Não Posso Viver Sem Minha Memória

golpe Não Posso Viver Sem Minha Memória

 

Perdoem-me os. leitores diários se hoje afasto-me  dos temas culturais e sociais. Hoje o tema é político. Cinquenta e um anos do golpe civil militar que estuprou a Constituição brasileira, assassinou, torturou, exilou, demitiu, implantou um regime de terror e censura que durou 21 anos no Brasil.

Tinha eu 16 anos e acreditava na democracia. Fui criado nela, no período de 1947 a 1964.

E de repente juma tarde chuvosa de março de 1964 abate-se sobre o País o a sombra do fascismo mais deslavado, aliada aos interesses norte americanos, os militares comandantes – com raras exceções – arreglaram com os EEUU e as brandes empresas uma forma de depor o Presidente eleito e em nome de salvar o Brasil cercearam a liberdade, perseguiram a juventude, os intelectuais, os cérebros pensantes do País, fecharam o Congresso e a Morte instalou-se com o apoio da VI Frota norte americana encostada em nossas costas marítimas com mais de cem mil toneladas de bombas caso houvesse reação por parte das forças democráticas.

Por vinte e um anos fui proibido de ler os livros que desejasse, de ver os filmes, de assistir às peças, de representar as que desejasse, de viajar para onde quisesse, de conversar sobre quaisquer assuntos e, sobretudo de votar, de escolher meus deputados, prefeitos, governadores e Presidente da República.

Para mim uma data muito triste que não posso deixar passar despercebida.

Por isso, hoje mais triste fico ainda ao ver jovens que nem sabem o que foi a História pedindo intervenção militar e golpe de estado. Pobres coitados e equivocados. A democracia e a linberdade, mesmo com todas ass falhas ainda é o melhor dos regimes.

 

Você é daqueles que acham que um regime militar resolve tudo?

  • Sim
  • Não
 Não Posso Viver Sem Minha Memória

Digite o texto da imagem:

Gerar outra imagem

Samara Felippo e as Lágrimas de Cristal Japonês

 

samara2 Samara Felippo e as Lágrimas de  Cristal Japonês

 

Nem sempre em televisão ou cinema é possível ir às lágrimas verdadeiras. C om trinta técnicos em volta, luz sendo acertada, arte refazendo objetos, cenografia rearrumando o cenário, direção de estúdio pedindo silêncio, acerto do som, colegas conversando, portas que se abrem... tudo isso nem sempre permite uma concentração em busca de uma verdade emocional que nos leve às lágrimas.

Para isso, em todo o mundo, foi “inventado “o cristal japonês, que não passa de cânfora, em bastão ou pasta que deve ser administrada embaixo das pálpebras. Provocará um ardor e quando se pisca os olhos as lágrimas caem.

Desculpem os românticos se quebro a fantasia das cenas lacrimosas, mas é por juta causa.

Há uma forma de saber quando são lágrimas de verdade quando são as do “cristal”.

Aa do cristal rolam pelo meio do olho para baixo. As verdadeiras escorrem pelos cantos dos olhões.

E é o que aconteceu com as lágrimas todas que foram vertidas pela menina Isabele Koppel e pela grande atriz Samara Felippo.

Para as crianças muitas vezes é fácil, chorar. As emoções ainda são recentes, estão á flor da pele, não moram “domesticadas”! Mas para uma atriz adulta como Samara é um belíssimo exercício de concentração e verdade.

Samara disse em entrevista que o mais difícil para ela em “Os Dez Mandamentos” foi chorar de verdade. Não tenho dúvidas. Parabéns Samara.

 

O Piloto Suicida e A Violência de Cada Dia

vola O Piloto Suicida e A Violência de Cada Dia

A gratuidade da violência

 

Fico impressionado com o grau de violência e de falta de educação, com a grosseria de um modo geral que tem tomado conta da sociedade atual.

Desde o piloto maluco que arremessa um avião com 160 pessoas e diz “meu nome ainda será conhecido no mundo inteiro”, até a mulher que grita com o idoso na disputa pelo lugar preferencial no coletivo.

Fico estarrecido de ver como um adolescente pega de um rifle e mata dezenas de outros jovens nas escolas americanas, ou como são anunciados e praticadas  as decapitações no Oriente jihadista, ou a violência do Boko Haran.

Escandaliza-me a violência no transito que chega às raias do homicídio por um nada, por uma freada, por um pequeno arranhão num para-choque.

Choca-me a agressividade dos diálogos nas redes sociais.

No dia a dia agride-se por um nada, mata-se por um nada. Vejo um vídeo do sertão do Ceará com traficantes armados praticando tiro ao alvo e dominando uma cidade. Voltamos ao cangaço.

E ainda há a violência surda, aquela dos hospitais públicos que não atendem, dos médicos omissos onde os pacientes morrem às portas; dos motoristas de ônibus que arrancam antes que o idoso acabe de subir; a violência surda de um Sistema que exclui muitos para que poucos ganhem.

E eu me pergunto neste domingo radioso: sempre foi assim e a gente é que não notava. Ou piorou?

A Graça e o Talento dos Atores Mirins de “Os Dez Mandamentos”

 

mirim A Graça e o Talento dos Atores Mirins de “Os Dez Mandamentos”

Miriã (Isabela Koppel)

Se continuarão suas carreiras como atores não sabemos. Se continuarão a demonstrar a inspiração cênica que tem atualmente também não sabemos, mas fato é que as crianças que compõem o elenco desta primeira fase de “Os Dez Mandamentos” estão mandando ver e emocionando a todos os espectadores com as suas atuações.

Miriã (Isabela Koppel) logo na primeira cena nos encantou. Para os espectadores virou literalmente a menina dos olhos desta novela, pois é através dos seus olhos que no primeiro capítulo acompanhamos a trama, sobretudo a violência da morte das crianças.

Os Arão (Victório Ghava e Kadu Schons) são também cativantes, graciosos,  e merecem  aplausos.

As crianças são fofas e inteligentes, Carlos Augusto Sales  (Ramsés bem menino ainda ) gracioso ao receber Moisés no palácio e dizer para ele: - “Vem brincar, vem.” E mais tarde Edu Pinheiro arremata o caminho da personagem.  E Moisés (Enzo Simi) realizou muito bem a cena quando diz à mãe, Joquebede: - “Não me toque, escrava”, a  gente até esquece que é um menino e fica chocado com a rejeição dele à mãe verdadeira.

E ainda temos Nefertari (Giovanna Maluf) Nabade (Igor Castro) Abiú (Kaik Brum), Eleazar (Rafael Sun), Luiz Felipe Mello (Bezalel), todos muito bem compondo um estelar elenco infantil, jamais infantlizado.

Todas terão ainda muita vida pela frente, e muito tempo para construírem uma carreira permanente e sólida. Espero que venha a ser grandes colegas enaltecendo nossa categoria profissional.

De parabéns os coachs que as ensaiam, e a Direção e Edição que as amparam e orientam.

 

Hoje É O Dia Mundial do Teatro

 

images 1 Hoje É O Dia Mundial do Teatro

 

Hoje abro espaço para comemorar com vocês o Dia Mundial do Teatro.

Uma arte com mais de três mil anos.

Da Antiga Grécia, para a Imperial Roma e de lá para toda a Europa,  espalhando-se depois por todo o mundo ocidental.

Há teatro na Ásia também, no Oriente, mas na China, Tailândia, Japão... assumem formas e dramaturgia diversas das nossas.

Mas é Teatro. Sempre o Teatro.

A forma que a Humanidade escolheu para representar a si própria, às suas grandes tragédias e aos seus risíveis  costumes .

Faço teatro há 49 anos.

Curiosamente eu não escolhi o Teatro, ele me escolheu.

O ano era 1966, Ditadura Militar. Nós, jovens idealistas precisávamos encontrar meios de expressão na luta pela Liberdade e pela Democracia.

Então juntamos e formamos um grupo de teatro na Ilha do Governador, no Rio.

O único objetivo era a denúncia, não era exatamente o Teatro. Mas  fomos ficando... e fui ficando...quando percebi já fazia teatro há mais de dez anos.

Foi quando ajudei a fazer a Lei que regulamentou a profissão de Artista e recebi o Registro Profissional nº 01.

Jamais pensara antes em ser ator. A vida tormou-me um profissional das artes cênicas.

Recebo como um presente, uma dádiva, esta profissão.

E hoje festejo junto com meus milhares de colegas em todo o Mundo o "Dia do Teatro".

Nunca Mais Haverá Alguém Tao Bonitinho Como O Zé Bonitinho

loredo Nunca Mais Haverá Alguém Tao Bonitinho Como O Zé Bonitinho

 

Jorge Loredo (1925/2015), este era seu nome , Brasil o conhecia como Zé Bonitinho.

Sua carreira vem dos tempos da tv em preto e branco.

Sua personagem Zé Bonitinho já estava quase desaparecida quando há duas décadas tornou-se cult. Sobretudo entre os jovens. Um premio para um comediante idoso.

Grande, solidário e talentoso colega,. Era advogado formado e atuava na área trabalhista, mais precisamente em aposentadorias. Aposentou diversos colegas, num tempo em que não tínhamos sequer provas burocráticas do exercício da profissão.

Começou sua carreira em 1945 num grupo de teatro no sanatório onde esteve internado aos 20 anos por tuberculose.

Era irmão do também já falecido redator de humor Jorge Loredo

Tive oportunidade de ser seu “Professor” na Escolinha do Barulho, que a Rede Record levou ao ar entre 1999 2 2001.

“Os Dez Mandamentos” Sucesso de Trama e de Audiência

dez1 Os Dez Mandamentos Sucesso de Trama e de Audiência

 

Parece que  a Rede Record acertou em cheio no horário de exibição de ”Os Dez Mandamentos”. E não apenas no horário, mas também na qualidade da novela.

Da Direção segura de Alexandre Avancini, ao texto sob o comando de Vivian Oliveira, e passando pelas oito dezenas de atores escalados,  tudo soma pela boa qualidade da novela.

Mas voltando no texto: ao  lançar o novo horário, com um bom produto, a Record recuperou uma boa audiência - a vice liderança no horário-  além de tirar muitos pontos do telejornal  da concorrente e por consequência da sua principal teledramaturgia, a das 21h,  que tem sido muito rejeitada pelos espectadores. “Dez Mandamentos entrega para o Jornal da Record com 13 pontos o que também tem aumentado a audiência do Jornal da Record e dos programas seguintes.

Enfim: a grade noturna deu um salto de audiência tomando de vez para si  a vice liderança.

Ontem foi o terceiro capítulo de “Os Dez Mandamentos” e ainda assim o IBOPE da novela manteve-se na média dos 12 pontos nos três dias em São Paulo. Ao contrario de outros lançamentos recentes não caiu, garantindo a estabilidade do horário.

Aplausos Para Roger Gobeth em “Os Dez Mandamentos”

 

gobeth11 Aplausos Para Roger Gobeth em Os Dez Mandamentos

Gobeth como Amnom, o primogênito, em "Rei davi"

 

Nós da antiga geração de atores – à exceção dos invejosos e amargos, se os há – ficamos muito felizes quando vemos que dentro da nossa profissão estamos deixando um legado de talentosos jovens que farão continuar a qualidade das Artes Cênicas.

E há excelentes atores nesta nova geração. Entre eles destaco hoje Roger Gobeth, o Anrão de “Os Dez mandamentos”, o pai de Moisés.

É claro que um ator não existe sozinho se não tiver também uma bo0a direção e uma boa equipe técnica protegendo-o e sustentando-o.

Mas se o ator não tiver o que antigamente chamávamos de talento e hoje chamamos de inteligência cênica, aliada à vocação, ninguém fará milagres.

Não é o caso de Gobeth. Trabalhando com a verdade absoluta da personagem, usando do método de Stanislavsky, buscando a psicologia e a forma da personagem – sua pantomima e gestual são excelentes – Roger Gobeth nos mostra o quanto tem amadurecido como ator, e muito nos orgulha.

gobeth2 Aplausos Para Roger Gobeth em Os Dez Mandamentos

Gobeth como Anrão em "Os Dez Mandamentos"

Todos estão muito bem, sobretudo a menina Isabella Koppel (Miriã), ela nos emociona e por seus olhos vemos a trama. Mas ela ainda está em botão. Muito a caminhar. E muito promete em talento e inteligência.

Louvo Isabella, mas a carreira de Gobeth fortalece-se e comprova-se nesta nova novela da Record.

Uma das cenas mais emocionantes e verdadeiras de Gobeth é quando ele consagra Moisés a Adonai. Haja verdade e emoção.

Parabéns jovem ator. Se “Os Dez Mandamentos” já é boa, seu trabalho a engrandece ainda mais, haja à vista os aplausos que recebeu de todos os colegas na noite de estreia.

Você está gostando de “Os Dez Mandamentos”?

  • Sim
  • Não
  • Não estou assistindo
 Aplausos Para Roger Gobeth em Os Dez Mandamentos

Digite o texto da imagem:

Gerar outra imagem

 

Reconfortante Saber que Em Desastre de Avião Seu Corpo Explode

 

aviao Reconfortante Saber que Em Desastre de Avião Seu Corpo Explode

Belíssimo, seguro, mas trágico: ou chega ou não chega. Não dá pra parar no acostamento.

 

Eu sou um daqueles, - como já o foram  Caymmi, Vinicius, Dominguinhos  ou Niemeyer - sorteados com a fobia de voar.

Não é medo, é fobia, vai além do comum. A maioria das pessoas tem medo, basta sentirmos o clima de silencio e apreensão que toma conta do interior da aeronave no pouso e decolagem.

Aí eu leio uma reportagem que diz? Saiba o que acontece com seu corpo num caso de acidente de avião. Vou ler, pensando no melhor.

Foi pior! (Risos): “Em caso de um acidente, dependendo da velocidade de impacto, é provável que o seu corpo (que é de 70% de água) vai explodir. E se isso não acontecer, a explosão do avião certamente irá cuidar do resto” Que confortante! (Mais risos de desespero).

E continua aumentando meu pânico: “Os coletes salva-vidas são feitos principalmente para ajudar as equipes de resgate a encontrar os corpos em caso de um acidente”. Muito, muito reconfortante, pelo menos vão me achar, desde que eu não esteja num voo da Malasyan Airlines. (Mais e mais risos nervosos).

Agradeço a leitura.  Me ajudou bastante. (risos sarcásticos finais)

(Ao publicar este post vejo a notícia de que 150 pessoas morreram num acidente aéreo ontem em Paris)

 

Sou Pobre de Marré Decí

bafo Sou Pobre de Marré Decí

Só falta descobrir que o Bafo de Bode é milionário na Suiça. kkkkk

 

Confirmado: sou mesmo pobre. No meu bairro ninguém bateu panelas e a única conta que tenho no HSBC é em Botafogo: 87,00 de saldo kkkkk