mclivinho Deixem de ser literais, não há apologia a estupro na música de Livinho

A música de Livinho é ruim, mas não incita a violência

Livinho é um dos nomes mais bem-sucedidos da atual safra de funkeiros, emplacou o hit "Fazer falta" como a segunda música mais ouvida do Brasil no Spotify, cujo clipe tem quase 120 milhões de visualizações. Daí o cara lançou uma música nova, "Covardia", e caiu todo mundo em cima, alegando que por falar "vou abusar bem dessa mina" a música seria uma apologia contra a mulher. Muita calma nessa hora.

Fui ouvir essa "genialidade" e o que a música relata é a experiência de um cara, que, pelo jeito, teve uma ejaculação precoce diante da mina, "a primeira vez foi covardia, não te conhecia", mas que ele não pretende desperdiçar uma nova oportunidade. E avisa: "Mas, olha, vem preparada, pode até cronometrar, vou levar duas toalhas, que hoje vamos usar, hoje vamos precisar."  Animadão com a possibilidade de uma nova transa, ele vai querer "abusar muito dessa mina".  Pela gritaria gerada nas redes sociais, as pessoas andam literais demais. Ninguém nunca disse isso? "Hoje vou abusar de você", no sentido de tirar proveito de todos os minutos?

Claro que abusar, no dicionário, tem um significado pejorativo. Significa fazer mau uso (de),  exceder-se no uso (de),  aproveitar-se (de), usar demasiado e até forçar ou maltratar sexualmente. Mas, sinceramente, no caso da letra de "Covardia", não parece que o sujeito em questão esteja falando de violência. Acredito que ele tenha falado abusar no sentido de aproveitar mais a oportunidade que teve com ela, e fazer melhor do que fez na primeira. Não vi nada demais. Só interpretar o contexto da letra. É caçar polêmica onde não existe.

O próprio Livinho usou as redes sociais (veja abaixo) explicar que não tem nada a ver essa história de apologia ao estupro. E começou o vídeo chamando o público de "família mimimi".  E é  por essas e outras é que, às vezes, o coro que reclama que tudo não passa de "mimimi" ganha fôlego. Que tal não perder tempo com esse tipo de briga, que é irrelevante e, no caso, descabida? Temos coisa mais importante pra fazer.

Que o mocinho de "Covardia" consiga mandar bem lá com a mina dele e ela curta o que ele tem a oferecer. "Desculpa pela primeira, vamos de novo tentar", pede o rapaz. Que tal ouvir coisa melhor? Toquinho já cantava "você abusou, tirou partido de mim, abusou", quando o quadradismo dos versos fazia tanto sentido.

http://r7.com/ZLNw