IMG 0615 As modas na Educação As modas  e os Modismos não estão presentes somente no mundo fashion das passarelas: são parte integrante do segmento educacional. É importante que eles existam para termos parâmetros e possamos tomar por base o que veio pra ficar, o que faz sentido na Educação e o que vai passar  em breve. É importante porque nos obriga a fazer releituras de conceitos e métodos antigos e nos faz questionar e aplicá-los às nossas realidades.

Visitando a feira de Educação Bett EDUCAR  em São Paulo em maio último, passei pelas últimas tendências da Educação em stands cheios de cores e alegrias.

Passei por empresas prestadores de serviços para escolas, passei por sistemas de ensino, brinquedos educativos, editoras, cursos de Inglês para escolas e, sobretudo, passei pela onda do mercado: cursos de educação tecnológica: programação, robótica, e muitos outros recursos tecnológicos.

As palestras focaram em projetos inovadores, tanto em matérias  extracurriculares como a própria Robótica pode ser, quanto no currículo básico com inovação até em Matemática. teve Augusto Cury, veterano na feira, Mario Sergio Cortella falando de ética, e palestras internacionais de especialistas da Microsoft, Cisco e Intel, entre outros. Teve até palestra com a secretária de educação de Helsinque falando sobre o projeto de educação da Finlândia. Muitos temas e abordagens Para quem sem dispôs a passear entre os auditórios de todos os tamanhos.

Voltando à "última palavra em Educação", o que mais vi na Bett Educar forcursos incríveis de Robótica. Lego Education foi a grande estrela do evento, inclusive. Em um determinado momento das visitas eu cheguei a me sentir dentro da FAO Swartz da 5a Avenida em NY de tantos atrativos tecnológicos para quem pelos corredores passava.

Sabemos que a educação tecnológica veio para ficar e isso nem se discute. Mas eu me perguntei algumas vezes como emplacar em maior escala certos módulos  como a própria Robótica com a Lego, em lojas próprias ou no modelo IN SCHOOL. Escolas com orçamento apertado, famílias mais apertadas ainda, e sobre tudo material didático (Leia-se kits)  caros, muito caros para a realidade brasileira. E olha que estou falando do universo das escolas particulares - impossível cogitar as escolas públicas. Afinal, com toda a crise que vivemos no país hoje, acho difícil redes de ensino público fazerem investimentos maiores nesse setor.

Se a ideia de tornar os alunos verdadeiros makers é um caminho sem volta, o formato do negócio em que isso vai se dar é ainda um sonho, um modismo. Até porque, cá entre nós, legal mesmo é montar algo que vai ser seu e que você pode levar ao final do curso pra casa e brincar com um brinquedo feito por você. Eu brincava com minhas sucatas e bonequinhas de papel que vestiam roupas desenhadas por mim. Era o máximo. mas isso é impossível com o custo dos kits de Robótica. Sendo assim, o hands-on do aluno num espaço maker se limita a 2 horas semanais em média. Aquele coisa legal de brincar com o que construiu? Esquec! Só se os pais forem muito ricos e puderem arcar com um kit exclusivo pro seu filho. Há de ter outra saída para a Robótica como projeto educacional e utopicamente inclusivo.

Há que se pensar na popularização destas ferramentas de ensino que,  ao contrário dos softwares de gestão e dos sistemas de ensino, não conseguirão  ter escala fácil no formato que estão. E se usássemos lixos eletrônicos? Pensemos juntos, educators and makers of the world!

O mérito da Bett EDUCAR continua sendo incomparável ao promover troca e interatividade entre os vendedores de produtos educacionais, os prestadores de serviços e as escolas clientes em potencial.

Afinal, graças ao evento, estou aqui tendo a chance de discutir questões como essa e entender o contexto e a quantidade de players nesse mercado imaginário que os cursos de computação pensam ter.

IMG 0619 As modas na Educação

IMG 0617 As modas na Educação

IMG 06211 As modas na Educação IMG 06181 As modas na Educação