Publicado em 28/04/2013 às 12:59

Dorinha Duval: “Ainda Não Quero Falar Sobre Isso”

Não é Simples Assim

Leio livros de papel, muito. Biografia é um dos meus gêneros preferidos por – entre outras descobertas – resgatar histórias e épocas que não deveriam ser esquecidas, ou que deveriam ser lembradas. Natural, já que um dos ideais que cultivo há anos é partilhar o conhecimento sobre um meio que me é muito confortável, a TV, seja como telespectadora e crítica, ou atuante como hoje. Nas biografias, guardadas as devidas proporções de escrita, estilo ou até se foi bem desenvolvida ou não, autorizada ou não, há história.

livro dorinha 300x300 Dorinha Duval: Ainda Não Quero Falar Sobre Isso”

Quem é Dorinha Duval e Por quê Dorinha Duval?

Dorah Teixeira, a Dorinha Duval, foi casada com Daniel Filho, é mãe da atriz Carla Daniel, participou de várias novelas e era habitué em nossas salas por décadas. Viu a TV nascer, o videotape, participou de grandes shows e programas antológicos, como o Times Square da extinta TV Excelcior; foi uma das irmãs Cajazeiras da novela O Bem Amado, com Paulo Gracindo e seus prafrentemente, com a alma lavada e enxaguada entre outras frases fantásticas; foi a Cuca na versão mais saborosa e colorida da TV nos anos 80 do Sítio do Pica Pau Amarelo, com Zilca Salaberry como Dona Benta entre várias outras novelas de grande sucesso. Infelizmente, hoje é mais lembrada por ter assassinado com três tiros seu segundo marido, o cineasta Paulo Sérgio Alcântara, um dos crimes mais comentados de nossa história passional.

            DORINHA AMIGA Dorinha Duval: Ainda Não Quero Falar Sobre Isso”    99156 943 216x300 Dorinha Duval: Ainda Não Quero Falar Sobre Isso”       cuca 191x300 Dorinha Duval: Ainda Não Quero Falar Sobre Isso”

Espremido na Estante

Não creio que um dia vá parar de aprender, estudar, tentar me auto-ensinar. Num dos cursos que estou fazendo sobre linhas literárias e biografias,  foi-me recomendado ler... uma biografia, claro.  Como já tinha lido muitas, achei que era tempo de procurar nas prateleiras da livrarias ou sebos, algum nome que despertasse um it qualquer. Espremido entre tantos nomes pesados com letras grossas, um livro simples e único me chamou atenção: Dorinha Duval – Em Busca da Luz com Luiz Carlos Maciel e Maria Luiza Ocampo. Na quarta capa a justificativa: contar como tudo aconteceu, na certa referindo-se ao assassinato do marido, para que nunca mais perguntassem nada à respeito. Folheando o livro, li o nome de Clodovil, com o qual trabalhei. Segundo Dorinha, foi Clodovil quem a incentivou a escrever o livro, para ajudar outras pessoas.

O Primeiro Vestido de Noiva de Clodovil Hernandes!

Surpresas e mais surpresas a cada página. Saber que o primeiro vestido de noiva criado por Clodovil fora para Dorinha Duval me surpreendeu. Estava interessada em começar a biografia de Clodovil, e achei a coincidência (?) estimulante. Comprei o livro. E descobri muito mais do que um vestido de noiva.

dorinha e daniel Dorinha Duval: Ainda Não Quero Falar Sobre Isso”

Daniel Filho e Dorinha Duval

Estuprada aos 15, Prostituta, Estrela do Teatro de Revista

DORINHADUVAL1 300x283 Dorinha Duval: Ainda Não Quero Falar Sobre Isso”

Isso mesmo. Como a maioria dos brasileiros na época, não sabia nada sobre Dorinha, à não ser sobre sua carreira na TV. A mulher é uma vitoriosa. Passou por tudo. Da miséria à fama, da fama para a tragédia, do trágico para o reencontro com si mesma. O livro Em Busca da Luz é mais uma verve da história do rádio, da  TV e da vida artística brasileira. Há detalhes e nomes e passagens discretas, mas contundentes sobre o modo de vida do que chamamos  época de ouro da TV, décadas de 70 e 80. Foi presa, e como disse, pagou pelo que fez. 16 anos mais nova que o marido, não suportou ofensas cuspidas na sua face sobre seu corpo flácido, idade, agressões físicas e não soube dizer o que a fez pegar o revólver e atirar três vezes, só parando porque a arma engripou.

Há muito sobre o caso na Internet

Escreva lá na caixinha de pesquisa: Dorinha Duval. Verão sua história eternamente ligada e comparada à crimes passionais ocorridos no Brasil. Disso, ninguém esquece. Confesso que só conheci sua história pelo livro, porque naquela tarde de domingo um exemplar estava espremido entre tantos nomes, primeira edição, ano 2002, quase amarelando. O que faz um livro, um único livro, ficar mais de dez anos numa prateleira de livraria? Reconsiderei coincidências e afins. Não tenho notícias de como está, onde está, se está.  Gostaria muito de conversar com Dorinha Duval. Mas ela ainda não quer falar sobre isso. Ainda que não seja sobre isso nossas improváveis conversas...

 

Imprimir:
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com