Nasceu em 1852 a Primeira Rede Social do Brasil?

 

telegrafo Nasceu em 1852 a Primeira Rede Social do Brasil?

Isto lembra um smartphone? kkkkk

 

A data deste post seria ontem mas o dia das Mães teve prioridade. Hoje retomo o assunto.

Em 11 de maio de 1852 a primeira linha de telégrafo liga o Palácio Imperial da Quinta da Boa Vista ao Quartel General do Exército no Campo de Santana.

Será que isso demonstra que a necessidade de defesa e segurança vem antes das relações sociais cordatas e cidadãs?

Será que é por isso que primeiro se aparelham  as UPPs?

Essa linha de Telégrafo Imperial foi a mesma usada na noite do Golpe Militar que depõs o Imperador e veio a estabelecer oficialmente dias mais tarde a República.

Por ela Floriano Peixoto omitia do Imperador dados importantes sobre o levante., facilitando o trabalho dos Republicanos, e distraindo o Visconde de Ouro Preto.

A linha em 1889 havia sido ampliada e já ligava o Palácio Imperial do Rio Negro,  em Petrópolis, com a Quinta e com o Estado Maior do Exército. Mas já havia linhas telefônicas também. Poucas, serviam mais aos MInistros e ao Imperador.

Como meio eletro-eletrônico de envio de mensagens, esse telégrafo datado de 1852 talvez tenha sido a primeira rede social do Brasil.

E já servia para a mobilização política.

Do telégrafo do nosso antigo exército de molde prussiano, aos Faces dos blackblocs também de  molde alemão , muita água correu.

Mas se relembrarmos que na Muralha da China, há 2.000 anos já havia comunicação sobre movimentação de tropas dando-se por archortes e fogueiras acesas colocadas uma após a outra, separadas por poucos quilômetros, em ida e volta como um grande tráfico  cibernético...havendo até mesmo "antivirus" (defesas colocadas em guaritas para rechaçar qualquer tentaiva de invasão) chegaremos mesmo à conclusão que primeiro a guerra, depois as fofocas as amenidades.

Das mesmas técnicas usava o Exército da Roma  Imperial mantendio uma rede de comunicações entre todas as unidades militares de todas as próvíncias.

Triste sina.

No Dia das Mães Dê à Sua Mãe uma Mãe de Presente

mãe No Dia das Mães Dê à Sua Mãe uma Mãe de Presente
Não há melhor presente que uma Mãe.

Mãe é muito prática:lava, passa e cozinha como nenhuma outra.

Mãe é única, forte resistente , e consome o mínimo de combustível: com um cafezinho apenas é capaz de passar a noite acordada cuidando dos filhos.

Mãe dispensa regulagenhs. Ela mesma se ajusta às mais difíceis situações. É capaz de transformar o nada  numa tragédia , e uma tragédia em nada!

Mãe é mágica: é a única que sabe transformar pão e banana num sanduíche inesquecível para a merenda escolar.

Sabe fazer render uma lata de leite condensado por três meses.

Mãe é divina: com apenas uma sardinha nas mãos ela faz a multiplicação dos peixes.

Mãe tem paciência de Jó: foi a única pessoa que se propôs a me aturar incondicionalmente pro resto da vida.

Se você aborrece muito Mãe às vezes perde a paciência e desce a mão. Mas como diz o ditado: pé de galinha não mata pinto.Ou, pancada de amor não dói.

Mãe amarrota, desbota e perde o vinco. Mas não se preocupe: Mãe é como os bons vinhos, quanto mais velha, mais preciosa.

Mãe agora em novos e variados modelos: tem a tradiconal Mãe Coruja; tem a Mãe CPI que quer saber tudo que o filho faz; tem a Mãe Pátria que só dá bandeira...Tem a Mãe Guia, porque tem Pai que é cego. (risos).

E tem a Mãe do humorista, que é a única que fica séria porque todas as outras estão  rindo do filho dela.

No Dia das Mães dê uma Mãe de presente.

Onde você pode comprar uma mãe?

Mãe não se compra, nasce aqui dentro, todos os dias, desdobrando fibra poor fibra o coraçã

O Luar do Meu Sertão

lua O Luar do Meu Sertão

 

Hoje é dia 10, a Lua entrou em fase crescente e em 4 dias ( dia 14 ) atingirá o plenilúnio. Lua cheia.

"Não há, oh gente  
oh não, Luar  
Como esse do sertão
Oh que saudade  
Do luar da minha terra  
Lá na serra branquejando  
folhas secas pelo chão

Este luar cá da cidade  
Tão escuro  
Não tem aquela saudade  
Do luar lá do sertão..."

Quem não conhece essa canção no Brasil? Talvez os muito novos... talvez os que nunca participaram de uma serenata na roça...Talvez...

Mas estes versos são um trecho de Luar do Sertão. Música e letra de Catulo da Paixão Cearense ,  considerada um verdadeiro hino do sertanejo.

Sobretudo mineiros , baianos, sertanejos,  como eu, não podem desconhecer a canção.

Atribuem ao poeta a popularização do violão em salões da sociedade de seu tempo e também a reforma da “modinha”. Publicava seus poemas em formato de cordel.

Esta grande personalidade brasileira completa hoje, 10 de maio,  68 anos de falecido.

Foi contemporâneo e parceiro de grandes nomes da música brasileira: Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga e Francisco Braga entre outros.

Morreu pobre, aos 83 anos. Foi um romântico, gozou da boemia  entre suas canções e poemas.

Morreu pobre, mas deixou esta riqueza musical.

Uma herança para todos os brasileiros, sobretudo para os que conhecem o luar do nosso sertão.

Ao olhar para a grande Lua nascendo por essas róximas  noites   relembre a memória desse poeta popular.

 

catulo O Luar do Meu Sertão

Para a garotada que não conhece: Catulo da Paixão Cearense, poeta do povo brasileiro.

Séculos de Lutas Separam Vandalismo e Greve

greve Séculos de Lutas Separam Vandalismo e Greve

A greve é direito do trabalhador. Direito conquistado com muita luta, muito sangue e muitos sacrifícios através dos séculos.

Alguns teóricos chegam a dizer que é a forma mais elevada de luta da classe trabalhadora.

Mas, o mundo moderno traz novas equações a serem resolvidas.

Por exemplo : quando agentes do serviço público entram em greve eles não afetam nenhum patrão. Afetam o Estado - que somos nós -terminando por ser uma greve que com rarissimas exceções tem o apoio da população.

Antes, sobretudo durante a Ditadura, ocupávamos as avenidas e ruas em protesto e choviam sobre nós papeis picados atiraqdos odo alto dos edifícios simbolizando o apoio da população em geral.

Hoje, qualquer grupelho de 20 ou 30 pessoas fecha vias essenciais à população que não está nem informada do porque daquilo, e vê essa obstrução das vias como um atentado a seu direito de ir e vir.

Mas o pior assistimos ontem no Rio de Janeiro: uma movimento de rodoviários. Uma parcela da categoria não aceita o acordo anterior feito pelos sindicatos e resolveu decretar uma greve.

Por causa do horário em que decidiram a população foi pega desavisada e desprevenida. O que de saída tornou essa greve antipática e antipopular.

Mas, como se não bastasse, destruiram, depredaram mais de trezentos ônibus.

Prejuízo para os patrões sim, mas que darão um jeito de se ressarcirem com o Estado, como sempre  às nossas custas, sangrando nossos impostos.

Prejuizo para os trabalhadores  que nos próximos dias ficarão sem centenas de  ônibus para se locomover.

Mas o pior: o vandalismo contra os meios de produção.

Ao quebrarem e depredarem retornam com isso ao período anterior às greves, muito anterior à Revolução Francesa, quando a classe trabalhadora , sem liderança e sem consciência de seu valor reagia cegamente destruindo máquinas e demais bens.

O vandalismo, quer nas greves, quer nas manifestações públicas é um retrocesso na luta organizada do povo e da classe trabalhadora.

Ouço a notícia de que Mato Grosso gastou 603 milhões na construção de uma Arena que depois da Copa será totalmente deficitária.  Se tal, realmente é um absurdo. Mas nem por isso devo sair por aí quebrando tudo aos berros de que "não vai ter Copa".

Manifestações sem massa, vandalizadas,  sem lideranças respaldadas, sem respaldo e apoio da maioria da população,  beira mais à violência dos antigos grupos fascistas que ao livre exercício da democracia.

Existem formas mais inteligentes de luta. Ou desconhecem a História?

Alergia. Quem Não Tem?

survivor Alergia. Quem Não Tem?

Ainda bem que não tenho alergia a trabalho.

Desconheço quem nos dias de hoje não tenha algum tipo de alergia.

Ontem estava jantando num evento de apresentação do elenco do longa " Sobrevivente Urbano"   do qual faço parte.

À  minha frente um farto prato de deliciosas cavaquinhas. Ofereci à moça que estava ao meu lado na mesa, ela declinou. Disse que havia se tornado alérgica a crustáceos. Foi, segundo ela, de repente. Não tinha alergia e passou a ter.

Esta conversa aconteceu enquanto eu espirrava sem parar com uma alergia respiratória que me acomete sempre que o clima muda.

Anos e anos com essa alergia. Nem sei mais quando começou. Basta que o tempo mude, para quente ou para frio e passo dias espirrando, até o clima firmar.

Já tentei de tudo.Há umas vacinas... caríssimas por sinal, e que ainda assim não garantem a eficácia.

Acabo mesmo tomando antialérgicos em comprimidos pra resolver as crises agudas.

Ácaros, poluição por gases, poeira...alimentos diversos...a alergia não conhece limites.

Existem pessoas com as alergias mais diversas e até inimagináveis.

Tenho um amigo que tem alergia a arrroz. Pode isso? Olha que coisa mais anti social! (risos)

Pois é. Tenho certeza que você que me lê -  e que enquanto escrevo vou espirrando -  também tem a sua alergia.

Ela é parte do mundo moderno. Apesar dela,  mesmo com tantos ataques ao nosso organismo, sobrevivemos.

Atchim!!!

Pssiiiiuuu…Hoje é O dia do Silêncio

silence Pssiiiiuuu...Hoje é O dia do Silêncio

 

Hoje é o Dia do Silêncio. Não sei porque escolheram esta data para marcar o dia em que devemos ouvir mais que falar. Em que devemos evitar fazer barulhos e alimentar  poluições sonoras.

Talvez por ser a data da rendição inncondicional da Alemanha Nazista, e o fim da II Guerra Mundial. Silêncio em respeito a todos os mortos nesta guuerra e e em todas outras?

Talvez.

Mas sei que o silêncio de cada um de nós, em  nós, é de muita importância.

Ninguém pode ouvir sua voz interior, seus desejos mais íntimnos, sua sabedoria, sua intuição...se não ficar em silêncio.

Já basta o barulho da sociedade moderna, decibéis a mais em todos os lugares, então, ficar calado em silêncio nem que seja por apenas alguns minutos no dia de hoje pode nos levar a um mundo de sensações e pensamentos que jamais imaginamos exisitr.

Experimente.

A gente mesmo não repara... mas como a gente fala! Fala pelos cotovelos como diz o dito popular.

A gente percebe mais claramente como as pessoas falam e berram quando estamos num restaurante ou num coletivo e alguém começa a falar ao celular.

É um rúído de comunicação que incomoda em volta. E falamos, falamos...Na minha experiência de vida creio que o lugar onde mais se fala , e se fala em voz alta quase aos berros é numa churrascaria dia de domingo.

Alguns de nós estamos tão acostumadaos à parafernália de ruídos que quando nos vemos num campo, num sítio, num lugar de absoluto silêncio e harmonia da Natureza começamos a ficar incomodados. Alguns chegam até  a falar sozinhos para quebrar o silêncio. Não sabem ficar em silêncio.

Aqui findo o post de hoje, relembrando Shakespeare, com a frase final em "Hamlet": "O resto, é silêncio".

Quando Se Esperava Seis Horas Por Um Interurbano

 

telefone Quando Se Esperava Seis Horas Por Um Interurbano

Quem aí pegou telefone à manivela levanta a mão!

 

Certa vez, nos idos de 1970,  em tournée pelo Brasil, eu estava no bastidor de uma tv aguardando ser entrevistado. Na minha frente a entrevista com Pink Wainer, filha de Danuza Leão e Samuel Wainer.

A entrevistadora perguntou à então mocinha de 15 anos: - " O que você acha da pílula anticoncepcional?"

E ela respondeu: - "Tenho que achar alguma coisa?  Nunca pensei nisso antes...quando eu nasci já havia a pílula. Nem sabia que tinha que me posicionar sobre ela".

Seria a mesma coisa que perguntar a um jovem de hoje o que ele acha da máquina a vapor ou da existência dos aparelhos de tv.

Ele já nasceu com tais, nem questiona. Nem precisa: já estava no mundo quando ele nasceu.

Assim hoje também é com as ligações telefônicas, sobretudo as interurbanas. Hoje qualquer pessoa fala imediatamente com qualquer lugar do mundo pelo telefone, celular,  ou pelo VOIP do computador.

Mas nem sempre foi assim. Somente em 06 de maio de 1971 a Embratel criou o serviço de Discagem Direta á Distância , o DDD.

Antes para do Rio você falar com Petrópolis, ou São Paulo, por exemplo levava horas. Você pedia a ligação á telefonista, ela anotava e lhe dizia: "São tantas horas de espera".

Aí você ficava em casa - quando não no Posto telefônico - horas esperando a ligação, e ninguém podia usar o telefone em casa porque a qualquer momento a ligação podia chamar e você a perderia , o que significaria mais horas de espera..

Imaginem a loucura que era isso. E os telefones já eram de discagem e não mais de manivela.

Mas os tempos eram outros, o tempo passava mais devagar e as pessoas tinham mais tempo para essas coisas.

Hoje, o anacrônico seria se eu lhe perguntasse: - "O que você acha da Discagem Direta à Distância, o DDD?" (risos)

FEB: Clarice Lispector e a Cobra Fumaram Juntas

 

soldados FEB: Clarice Lispector e a Cobra Fumaram Juntas

Expedicionários de volta ao Brasil, naturais da Cidade de Pompéia, SP>

 

Pouca gente sabe mas a doce e intelectual Clarice Lispector, fumante inveterada,  serviu na Força Expedicionária Brasileira - a FEB, durante a II Guerra Mundial.

Alistou-se como voluntária de enfermagem, um dos mais altos postos que uma mulher podia se permitir na década de 1940 num Exército e sociedade ainda profundamente sexista

Além de Clarice milhares de outras brasileiros alistaram-se ou foram convocados para a FEB. Alguns que mais tarde tornaram-se personalidades nacionais, e outros que nunca saíram de seu anonimato, sobretudo os pobres e nordestinos principal contingente da FEB.

Em 1939 estourada a Guerra Getúlio tentou manter o País neutro,mas em 1942 por pressão estadunidense teve que envolver-se, cedendo Fernando de Noronha e Natal como bases de operações militares para os Aliados.

A partir daí navio mercantes brasileiros foram afundados pelos nazistas. Ao todo 36 navios e milhares de mortos, o que levou o povo brasileiro a exigir o envio de tropas para combater o Eixo.

Mesmo com esses afundamentos somente em 1942 o Brasil declarou formalmente Guerra à Alemanha.

Mais dois anos de morosidade nas ações e afinal foi enviada para a frente de batalha a Divisão da FEB, que teve por símbolo uma cobra fumando, já que à época era voz corrente que seria mais fácil uma cobra fumar que o Brasil entrar na Guerra.

cobra FEB: Clarice Lispector e a Cobra Fumaram Juntas

 

Pois a cobra fumou.Em 1944 partiram para a Itália nossos combatentes das três armas.

Tivemos uma participação heroica, considerando sobretudo a total falta de preparo das nossas então antiquadas Forças Armadas.

Foram oficialmente 450 mortos entre os soldados brasileiros, entre eles 5 aviadores mortos em combate e mais três por acidente.

Considero a FEB um dos momentos mais respeitáveis e honoráveis das Forças Armadas brasileiras.

À ela e a seus combatentes dirijo a minha memória de hoje.

A Fita Amarela de Noel Rosa

nboel A Fita Amarela de Noel Rosa

Caricatura de Noel com o cigarro que viria a lhe ser fatal

 

Noel Rosa nos deixou quando tinha 26 anos de idade. Lembra-me o poeta nacional Castro Alves, morto aos 24 anos. E tantos outros criadores e gênios que deixaram a vida ainda bem cedo.

Mas este "deixar cedo" não infere que não deixaram obras belíssimas. Viveram pouco, mas intensamente.

Noel teve contribuição fundamental na legitimação do samba de morro e no "asfalto", ou seja, entre a classe média e o rádio, principal meio de comunicação em sua época - fato de grande importância, não só para o samba, mas para a história da música popular brasileira.

Sua grande amiga e intérprete foi a singular Aracy de Almeida, outra grande contribuição à MPB.

Boêmio teve muitas amantes, embora fosse casado com Lindaura, amava na verdade a prostituta Ceci, para quem compôs " A Dama do Cabaré".

Fumante inveterado, noites perdidas na boemia, desregrado nos horários e na alimentação acabou contraindo a tuberculose contra a qual lutou durante anos até a sua morte em 4 de maio de 1937.

Amo suas composições, mas gosto muito mais de "Com que Roupa", "Tres Apitos", "Conversa de Botequim", E "Fita Amarela":

"Quando eu morrer, não quero choro nem vela 
Quero uma fita amarela gravada com o nome dela."

D. João, D. Pedro e a Pena de Morte Para os Maçons

 

macon D. João, D. Pedro e a Pena de Morte Para os Maçons

Alegoria alusiva à Independência do Brasil

 

Uma curiosidade histórica: nesta data de 3 de maio em 1818 Dom João VI proíbe sob pena de morte a existência de sociedades secretas no Brasil, enquadrando nesta Lei a Maçonaria brasileira.

Entretanto, 4 anos após este ato, os maçons estavam reunidos com a presença de Guatimozin (nome maçônico do Imperador Dom Pedro I, membro  da Loja Maçônica do Grande Oriente Brasílico).

Segundo alguns historiadores e maçons D. Pedro estava presente quando delegados maçons de Minas, Rio (Gonçalves Ledo)  e São Paulo (José Bonifácio) em reunião redigiram a Ata de Independência do Brasil.

Já havia ocorrido o Dia do Fico ( sob a inspiração da Loja do Rio - Gonçalves Ledo),  em 9 de Janeiro de 1822,     que havia aborrecido a metrópole portuguesa.

Consta que D. Pedro voltava para o Rio quando Bonifácio previu  que as Cortes Portuguesas dariam ordem de D. Pedro retornar a Portugal.

Em setembro de 1822, Ata redigida, ante a ameaça das Cortes lusitanas exigirem ( como ocorreu) o retorno de D. Pedro à Portugal, José Bonifácio manda-lhe um correio a cavalo, urgente, que o encontra às margens do Ipiranga, e então o ato de Independência até então urdido apenas em reuniões maçônicas é tornado público na proclamação Imperial.

Foi o que pude depreender pesquisando.

Ressalve-se que a Independência já era anseio não só de maçons mas de muitos outros brasileiros que lutavam pela sua realização.

Mas... fica uma interrogação no ar: se Dom João VI proibiu sob pena de morte  a Maçonaria em 1818, como  já em 1822 D. Pedro havia sido cooptado e dela fazia parte, até com nome de guerra : Guatimozin (último imperador Asteca morto em confronto com os colonizadores), e passa a fazer parte do Quadro de Obreiros da Loja "Comércio e Artes“;

Em 5 de agosto de 1822 : por proposta de Joaquim Gonçalves Ledo, que ocupava a presidência dos trabalhos, foi aprovada a Exaltação ao Grau de Mestre Maçom. Portanto foi já sendo Maçom que o Príncipe, no mesmo mês de agosto de 1822, tomou a medida mais dura em relação a Portugal, declarou inimigas as tropas portuguesas que desembarcassem no Brasil sem o seu consentimento.

14 de agosto: D. Pedro, acompanhado de pequena comitiva, viaja para São Paulo com o propósito de apaziguar os descontentes em São Paulo, aonde chega a 25 e é recebido com grandes pompas.

Em 7 de setembro: D. Pedro de São Paulo se dirige para Santos, de onde regressou na madrugada de 7 de setembro. Encontrava-se na colina do Ipiranga, às margens de um riacho, quando recebe as cartas enviadas pelo seu primeiro ministro José Bonifácio. D. Pedro, após tomar conhecimento dos conteúdos das cartas e das notícias trazidas pelos emissários, pronunciou as seguintes palavras:

"As Cortes me perseguem, chamam-me com desprezo de rapazinho e de brasileiro. Verão agora quanto vale o rapazinho. De hoje em diante estão quebradas as nossas relações; nada mais quero do governo português e proclamo o Brasil para sempre separado de Portugal".

Mas para mim ainda há o ponto obscuro: Vogava ainda a ordem real de pena de morte para os maçons? D. Pedro revogou a ordem? Passou por cima do ato paterno? É verdade que com a partida de Dom João para Portugal, deixando aqui D. Pedro como Regente, permitiu - longe o Rei - a reorganização da Maçonaria no Brasil. Quem e como convenceu Dom Pedro para que ele passasse por cima da Ordem de Dom João e entrasse para  Maçonaria?

Como é pouco conhecida  a História do Brasil.

Meu pai talvez soubesse me dizer, mas já é falecido. Se algum "tio" meu puder esclarecer,  este velho "pesquisador" aqui agradecerá de bom grado.

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com