Documentário 12 de Junho de 1993 – O Dia da Paixão Palmeirense relembra o título histórico do time

De uma coisa o torcedor palmeirense não pode reclamar: está bem servido de filmes. Depois de Santo Marcos, lançado em 2013, chega agora aos cinemas 12 de Junho de 1993 – O Dia da Paixão Palmeirense, documentário  de Mauro Beting e Jaime Queiroz.

A data do título relembra a final do Campeonato Paulista contra o Corinthians. Após um jejum de 16 anos, o time liderado pelo técnico Vanderlei Luxemburgo trouxe de volta a alegria para os corações palmeirenses – mas não sem sofrimento, com a definição do placar saindo apenas na prorrogação.

Depoimentos de ex-jogadores e dirigentes e muito choro de emoção dão o clima do filme.

12 de Junho de 1993 – O Dia da Paixão Palmeirense
Direção: Mauro Beting e Jaime Queiroz. Brasil, 2014. 93 minutos. Estreia no circuito comercial de cinemas: 25/9/2014. Classificação indicativa: 12 anos. Veja o trailer.

saibamais 600 pixels Documentário 12 de Junho de 1993 – O Dia da Paixão Palmeirense relembra o título histórico do time

+ Documentários brasileiros nos cinemas

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Documentário Sem Pena leva prêmio de Melhor Filme pelo Júri Popular do Festival de Brasília

SEM PENA 01 Foto Guilherme Freitas Documentário Sem Pena leva prêmio de Melhor Filme pelo Júri Popular do Festival de Brasília

Documentário Sem Pena, de Eugenio Puppo, vencedor do prêmio de Melhor Filme pelo Júri Popular do Festival de Brasília (Foto: Guilherme Freitas/Divulgação)

O documentário Sem Pena, de Eugenio Puppo, foi o vencedor do prêmio de Melhor Filme pelo Júri Popular, do 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. O filme está programado para entrar em cartaz no circuito comercial de cinemas no dia 2, em 12 cidades.

Sem Pena discute os conflitos decorrentes do processo penal no Brasil e sua política que privilegia o encarceramento, na maioria das vezes em condições sub-humanas e sem qualquer condição de ressocialização. Veja o trailer.

O documentário Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz Oliveira, saiu do festival com cinco prêmios, entre os troféus destinados aos filmes do Distrito Federal.

Veja a lista completa dos documentários premiados no 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Os vencedores foram anunciados em solenidade realizada nesta terça (23).

Mostra Competitiva de Filmes de Longa-Metragem
Melhor Filme, Júri Popular – Sem Pena, de Eugenio Puppo.

Mostra Competitiva de Filmes de Curta-Metragem
Melhor Filme, Júri Popular – Crônicas de uma Cidade Inventada, de Luísa Caetano.

Troféu Câmara Legislativa do DF - Mostra Brasília
Melhor Curta-Metragem – Crônicas de uma Cidade Inventada, de Luísa Caetano.
Melhor Direção – André Luiz Oliveira, por Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato
Matos.
Melhor Trilha Sonora – Renato Matos, por Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato
Matos.
Melhor Longa-Metragem, Júri Popular – Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato
Matos, de André Luiz Oliveira.

Prêmio Marco Antônio Guimarães
Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz Oliveira.

Prêmio Vagalume - Melhor Filme de Curta-Metragem
Crônicas de uma Cidade Inventada, de Luísa Caetano.

Prêmio Conterrâneos
Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz Oliveira.

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Documentário Cuba Libre discute homossexualidade e liberdade na ilha de Fidel

Cuba Libre Divulgacao Documentário Cuba Libre discute homossexualidade e liberdade na ilha de Fidel

Phedra de Córdoba em Cuba Libre, documentário de Evaldo Mocarzel (Foto: Divulgação)

“Revolução é igualdade e liberdade plenas”, diz um daqueles cartazes típicos do realismo socialista moreno em Havana, Cuba. Mas, obviamente, na ilha dos Castro, alguns são mais iguais do que outros. Durante décadas, os homossexuais foram discriminados e isolados em campos de concentração rurais, onde eram submetidos a trabalhos forçados na cultura da cana-de-açúcar. Agora, as coisas começam a mudar – mas, num país em que tudo parece precário, as transformações também vêm devagar. Este é o pano de fundo de Cuba Libre, documentário de Evaldo Mocarzel que estreia agora nos cinemas.

O ponto de partida do filme é a volta a Havana da atriz transexual cubana Phedra de Córdoba, depois de 53 anos fora do país. No Brasil, morou primeiramente no Rio de Janeiro e depois em São Paulo, onde atua como “musa” do grupo teatral Satyros. Uma apresentação da trupe a leva a sua cidade natal, onde reencontra amigos e revive seu passado. E, neste caso, não se trata apenas de revisitar ruas da infância ou velhos conhecidos – mas também de realizar uma reflexão sobre a identidade feminina assumida aos 21 anos, deixando para trás o Rodolfo da certidão de nascimento.

A volta de Phedra ao país é um indício dos novos ares na ilha. Um decreto criado pela filha de Raúl Castro, Mariela, diretora do Centro Nacional Cubano de Educação Sexual e ativista pelos direitos da comunidade LGBT, trouxe mais voz para essa comunidade. Mas ainda falta muito: boates e bares gays continuam a agir na clandestinidade.

Exibido em diversos festivais ao longo de 2011 – como a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o Festival do Rio e o Mix Brasil 2011 – do qual saiu com o prêmio de Melhor Documentário pelo Júri Popular -, só agora Cuba Libre chega aos cinemas. O que, de certa forma, traduz a dificuldade para se emplacar um documentário independente no circuito comercial brasileiro.

Cuba Libre 
Direção: Evaldo Mocarzel. Brasil, 2011. 73 minutos. Estreia no circuito comercial de cinemas: 18/9/2014. Classificação indicativa: 10 anos. Veja o trailer

saibamais 600 pixels Documentário Cuba Libre discute homossexualidade e liberdade na ilha de Fidel

+ Documentários brasileiros nos cinemas

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Mostra Arq. Futuro leva a questão da água para o cinema

Marca DAgua Divulgacao Kumbh Mela shore 1024x760 Mostra Arq. Futuro leva a questão da água para o cinema

Cena do documentário Marca d'Água (Watermark), de Jennifer Baichwal e Edward Burtynsky, em exibição na mostra Arq. Futuro, em São Paulo (Foto: Divulgação)

A mostra Arq. Futuro, que começa nesta quinta-feira (18) e vai até o dia 24 em São Paulo, traz a tão atual questão das águas para debate nos cinemas.

A programação tem entrada franca e acontece no Espaço Itaú de Cinema – Augusta. Há dois documentários na mostra: o canadense Marca d’Água (Watermark), de Jennifer Baichwal e Edward Burtynsky, e Ouvir o Rio, de Marcela Lordy, sobre obra do artista brasileiro Cildo Meireles.

Além da exibição dos filmes, haverá também sessões de debate.

No sábado (20), às 19h30, Thiago Nogueira, editor da revista ZUM e responsável pelo setor de fotos do Instituto Moreira Salles (IMS), comenta Marca d’Água.

No domingo, no mesmo horário, Ouvir o Rio: Uma Escultura Sonora de Cildo Meireles tem sessão com apresentação de Guilherme Wisnik, arquiteto e mestre em História pela Universidade de São Paulo.

Veja os documentários em cartaz na mostra Arq. Futuro:

Ouvir o Rio: Uma Escultura Sonora de Cildo Meireles
Brasil, 2012. 70 minutos. Classificação indicativa: 14 anos.
Direção: Marcela Lordy.
O documentário registra o trabalho do artista na busca do som das principais bacias hidrográficas brasileiras — Foz do Iguaçu, Pororoca do Macapá, Parque das Águas Emendadas e foz do Rio São Francisco. O filme revela a ligação dos habitantes dessas regiões com a água e potencializa nossa percepção da relação entre o som e a imagem. Leia mais sobre o documentário.

Marca d´Água (Watermark)
Canadá, 2013. 90 minutos. Classificação indicativa: 14 anos.
Direção: Jennifer Baichwal & Edward Burtynsky.
Marca d’Água reúne diversas histórias em diferentes partes do mundo sobre a relação do ser humano com a água: como somos atraídos a ela, o que podemos aprender com ela, como a utilizamos e as consequências desse uso. Inédito comercialmente no Brasil, foi exibido em março na Mostra Ecofalante. Filmado com câmeras 5K, traz imagens aéreas únicas. Veja o trailer.

Mais informações no site da mostra Arq. Futuro.

saibamais 600 pixels Mostra Arq. Futuro leva a questão da água para o cinema

+ Documentários brasileiros nos cinemas

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Edital Histórias que Ficam oferece consultoria e financiamento para quatro documentários

Os Dias com Ele Edital Histórias que Ficam oferece consultoria e financiamento para quatro documentários

Cena de Os Dias com Ele, documentário de Maria Clara Escobar, um dos contemplados pela primeira edição do edital Histórias que Ficam (Foto: Divulgação)

O edital Histórias que Ficam, programa que contempla consultoria, financiamento e distribuição de documentários selecionados, apresenta sua segunda edição. Os detalhes serão apresentados em uma sessão de lançamento na Sala Cinemateca, em São Paulo, nesta terça-feira (16) às 19h30. O evento contará também com a exibição de Homem Comum, de Carlos Nader, vencedor do É Tudo Verdade deste ano.

O Histórias que Ficam vai financiar a produção de quatro filmes de até 70 minutos, com temática livre. Cada projeto recebe até R$ 330 mil. O programa conta com laboratórios presenciais e consultorias de especialistas, desde o desenvolvimento até a exibição dos filmes.

Em sua primeira edição (2011-2013), o Histórias que Ficam contou com 350 inscrições. Quatro projetos foram contemplados. Os documentários também foram exibidos por meio da mostra itinerante em 24 cidades de até 100 mil habitantes sem salas de cinema.

Os filmes vencedores da primeira edição do edital Histórias que Ficam foram Os Dias com Ele, de Maria Clara Escobar; O Prólogo, de Gabriel F. Marinho; Balões, Lembranças e Pedaços de Nossas Vidas, de Frederico Pinto; e O Mestre e o Divino, de Tiago Campos.

A sessão na Cinemateca é gratuita e aberta ao público. Após o filme, haverá debate com Amir Labaki, diretor do Festival É Tudo Verdade, Carlos Nader e Daniela Capelato, produtora, diretora, roteirista e consultora.

Como funciona

Podem se inscrever no História que Ficam realizadores com até dois longas-metragens no currículo. Serão escolhidos um projeto das regiões Norte ou Centro-Oeste, outro da região Nordeste e mais dois de qualquer outra região do país.

Os documentaristas vencedores participarão de três laboratórios: roteiro e produção; montagem; e distribuição. Terão como mentores profissionais de destaque em cada área, como Miguel Machalski, Marcelo Gomes, Daniela Capelato, Carlos Nader e Karen Harley.

Os realizadores ainda terão a consultoria on-line permanente do diretor e roteirista Marcelo Gomes (O Homem das Multidões, Era Uma Vez Eu, Verônica, Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo e Cinema Aspirinas e Urubus) e Daniela Capelato (produtora de Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo e Do Outro Lado do Rio, entre outros).

Finalizados, os filmes participarão da Mostra Itinerante Histórias que Ficam e serão exibidos gratuitamente em mais de 20 cidades de todas as regiões do Brasil, em 2016.

As inscrições para o Histórias que Ficam estarão abertas até 14 de novembro.

O programa é patrocinado pela Fundação CSN.

Mais informações no site do Histórias que Ficam.

saibamais 600 pixels Edital Histórias que Ficam oferece consultoria e financiamento para quatro documentários

+ Documentários brasileiros nos cinemas

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

 

 

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Festival mexicano DocsDF seleciona dois documentários brasileiros

Uma Passagem para Mario Reproducao Facebook 1024x576 Festival mexicano DocsDF seleciona dois documentários brasileiros

Cena de Uma Passagem para Mário, documentário brasileiro que será exibido no festival mexicano DocsDF (Foto: Reprodução/Facebook)

O DocsDF - Festival do Cinema Documentário da Cidade do México divulgou a programação completa de sua nona edição, que acontece de 29 de outubro a 9 de novembro.

Dois brasileiros estão entre os selecionados para a mostra de longas-metragens latino-americanos.

Veja os filmes escolhidos (clique nos títulos para visualizar os trailers):

Uma Passagem para Mário
Direção: Eric Laurence. Brasil, 2013, 77 minutos.

Democracia em Preto e Branco
Direção: Pedro Asbeg. Brasil, 2014. 90 minutos. www.tvzero.com/democracia

saibamais 600 pixels Festival mexicano DocsDF seleciona dois documentários brasileiros

+ Documentários brasileiros nos cinemas

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Documentário põe na balança a vida do rabino Henry Sobel

Henry Sobel 1 1024x576 Documentário põe na balança a vida do rabino Henry Sobel

Henry Sobel em depoimento ao documentário: passado que não pode ser destruído pelo episódio das gravatas (Foto: Divulgação)

Ele foi, sem dúvida, o mais pop de todos os rabinos radicados no Brasil. Comunicativo (apesar do sotaque), muito colado com os jovens da sua congregação, extrapolava os muros da comunidade judaica paulistana. Foi um dos mais destacados promotores da convivência inter-religiosa. Porque, afinal, “Deus criou o mundo em technicolor”, como ele diz.

Num dos episódios mais sombrios da ditadura militar, o assassinato de Vladimir Herzog, colocou-se contra a farsa oficial e se negou a enterrar o jornalista no local reservado para os suicidas nos cemitérios judaicos. Foi um tapa na cara do regime, um episódio que muitos consideram o início do fim do regime de opressão. Uma semana depois, novo desafio, com o ato ecumênico em memória de Herzog, realizado na Catedral da Sé e capitaneado por ele ao lado de d. Paulo Evaristo Arns e do pastor James Wright.

A história do homem Henry Sobel poderia ser resumidamente essa não fosse um despropositado roubo de gravatas em Palm Beach, na Flórida, em 2007. Preso e logo em seguida solto sob fiança, Sobel nunca mais retomaria a rotina à frente da sua Congregação Israelita Paulista (CIP). Ainda que tenha contado com o carinho e a compreensão de muitos, o ostracismo foi inevitável. Aos poucos, foi-se recompondo, mas sem nunca conseguir apagar totalmente essa passagem.

O documentário A História do Homem Henry Sobel, longa de estreia de André Bushatsky, faz um balanço de tudo isso e, indiretamente, coloca a questão: é justo que um personagem com tamanha contribuição à sociedade nas diversas áreas em que atuou fique marcado por apenas um ato?

saiba mais Documentário põe na balança a vida do rabino Henry Sobel
+ Docs brasileiros nos cinemas

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

saibamais 2 Documentário põe na balança a vida do rabino Henry Sobel

Com imagens de arquivo e depoimentos de parentes e amigos, o documentário reconstitui a história do personagem desde sua chegada ao Brasil, vindo dos Estados Unidos, em 1970, aos 26 anos. Além de sua atuação mais “liberal” na condução da vida religiosa, Sobel sempre se aproximou de líderes de outras religiões e acabou se tornando uma espécie de porta-voz informal do judaísmo no Brasil. Sua luta pelos direitos humanos, que ganhou visibilidade máxima no episódio Herzog, também pode ser vista na participação no movimento Tortura Nunca Mais (de novo ao lado de Arns e Wright). Liberalismo e visibilidade geravam certos ciúmes em parte da comunidade judaica. O episódio da gravata acabou por isolá-lo, e deu artilharia para que a sucessão fosse feita na CIP.

A História do Homem Henry Sobel chega ao cinema em um momento em que a TV Cultura, de São Paulo, exibe em sua programação uma obra bem semelhante: o telefilme Henry Sobel, Luz e Sombra de um Rabino. Muitos dos entrevistados são os mesmos. E, de modo geral, as estruturas narrativas são as mesmas, ambas fortemente baseadas em depoimentos, o que por vezes pode cansar um pouco. Mas isso não chega a ofuscar nem um, nem outro.

“A gente tem uma mensagem somente se a gente for uma mensagem”, diz ele no filme. Exceto por aqueles fatídicos instantes em Palm Beach, o legado de humanismo e religiosidade de Sobel faz valer a sua máxima, que parece adaptada do aforismo de Marshall McLuhan. Sobel foi meio e foi mensagem. E a sociedade lhe deve bem mais do que três gravatas.

A História do Homem Henry Sobel
Direção: André Bushatsky. Brasil, 2014. 90 minutos. Estreia no circuito comercial de cinemas: 11/9/2014. Classificação indicativa: livre. Veja o trailer.

(Por Marcelo Bauer)

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

Mostra A Luz (Imagem) homenageia o diretor de fotografia Walter Carvalho

Walter Carvalho Divulgacao 1024x685 Mostra A Luz (Imagem) homenageia o diretor de fotografia Walter Carvalho

Walter Carvalho em seu habitat natural: atrás das câmeras (Foto: Divulgação)

De 2 a 15 de outubro acontece em São Paulo a mostra A Luz (Imagem) de Walter Carvalho. Serão exibidas 32 produções, entre longas-metragens, curtas e programas de TV em homenagem ao maior diretor de fotografia em atividade no cinema brasileiro. Carvalho comemora 35 anos de carreira em 2014.

Há diversos documentários na programação, a começar pelo curta MAM SOS, dirigido por Carvalho em 1978, filme de abertura da mostra.

No dia 3 de outubro (sexta-feira), às 19h, a programação inclui um debate com Walter Carvalho e dois convidados: o cineasta Beto Brant e Beto Brant e a jornalista Maria do Rosário Caetano.

A mostra acontece no Caixa Belas Artes, com entradas a R$ 10. A entrada do debate será franca, com distribuição limitada de senhas a partir das 13h30 do mesmo dia.

Veja os documentários da programação.

2/10 – quinta-feira
18h30 – MAM SOS – sessão para convidados – 11 minutos – livre

3/10 – sexta-feira
16h – MAM SOS (11 minutos) e Moacir Arte Bruta (71 minutos) – livre

4/10 – sábado
16h – Janela da Alma – 73 minutos – livre

6/10 – segunda-feira
18h30 – O Homem de Areia – 116 minutos – livre

 Mostra A Luz (Imagem) homenageia o diretor de fotografia Walter Carvalho

Com João Moreira Salles, fotografando o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva e seu assessor Gilberto Carvalho para o documentário Entreatos (Foto: Divulgação)

8/10 – quarta-feira
16h - Notícias de uma Guerra Particular – 57 minutos – 18 anos (em sessão dividida com a série de TV América – 50 minutos)

11/10 – sábado
16h – O Homem que Engarrafava Nuvens (100 minutos) – livre

12/10 – domingo
16h – Entreatos – 117 minutos – livre
18h30 – Santiago – 80 minutos – livre

15/10 – quarta-feira
18h30 – Raul – O Início, o Fim e o Meio – 130 minutos – 14 anos

saibamais 600 pixels Mostra A Luz (Imagem) homenageia o diretor de fotografia Walter Carvalho

+ Documentários brasileiros nos cinemas

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

São Paulo sedia em novembro o Telas – Festival Internacional de TV

Festival Internacional de Televisao de Sao Paulo São Paulo sedia em novembro o Telas   Festival Internacional de TVAcontece de 7 a 14 de novembro a primeira edição do Telas - Festival Internacional de TV de São Paulo. O objetivo é dar visibilidade à produção para a televisão nacional e internacional. O evento será aberto ao público em geral e será realizado em cinco diferentes endereços: Paço das Artes (Cidade Universitária), Museu da Imagem e do Som, Centro Cultural São Paulo, CineSesc e Cinemateca Brasileira.

O Telas exibirá documentários, programas infantis, séries e programas “de linha” de TV. Será organizado em uma mostra principal, competitiva e com distribuição de prêmios, e mostras paralelas: Brasil, ComKids, Fipa, internacional e temáticas.

Inscrições

Os produtores têm até 12 de setembro para inscrever seus trabalhos. Especificamente na área de documentários, há quatro categorias disponíveis:

Série de não ficção nos gêneros natureza/ciências, história, biografias.
 Série de não ficção nos gêneros realidade/atualidades.
 Série de não ficção no gênero lifestyle (viagens, gastronomia, moda, música, decoração, humor etc.).
 Séries e programas infanto-juvenis (animação ou live action, ficção ou não ficção).
 Documentário feature (episódio único).

O festival conta com parceria internacional dos eventos Fipa (França), Sunny Side of the Doc (França) e Hot Doc (Canadá), entre outros.

Mais informações no site do Telas - Festival Internacional de TV de São Paulo.

saibamais 600 pixels São Paulo sedia em novembro o Telas   Festival Internacional de TV

+ Documentários brasileiros nos cinemas

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

 

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Mostra exibe documentários paraguaios em São Paulo e no Rio

Cuchillo de Palo reproducao trailer 1024x576 Mostra exibe documentários paraguaios em São Paulo e no Rio

Cena de Espeto de Pau, um dos documentários em cartaz na Mostra de Cinema Paraguaio (Foto: Reprodução/trailer)

Made in Paraguai – Mostra de Cinema Paraguaio é uma chance inédita para conhecer um pouco da produção cinematográfica recente do país vizinho. A partir da próxima semana, São Paulo e Rio de Janeiro recebem 21 filmes de diversos gêneros, entre eles três documentários de longa-metragem e dois curtas.

Em São Paulo, a mostra acontece de 11 a 17 de setembro, no Cine Caixa Belas Artes. No Rio, as exibições ocorrem na Caixa Cultural Rio de Janeiro, de 16 a 21 de setembro.

Como parte da programação, haverá debates com diretores e críticos especializados. Em São Paulo, um dos destaques é a presença do diretor Maurício Rial, um dos principais documentaristas paraguaios, em sessão comentada de Tren Paraguayo, vencedor de prêmios de melhor filme em festivais na Inglaterra, México e Argentina.

Veja os documentários que estarão em cartaz.

DOCUMENTÁRIOS LONGA-METRAGEM

Espeto de Pau (108 Cuchillo de Palo)
Paraguai, 2010. 95 minutos.
Direção: Renate Costa
Aborda a perseguição sofrida pelos homossexuais durante a ditadura de Stroessner. Rodolfo Costa (tio da diretora) não queria ser ferreiro como o avô. Preferia ser bailarino. Incluído nas listas de homossexuais criadas pelo regime, ele foi preso e torturado. A história de Rodolfo revela uma parte do passado oculto e silenciado do Paraguai. No filme, o enfrentamento cara a cara, de duas gerações da família, permite que cada um entenda seu lugar no mundo.
Espeto de Pau recebeu 13 prêmios, entre eles o de Direitos Humanos no Festival Internacional de Cine Independiente de Buenos Aires. Em São Paulo, foi exibido no começo do ano na mostra Silêncios Históricos e Pessoais. Veja o trailer.

Trem Paraguai (Tren Paraguay)
Paraguai e Argentina, 2011. 64 minutos.
Direção: Mauricio Rial Banti
Uma viagem pelas lembranças de uma decadente estação central ferroviária, que um dia já foi motivo de orgulho. Pequenas histórias contadas por ex-ferroviários, vendedoras, crianças, vizinhos e passageiros propõem um relato múltiplo que associa o trem a um personagem humano, que toma água, grita e envelhece. Veja o trailer.

Circo Pe
Direção: Miguel Agüero
Paraguai, 2009. 54 minutos.
Sinopse: O documentário acompanha a chegada do circo à cidade de Piribebuy: os trabalhos de montagem da lona, a propaganda no povoado, os ensaios, o espetáculo, uma tempestade. Narra a história do circo que se criou de uma velha lona, mobilizado pela paixão do palhaço Boyito e de sua família, que vêm viajando por povoados, sendo assistidos por crianças e adultos. Entre depoimentos e apresentações circenses, o filme mostra um retrato das práticas e sonhos que envolvem essa frágil atividade em redefinição nestes tempos.

DOCUMENTÁRIOS CURTA-METRAGEM

Vida Reciclada
Paraguai, 2013. 12 minutos.
Direção: Daniela Candia
Um casal de catadores inicia seu percurso. A desesperança parece ser parte do carro que empurram. O trajeto morro acima das ruas do bairro Sajonia, em Assunção, é pesado. Mas não é somente o cansaço que deixa seus passos mais lentos. A extrema pobreza não é a única carga que levam nas costas.

O Mano, Ha Ro Mano Ha Vei
Paraguai, 2014. 5 minutos.
Direção: Carlos Caceres Ferreira
O documentário investiga o processo que culminou com a poluição do Lago Ypacarai, importante cartão-postal de Assunção.

Mais informações no site da mostra Made in Paraguai.

saibamais 600 pixels Mostra exibe documentários paraguaios em São Paulo e no Rio

+ Documentários brasileiros nos cinemas

+ Curta o BlogDoc no Facebook

+ Siga o BlogDoc no Twitter

  • Espalhe por aí:
    • Digg
    • Facebook
    • Google Bookmarks
    • Live
    • Netvibes
    • RSS
    • Twitter
  • Imprimir:
  • Envie por e-mail:

Posts relacionados

1 de 3112345...: ...Último