14194237 1199082840112528 786675501 n Bonner e Fátima: não existe pivô para nenhuma separação

Fátima Bernardes e Willian Bonner usaram as redes sociais para comunicar a separação, mas os motivos só dizem respeito a eles

A família tradicional brasileira foi surpreendida com a bomba da notícia da separação de William Bonner e Fátima Bernardes na noite desta segunda-feira (29). Os rumores de crise no relacionamento do casal 20 do telejornalismo não são de hoje. Tudo indica que a separação já era fato, antes de ser oficialmente anunciada, pelas redes sociais, pelos dois, em tuítes idênticos.

Não demorou, claro, para começarem as especulações sobre as razões que teriam levado o casal a terminar um relacionamento de 26 anos. Obviamente, já surge o clássico "pivô da separação", que é sempre uma mulher destruidora de lares. Ah, faça-me o favor!

Prestem bastante atenção: NINGUÉM acaba com o casamento dos outros, além dos próprios envolvidos na relação. Essa pecha de que sempre existe uma mulher que se infiltra no coração do "coitadinho" do macho, tira dele o sono e o bom senso, e faz com que ele jogue a família fora, nada mais é do que outra nefasta construção do machismo nosso de cada dia.

Quer dizer então que  o cara não é capaz de responder pelos próprios atos? Que é preciso sempre haver uma mulher para virar a cabeça da criatura? Tenha dó. As pessoas são adultas, responsáveis e têm noção exata das consequências de seus atos. Se um cara (ou uma mulher) se envolve com outro durante um casamento sabe exatamente onde isso pode terminar. Em fim do casamento, especialmente se uma das partes estiver sendo enganada, e descobrir a paixão do outro. Simples, não?

Mas os homens, em maioria acachapante, quando têm um relacionamento extraconjugal (e são descobertos) acabam se colocando sempre na posição de coitadinhos seduzidos por uma mulher ardilosa. É muito raro ver um cara admitir que fez o que fez, quando faz.

É sempre mais simples, porque é socialmente aceitável, a ideia de que ele, oh dó, tem a carne fraca, estava lá naquele casamento há tanto tempo, comendo seu feijão com arroz. Como resistir àquele risotão de camarão, né mesmo? Fica tudo no melhor estilo "a culpa é minha eu boto onde eu quiser". Para, né.

Está mais do que na hora de dar um basta neste tipo de desculpinha e argumentação. Não existe pivô para separação de ninguém. Se o homem ou a mulher se envolvem com um terceiro elemento, certamente o fizeram de livre e espontânea vontade. E que venha o resultado. Muitas vezes, rola o perdão. Acontece, amor, desculpaê. Em outras, é mala na porta, beijo, não me liga.

Se houve ou não algo do gênero entre o casal Bonner e Fátima é um problema deles. O que não dá mais para aguentar  é  essa história de pivô de separação. Acabar um casamento, especialmente de muitos anos, nunca é uma decisão fácil, nem indolor. Quem tem responsabilidade nisso são só os envolvidos, no caso, Bonner e Fátima.

http://r7.com/foAL