hugo2 Deborah Secco sincerona revela que traição feminina é um imenso tabu

Deborah Secco disse que só não traiu o atual marido. O resto...

Homem pode. Mulher, jamais. Parece incrível, mas quando o assunto é traição, essa ainda é a crença da maioria, como se trair fosse exclusividade masculina. E, claro, se o cara trair ele estará automaticamente perdoado pois faz parte da "natureza do macho". Pois bem... a atriz Deborah Secco resolveu desafiar essa  lógica e admitiu, em entrevista ao programa Fofocalizando, na tarde de segunda-feira (7), que traiu todos os namorados que teve, exceto Hugo Moura, seu atual marido.

O assunto virou polêmica instantânea, especialmente por se tratar de uma mulher admitindo um comportamento tão condenado. Ao ser perguntada se perdoaria uma traição, a atriz ponderou. "Depende do contexto, do tipo da pessoa, o tipo de relação a que eu me propus. Traí todos os meus ex, menos o Hugo. Não posso cobrar as pessoas o que não dou. Nunca fui uma pessoa tadinha que perdoa, eu pondero muito as coisas e não sou hipócrita."

O tema é sempre explosivo, na medida em que a maior parte das pessoas considera a traição um deslize inaceitável. Socialmente, estar em um relacionamento, e ficar com outra pessoa, é algo inadmissível, ainda que, como bem disse Deborah Secco, resvale na hipocrisia. Muita gente trai. Homens e mulheres. Mas quando alguém admite que age assim... vai direto para o apedrejamento público.

A verdade é que nunca se sabe o que rola entre os casais. Aquela ideia simplista de "quer trair separa" nem sempre é regra. Casos de relações extraconjugais, de famosos e anônimos, estão aí para quem quiser ver. Mulheres lindas, homens espetaculares, ninguém está a salvo. Beleza não impede traição. Sexo não impede traição.

Talvez, e não é uma regra, o que segure a monogamia seja o medo de perder o afeto do outro, e o desejo de que o casal se baste, de ser perfeito para o outro. Desculpe avisar, mas ninguém é perfeito para ninguém. Ninguém é dono de ninguém. Não trair diz respeito a si mesmo, àquilo que cada um acredita, aos buracos emocionais e carências de cada criatura. E ao compromisso com a verdade que cada casal estabelece.

Deborah Secco disse também que nunca levou um fora e sempre terminou quando "a pessoa não significa mais nada".  Quando se chega nesse ponto, aí, meus amigos... já era. Ela deu só uma conferida no mercado antes de encerrar seus namoros. Quem nunca?

http://r7.com/sjdq