Anarquistas Pretendem Matar Na Copa o Arquiduque da Áustria?

legiao Anarquistas Pretendem Matar Na Copa  o Arquiduque da Áustria?

 

Em 1914 um arrebatado anarquista assassinou o Arquiduque da Áustria e sua esposa. Herdeiro do trono austríaco, filho do Imperador.

Tudo que o anonymous daquela época  conseguiu foi uma guerra de proporções mundiais, - até o Brasil entrou na Guerra - onde só quem perdeu foram os trabalhadores.

Como sempre os mais pobres são  bucha para canhões, linha de frente da morte bélica.

Milhões de vidas ceifadas.Cinco anos de sangue e atrocidades.

E os anarquistas? Vão bem, obrigado, e neste momento facilitando o trabalho de facções antipopulares para as eleições de outubro

Há 48 anos atrás , líderes nascidos no século 19 levaram centenas dos melhores jovens brasileiros, a elite estudantil, e a vanguarda operária à louca aventura da luta armada contra a Ditadura. Eu, romântico e arebatado jovem, entre eles.

Com todo o respeito que tenho por estes senhores heroicamente falecidos,  pensavam eles como os da Comuna de Paris em 1871, alimentados por  Cuba e Vietnam como exemplos.

Embarcamos na louca aventura das guerrilhas.

Cheguei a traçar planos de uma guerrilha nos morros de Campos dos Goytacazes - RJ, dada à proximidade deles com os canaviais.

Agradeço á Providência ter escapado com vida. Mas não posso dizer o mesmo das dezenas de amigos de juventude que hoje vivem na nossa lembrança, e muitos deles são nomes de ruas num Condomínio Burguês no Recreio, aqui no Rio.

A que levou essa aventura? A décadas de terror, de vergonha; décadas onde se cobra, onde se procura cadáveres insepultos; e até hoje a uma irreconciliação entre  grande parte da Sociedade Civil  e das suas Forças Armadas.

E aí, os anarquistas, que estavam bem abrigados, epa, digo: obrigados,  ressurgem românticos com as máscaras do Anonymous incendiando novamente as ruas, e bradando para espanto meu o que a Besta gritou quando indagada : "Nós somos Legião!"

Mobilizam a generosa consciência da juventude que anseia por  melhores condições para o povo e dispensam as verdadeiras conquistas sociais que a pouco e pouco, nas conciliações oportunistas com uma Câmara fisiológica o Governo vai conseguindo a duras penas.

Aonde isso nos levará? Não creio que ao Arquiduqe da Áustria, nem às Guerrilhas do Caparaó.

No máximo, no momento,  às ofensas aos turistas estrangeiros e às delegações de futebol de países que não tem nada a ver com a cabecinha torta dessas lideranças compostas por figuras míticas que em muito se distanciam de Che Guevara ou Bakhunin.Nos tempos modernos ficam mesmo pela área de Wal Disney e Hollywood, transitando entre heróis mascarados de filmes românticos,  fadas sininhos,  e ninjas encapuçados, para delírio de notórios órgãos de uma  imprensa platinada e golpista que ano após ano  vendo perder a sua hegemonia aposta no "quanto pior melhor.".

Babando de êxtase ao ver uma senhora de 67 anos, Presidenta eleita democráticamente ser ofendida por uma elite que sobretudo jacta-se de ser educada e fina.

 

Leila Diniz Daria Olé Nessa Copa

leila Leila Diniz Daria Olé Nessa Copa

 

"Sem discurso nem requerimento, Leila Diniz soltou as mulheres de vinte anos presas ao tronco de uma especial escravidão."

Esta frase de Carlos Drummond de Andrade revela a importância da atriz Leila Diniz.

Leila faleceu na ìndia, na data de hoje, em 1972 num acidente aéreo.

Foi uma tragédia, sobretudo para as mulheres brasileiras.

Aos dezessete anos, conheceu seu primeiro marido, o cineasta Domingos de Oliveira e casou-se com ele. O relacionamento durou apenas três anos.

Foi nesse momento que surgiu a oportunidade de trabalhar como atriz. Primeiro estreou no teatro e logo depois passou a trabalhar na TV Globo, atuando em telenovelas.

Mais tarde, casou-se com o cineasta moçambicano Ruy Guerra, com quem teve uma filha, Janaína. Participou, ao todo, de quatorze filmes, doze telenovelas e várias peças teatrais.

Leila Diniz quebrou tabus de uma época em que a repressão dominava o Brasil, escandalizou ao exibir a sua gravidez de biquini1 na praia, e chocou o país inteiro ao proferir a frase: Transo de manhã, de tarde e de noite.

Considerada uma mulher à frente de seu tempo, ousada e que detestava convenções.

Foi invejada e criticada pela sociedade conservadora das décadas de 1960 e 1970.

Leila falava de sua vida pessoal sem nenhum tipo de vergonha ou constrangimento. Concedeu diversas entrevistas marcantes à imprensa, mas a que causou um grande furor no país foi a entrevista que deu ao jornal O Pasquim em 1969.

Nessa entrevista, ela, a cada trecho, falava palavrões que eram substituídos por asteriscos, e ainda disse: Você pode muito bem amar uma pessoa e ir para cama com outra. Já aconteceu comigo.

O exemplar mais vendido do jornal foi justamente esse no qual foi publicada a entrevista da atriz fluminense.

E foi também depois dessa publicação que foi instaurada a censura prévia à imprensa, mais conhecida como Decreto Leila Diniz.

Perseguida pela polícia política, Leila se esconde no sítio do colega de trabalho Flávio Cavalcanti (diga-se de passagem, um homem de Direita, mas solidário aos colegas), tornando-se em seguida jurada do programa do apresentador, no momento em que é acusada de ter ajudado militantes de esquerda.

Alegando razões morais, a TV Globo do Rio de Janeiro não renova o contrato de atriz. (Risos de ironia). De acordo com Janete Clair, não haveria papel de prostituta nas próximas telenovelas da emissora. (Mais risos de ironia).

Meses depois, Leila reabilita o teatro de revista, e começa uma curta e bem sucedida carreira de vedete. Estrelando a peça tropicalista Tem banana na banda, improvisando a partir dos textos escritos por Millôr Fernandes, Luiz Carlos Maciel, José Wilker e Oduvaldo Viana Filho.

Recebe de Virgínia Lane o título de Rainha das Vedetes. No carnaval de 1971, é eleita Rainha da Banda de Ipanema por Albino Pinheiro e seus companheiros.

Quarenta e dois anos após sua  morte Leila faz falta ao Brasil de hoje.

Meninos Eu Vi : Teve Copa

 

copa3 Meninos Eu Vi : Teve Copa

"Verde que te quero verde..."

 

Vergonha alheia nesta Copa foi ver 50 pessoas querendo fechar a AV. Rio Branco contra a Copa, e mais umas 15 querendo fechar o acesso ao Galeão. Umas 200 em São Paulo , e uns 10 em Brasília.

Enquanto milhões estavam ligados na Copa a turminha da vergonha divertia-se  quebrando o patrimônio público.

Mas isso já passou. Venceu o esporte na hora dele. Política é em outra hora.

A abertura não me envergonhou, mas podia ser melhor, Jenifer Lopez brilhava ao lado de uma  Claudia Leitte que lembrava, de azul, a Galinha Pintadinha.

Decepção eu tive por não poder ver o paraplégico com seu exoesqueleto dar o chute inicial. Não entendi porque a emissora oficial boicotou esta vitória da ciência nacional.

Será que ela boicota tudo que engrandece o Brasil?

Achei sacanagem chamarem Marcelo de "o maior artilheiro da Croácia", mas levei no bom humor.

Mas fiquei de mau humor vendo o Clarín de Buenos Ayres dizer que ganhamos com penalti roubado.  E eles que ganharam uma Copa com gol de mão do Maradona?

Arigatô foi o que eu disse pro juiz japonês na hora do pênalty.

Perdi a voz no quarto gol do Brasil. Mesmo tendo tomado um Rivotril 15m antes do jogo. (risos).

Olhei o palanque oficial e vi uma nuvem sombria: era o Barbosa. Não o do Brasil x Uruguai, mas o do Brasil autoritário .

Convenci-me que realmente o Brasil precisa de educação quando parte de uma elite  xingou e ofendeu uma senhora e Presidente do País.

Fiquei encantado com a arquitetura do Itaquerão, mas lamentei o desperdício de pimenta pela PM de São Paulo. (risos)

Mais coisas eu vi e pensei. Mas, de todas a melhor mesmo foi ver o placar final : 3 x1.

E teve Copa Brasil!

A Copa dos Namorados

neymar A Copa dos Namorados

Menos Neymar, menos...kkkkkkkkk

 

A Copa estreia na Lua Cheia ( mais precisamente de hoje para amanhã).

Lua Cheia, a  Lua  dos Enamorados.

Hoje é o Dia dos Namorados e também o primeiro dia da Copa que não ia ter e que acabou tendo. (risos)

Como era muita coisa na mesma data houve até  uma empresa que até tentou mudar o Dia dos Namorados para ontem, mas acho que não colou. E hoje também acabou tendo. (Risos)

Pra turma da Comuna de Paris (1871)   que sei que vai insistir em ir pra a rua  hoje ainda aos gritos de "Não Vai Ter Copa" eu sugiro que depois da manifestação, mesmo com gás de pimenta na cara, mesmo com cabeça rachada, mesmo com camisa rasgada procure cada um o seu par romântico.

Lutar juntos é sempre bom. Sei disso, já passei por isso e creio que ainda passarei mais.

Mas torcer juntinhos, namorando, é melhor ainda.

Quando a nossa Seleção entrar em campo hoje, representando a nossa Bandeira, o nosso país, num evento de escala internacional, tão gigantesco que vai além, muito além do que possa alcançar um redartário  rebento de Bakhunin, quando esta nossa seleção entrar em campo, abrace sua parceria.

Abrace forte sua parceria amorosa. Vai ser muita emoção pra se dar ao egoísmo de passar sózinho.

Se ainda não tem, arranje uma parceria. Ainda dá tempo. Pipocas...e abraços... calabresas. .. e beijos...cervejas e brindes!!! E gol!!!!

Com amor, muito amor, vamos vencer a uruca dos pessimistas, o chorume dos tristes, e comemorar a Copa das Copas.

E a Lua? Ora, a Lua é dos Namorados!!!  Tão certo como a Taça será nossa!

Morre Max Nunes, o Humor do Brasil

max Morre Max Nunes, o Humor do Brasil

Max Nunes

 

O Nome Max Nunes eu trago gravado comigo desde a minha infância, desde o tempo em que no interior de Minas, ainda criança,  ouvia pelas ondas curtas do rádio os comediantes que fizera a nossa história..

Pioneiro dos programas de humor no rádio e na TV, foi o criador e redator do programa Balança Mas Não Cai, grande sucesso da década de 1950, na Rádio Nacional, onde se consagraram, por exemplo, atores como Paulo Gracindo e Brandão Filho,  nos papéis do "Primo Rico e primo Pobre" .

Como cronista era autor de textos sobre o cotidiano do Rio de Janeiro.

Também era compositor de canções, como Bandeira Branca de 19701 .

Era torcedor do America Football Club do Rio de Janeiro1 . Em sua homenagem, na sede do clube, há um teatro que leva seu nome .

Max Nunes é pai das atrizes Bia Nunnes e Maria Cristina Nunes .

Profissional respeitadíssimo por todos nós  faleceu hoje aos 92 anos de idade.

Com ele encerra-se um ciclo do humnor brasileiro. À ele muitos comdiantes devem o sucesso e o trabalho que lhes proporcionou o pão de cada dia.

primos Morre Max Nunes, o Humor do Brasil

Brandão Filho e Paulo Gracindo como Primo Pobre e Primo Rico, inesquecíveis.

Marinha do Brasil:Dia de Cantar “Cisne Branco”

marcilio Marinha do Brasil:Dia de Cantar Cisne Branco

O gaúcho Marcílio Dias, herói nacional

 

"Sustentar o fogo que a vitória é nossa!"

Esta frase que poderia nos dias de hoje ser dita por qualquer dos lados que concorrem às eleições de outubro foi pronunciada de forma heróica pelo Almirante Barroso, no comando da Armada Brasileira na Batalha do Riachuelo.

Hoje é o Dia da Marinha. Justamente porque na data de hoje em 1865  nossas forças navais levaram à derrota a esquadra paraguaia.

A Guerra do Paraguai, que a princípio parecia que seria rápida ainda duraria mais 5 anos depois desta batalha.

Mas a partir de 11 de junho de 1865 o Paraguai perdeu de vez seu acesso à navegação nos rios e qualquer possibilidade de alcance ao mar e de receber ajuda por estas vias.

A Marinha brasileira tinha por comando geral o Almirante Tamandaré, mas a Batalha do Riachuelo deu-se sob o comando do Almirante Barroso.

Na defesa da Bandeira Brasileira - esta mesma que vândalos queimaram em protestos estúpidos nos últimos dias - morreram lutando  o Guarda-Marinha João Guilherme Greenhalgh, o Marinheiro Marcílio Dias, o Capitão do 9º Batalhão de Infantaria Pedro Afonso Ferreira e o Tenente do mesmo batalhão Feliciano Inácio Andrade Maia

Os paraguaios haviam abordado a corveta  Parnaíba, e tinham o dobro de combatentes  e haviam conseguido  arriar a bandeira brasileira.

Marcílio Dias  travou uma luta corpo a corpo contra quatro inimigos, armado de sabre, abatendo dois deles. Na luta teve seu braço decepado na defesa da bandeira do Brasil. Os ferimentos sofridos causaram-lhe a morte no dia seguinte.

Os heróis citados morreram para que nossa bandeira  fosse içada novamente no vitorioso Parnaíba.

A força naval paraguaia ficou reduzida a apenas tres navios.

A Batalha do Riachuelo é uma das mais belas páginas da nossa História e foi fundamental para a nossa vitória.

Numa justa lembrança até os dias de hoje a nossa Marinha presta homenagens ao humilde marinheiro Marcílio Dias.

Mais Políticos Suíços Para o Brasil

teell2 Mais Políticos Suíços Para o Brasil

Guilherme Tell o herói da Suíça.

 

O carro da frente trazia um adesivo: "Mais políticos suíços para o Brasil."

Pensei sobre o complexo de vira-latas.

A Suíça  é menor que o Estado do Rio de Janeiro.

Tem 8 milhões de habitantes . O País inteiro tem muito menos habitantes que a Região Metropolitana do Rio.

No Brasil a cada 5 anos nasce uma população suíça inteira.

Para 60.000 suíços que nascem por ano  , nascem também 1.800.000 brasileiros.

Planejar e administrar este crescimento populacional no Brasil é o mesmo tabalho de enxugar gelo. "Muita calma nessa hora"!

Com toda a sua democracia e desenvolvimento sómente em 1958 as mulheres suiças conseguiram o direito de votar e assim mesmo para eleições locais.

Só em 1990 todas conseguiram o direito de voto para eleições federais.

A Suíça  foi durante século o maior  depositário de contas fantamas do Mundo. O maior centro financeiro offshore do mundo, com US$ 2 trilhões em ativos.

A lei só foi mudada agora em 2014 por pressão da União Européia e dos EEUU.

Qualquer bandido, sonegador,  ladrão ou estelionatário no Mundo pegava  o produto do seu roubo e depositava tranquilamente nas contas da Suíça, até o início deste ano.

E quem votou tais leis que deram proteção ao capital sujo do Mundo todo,  que impedia as mulheres de votar?

Exatamente: os políticos  suíços.

E quem votou as leis que permitem a qualquer cidadão na Suíça comprar armas de fogo, de fuzis de longo alcance a pistolas sem burocracia facilitando  o comércio de armas para terroristas e bandidos do mubndo inteiro?

Exatamente: os políticos suíços.

E quem votou que a maior condenação criminal - à exceção de homicídios - não excede a um ano de prisão?

Exatamente: os políticos suíços.

E quem elegeu os políticos suíços?

Exatamente: o povo da Suíça.

A Suíça é um País admirável. Mas entre ela e o Brasil há um abismo geográfico e geopolítico de proporções inimagináveis.

O adesivo "Mais políticos suíços para o Brasil" portanto é apenas sofisma. Ou como diria Lula: uma babaquice!

O Brasil Já Foi Muito Mais Doido

 

princesa O Brasil Já Foi Muito Mais Doido

Princesa, em 1930

 

Pra você que acha que estamos vivendo tempos  terríveis no Brasil como anuncia certa imprensa golpista; que acha que estamos à beira do apocalipse pregado pela Vênus Platinada todos o dias...saiba que já vivemos loucuras e desatinos reais e nem por isso o Brasil foi pro brejo.

Na data de hoje, em 1930  foi proclamada a independência do Território Livre de Princesa.

Fruto de uma revolta do latifundiário Coronel José Teixeira contra o governo da Paraíba,separou-se do estado e resolveu obedecer diretamente ao Governo Federal.

O Território  tinha mais de dois mil quilômetros quadrados, em torno de 20.000 habitantes e tinha por Capital a cidade de Princesa. Tinha bandeira, hino e brasão.

Coisa de realismo fantástico que só acontece na América Latina.

Uma Macondo entre a Paraíba e Pernambuco.

A independência durou menos de um ano, quando José Teixeira  após o assassinato de João Pessoa percebeu que a luta não tinha mais razão de ser, e rendeu-se às tropas do Governo.

A loucura foi tamanha que até Lampião foi chamado para combater os revoltosos.

Portanto não me surpreenderei se alguns malucos resolverem na Copa proclamarem o Território Livre do Itaquerão. (Risos)

Como É que Estamos de Público?

image2 Como É que Estamos de Público?

Campeões de público também se perguntavam

Esta é a pergunta que todos os atores fazem antes de começar o espetáculo: "Como é que estamos de público?".

Talvez  seja a mais antiga questão que preocupa todos os atores desde a Antiguidade.

Divago e vejo todos os grandes mestres da arte de representar em seus camarins maquiando-se e indagando ao camareiro ou ao produtor:"Como é que estamos de público?"

Não se trata apenas  de uma preocupação com o numerário, mas sim para que quantidade e tipo de público iremos representar naquela noite.

É uma curiosa angústia e expectativa que vai apossando-se do artista à medida que aproxima-se a hora da representação.

Tudo  afeta a afluência do público: a chuva, o sol, o calor, o frio, o trânsito, a greve, o jogo, o vento, o tiroteio,o fim do mês , o início do mês...

Tenho um grande colega, grande ator e diretor, um dos maiores e mais cultos do Brasil que aqui protejo o nome, mas que nunca fez sucesso. Chega a dizer brincando:"Quer aprender fracasso venha trabalhar comigo". Uma noite fez ele a tal pergunta  ao produtor, que lhe respondeu:

-  Estamos fracos de público.

-  E o  tempo?

-  Chove.

- Ótimo já temos uma justificativa!

Hoje tenho apresentação à noite aqui em Friburgo de onde escrevo estas linhas. Hoje à noitinha portanto estarei fazendo ao produtor a secular pergunta:

-  Como estamos de público?

A Gentil Discordância Entre Thiago Lacerda e Paulo Betti

justa A Gentil Discordância Entre Thiago Lacerda e Paulo Betti

Dois grandes atores, dois grandes colegas. Admiro  os dois, pelo caráter, pelo talento e pela cordialidade.

Mas de repente, não mais que de repente, surge um conflito ideológico  entre os dois tendo por base as eleições que se aproximam.

Colocados em lados opostos os dois colegas  são símbolo do que hoje se passa em toda a Nação: o exercício da democracia. A discussão dos nossos problemas.

Desta vez não há unanimidade política  dentro da categoria artística (aliás nunca houve), mas , digamos: não há uma hegemonia.

Mas isso é bom. É preferível termos colegas discutindo pontos de vista sobre a Sociedade e sobre o País do que termos artistas amorfos desligados da sua principal função social: representar, espelhar e refletir a Sociedade em que vivemos.

Eu tenho o meu lado. Não fico em cima do muro, até porque o muro já tem dono, como aprendi com um sábio pensador.

E gostei da resposta educada e sensata de Betti a Lacerda. E penso que é desta forma que nós, colegas de profissão devemos encarar este momento nacional: com elegância e cordialidade.

Mesmo em lados opostos.

E complementando  Betti: sejam bem vindos os colegas que nunca antes tomaram pública posição política.

Afinal, as eleições passam, os governantes passam, e a nossa arte permanecerá, como acontece  há milhares de anos.

No mais , que o povo - do qual somos parte - escolha os vencedores em outubro e que vença sobretudo o Estado de Direito e a Cidadania pelo qual , nós artistas, tanto lutamos.

 

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com