Há 160 Anos Carros Alegóricos Desfilaram no Carnaval da Corte

 

entrudo1 Há 160 Anos Carros Alegóricos Desfilaram no Carnaval da Corte

O povo divertia-se com o Entrudo

 

O dia 28 de fevereiro de 1854 - há exatos 160 anos atrás - amanheceu ensolarado no Rio de Janeiro.

Era Carnaval. Ou melhor : o Entrudo, que era como chamava-se o carnaval àquela época. Tradição portuguesa trazida para o Brasil nos séculos 17 e 18.

A Corte Imperial e as famílias abastadas preparavam-se para as brincadeiras de batalhas de flores,de limões de cheiro, que caracterizavam a delicadeza deste Entrudo familiar. Mas havia o Entrudo Popular com  as batalhas com clisteres, cheios de outros líquidos, até mesmo sêmem ou urina - e muitas vezes com urina - e muita farinha do reino, e demais pós,  para serem jogados sobre as pessoas nas ruas.

Mas aquele dia amanheceu diferente. Quando caiu a tarde os cortesãos e o povo preparavam-se em seus lares para ir às ruas assistir pela primeira vez ao desfile de carros alegóricos no Carnaval.

Esse desfile substituiu a partir daí a violência do Entrudo.

A Corte já sob Pedro II civilizava-se cada vez mais.

Um “lampejo de civilização” foi arquitetado para botar ordem (e classe) na festa de momo carioca. Coisa que as autoridades vinham tentando desde 1830.

A inspiração vinha dos carnavais parisiense e veneziano: fantasias, máscaras, cortejos. A bagunça virou desfile. E, pela primeira vez, em  28 de fevereiro de 1854, carros alegóricos ganharam as ruas – movidos a tração animal, é bom que se esclareça. Famílias inteiras se apinhavam em carruagens enfeitadas, lançando flores pelas janelas. Cavalos adornados marcavam o passo, conduzidos por distintos foliões.

carros Há 160 Anos Carros Alegóricos Desfilaram no Carnaval da Corte

Modelo de carro alegórico - 1854

A tentativa de civilizar o Carnaval rendeu frutos. Recebeu o apoio de autoridades, da imprensa e de intelectuais, como José de Alencar. E a festa de momo nunca mais foi a mesma.

Depois vieram as Sociedades carnavalescas do rio como os Fenianos, os Democraticos... e muitas outras, antes que os Ranchos e as Escolas de Samba tomassem as ruas com seus desfiles seletivos , enquanto os  blocos e cordões  carreavam e carreiam multidões pelas ruas .

carna1905 Há 160 Anos Carros Alegóricos Desfilaram no Carnaval da Corte

Blocos e cordões - 1905

Do Entrudo aos camarotes vips da Sapucaí, ou às cordas divisórias dos Trios  da Bahia,  passaram-se 160 anos, mas a alegria de brincar continua a mesma.

Olha aí: Hoje é o Dia do Idoso

bibi Olha aí: Hoje é o Dia do Idoso

Bibi, exemplo de vitalidade aos 91 anos.

 

 

Opa!!! Hoje é o dia do Idoso!!!

A Lei brasileira estabelece como dosa a pessoa com mais de 65 anos. Em alguns Estados brasileiros a idade fica em 60 anos para certos benefícios.

Hoje, com o avanço da medicina e a melhora da qualidade de vida uma pessoa de 70 anos não se considera idosa, e participa ainda ativamente da vida social.

Aliás já vi várias qualificações por idade. Uma delas diz que  de 65 a 75 anos é o velho jovem; de 75 a 85 é o velho; e de 85 em diante é o velho velho.

O idoso também pode ser chamado de senil. E o que parece ser uma ofensa é apenas uma questão de semântica: infantil, juvenil, viril, senil. Que são adjetivos relativos à cada fase de idade.

Mas como senil está quase sempre associado à demência por velhice torna-se quase uma ofensa usá-lo, embora dele advenham as palavras senador, senior, senhor...

Para criar um clima mais leve em torno da idade referem-se muitos como "terceira idade", e para maior eufemismo : "melhor idade".

Eu, aos 66 anos confesso que não vejo nada de melhor que as demais idades. Cada idade tem suas limitações e vantagens.

Uma amiga certa vez me disse que se depois dos 50 anos você acordar sem dor é porque está morto. (risos).

Alguns jovens pensam que ofendem aos idosos chamando-os de "velhos". Ingenuidade da juventude. O velho sabe que está velho. Não é ofensa, é realidade.

O que me leva a relembrar uma resposta da magistral Bibi Ferreira - 91 anos - a um jovem que a chamou de velha:

-"A minha velhice é permanente, a sua juventude é passageira."

O Agressivo Monólogo nas Redes Sociais

 

non O Agressivo Monólogo nas Redes Sociais

A tela acaba sendo espelho.

 

- Ontem a Lua estava bonita no céu.

- Já vi mais bonita.

- Sim, mas ontem estava belíssima.

- Você chama aquilo de belíssima?

- sim.

- Então você precisa usar óculos.Porque aquilo era um horror!

- Quem?

_ A lUa. Quem mais poderia ser? A sua cara?

- Eu só disse que ontem estava belíssima...

- Mas a sua cara é um horror!

- O que tem a minha cara a ver com isso?

- Tem porque você é um otário imbecil  que não sabe o que é uma Lua belíssima.

- Por favor, seja educado.

- Mal educado é você. Quem você pensa eu é pra me dar lição de moral aqui na Rede? Você é um x#$¨&%(¨!

- Eu só disse que a Lua estava belíssima.

- Não interessa, você é um m..., um quadrúpede idiota , um ¨%$&¨¨)()(*&(*&)+_  !!!

O diálogo acima pode acontecer, e acontece sempre nas redes sociais.

Basta você postar qualquer coisa que aparece alguém pra encher teu saco e discutir, e agredir.

As redes sociais tem feito papel de psicanalista: catarse e transferência.

Geralmente quem te ofende , ou te contesta, nem sabe porque faz. Não tem nenhum compromisso  ou relação contigo. Muitas vezes nem te adicionou.

Mas usa você como escarradeira do mau humor .

Apesar de tudo vale a pena navegar pelas redes. As pessoas educadas, gentis e sensatas são em muito maior número que os "black blocs virtuais" de plantão.

Por que Me Ufano do Meu País!

 

brasil Por que Me Ufano do Meu País!

Aqui você é cidadão. Palhaço é quem quer negar o Brasil.

 

O título "Porque me Ufano do Meu País" é de um livro do Conde Afonso Celso, em 1900. E inspirou-me o post de hoje.

Quando o coração fala mais alto que a razão a gente costuma dizer bobagens que depois -  pensando bem -  melhor teria sido ficar calado.

Porque já diz o ditado: "Um burro calado é doutor!"

É o que acontece com pessoas honestas, que ficam indignadas com a corrupção política, ou com as injustiças do dia a dia e confundem isso com a Nação.

O Brasil não é meia dúzia de crápulas, sequer a meme capciosa feita de encomenda pra te provocar emoções  de indignação.

O Brasil é País pra gente se orgulhar.

Pra começar é nossa Pátria. Tem gente que pra ser contra a Copa acaba sendo contra o Brasil.

O Brasil é muito maior que o nosso primeiro olhar.

Temos 36.000 Postos de Saúde, mais de 6.500 hospitais credenciados no SUS. Nosso sistema de saúde é melhor que o dos EEUU. Doentes morrem nas calçadas dos EEUU sem dinheiro para hospitais pagos.

Temos a melhor política para idosos da América. Nem os EEUU tem as leis e institutos para idosos que temos.

Temos uma das menores taxas de desemprego do Mundo. A Europa está ferrada, e os EEUU também, temos mais vagas de  empregos que eles.

Temos severas leis de repressão ao racismo e ao nazismo.

Não vendemos armas para que outros povos se matem.

Nossa política externa sempre foi - à exceção de quando na Ditadura - de respeito à autonomia das nações.

Não invadimos países vizinhos ou distantes para subtrair a riqueza deles ou subjugar sua independência.

A fome e a miséria extrema deixaram de existir no País. Estamos melhores que todos os demais países latino  americanos.

Somos uma potência regional, e em muitos casos uma potência mundial.

Dos maiores produtores de grãos do mundo. O maior produtor de soja do mundo. Um dos maiores rebanhos do mundo.

A maior bacia hidrográfica; a maior biodiversidade. Um dos maiores produtores de máquinas agrícolas.

E o melhor, como diz Chico Buarque: Não falamos grosso com a Bolívia e fino com os EEUU. Somos soberanos.

Não devemos nada ao FMI, como a Europa e demais países da América Latina. Ao contrário, até emprestamos dinheiro.

Esse ufanismo todo é pra dizer aos emocionais que o Brasil é muito maior que fatos ocasionais. Use sua indignação contra o alvo certo, não contra a Pátria.

Tais fatos , como a corrupção de políticos, falhas na saúde pública, escolas destruídas...é o que não queremos para o Brasil.

E estamos todos, você e eu trabalhando para isso, a  começar pelo seu respeito para com o próximo; jogando o lixo no lugar certo, e  e sua negativa em dar propina ao policial corrupto que te pegou fechando o cruzamento.

Então, quando se  indignar não saia dizendo a bobagem de que isso aqui é uma nação de imbecis, ou um circo onde o palhaço somos nós.

Isso é o Brasil. Grande , soberano, rico e próspero. O resto é resto.

Lembrança de Caio Fernando Abreu

 

caio3 Lembrança de Caio Fernando Abreu

"Queira o Bem, plante o Bem, e o resto vem" . F. Abreu

 

Hoje é dia de relembrar a a memória de Caio Fernando Abreu.

Conheci e convivi com Caio em priscas eras: 1970, em Porto Alegre.

Era uma época de perseguição e censura, de liberdades sufocadas e de torturas e assassinatos políticos.

Um dos mais sombrios anos da Ditadura.

Por isso mesmo era época de grande efervescência intelectual:  Caio no Rio Grande do sul, Antonio Bivar , José Vicente e Plinio Marcos em São Paulo; os baianos - Novos e Velhos; Mario Jorge em Sergipe; Chacal , no Rio...

E eu desfrutando de papos madrugadas à dentro com o Caio. Numa temporada de mais de mês em Porto.

Uma instigante  figura, de barbas e cabelos negros, muito negros,  que contrastavam com sua pele alva como  o mármore.

Uma viva inquietação levava-o a sorver a vida em grandes goles. Os papos eram animadíssimos, de pura bobeira aos mais profundos temas.

Ele então escrevia crônicas semanais no jornal "Zero Hora". Uma delas, falando sobre a chegada da primavera, dedicou à minha pessoa.

Quando se tem 20 anos a gente acha que todas as crônicas nos são devidas e nem guardamos cópia delas para a arca das lembranças.

Não tenho comigo este ato carinhoso cometido por Caio.

Um dia, quando for a Porto Alegre talvez me embrenhe pelos arquivos do jornal e encontre para resgatar-lhe como tributo,  a crônica citada.

Hoje Caio completa 18 anos de morto. Ao morrer seu corpo era sequer uma pálida lembrança do vivaz e jovem escritor cujo tesão pela vida a todos seduzia.

Caio, querido, como diz a letra de Belchior: "já faz tempo que eu vi você na rua, cabelo ao vento,gente jovem reunida. Na parede da memória essa lembrança é o quadro que dói mais."

E então Drummond me representa nesta hora: "Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram."

Viva Caio Fernando Abreu!

Pra Mim, Fim de Temporada Marca Início de Outra

foto 1 Pra Mim, Fim de Temporada Marca Início de Outra

Elenco se despede

Hoje é o último dia para assistir a "Por Falta de Roupa Nova Passei o Ferro na Velha", no Teatro dos Grandes Atores, na Barra, Rio.

Por falta de patrocínio fica impossível manter a peça por mais tempo.

Foram dois meses excelentes, de trabalho, companheirismo, e plateia amiga buscando diversão e riso.

Voltaremos quando obtivermos patrocínio.

Essa é uma questão séria, já que o Governo nos joga nos braços da iniciativa privada para obter patrocínio. Uma forma de censura econômica.

Uma linha de crédito para produtores culturais, pelo BNDES, a juros a perder de vista  - cultura não é para retornar dinheiro ao Governo, é obrigação de Governo - seria uma excelente solução para produções independentes.

Sobretudo para aquelas que não agradam ás grandes empresa quer por seus temas, ou por não ter elenco "global".

Falta de vontade política em décadas de governos democráticos nos levam à situação do teatro brasileiro hoje.

No mais...em março estreio no Norte Shopping com meu stand up "Só Muda o Endereço" . Até lá.

encrenca4copia Pra Mim, Fim de Temporada Marca Início de Outra

Fim de Semana Chegou Pra Todos… Ou Quase Todos

 

sabado Fim de Semana  Chegou Pra Todos... Ou Quase Todos

Com "jeitinho" dá pra equilibrar o tempo.

 

Sábado!!! Chegou o fim de semana tão esperado. A folga semanal para todos!!!  Ou quase todos...

Hoje sai de casa ás 11h para gravar  "Pecado Mortal" até o fim da tarde  e de lá saio para o teatro, para a penúltima apresentação de "Por Falta de Roupa Nova  Passei o ferro na Velha", antes do Carnaval.

É curioso que com a idade, à medida que a gente vai amadurecendo a gente aprende a dividir melhor o tempo.

E não é que acaba dando tempo pra tudo?!

Eu por exemplo estou assim: Uma Oficina de Teatro na Lagoa, outra Oficina começando no Sindicato dos Artistas; filmando um  longa em São Paulo; gravando a novela "Pecado Mortal"; em cartaz no Teatro com  a peça do "Ferro na velha";   e ainda arranjo tempo para diáriamente escrever este blog

Jamais, na minha juventude, conseguiria preencher uma agenda como essa.

Não sei o que é...mas creio que a gente jovem perde muito tempo com coisas que não são tão prioritárias...

É como se a gente tivesse todo o tempo do mundo por sermos jovens, aí...não otimiza o tempo.

Na maturidade o tempo é precioso demais.A gente aprende a dividi-lo certinho e dar conta de tudo.

"Tudo" que eu digo inclui além de todo o trabalho feito, as reuniões sociais como batizados, casamentos , aniversários, estreias, etc . etc. onde devo estar presente; a família com os seis netos para dar assistencia; e ainda navegar pelas redes sociais (risos).

Se me perguntarem como isso acontece diria que é mágico. Mas como mágica não existe de verdade só posso atribuir a distriibuição do tempo à sabedoria que vem com a idade.

No mais, boa folga para todos, ou quase todos... (risos)

Hoje Se Comemora Vitória Brasileira na II Guerra Mundial

 

feb2 Hoje Se Comemora Vitória Brasileira na II Guerra Mundial

"A Cobra Vai Fumar" era o lema do emblema da FEB

 

É sempre bom relembrar. Para a nacionalidade. Para a cidadania. Para a prática da Liberdade  e da Democracia.

Quando o ensandecido Hitler aliou-se ao tragicômico Mussolini formou-se o Eixo, qual seja, sob o nazifascismo Alemanha e Itália ameaçaram todos os valores libertários.

Massacres, genocídios, invasões, perseguições já por todos sabidas e estudadas.

Mas sempre vale relembrar para que não aconteçam de novo.

A princípio o nosso ditador de então , Getúlio Vargas , relutava em posicionar-se contra este Eixo, a bem da verdade até o "namorava", como já fazia Perón na Argentina.

Foi a luta da Sociedade Civil brasileira que forçou Getúlio em 1944 a declarar guerra ao Eixo.

E aí foi formada a gloriosa Força Expedicionária Brasileira. Os nossos "pracinhas". A FEB.

Meu tio, Jorge Mattar, foi um deles. Embarcaram para  Itália a dar cobertura aos Aliados e a combater contra Hitler e Mussolini.

Na data de hoje, em 1945,  os nossos "pracinhas" tomaram a estratégica cidade e monte de Monte Castelo - Itália.

Momento de heroísmo do nosso Exército. Três meses de batalha, com intenso frio, em péssimas condições de ataque, e  com perda de vidas brasileiras.

Sob o Comando Geral da FEB do General Mascarenhas de Moraes, e tendo no comando do Regimento que tomou o Monte o General Cordeiro de Farias.

Travou-se a batalha contra alemães  mais protegidos, mais treinados e numerosos. Ainda assim para nossa glória, vencemos.

Um dos feitos heroicos do nosso exército em campos de batalha.

Pela memória dos que tombaram, e pelos que retornaram, todos  lutando por nossa Liberdade, é que escrevo este post de hoje.

Os Ratos, a Burocracia e o Detran

 

 

rato2 Os Ratos, a Burocracia e o Detran

Municipal, estadual ou federal?

Se por um lado a cada dia aumenta a nossa cidadania, os nossos direitos, e os órgãos e Agências de defesa disso e daquilo, por outro lado continuam em muitos lugares e setores a loucura da burocracia.

Por exemplo: qualquer brasileiro que use de um Posto de Saúde sabe que as regras de aatendimento mudam a cada dia. Basta que entre um novo funcionário chefe e muda tudo. O que valia antes não vale mais.E se mudar o Secretário de Saúde então...é um pandemônio.

Pra dar um exemplo de burocracia vou citar o caso passado com uma amiga minha funcionária federal que ligou para a uma secretaria  da Prefeitura pedindo que tomassem providências contra os ratos que infestam o prédio onde ela trabalha.

Do outro lado da linha o funcionário perguntou a ela:

- Minha senhora: o rato é Municipal ou Federal?

- E tem diferença?

- Claro minha sra. Aqui é uma repartição municipal. A gente só dá conta dos ratos sob nossa jurtisdição.Se o prédio em que a senhora trabalha é Federal, aí já é com alguma secretaria do Governo Federal.

- E como  vou saber que órgão federal cuida disso?

- Procure no Google. Digite : "ratos federais".

- Mas aí pode cair em muitas repartições...

- Vou explicar mais uma vez para  a senhora: se os ratos do seu prédio vem da rua e entram então é  com a gente. Mas se eles são de dentro do seu prédio então é área federal, não é da nossa competência.

- Mas como vou saber de onde são os ratos? É um entra e sai danado de ratos no prédio. É um trânsito de ratos  o dia todo.

- Ah, então, minha senhora, o caso não é nem Municipal nem Federal A questão é Estadual:  ratos em trânsito é com  o DETRAN! Agradeço, espero ter ajudado, e aguarde na linha para classificar nosso atendimento.

Agora Também Vivo em “Pecado Mortal”

ramiro2 Agora Também Vivo em Pecado Mortal
De "férias" da telinha, depois de "Noite de Arrepiar" e "Milagres de Jesus", mal podia imaginar quando o IPhone tocou e pelo visor pressenti  que as "férias" haviam terminado.

Era a produção da novela " Pecado Mortal" para me comunicar que por convite do autor Carlos Lomabrdi e aprovado pela Direção Artística da Record eu gravaria imediatamente e entraria no ar 5a feira, amanhã, na pele de um bicheiro : "Tufik".

Tufik é na trama o pai de Ramiro, personagem vivido pelo colega Marcos Pitombo.

Então, ontem já estava eu , preparado, maquiado e repaginado como a personagem.

Antes de gravar resolvi abraçar meu "filho" e postar esta foto como lembrança "de papai Tufik para Ramirinho".

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com