É Carnaval, Volto Sexta Dia 20

Canpanha da Kombi 1 É Carnaval, Volto  Sexta Dia 20

Eu ,a Praça e o Poeta Castro Alves. Carnaval da Bahia, 1977

 

Sempre fui um folião, desde criança. 

Minha mãe me fantasiava e meu pai promovia bailes na pequena cidade de Faria Lemos, MG, onde morávamos.

Os bailes terminavam com retreta na rua, com direito a alvorada no coreto e  tudo mais.

Na minha juventude, na Ilha do Governador, já no Rio,  brinquei muito no bloco do Boi e dei uma força para  refundar a União da Ilha.

Depois, a Bahia!!! Esbaldei-me atrás dos trios, sobretudo atrás de Dodô e Osmar!

Promovi bailes carnavalescos...enfim, no  tempo devido  diverti-me muito.

Mas o tempo passa e pra mim chegou o tempo da meditação e do recolhimento durante o reinado de Momo.

Não há idade para isso. Há o Tempo.

Então hoje entro em pequenas férias por conta do Carnaval.

Há muito deixei de festejá-lo.

Aproveitarei estes dias para descansar.

Desejo a todos um bom feriadão e aos que gostam, um bom carnaval.

Durante o recesso posso não postar neste blog , como faço todos os dias, mas volto à publicação diária na próxima sexta-feira, dia 20.

Abraços

Você é carnavalesco?

  • Sim
  • Não
 É Carnaval, Volto  Sexta Dia 20

Digite o texto da imagem:

Gerar outra imagem

Você É Supersticioso? Hoje é Sexta-Feira, 13

 

cat Você É Supersticioso? Hoje é Sexta Feira, 13

Até o belo gato leva culpa pelo misticismo alheio

 

A superstição pertence ao reino mágico da infância que se estende ao adulto.

A mente infantil - e não infantilizada - cria mitos e magias, atos repetitivos como um ritual...tudo alimentando fantasias que no mais das vezes atravessam gerações.

Trata-se de uma crença que leva a criar falsas obrigações, a temer coisas inócuas, a depositar confiança em coisas absurdas, sem nenhuma relação racional entre os fatos e as supostas causas a eles associadas.

Por exemplo, hoje para muitos é um dia de azar: sexta-feira, 13.

Mesmo nos Estados Unidos que são altamente desenvolvidos ,  ainda assim a superstição chega ao ponto de muitos edifícios não possuirem o 13º andar. Pula-se o 12º para o 14º .

O que é na verdade uma bobagem, porque contados os andares é claro que o 14º é de fato o 13º. Mas a supsertstição fala mais forte.

E você sabe de onde vem esta fama de azarenta da sexta feira, 13?

Justamente porque numa sexta-feira, dia 13, do ano de 1307 a Ordem dos Cavaleiros Templários - a Ordem do Templo - foi acusada de traição à Igreja Católica , pelo Papa Clemente V, sob pressão do Rei da França Philip IV, que mandou para a prisão os seus membros, nomeadamente o seu grão-mestre.

Este evento teria dado origem à superstição do azar numa sexta-feira, 13.

Azar mesmo foi dos Cavaleiros, porque eram muito ricos. A Ordem tinha muito ouro, jóias, pedras preciosas, relíquias e dinheiro. Com a dissolução e as prisões todo esse tesouro foi literalmente papado pelo papado.

Portanto amigo, só se você tiver muito ouro, joias, pedras precisosas... deve temer por sua sorte numa sexta feira, 13. Que segundo a margem de erro pode ser numa quinta feira, 12, ou num sábado ,14.(risos)

Você dá crédito a superstições?

  • Sim
  • Não
 Você É Supersticioso? Hoje é Sexta Feira, 13

Digite o texto da imagem:

Gerar outra imagem

O Quênia Proíbe “50 Tons de Cinza” Que Brasil Assiste Hoje

 

xenia O Quênia Proíbe 50 Tons de Cinza Que Brasil Assiste Hoje

"50 T0ns de Cinza"...nem a cores  quero ver...

 

Havia uma apresentadora de Tv por nome Xênia. Fez muito sucesso na década de 80, e hoje, jornalista ainda ativa nos seus 80 anos  , escreve na revista Ana Maria.

Mas e o Quênia? Seria irmão, pai... parente de Xênia?

Não, o Quênia é um país da África espremido no meio da miséria da Somália, do Sudão do Sul e da Etiópia. Ele mesmo, que tem Nairóbi como capital, e safaris e a agricultura são sua principal fonte de renda.

Pois não é que o Quênia acaba de proibir a exibição lá de “50 Tons de Cinza”? A alegação é de material pornográfico. O filme que como o livro é a cara do nada. A não ser por seu erotismo açucarado na medida certa para agradar leves sonhadoras.

Pra Hollywood a proibição no Quênia nem de longe ameaça à economia do mercado de cinema. Aliás, o Quênia pode fazer o que quiser que o Mundo continua o mesmo.

Já vimos aqui mesmo no Brasil muitas proibições de filmes: “Je Vous Salue Marie”; “Emannuelle” e vai por aí. Depois de liberados o Brasil continuou o mesmo e os valores da nossa sociedade continuam sendo ditados pela vontade dos nossos cidadãos, e a julgar pelos fatos e atos temos valores bem conservadores.

O mesmo deve ocorrer no Quênia, um país cristão conservador. Um filme não muda em nada a mentalidade de uma sociedade se ela não desejar a mudança. E se ela desejar a mudança não há de ser qualquer Conselho de Censura que irá impedir. Ainda mais num país que lembra nome de apresentadora de TV.

Aqui no Brasil o filme será lançado hoje. Confesso que nem li o livro e nem sequer desejo ver o filme. Mas, sempre haverá quem goste, e gosto não se discute.

Em tempo: gostava de assistir o programa da Xênia, a cores, sem tons de cinza.

Você leu “50 Tons de Cinza”?

  • sim
  • não
 O Quênia Proíbe 50 Tons de Cinza Que Brasil Assiste Hoje

Digite o texto da imagem:

Gerar outra imagem

Othon Bastos e a A Vitalidade dos Atores Veteranos

 

 

othon2 Othon  Bastos e a A Vitalidade dos Atores  Veteranos

Othon, aos 30 anos ,  no clássico filme de Glauber Rocha "Deus e o Diabo na Terra do Sol" - 1964

Jogador de futebol depois dos 35 anos sai fora de campo; bailarinos conseguem chegar um pouquinho mais longe; o mercado de trabalho fecha-se para muitas profissões depois dos 45 anos.

Entretanto a profissão de ator (atriz) vai além, muito além.  Veteranos atores não são descartáveis no mercado. Ao contrário, quanto mais velhos melhores. Como os bons vinhos.

Escrevo isto relembrando o meu amigo e conterrâneo Othon Bastos, 81 anos. Sucesso com a belíssima intepretação da sua personagem na novela atual da “platinada”.

O grande sucesso de Lima Duarte deu-se aos 45 anos, com “Sinhozinho Malta”, aos 24 anos de profissão, embora Lima tenha sido um dos fundadores da tv no Brasil, e esteja  até hoje na ativa.

Paulo Gracindo explodiu com Odorico, o Bem Amado já idoso, com 69 anos, e trabalhou em novelas até os 82 anos.

Fernanda Montenegro, 82 anos, dá shows e mais shows de interpretação.

Bibi Ferreira, 92 anos, é outro exemplo.

Selma Lopes, aos 87 anos dá aulas de dublagem e trabalha em cena com graça e leveza. Viaja este mês para filmar em Miami.

Bertha Loran, apenas agora, aos 86 anos, retirou-se do trabalho.

Nicete Bruno (82) , Natalia Thimberg (84), Eva Wilma (80) , Ary Fontoura (82), e o próprio Paulo Goulart - recentemente falecido, que trabalhou até os 81 anos.

Poderia continuar citando muitos outros brasileiros das artes cênicas, sem citar sequer nos estrangeiros, como Anthony Hopkins, Morgan Freeman, e centenas de outros.

Numa sociedade onde o corpinho sarado, a cabeça vazia, e a beleza padronizada são o que há, os velhos atores criam embaraço aos cultos narcísicos da sociedade de consumo.

othon31 Othon  Bastos e a A Vitalidade dos Atores  Veteranos

Othon, sucesso aos 81 anos

 

As Dificuldades de Jovens Atores Para Encontrar Um Texto

 

dois As Dificuldades de Jovens Atores Para Encontrar Um Texto

Plinio Marcos e seu "Dois Perdidos Numa Noite Suja". Mais montada que cavalo de hotel fazenda.

 

A grande cena hoje está dominada pelos musicais. Esse fenômeno não ocorre apenas no Brasil. Na Alemanha virou febre. Nos EEUU há décadas é gênero forte de audiência. No Brasil, em que pese não serem exatamente originais – geralmente são um apanhado de músicas já conhecidas e reflete a biografia de um a personalidade, em lugar de uma história inédita, mas ainda assim é um grande avanço na produção dramática e no mercado de trabalho do Brasil.

Porém, dado o modelo neoliberal da Lei Rouanet, herdado do Governo Collor, na sua maioria apenas grandes produtores e seus lobbys conseguem verbas para montagens, o que leva atores jovens, cheios de talento, recém-chegados ao mercado, em busca de representatividade, a buscar textos de fácil e menos custosa montagem.

E aí começa a grande questão: uma fornada de peças fáceis, de dois personagens, no máximo três, aconteceu na década de 70, e de tão babadas em suas montagens nem excitam mais ninguém: público ou atores. Depois vem uma sequencia de “Confissões disso e daquilo”; “Morangos maduros e podres”; “Bailei na reta e na curva”... e ficam por aí remoendo isso.

Os clássicos são impossíveis, vem de uma época em que a s montagens trabalhavam com 15, 20... personagens em cena.

Então percebo que faltam autores, ou no mínimo – divulgação de obras de novos autores brasileiros que se permitam montagens por grupos de jovens atores independentes.

A coisa nunca foi fácil, mas agora tá mais difícil ainda pra novas gerações.

Você já teve vontade de escrever dramaturgia para teatro ou tv?

  • sim
  • não
  • já escrevi
 As Dificuldades de Jovens Atores Para Encontrar Um Texto

Digite o texto da imagem:

Gerar outra imagem

 

O Ator Jorge Dória e a Divertida História do Sofá

 

Bonifácio com Dória O Ator Jorge Dória e a Divertida  História do Sofá

Eu com Jorge Dória em "Bonifácio..." - 1998

Hoje estava relembrando o tempo em que atuei ao lado do grande comediante e ator Jorge Dória.

Foi quando fizemos o espetáculo “Bonifácio Bilhões” de João Bethencourt.

Estávamos ensaiando sob a direção do próprio João. E uma das características do João era que quando ele não achava solução pra uma marca de cena ele ficava repetindo a cena ad infinitum até encontrá-la. O que, obviamente, acabava com o humor e disposição dos atores da cena.

Pois foi num desses ensaios , depois de repetirmos uma cena 19 vezes,  que o Dória saiu-me com esta pérola de humor e brilhantismo, um saboroso e histórico diálogo entre dois veteranos mestres das nossas artes cênicas:

- João, para com essa coisa de ficar querendo criar a  marca e me diz onde é que vai ficar o sofá.

- O sofá?

- É João, o sofá. Vai ficar onde?

- Pra que você quer saber Dória?

- Porque João, comédia se faz com o sofá. Na frente do sofá, do lado do sofá, atrás do sofá, longe do sofá, perto do sofá... então diz pra gente onde fica o sofá que o resto a gente marca e se arranja.

Ficamos um ano em cartaz , viajando por todo o Brasil, com muito sucesso na frente do sofá, do lado do sofá, atrás do sofá, longe do sofá, perto do sofá...

Em Teatro Você Gosta Mais de Comédia ou Drama?

  • Comédia
  • Drama
  • Os dois
 O Ator Jorge Dória e a Divertida  História do Sofá

Digite o texto da imagem:

Gerar outra imagem

Ministro da Cultura Propõe Mudanças na Lei Rouanet

 

juca Ministro da Cultura Propõe Mudanças na Lei Rouanet

Juca Ferreira sinaliza positivamente  para mudanças na Lei

O Ministro da Cultura, Juca Ferreira, deu longa entrevista à  Imprensa anunciando seu desejo de mudança da Lei Rouanet.

Já não era sem tempo, pois afinal as distorções da Lei afetam diretamente a maioria dos gestores culturais dos Pais, sobretudo os médios e pequenos.

Elaborada num período de governo e economia neoliberais deixa para o Mercado a regulação na distribuição da renúncia fiscal das empresas.

O que ocorre è que as grandes empresas acabam sempre aplicando seu imposto nos mesmos medalhões e mesmos arquétipos artísticos.

Juca está propondo que 20% da renúncia fiscal de uma empresa para Artes sejam gerido pelo Estado e que este distribua melhor entre todos os produtores nacionais de cultura sem que obrigatoriamente sejam “globais” ou do eixo Rio São Paulo.

Porque do jeito que está as empresas acabam fazendo o que condenamos no Estado: o dirigismo cultural.

Muitos bons projetos culturais do Brasil não recebem verba da Lei porque não trazem de saída retorno de marketing para as empresas que preferem ver seu nome associado a outras “grandes marcas artísticas” que a um grupo de atores, cineastas, ou de pintores... criativos porém fora da sociedade de consumo e/ou fora do eixo Rio-SP.

O Ministro que no primeiro governo Dilma foi defenestrado, volta agora neste segundo governo com força total.

É muito bem-vindo!

Sabão de Coco Terrorista Ameaça o Mais Poderoso País do Mundo

coco1 Sabão de Coco Terrorista Ameaça o Mais Poderoso País do Mundo

Arma perigosíssima (risos)

 

Há coisas que acabam por se tornar ridículas.

Quem trabalha com o humor, como eu, sabe que quanto mais rígida é uma pessoa, uma instituição, ou uma situação, mais exposta ao ridículo se tornará.

Pois foi o que aconteceu esta semana na Aduana dos EEUU. Eu explico:

Um conterrâneo foi visitar a filha que mora nos EEUU, mais precisamente em Omaha – que é uma espécie de fim-de-mundo deles lá.

Desembarcou no Aeroporto de Nova Iorque e teve o constrangedor ritual de passar pela aduana. Logo ele, baiano, moreno, narigudo... todos os predicados para virar árabe bastando num passe de mágica trocar  o “oxente” pelo “salamaleque”.

Acontece que o conterrâneo atendendo ao pedido da filha levava na bagagem 8 barras de sabão de coco. Sabão de coco é coisa que não existe nos EEUU. E a brasileirinha sentindo falta do útil saponáceo pediu ao papai pra levar pra ela.

Mal sabiam o que estava por vir.

Aberta a bagagem na aduana, considerando a moura expressão facial do baiano de Jacobina, como explicar àqueles rígidos guardas e fiscais o que era um sabão de coco?

O pânico, o medo, a rigidez das leis antiterroristas imediatamente identificaram o inofensivo sabão – que só faz estrago se cair no olho durante o banho – como uma pasta explosiva, uma geleca que cresceria e tomaria os EEU coast-to-coast... então... armas apontadas de todos os lados, conterrâneo detido para averiguações e as barras de sabão levadas para exame e laudo técnico.

10 horas depois, o conterrâneo detido numa sala do aeroporto sob olhares vigilantes pra ver se ele se ajoelhava para rezar em direção à Meca (americano não sabe onde fica a Bolívia, quanto mais Meca), ouvidos atentos pra ver se falava alguma coisa em árabe... e aí vem o laudo da perícia policial: coconut soap.

“Now you can go to Omaha” disseram-lhe. “But, the coconut soap stay here.”  Disse-lhe com a autoridade de um centurião romano o fiscal aduaneiro.

Que tempos,  hein? Quem poderia imaginar que um dia o nosso caseiro sabão de coco poderia ameaçar o maior império do Mundo contemporâneo?

Quem Rejeita o Brasil Não Conhece o Mundo

lixo Quem Rejeita o  Brasil Não Conhece o Mundo

Nós brasileiros temos mania de comparar o Brasil com outros países d Mundo,

Mas fazemos isso geralmente num grande exercício de baixa estima nacional.

Pois vejam: como todo o progresso e sociedade muito legal o voto feminino na Suíça só foi permitido após 1971. Até lá as mulheres sequer piavam na política.

Os EEUU não há sistema público de saúde. Se não tiver dinheiro, e muito, morre na calçada mesmo.

Nos EEUU os trabalhadores não têm direito a férias, quanto mais a férias remuneradas,

No Japão vira e mexe um Ministro se mata depois de acusado de corrupção. Até que os corruptos lá tem vergonha e fazem este favor à sociedade.

A Máfia na Rússia governa o País.

Na Espanha a crise econômica é sem medida, gigantesca.

A Inglaterra e a França são profundamente racistas.

No México a polícia entrega dezenas de jovens para os traficantes matarem.

Na Itália a corrupção é tão grande que todo mês cai o Ministério e renova-se o Congresso.

As cadeias da Indonésia e das Filipinas são muito piores que as do Brasil.

O trânsito na Arábia é das arábias. Uma loucura sem lei.

Não precisamos nem falar do resto da Ásia, da África e da América Latina.

Por hoje é só.

Mas há mais no Mundo, "Mundo, Mundo, vasto Mundo, se eu me chamasse Raimundo seria uma rima não seria uma solução!" - Drummond

Você se acha um patriota com orgulho do Brasil?

  • Sim
  • Não
 Quem Rejeita o  Brasil Não Conhece o Mundo

Digite o texto da imagem:

Gerar outra imagem

o Garoto de Chaplin

kid2 o Garoto de Chaplin

Chaplin e Jackie Coogan ( O Garoto)

 

Hoje é dia de comemoração pelo lançamento em 1921 do clássico do cinema “The Kid” (O Garoto,  de Chaplin).

A sinopse da obra é a seguinte: O filme conta a história de um bebê que é abandonado pela mãe que não tem condições de criá-lo e que é encontrado e criado por um vagabundo. Conforme os anos se passam, o garoto e o vagabundo se tornam uma dupla perfeita, bolando diferentes esquemas para conseguir o dinheiro para seu sustento. E eles passam muitas lutas juntos. A mãe tenta encontrar o filho.

O curioso para mim é que aqui no Brasil Chaplin é chama de Carlitos. Uma versão castelhana de Charlie. (Diminutivo em inglês de Charles).

Em Portugal, que mantém a tradição linguística ,  recebe  o nome de Carlinhos.

Mas, nomes à parte, “O Garoto" é um filme fenomenal. Mais uma aula de humanismo e humor dada pelo mestre dos mestres.

Muitos humoristas contemporâneos deveriam assistir Chaplin para aprender a fazer humor com elegância e sem insultos. Sem grosserias e com respeito ao próximo.

Se você nunca viu “O Garoto”, recomendo. Você pode acha-lo em muitas videotecas, ou até baixar pela Internet.

Você cha que já viu toda a filmografia de Chaplin?

  • Sim
  • Não
  • Não sei...
 o Garoto de Chaplin

Digite o texto da imagem:

Gerar outra imagem

 

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com