 1838, estreava a primeira peça teatral brasileira: "O Poeta e a Inquisição" de autoria de Gonçalves de Magalhães.

É um drama romântico em verso.

Ele foi apresentado no teatro da Praça da Constituição (hoje Praça Tiradentes) , e foi bem recebido pelo público e crítica teatral, pela coragem de abordar este tema na época em questão.

É baseada nos dias finais da vida do dramaturgo Antonio José da Silva, "o Judeu".

Nascia a dramaturgia brasileira já sob os inquietantes moldes do "protesto".

Gonçalves de Magalhães foi o primeiro e único Visconde do Araguaia. Exercia carreiras diplomática durante o Império. É também considerado o precursor do Romantismo no Brasil.

Já Antonio José da Silva, vulgo "O Judeu",  nasceu numa fazenda nos arredores do Rio de Janeiro e mudou-se para a Candelária com a família.

Batizado, mas de origem judaica, foi vítima da perseguição que dizimou a comunidade dos cristãos-novos do Rio de Janeiro em 1712.

Em Lisboa, o dramaturgo e escritor, foi preso pela Inquisição portuguesa junto com a sua a mãe, a tia, o irmão (André) e a sua mulher, Leonor Maria de Carvalho, que se encontrava grávida.

Viria a morrer na fogueira às mãos da Inquisição, num auto-de-fé.

Seu crime? Ser  de origem judaica em época de Inquisição.

Memórias do Brasil: O Cofre do Ademar

ademnar Memórias do Brasil: O Cofre do Ademar

Ademar

Hoje  faz 45 anos da morte do político paulista Ademar de Barros.

Governador de São Paulo à época do Golpe Militar de 64 , que ele junto com os governadores do Rio e de Minas tanto  conspirou para a sua realização.

Vindo mais tarde a ser cassado pelos próprios militar5es que colocou no Poder.

Ademar vinha da velha política paulista. Do antigo PRP - Partido Republicano Paulista - coisa ainda da Velha República que sobreviveu mesmo após a Revolução Industrial de Getulio Vargas.

Ademar tinha um estilo populista. O mesmo estilo que mais tarde viria a ser usado por Paulo Maluf e Orestes Quércia.

Seus correligionários cunharam a frase que muito se escutou neste País: "Rouba mas faz".

Como se o roubo praticado em cofres públicos fosse perdoado  pela realização de algumas obras.

Fato curioso sobre este "rouba mas faz" é o tal episódio do "cofre do Ademar".

Dele participou inclusive a hoje Presidente Dilma Roussef.

Ademar em 1969 já havia morrido, mas havia  um cofre seu  guardado na casa de  uma senhora que diziam ter sido sua amante. Dentro do cofre alguns milhões de dólares  que não foram declarados, dinheiro de origem obscura. Não podia ir pra bancos e nem aparecer.

Por isso ficava no "cofre do Ademar".

A turma da Var Palmares, em ação  planejada por Dilma durante a Ditadura descobriu isso e resolveu assaltar a casa da amante e levar o cofre.

Foram bem sucedidos. O dinheiro seria para financiar a luta contra a Ditadura.

O roubo foi tremenda saia justa : cofre roubado, ninguém  não podia apresentar queixa do roubo já que o dinheiro segundo o filho de Ademar nunca existiu, havia  apenas dentro do cofre, segundo ele,  documentos sem valor.

E aí como numa comédia terminou tudo bem: o dinheiro foi expropriado; ninguém podia reclamar do roubo; e o caso foi abafado; final de comédia de Hollywoodiana.

Ou, pra fazer jus ao populismo brasileiro: final típico  de uma chanchada.

cofre do adhemar1 Memórias do Brasil: O Cofre do Ademar

À época a Imprensa sob Censura noticiava como podia.

Dona Encrenca Só Muda o Endereço

encrenca4copia Dona Encrenca Só Muda o Endereço

Estreio hoje no teatro Norte Shopping meu mais novo stand up: "Dona Encrenca Só Muda o Endereço".

Tenho mais de trinta anos de um casamento feliz, por isso pude ao longo dos anos observar e  concordar com o dito popular que diz que “mulher só muda o endereço”.

O título dos espetáculo  nasceu quando um dia conversando com o motorista que me conduzia comecei  a falar da minha mulher, e de repente ele virou-se pra mim e perguntou:

- "O senhor está dormindo com a minha mulher?"

- "Por que?" Retruquei assustado.

- "Porque tudo que o senhor está descrevendo  é a minha mulher certinho."

Neste stand relato com muito bom humor as chamadas “relações de casamento” que são discutidas sempre entre os casais e cujos temas são sempre os mesmos, só mudando realmente de endereço.

Homens e mulheres, casados ou não se verão refletidos  com muita simpatia e bom humor nessa hora de gargalhadas que trago  para a plateia.

Pude perceber que as mulheres são as que mais se divertem, pois identificam-se de imediato com o dia a dia do casal.

O espetáculo teve sua pré-estreia na festa Internacional de Teatro de Angra dos Reis, no fim do ano passado.

Hoje e todas as 3as e 4as feiras as 20h você pode assistir e conferir no Teatro Miguel Falabella, no Rio.

 

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com