IMG 0227 300x168 O futuro já presente do trabalho

Trabalhar, trabalhar e trabalhar - gostando ou não, de um jeito ou de outro, por muito ou por pouco, ninguém consegue muito fugir do trabalho em suas vidas.
E nesse exato momento em que escrevo, vivemos uma transformação do trabalho, independente de crise financeira, de país, de presidente ou de lugar - é importante pontuar.
Antes de mais nada, não estou aqui pra defender mudanças em legislação, nem governos nem ninguém.
Só compartilho uma percepção de tempo e mundo e sei que não estou sozinha. Há que se observar, se informar, poderão, despirmo-nos de pré-conceitos e pré-julgamentos e tentarmos buscar soluções razoáveis, temporárias que sejam, para o novo que se escancara nas nossas portas.
Hoje todos somos "multitask people". Ou seja, Você sabe o que é multitask? Atuamos em várias frentes, jogamos nas 11 e nos viramos nos 30. Aquele papo de "não sou paga para fazer isso" está cada vez mais em desuso. Reiterando que ser multitask não é ser explorado ou desvalorizado: trata-se de um novo jeito de contratar, trabalhar, produzir e auferir resultados.
Há quem critique e ache que o multitasker se dispersa e não faz nada tão bem quanto poderia fazer se focasse em uma coisa só. Não discuto, não tenho todos os dados.
Mas percebo que,por ser multitask não mais uma opção e sim uma realidade cotidiana, as pessoas vêm desenvolvendo a habilidade de atuar em mais de uma área, trabalhar em mais de um projeto, resolver mais de um pepino por dia, da mesma forma que ela usa várias redes sociais e aplicativos se dividindo entre o celular e o desktop.
Sim, a nossa realidade é de múltiplos estímulos, múltiplas fontes e incontáveis opções. Natural é que nosso trabalho seja mais colorido e multifacetado. Pode confundir, pode atrapalhar, pode atrasar - fato. Mas se é inevitável, tenhamos calma, organização e foco,: chegaremos lá.

Na minha humilde opinião, nosso cérebro agradecerá um dia por todo esse Cross fit, ops, por esta mudança inevitável.

Um outro aspecto que suscita debates e controvérsias é aquele sobre a legitimidade dos locais em que/de onde se trabalha. A expressão da vez é "home office" (trabalho de casa).
Antes da internet, precisávamos da realidade única e monocromática que tínhamos - a presença física na empresa, e para tal acontecimento passávamos tempos em transporte público para lá chegar, batíamos ponto e contávamos horas de trabalho. Me sinto numa cadeira de balanço, de coque e cabelos grisalhos, contado pros netinhos (seriam bisnetos?) como se trabalhava antigamente.
Sim, o trabalho que descrevi para vocês acima é passado, mesmo que na prática ainda (sobre)viva. Hoje vivemos uma realidade única (não mais dual - presencial x virtual) onde encontramos pessoas o dia todo pelo Skype, Hangout, zoom, telefone e Whatsapp. Hoje falamos com o mundo todo sem pagar chamada internacional. Falamos com colegas de trabalho, parceiros da empresa ou ilustres desconhecidos, olhando olho no olho, ao vivo e a cores, literalmente. E tudo isso sem precisar ocupar um espaço muitas vezes caro e pouco produtivo nas salas e baias da empresa - home office MODE ON. Falo de trabalhar com atenção e eficiência sem sair de casa. Falo de dormir mais, gastar menos com roupa de trabalho, não se estressar com trânsito e violência, não precisar comer sempre na rua, entre algumas outras coisas. Falo do novo trabalho desse século 21 que chegou pra ficar.
Estar na empresa, trabalhar de lá, tem hoje propósito e feição mais definidos. Estamos lá pra interagir, reunir, supervisionar, trocar, e sobretudo, atender clientes.
Aliás, interatividade, atendimento, relacionamento, feedback, nunca foram tão importantes para trabalho de hoje é de amanhã. Mesmo quem não é dono de seu próprio negócio deve desenvolver uma mentalidade mais empreendedora e gerir sua própria carreira como se fosse empresário de si mesmo, sob pena de perder o timing, o trem, a estação e as chances reais de sucesso.
Tanto a característica multitask do trabalho quanto o formato home office chegaram de forma natural, orgânica e revolucionária na medida em que foram coadjuvantes da maior de todas as revoluções - a Internet. Portanto ajamos com naturalidade, nada de sustos ou ansiedades demasiadas. Aceitar o futuro é realizar o presente com mais entusiasmo, propósito e eficiência.