antonia Homem que briga para não pagar pensão para filho é a pior espécie de pai

O pai do filho de Antonia, antes de qualquer diiálogo, já foi avisando que só vai pagar R$ 1,6 mil de pensão alimentícia

Duas notícias sobre pagamento de pensão alimentícia chamaram a atenção nesta quinta-feira (4). Em uma, um cara que todo mundo sabe que tira uma grana fazendo baile funk, cuja família é famosa no ramo e sempre viveu bem, teve a pachorra de intimar a ex-mulher para limitar o pagamento da pensão para o filho, de apenas 9 meses, em R$ 1,6 mil. Para muita gente, o valor pode parecer exorbitante, mas estamos falando de Antonia Fontenelle e seu ex, Jonathan Costa. Para se ter uma ideia, só a babá de Salvatore, o filho do casal, ganha R$ 2,4 mil por mês.

Na segunda notícia, e mais trágica, um pai matou o próprio filho, de 13 anos, para não pagar pensão. Em comum, entre a tragédia e a desfaçatez, a postura de muitos homens que abdicam ou tentam reduzir ao máximo seu compromisso financeiro como genitores. É inacreditável a quantidade de homens que saem por aí falando que são "extorquidos" por ex-mulheres que só estão tentando criar os filhos,  prole que, por sinal, nunca é feita sozinha.

Parece ainda muito aceitável socialmente que a guarda e a responsabilidade de bancar um filho seja única e exclusivamente das mães. Com isso, a rapaziada dá um jeito de fugir do compromisso, como se filho desse pouca despesa. E, pior, que isso não é problema deles.

Claro que há um receio real desses homens: o único caso de prisão no âmbito civil é a falta de pagamento de pensão alimentícia. Ou seja: quando pagam, pagam por medo de serem presos e não por acreditarem que criar e bancar o filho também são responsabilidades deles!

Antonia, atônita, declarou ao colunista Léo Dias, do jornal O Dia, que não pediu nada para Jonathan e foi surpreendida com a intimação. Considerou uma afronta o valor sugerido por ele, e mandou logo o recado. "Já criei um filho sozinha, posso sustentar o segundo".

O problema é que não é obrigação só da mãe. Isso precisa ficar claro. Filho é coisa séria, custa caro e exige, além de carinho e atenção, um bocado de grana. Muita vergonha desse tipo de homem, que só está preocupado em não dar dinheiro "para a mulher", e não percebe que está penalizando a criança. Homens, melhorem, ok?

Vale registrar que Jonathan veio a público e negou que o valor seja o dito por Antônia e que nunca se absteve de pagar pensão. Ele usou as redes sociais para falar sobre o assunto. Veja o que ele disse:

"Busco hoje, legalizar e acertar todos os direitos que cabem ao meu filho, e em uma época de tantos desafetos, brigas e julgamentos, nada é mais importante do que amor e atenção que dou a eles, sem deixar de lado minha responsabilidade financeira em relação à pensão. Valor esse, que está sendo erroneamente divulgado, visto que hoje tenho um gasto mensal de R$9.000,00 para os meus filhos. Dessa quantia, existe um valor FIXO de R$ 4.500,00 depositado mensalmente para o Salvatore desde a separação. E, independente do valor acordado juridicamente, cabe a mim e a mãe do Salvatore, tomar a frente e resolver nossos assuntos. No que depender de mim, meus filhos sempre terão o melhor. Quero que eles cresçam com oportunidades iguais, mesmo com mães diferentes. Quanto à Antonia, nunca irei desrespeitá-la, ela é a mãe do meu filho. Quero ter a mesma relação que hoje tenho com a mãe da Maithê, aprendi com o amadurecimento, que é muito importante pra eles crescerem com uma boa relação entre os pais. Enfim, tentam me pintar como um garoto de guerra, mas sou um homem de paz, sou Pai! Não acreditem em tudo que dizem por ai, toda história tem mais de um lado. Em tempos de guerra desejo paz, em tempo de ódio desejo amor."