Justiça

UM PRESENTE PARA A INDÚSTRIA DAS MULTAS

multas UM PRESENTE PARA A INDÚSTRIA DAS MULTAS

Aproveitando o gigantesco saco sem fundo de Papai Noel, o
Contran entre o bimbalhar dos sinos natalinos trouxe um belo presente para a
chamada “indústria das multas” rodoviárias.

Na verdade trouxe de volta  do passado um "presente" que a Justiça havia
mandado suspender em 2006.

Atendeu o Contran  desta vez, e mais uma vez, os apelos da
Policia Rodoviária Federal.

Voltou a considerar a infração rodoviária como crime, que
enseja arrecadação de tributos para a goela voraz do Estado.

De Educativa, a questão das infrações de trânsito volta a
ser Punitiva.

Para o Contran não há razão de manter placas indicativas de
radares fixos ou móveis

Volta a PRF, e demais órgãos,  a ter o direito de instalar radares móveis até
mesmo em rodovias e áreas sem indicação de velocidade, e a bel prazer dos agentes, quanto à localização.

Pergunto: se você trafega em uma via a qualquer velocidade ,
e se não há indicação e na maioria das vezes, sequer indicações horizontais e
verticais, quem estabelece então  a
transgressão da velocidade  ou das normas?
O policial escondido nas moitas da estrada? E a velocidade passa a ser  a determinada por ele, ali, na hora, variando
de acordo com o clima?

A questão das sinalizações   é seríssima. Pode haver boa sinalização  nas belas
estradas de SP. Mas no resto do País é péssima.

No Rio, o Prefeito Eduardo Paes, usou de bom senso e já
afirmou que não retirará as placas indicativas e nem usará de “pegadinhas”  com os radares móveis.

Concordo com o engenheiro de tráfego e transportes
do CETRAN RJ , Fernando Mac Dowell de  que "o assunto  precisa ser revisto e discutido, mas não dessa
forma. O radar serve para educar e não para punir."

Tirada do bolso do colete durante o Natal,  a Resolução do Contran é uma conversão
infratora aos direitos do cidadão.

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com