Oscar 2017: como assistir aos indicados a Melhor Documentário

O Oscar 2017 acontece no dia 26, domingo de carnaval. Entre os indicados a Melhor Documentário, há um filme atualmente em cartaz nos cinemas e outros disponíveis em serviços de vídeo sob demanda ou em DVD. Em resumo, dá para ver os cinco antes da premiação e ficar na torcida pelo seu favorito!

Veja os cinco indicados ao Oscar 2017 de Melhor Documentário e como assisti-los.

Indicados ao Oscar 2017 de Melhor Documentário em Longa-Metragem

 

Eu Não Sou Seu Negro (I Am Not Your Negro)
Estados Unidos, 2016

Documentário dirigido e escrito por Raoul Peck e James Baldwin. Aborda as relações raciais durante a luta dos direitos civis dos Estados Unidos. Acabou de estrear nos cinemas e está em cartaz em diversas cidades. Leia mais sobre Eu Não Sou Seu Negro no BlogDoc.

 

Fogo no Mar (Fire at sea/Fuocoammare)
Itália, 2016

Documentário de Gianfranco Rosi ganhador do Urso de Ouro em Berlim, já foi exibido no Brasil, na abertura do É Tudo Verdade 2016. Agora, está disponível em DVD e também em diversas plataformas de vídeo sob demanda: iTunes, Google Play, Now e GVT. O filme narra o problema dos refugiados africanos que desembarcam na Europa, a partir de histórias de imigrantes e de moradores do Lampeduza, um dos principais portos de chegada, na Itália. Leia mais sobre Fogo no Mar no BlogDoc.

 

Vida, Animada (Life, Animated)
Estados Unidos, 2016

Dirigido e escrito por Roger Ross Williams, o documentário é baseado no livro de Ron Suskind, Life, Animated: A Story of Sidekicks, Heroes, and Autism, que conta a trajetória de seu filho autista. Vencedor de diversos prêmios, entre eles o de melhor direção em  documentário do Festival de Sundance, o filme acaba de chegar na Netflix. Vida, Animada na Netflix.

 

O.J. Made in America
Estados Unidos, 2016

O documentário seriado narra a história de O.J. Simpson, jogador de futebol americano acusado de assassinar a ex-mulher Nicole Brown Simpson e Ronald Goldman. Já foi exibido na ESPN Brasil e pode ser visto no serviço de streaming do canal. O.J. Made in America no Watch ESPN.

 

A 13ª Emenda (13th)
Estados Unidos, 2016

Com direção de Ava DuVernay, discute a criminalização do negro americano, maioria no sistema carcerário daquele país. A 13ª Emenda na Netflix.

Além das opções listadas acima, Eu Não Sou Seu Negro, Vida, Animada e O.J. Made in America estão disponíveis também no iTunes, mas apenas no catálogo americano (usuários com contas brasileiras não têm acesso a eles).

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Eu Não Sou Seu Negro – documentário de Raoul Peck

Eu Nao Sou Seu Negro Divulgacao 3 Eu Não Sou Seu Negro – documentário de Raoul Peck

Cena de Eu Não Sou Seu Negro, documentário de Raoul Peck (Foto: Divulgação)

A pouco mais de uma semana da cerimônia do Oscar, chega aos cinemas brasileiros nesta quinta (16) o necessário e inquietante Eu Não Sou Seu Negro, de Raoul Peck, um dos cinco concorrentes ao prêmio de Melhor Documentário. Narrado por Samuel L. Jackson, o filme constrói uma reflexão sobre como é ser negro nos Estados Unidos a partir de um livro inacabado de James Baldwin.

Em 1979, James Baldwin iniciou a produção do livro Remember This House, que teria o objetivo de relatar as vidas e os assassinatos de líderes ativistas que marcaram a história social e política americana: Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King Jr. Baldwin morreu sem concluir sua obra e o manuscrito foi entregue ao diretor Raoul Peck. Em Eu Não Sou Seu Negro, Peck combina esse material com um rico arquivo de imagens dos movimentos de direitos civis.

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

O passado dessas lutas históricas por justiça e igualdade e os movimentos atuais que ainda clamam por esses mesmos direitos se encontram no filme. Embora os avanços no último meio século tenham sido evidentes, os recorrentes casos recentes de violência contra negros nos Estados Unidos mostram que ainda há um longo caminho a ser percorrido para que as mensagens desses defensores dos direitos civis sejam de fato assimiladas por todos.

Eu Não Sou Seu Negro estreou com vitória popular no Festival Internacional de Toronto, em 2016. Foi premiado também em Los Angeles pelos críticos. Agora, chega como um dos favoritos ao Oscar.

+ Os indicados ao Oscar de Melhor Documentário

A 89.ª cerimônia de entrega dos Academy Awards da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas acontece em Los Angeles em 26 de fevereiro.


Eu Não Sou Seu Negro (I Am Not Your Negro)

EUA, França Bélgica, Suíça, 2016. 93 minutos.

Direção: Raoul Peck. Narração: Samuel L. Jackson. Roteiro: Raoul Peck, James Baldwin. Produção: Rémi Grellety, Raoul Peck, Hébert Peck. Fotografia: Henry Adebonojo, Bill Ross, Turner Ross. Edição: Alexandra Strauss. Música: Alexei Aigui.

Participação em premiações e festivais: indicado ao Oscar 2017 de Melhor Documentário, Prêmio do Júri Popular para Melhor Documentário do Festival de Toronto 2016, Melhor Documentário do Los Angeles Film Critics Association Awards 2016.

Estreia no circuito comercial de cinemas no Brasil prometida para 16/2/2017.

Classificação indicativa: 12 anos.

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Mostra Simplesmente Nelson traz documentários de Nelson Pereira dos Santos

a luz do tom dirigido por nelson pereira dos santos Mostra Simplesmente Nelson traz documentários de Nelson Pereira dos Santos

Nelson Pereira dos Santos nas filmagens do documentário A Luz do Tom (Foto: Divulgação)

Autor de marcos do cinema brasileiro, como Rio Zona Norte e Memórias do Cárcere, Nelson Pereira dos Santos também realizou e foi tema de documentários. A partir desta quinta (9), o Caixa Belas Artes traz uma extensa mostra de seus trabalhos, que também abre espaço para a vertente documental.

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

+ Infográfico: a história da música brasileira pelos documentários

Os paulistanos poderão ver (ou rever) os dois trabalhos de Nelson dedicados a Tom Jobim: A Luz do Tom e A Música Segundo Antonio Carlos Jobim. Também serão exibidos os quatro episódios da série Casa Grande e Senzala, em duas sessões sequenciais.

Além disso, serão mostrados documentários em que Nelson é retratado: Nelson Filma, de Luiz Carlos Lacerda, e Como se Morre no Cinema, de Luelane Loiola Corrêa.

A Mostra Simplesmente Nelson vai até o 22 de fevereiro. Veja os documentários que serão exibidos. Para a programação completa, consulte o site do cine Caixa Belas Artes.

Simplesmente Nelson – programação de documentários

9 de fevereiro – quinta-feira
16h – Sessão de curtas-metragens incluindo Nelson Filma (10 min) e Como se Morre no Cinema (20 min)

12 de fevereiro – domingo
16h – A Luz do Tom (120 min)
18h30 – A Música Segundo Antonio Carlos Jobim (88 min)

17 de fevereiro – sexta-feira
18h30 – A Música Segundo Antonio Carlos Jobim (88 min)

18 de fevereiro – sábado
16h – Casa Grande e Senzala – episódios 1 e 2 (120 min)
18h30 – Casa Grande e Senzala – episódios 3 e 4 (120 min)
23h30 – A Luz do Tom (120 min)

Mostra Simplesmente Nelson

De 9 a 22 de fevereiro de 2017
Caixa Belas Artes – Sala Aleijadinho – 144 lugares
Rua da Consolação, 2423
Telefone: (11) 2894-5781
Ingressos: R$ 10 inteira e R$ 5 meia
Horários: 16h e 18h30 (todos os dias) e 23h30 (aos sábados)

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

A Vida Lá Fora: O Cinema de Jean Renoir traz dois documentários sobre o diretor francês

Photo Renoir2 206x300 A Vida Lá Fora: O Cinema de Jean Renoir traz dois documentários sobre o diretor francês

Mostra A Vida Lá Fora: O Cinema de Jean Renoir traz dois documentários sobre sua obra (Foto: Divulgação)

Começa nesta quarta (1º) em São Paulo a mostra A Vida Lá Fora: O Cinema de Jean Renoir, uma retrospectiva sobre o cineasta francês. Na capital paulista, o evento prossegue até o dia 27, com ingressos a R$ 10 (R$ 5 a meia-entrada). A mostra acontece também em Brasília (15/2 a 13/3) e no Rio de Janeiro (1º a 27 de março), sempre no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Além de 30 filmes do diretor, a programação inclui dois documentários sobre sua vida e obra.

Filho do pintor Pierre-Auguste Renoir, Jean Renoir (1894-1979) foi apontado como um dos mais importantes cineastas do mundo por Orson Welles e Charles Chaplin. Em 1975, Jean Renoir recebeu um Oscar especial pelo conjunto de sua obra.

Veja mais informações sobre os documentários que serão exibidos na mostra A Vida Lá Fora: O Cinema de Jean Renoir:

Jean Renoir, o Patrão (Jean Renoir, le Patron, 1967)

Direção: Jacques Rivette
Primeira parte – Em Busca do Relativo (94 minutos)
Segunda parte – Michel Simon, a Direção dos Atores (95 minutos)
Terceira parte – A Regra e a Exceção (95 minutos)
Documentário em três partes realizado para a série Cineastas do Nosso Tempo. A primeira parte evoca a carreira de Jean Renoir e em particular Nana e A besta Humana. Na segunda, Renoir almoça com o ator Michel Simon. Na terceira, Renoir comenta sequências e analisa personagens de A regra do jogo e A marselhesa.

Jean Renoir (1993)

Direção: David Thompson
Primeira parte – Da Belle Époque à Segunda Guerra Mundial (60 minutos)
Segunda parte – Hollywood e Além (60 minutos)
Documentário em duas partes realizado para a BBC. A primeira se ocupa do início da carreira de Jean Renoir até A regra do Jogo e o exílio nos Estados Unidos. A segunda vai dos primeiros filmes em Hollywood até os anos 1960.

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Oscar 2017: os indicados a Melhor Documentário

O Oscar 2017 já tem seus finalistas. A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood anunciou nesta terça (24) os indicados nas 24 categorias em disputa. Entre os indicados a Melhor Documentário em Longa-Metragem, há um filme já exibido em festivais no Brasil, outro disponível na Netflix e um terceiro no Watch ESPN. Os demais estão no catálogo do iTunes, mas não no serviço brasileiro. icon sad Oscar 2017: os indicados a Melhor Documentário

Veja os indicados.

Indicados ao Oscar 2017 de Melhor Documentário em Longa-Metragem

Fogo no Mar Oscar 2017: os indicados a Melhor Documentário
Fogo no Mar (Fire at sea/Fuocoammare)
Itália, 2016
Documentário de Gianfranco Rosi ganhador do  Urso de Ouro em Berlim, já foi exibido no Brasil, na abertura do É Tudo Verdade 2016. Narra o problema dos refugiados africanos que desembarcam na Europa. Leia mais sobre Fogo no Mar no BlogDoc. Fogo no Mar no iTunes.

Eu Nao Sou Seu Negro cartaz Oscar 2017: os indicados a Melhor Documentário

Eu Não Sou Seu Negro (I Am Not Your Negro)
Estados Unidos, 2016
Documentário dirigido e escrito por Raoul Peck e James Baldwin. Aborda as relações raciais durante a luta dos direitos civis dos Estados Unidos. Leia mais sobre Eu Não Sou Seu Negro no BlogDocEu Não Sou seu Negro no iTunes.

Life Animated Oscar 2017: os indicados a Melhor Documentário

Vida, Animada (Life, Animated)
Estados Unidos, 2016
Dirigido e escrito por Roger Ross Williams, o documentário é baseado no livro de Ron Suskind, Life, Animated: A Story of Sidekicks, Heroes, and Autism, que conta a história de seu filho autista. Life, Animated no iTunes.

OJ Made in America Oscar 2017: os indicados a Melhor Documentário

O.J. Made in America 
Estados Unidos, 2016
O documentário narra a história de O.J. Simpson, jogador de futebol americano acusado de assassinar a ex-mulher Nicole Brown Simpson e Ronald Goldman. O.J. Made in America no Watch ESPNO.J. Made in America no iTunes.

13 Emenda Oscar 2017: os indicados a Melhor Documentário
A 13ª Emenda (13th)
Estados Unidos, 2016
Com direção de Ava DuVernay, discute a criminalização do negro americano, maioria no sistema carcerário daquele país. A 13ª Emenda na Netflix.

Indicados ao Oscar 2017 de Melhor Documentário em Curta-Metragem

- Extremis. Disponível na Netflix.
- 41 Miles
- Joe's Violin
- Watani: my Homeland
- Os Capacetes Brancos (The White Helmets). Disponível na Netflix.

A 89ª edição do prêmio acontece em 26 de fevereiro, com transmissão ao vivo pela TV.

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental prorroga inscrições para Competição Latino-Americana

Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental 300x169 Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental prorroga inscrições para Competição Latino Americana A Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental prorrogou o prazo para 31 de janeiro o prazo de inscrições para a Competição Latino-Americana. A sexta edição do evento acontece em junho em São Paulo, com entrada gratuita. O regulamento e o formulário de inscrição estão disponíveis no site da Mostra Ecofalante.

São aceitos na Mostra Ecofalante documentários e filmes de ficção latino-americanos e caribenhos finalizados a partir de 2015. As obras devem obrigatoriamente tratar de temáticas socioambientais. Os selecionados concorrerão em três categorias: Melhor Longa-Metragem Pelo Júri, Melhor Curta-Metragem Pelo Júri e Melhor Filme Pelo Público. A Seleção Oficial da Competição Latino-Americana será divulgada no site da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental em abril.

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

Desde sua primeira edição, a Competição Latino-Americana já premiou obras da Argentina, Brasil, México, Uruguai e Venezuela, e selecionadas obras de Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai e Peru.

O que é a Mostra Ecofalante

A Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é realizada anualmente desde 2012 com o objetivo de destacar o papel do cinema nas discussões sobre as questões ambientais do planeta. Além da exibição principal, que acontece na capital paulista, uma versão reduzida da programação é exibida em cidades do interior do estado de São Paulo no segundo semestre do ano. Veja a cobertura do BlogDoc nos anos anteriores.

Em sua última edição, em junho de 2016, a Competição Latino-Americana da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental teve como vencedores, segundo o júri oficial, Jaci: Sete Pecados de uma Obra Amazônica (Brasil), de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros, na categoria longa-metragem, e Feito Torto pra Ficar Direito (Brasil), de Bhig Villas Bôas, na categoria de curta-metragem.

Além da competição, a programação conta com a Mostra Contemporânea Internacional (não competitiva), que apresenta os mais novos filmes dos principais festivais de cinema e documentário do mundo; e com o Panorama Histórico, com filmes clássicos de diretores renomados que oferecem um outro olhar para a questão ambiental; entre outras exibições especiais.

Mais informações no site da Mostra Ecofalante.

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

No Intenso Agora, documentário de João Moreira Salles, terá estreia no Festival de Berlim

No Intenso Agora Joao Moreira Salles Foto Videofilmes No Intenso Agora, documentário de João Moreira Salles, terá estreia no Festival de Berlim

No Intenso Agora, documentário de João Moreira Salles, que terá estreia no Festival Internacional de Berlim (Foto: VideoFilmes)

No Intenso Agora, documentário escrito e dirigido por João Moreira Salles (diretor de Santiago e Entreatos, entre outros), terá sua estreia mundial na próxima edição do Festival Internacional de Cinema de Berlim, que acontece de 9 a 19 de fevereiro. O filme participará da mostra Panorama. No Brasil, a estreia ocorrerá no festival É Tudo Verdade, que acontece de 20 a 30 de abril.

Narrado em primeira pessoa, o documentário No Intenso Agora traz reflexões feitas a partir de quatro conjuntos de imagens da década de 1960: os registros da revolta estudantil francesa em maio de 1968; os vídeos feitos por amadores durante a invasão da Tchecoslováquia em agosto do mesmo ano, quando a União Soviética pôs fim à Primavera de Praga; as filmagens do enterro de estudantes, operários e policiais mortos durante os eventos de 68 nas cidades de Paris, Lyon, Praga e Rio de Janeiro; e as cenas que uma turista – a mãe do diretor – filmou na China em 1966, ano em que se implantou no país a Grande Revolução Cultural Proletária.

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

O documentário tem edição de Eduardo Escorel e Laís Lifschitz. A pesquisa de imagem é de Antonio Venâncio. João Moreira Salles apresenta assim o filme:

“Dez anos separam No Intenso Agora de Santiago. Apesar da distância, tenho a impressão de que são filmes aparentados. Não me refiro apenas ao aspecto pessoal dos documentários, mas também ao modo como eles foram realizados. Os dois são essencialmente filmes de arquivo, nascidos na ilha da edição. Santiago surgiu do trabalho de três pessoas de três gerações diferentes – Eduardo Escorel, eu e Lívia Serpa –, que, ao longo de meses, construíram o filme a partir da reflexão que fizemos sobre a natureza do material bruto que havíamos reunido. No Intenso Agora nasceu do mesmo jeito, mas com Laís Lifschitz no lugar de Lívia. A diferença é que levou mais tempo – não meses, mas anos. E também, que de uma forma não muito clara para mim, Santiago talvez seja sobre o pai, enquanto No intenso agora é sobre a mãe.”

João Moreira Salles iniciou sua carreira em 1985, ano em que fundou, ao lado de seu irmão Walter Salles, a VideoFilmes. Em 1999, codirigiu com Kátia Lund Notícias de uma Guerra Particular, Melhor Documentário no festival É Tudo Verdade. Em 2003, dirigiu o documentário Nelson Freire, premiado pela APCA e pela Academia Brasileira de Cinema. Em 2004, dirigiu o documentário Entreatos, sobre os bastidores da eleição de Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2007, lançou Santiago (Melhor Documentário no Festival Cinéma du Réel, em Paris; no Alba Film Festival, na Itália; Melhor Documentário do Ano pela Academia Brasileira de Cinema).

No Intenso Agora

Roteiro, texto e direção: João Moreira Salles
Montagem: Eduardo Escorel e Laís Lifschitz
Pesquisa de imagens de arquivo: Antonio Venancio
Música original: Rodrigo Leão
Produção executiva: Maria Carlota Bruno
Edição de som e mixagem: Denilson Campos
Coordenação de pós-produção: Marcelo Pedrazzi
Produção: VideoFilmes

Texto atualizado em 13/2/2017

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Sepultura – O Filme: documentário ganha teaser inédito. Veja

PICT SEPULTURA 03 Sepultura   O Filme: documentário ganha teaser inédito. Veja

Cena do documentário Sepultura – O Filme

O documentário Sepultura - O Filme, de Otavio Juliano e Juliana Ferraz, deve estrear nos cinemas em 2017. Mas os fãs da banda de heavy metal já podem ir curtindo o vídeo promocional divulgado no fim de semana pelos diretores, durante o evento Comic Con Experience 2016, em São Paulo.

O documentário acompanha a trajetória da banda Sepultura, a mais conhecida banda brasileira no cenário internacional.

O Sepultura é uma grupo de metal criado pelos irmãos Max Cavalera e Igor Cavalera. Já vendeu mais de 20 milhões de discos ao longo da carreira. O grupo completa 30 anos de atividade em 2016.

Enquanto espera a chegada de Sepultura - O Filme nos cinemas, veja o teaser abaixo.

Sepultura - O Filme

Brasil, 2016. 

Direção: Otavio Juliano e Juliana Ferraz


Saiba mais

+ Lista: todos os documentários brasileiros lançados nos cinemas desde 1995

+ Agenda: os principais festivais de documentário no Brasil

+ Infográfico: a história da música brasileira pelos documentários

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Festival Território Expandido, Mostra de Documentários acontece em SP até o dia 10

254039 medium Festival Território Expandido, Mostra de Documentários acontece em SP até o dia 10

Gulîstan, Terra de Rosas, de Zaynê Akyol, um dos documentários em exibição no festival

De terça-feira (6) a sábado (10), acontece no Unibes Cultural, em São Paulo, o Festival Território Expandido, Mostra de Documentários. Fiel à proposta de revelar as relações entre os indivíduos e os grupos étnicos em diversos períodos da história contemporânea, a diversidade é a principal marca da programação. Há desde o martírio dos indígenas Guarani-Kaiowá (Martírio, de Vicent Carelli), até a valentia de um grupo de mulheres guerrilheiras do PKK, Partido Trabalhista do Curdistão, que luta contra o ISIS, os militantes armados do grupo Estado Islâmico (Gulistan, Terra de Rosas, Zaynê Akyol).

Organizado pelo grupo GTDOC, com apoio da SPCine, a mostra tem curadoria de Henri Arraes Gervaiseau, Paola Prestes e Regina Jehá. Conta com 15 filmes nacionais e estrangeiros, muitos deles ainda inéditos no Brasil, além de mesas de bate-papo, palestra e lançamento do livro Cinema de Fato – Anotações sobre Documentário, do jornalista Carlos Alberto Mattos.

A mostra é grátis e os ingressos devem ser retirados com uma hora de antecedência.

Festival Território Expandido, Mostra de Documentários

De 6 a 10 de dezembro, a partir das 14h.

Unibes Cultural. Rua Oscar Freire, 2500, Sumaré, São Paulo.


Saiba mais

+ Lista: todos os documentários brasileiros lançados nos cinemas desde 1995

+ Agenda: os principais festivais de documentário no Brasil

+ Infográfico: a história da música brasileira pelos documentários

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Festival Mix Brasil estreia hoje em São Paulo celebrando a diversidade

kiki Festival Mix Brasil estreia hoje em São Paulo celebrando a diversidade

Cena Kiki, documentário de Sara Jordenö, um dos destaque do 24° Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade

O 24° Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade, maior festival LGBTQ da América Latina, acontece de 9 a 20 de novembro em São Paulo. Na programação estão 114 filmes de 26 países, sendo 18 documentários, além de teatro, música, confências. Em 2016, o Festival irá homenagear o cineasta português João Pedro Rodrigues, que participará do evento.

Na programação, destaque para o documentário sueco Kiki, da diretora Sara Jordenö, vencedor do Teddy de melhor documentário em Berlim, e Quem Vai Me Amar Agora?, de Barak Heymann e Tomer Heymann, vencedor do Panorama Audience Award no Festival de Berlim.

A programação completa e os horários de exibição podem ser conferidos no site do festival.

Veja a relação de todos os documentários de longa-metragem que serão exibidos no 24° Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade.

 

COMPETITIVA BRASIL - LONGAS

A Destruição de Bernardet (dir. Claudia Priscila, Pedro Marques, doc, 72’, CLASSIF: 12 anos)

Divinas Divas (dir. Leandra Leal, doc, 90’, CLASSIF: 14 anos)

Entre os Homens de Bem (dir. Caio Cavechini, Carlos Juliano Barros, doc, 104’, CLASSIF: 12 anos)

Lampião da Esquina (dir. Lívia Perez, doc, 85’, CLASSIF: 14 anos)

Waiting for B. (dir. Paulo Cesar Toledo, Abigail Spindel, doc, 71’, CLASSIF: 12 anos)

 

RECAP

Precisamos Falar do Assédio (dir. Paula Sacchetta, doc, 80’, CLASSIF: 14 anos)

 

PANORAMA INTERNACIONAL

A Sudoeste de Salem: a História da Quatro de San Antonio (Southwest of Salem: The Story of the San Antonio Four, dir. Deborah Esquenazi, doc, 91’, EUA, CLASSIF: 12 anos)

As Mulheres Que Ele Despiu (Women He’s Undressed , dir. Gillian Armstrong, doc, 99’, Austrália, CLASSIF: 12 anos)

As Vidas de Thérèse (Les Vies de Thérèse, dir. Sébastien Lifshitz, doc, 55’, França, CLASSIF: 12 anos)

Growing Up Coy (dir. Eric Juhola, doc, 82’, EUA, CLASSIF: Livre)

Helmut Berger, Ator (Helmut Berger, Actor, dir. Andreas Horvath, doc, 90’, Áustria, CLASSIF: 18 anos)

Kiki (dir. Sara Jordeno, doc, 94’, Suécia/EUA, CLASSIF: 12 anos)

Out Run (dir. Leo Chiang, Johnny Symons, doc, 75’, EUA/Filipinas, CLASSIF: 12 anos)

Quem Vai Me Amar Agora? (Who’s Gonna Love Me Now?, dir. Barak Heymann, Tomer Heymann, doc, 85’, Israel/Reino Unido, CLASSIF: 14 anos)

Real Boy (dir. Shaleece Haas, doc, 80’, EUA, CLASSIF: Livre)

Strike a Pose (dir. Ester Gould, Reijer Zwaag, doc, 83’, Holanda/Bélgica, CLASSIF: 12 anos)

Terceira Pessoa (Third Person, dir. Sharon Luzon, doc, 57’, Israel, CLASSIF: 12 anos)

Yes, We Fuck! (dir. Antonio Centeno, Raúl de la Morena, doc, 60’, Espanha, CLASSIF: 18 anos)


Saiba mais

+ Lista: todos os documentários brasileiros lançados nos cinemas desde 1995

+ Agenda: os principais festivais de documentário no Brasil

+ Infográfico: a história da música brasileira pelos documentários

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

1 de 4912345...: ...Último