Publicado em 28/02/2011 às 14h27

PAPO-VAI, PAPO-VINHO: CLAUDIO E RAFAELA – LE VIN AU BLOG

Rafaela e Claudio Le Vin au Blog 300x280 PAPO VAI, PAPO VINHO: CLAUDIO E RAFAELA   LE VIN AU BLOG


O Papo Vai, Papo Vinho de hoje não é com um blogueiro, mas com um casal de blogueiros. Claudio e Rafaela, do Le Vin au Blog. Este casal tem o blog há 4 anos, e desde que acompanho, sempre com muita consistência, seriedade e informações úteis. Parabéns a estes dois e continuem com esta pegada...! E obrigado por participarem do Papo Vai, Papo Vinho...



1. Como começou sua história com o vinho?

A história do Le Vin au Blog começou em novembro de 2006, mas os vinhos citados no blog começaram a fazer parte de nossas vidas um ano antes, quando nos conhecemos em um jantar acompanhado pelo primeiro vinho a fazer parte da nossa história. Desde então, o vinho faz parte de momentos marcantes de nossa vida juntos, tanto em degustações a dois quanto em animadas celebrações com os amigos. O interesse no assunto já existia antes disso, mas após nosso encontro percebemos que vinho é algo que sempre fica melhor na companhia de alguém.



2. Qual a sua leitura sobre o nível dos blogs de vinho atualmente?

Existe uma boa quantidade de blogs de diferentes estilos e propostas, dos blogs mais pessoais aos feitos por profissionais da área. Hoje você consegue se informar, ganhar conhecimento, ler opiniões ou simplesmente trocar ideias. Acho que o nível está bom, tendendo a ficar melhor ainda.



3. Vocês costumam trocar idéias com outros blogueiros de vinho ou vocês se consideram concorrentes?  

Algo fantástico nesta vida de blogueiro é a interação com pessoas interessadas em assuntos que gostamos muito, como o prazer de provar um vinho novo e diferente, os pratos que podem harmonizar com determinada cepa, os melhores lugares para se beber um vinho. Podemos dizer que ganhamos ótimos amigos nesses quatro anos de Le Vin au Blog.



4. Tiveram alguma decepção com algum vinho ou algo relacionado ao mundo do vinho?

Decepção não seria a palavra certa, mas por algumas vezes ficamos surpresos com o comportamento - que pode ir do engraçado ao ridículo -, de determinados apreciadores ou entendidos sobre vinhos que encontramos por aí, em eventos de importadoras, lojas ou degustações.



5. O que vocês acham que falta para um real amadurecimento ao mundo do vinho?

O mercado de vinho no Brasil precisa crescer. Para isso, é necessário entender e conhecer melhor o perfil do consumidor e principalmente do potencial consumidor de vinhos. Para crescer a base de consumo é importante simplificar e tornar mais acessível o produto, principalmente em relação ao preço. Produtores, importadores, distribuidores, donos de restaurantes e governo (leia-se impostos) deveriam trabalhar juntos nesse sentido.



6. Qual vinho vocês já tomaram que mais marcou as suas vidas?

Provamos vinhos marcantes, mas as melhores lembranças envolvendo vinhos são aquelas compartilhadas com nossos amigos, brindando as pequenas conquistas do dia a dia e sendo simplesmente felizes. O vinho está muito relacionado ao momento, ao lugar, ao clima e às pessoas que estão juntas. É isto o que realmente nos marca.



7.  Que vinho é o seu sonho de consumo?

Acho que todos gostariam de provar os grandes vinhos, as grandes marcas. Sonhamos em provar vinhos de safras antigas, de repente dos anos em que nascemos. Outra coisa prazerosa é fazer uma grande descoberta ou achar um vinho surpreendente ou desconhecido, ou ainda vinhos com produção minúscula.



CHEERS!!

Siga o EnoDeco no Twitter.

Publicado em 27/02/2011 às 22h54

VINHO DA SEMANA: PEREZ CRUZ RESERVA CABERNET SAUVINGNON 2007

perez cruz reserva cabernet sauvignon VINHO DA SEMANA: PEREZ CRUZ RESERVA CABERNET SAUVINGNON 2007

 

Vinho: Perez Cruz Reserva Cabernet Sauvignon 2007

Produtor: Perez Cruz

Origem: Maipo Alto (Chile)

Uvas: 91% Cabernet Sauvignon, 6% Merlot, 2% Syrah e 1% Carmenere

Safra: 2007

Importadora: Abflug

Preço Aproximado: R$ 55,00


Este é um daqueles vinhos que não me canso de elogiar e não me canso de tomar. Desde que o conheci, quando ainda era imporatdo pela Terrior, sempre achei um belo vinho. O problema é que na época ele era muito caro, assim como a maioria dos vinhos importados por eles. Hoje, pelas mãos da Abflug, ele tem um preço bem mais acessível (R$ 55,00) e a qualidade continua a mesma. Um Cabernet Sauvignon bem intenso, com muita fruta madura no nariz, especialmente as vermelhas. A madeira complementa bem os aromas e na boca ele entrega tudo o que promete no nariz. Boa cheia, intenso e um ótimo final, mostrando muita elegância e parecendo bem mais caro do que de fato ele é. Continua sendo, agora mais do que nunca, uma excelente opção para muitas ocasiões!!


 

CHEERS!! 

Siga o EnoDeco no Twitter.

 

Posts Relacionados

Publicado em 25/02/2011 às 16h00

AS DUAS FACES DOS NÚMEROS DO VINHO.

NUMEROS 300x225 AS DUAS FACES DOS NÚMEROS DO VINHO.



Acabei de ver alguns números divulgados pelo IBRAVIN (Instituto Brasileiro do Vinho), sobre a importação de vinhos no Brasil em 2010. Mas também, nestes números já começamos a ver uma outra face da moeda...



De acordo com o IBRAVIN, a importação de vinhos pelo Brasil cresceu 27% em 2010. De janeiro a dezembro do ano passado, foram 75,3 milhões de litros de vinho estrangeiro, vindos de 30 países. Com isto, bate-se o recorde de importação que era em 2007, com 60,8 milhões de litros. Mas que países encabeçam este aumento nas importações? Sem dúvida nenhuma Chile e Argentina são grandes responsáveis, seguidos por Itália e Portugal. Juntos, eles representam nada menos que quase 90% dos vinhos importados! Os chilenos lideram de longe, o ranking com 26,5 milhões de litros, seguido pela Argentina com 18 milhões de litros. A Itália mandou 13 milhões de litros e Portugal, 8 milhões de litros. A França que muita gente deve ter perguntado, aparece logo depois com apenas 4,2 milhões de litros, seguida de Espanha, Uruguai, Africa do Sul, Australia, Estados Unidos, Alemanha e Nova Zelandia. Estes dois últimos ainda tem volume pequeno, mas foram os países que apresentaram maior percentual de crescimento com aumento de 238% aos alemães e 229% aos neo zelandeses.



E para quem acha que isto quer dizer um maior aumento do consumo, aqui a vai a explicação mais provável: A implementação do Selo de Controle Fiscal para vinhos nacionais e importados. Isto porque, com o adiamento de Novembro do ano pasado para janeiro deste ano, as importadoras trataram de estocar vinhos a custos menores, pois não precisaram arcar com os custos do selo. Com isto, os estques ficaram grandes e a tendência é ter um 2011 com queda nestes números.



Mas nem só de vinhos importados temos que analisar quando falamos do tal do "selo da discórdia". Vejam só o post do amigo e blogueiro João Filipe Clemente aqui. Ele faz uma constatção e discorre muito bem sobre o tema e como os nossos queridos produtores nacionais estão querendo se aproveitar do selo para aumentarem ainda mais os preços. Continuo a dizer que se a nossa indústria vinícola, que tanto clama por um "lugar ao sol" ou melhor, um lugar em nossas adegas, deveria repensar estas atitudes "espertinhas" e aproveitadoras. Pode ser que eu esteja enganado, mas a tendência é que os importadores também façam a mesma coisa, se valendo desta "muleta" como desculpa. E como o João disse, quem paga a conta somos nós!



CHEERS!!

Siga o EnoDeco no Twitter.

Posts Relacionados

Publicado em 24/02/2011 às 15h22

CONFRARIA DOS PUBLICITÁRIOS: NOITE AGITADA!

IMG 4924 300x200 CONFRARIA DOS PUBLICITÁRIOS: NOITE AGITADA!


Semana passada tivemos o primeiro embate da Confraria dos Publicitários de 2011. Foi uma noite marcante por muitos motivos.


O primeiro deles é que estabelecemos algumas regras que nortearão nossos encontros daqui pra frente, principalmente no que se refere a ausências e outras coisas. A Confraria está indo para o seu terceiro ano, firme, forte e cada vez mais interessante e desafiadora. Mas algumas regras começam a se fazer necessárias.


As faltas da noite, muito sentidas foram de Duda e Gaion, dupla que infelizmente não pode comparecer. Com isto, tivemos 1 vinho a menos, somando um total de 4, já que éramos em 8 pessoas. O local foi o restaurante Varanda, como sempre com um atendimento primoroso do Thiaguinho Locatelli e o tema, pra mim, foi especial: RIOJA!


Abrindo os trabalhos, os vinhos adentraram às taças e começamos a brincar. De cara, um destaque: O vinho número 3. Redondo, títpico Riojano, já com certa idade, pela cor mais atjolada e pelo aroma, já aparecendo algumas notas meio animais. Equilibradíssimo e já largou na frente. À medida que doi passando o tempo, os outros começaram a mostrar suas armas. Haviam 2 vinhos iguais, pelo que disse o Thiaguinho. Na opinião de todos, era muito claro quais eram: o 2 e o 4. Estavam parceidos, mas não iguais. O tempo foi passando e os vinhos, evoluindo. PArtimos então para as eliminações. Começamos eliminando o vinho 2, que depois foi desvendado por ser um Artadi Pagos Viejos 2006, elogiadíssimo por Parker e digno dos seus 94 pontos. Mas o nível era tão alto alí, que, mesmos endo um vinho com uma estrutura incrível , mostranod um potendial de guarda fantástico, por ser um vinho mais novo, não conseguiu se equiparar aos demais. A dupla responsável foi Marcio e Dado, que se decepcionaram por cair logo de cara. Principalmente o Sr. Marcio que passou o dia todo fazendo pressão, mandando mensagens dizendo que ia arrebentar e não ia ter pra ninguém. Quem sabe na próxima...hehehe!!!



Logo depois, eliminamos mais um e a coerência veio à mesa: Eliminamos o número 2, que na nossa opinião era o mesmo vinho e "BINGO"...era mesmo. A dupla que levou foi Edu e Fred. Aí sobraram os dois finalistas. Eu e Rafa de um lado, Gomez e Herbert de outro. e por 5 votos a 3, levou o vinho mais moderno, mais estruturado e mais intenso na boca e no nariz: O número 1, que era o La Cueva del Contador 2005. Mais aberto que os outros 2006, estava realmente espetacular. Cor rubi profunda, nariz com madeira, frutas negra e vermelhas e uma pimenta leve, ele enchia a boca que era uma beleza! Gomez e Herbert levaram esta com 96 pontos de Parker à mesa. E Rafa e eu ficamos mais uma vez com o vice campeonato com um Rioja Alta 904 Gran Reserva 1997, o vinho que se destacou desde o início como um Rioja tradicional, típico, porém mais leve e menos persistente que o Contador. Pra mim (assim como para o Edu e o Rafa, que tbm votaram por este vinho), ainda era o grande campeão. Mas perdeu dignamente para um vinhaaaaaço. Parker deu a ele 94 pontos.



E por fim, eis que aparce o Thiaguinho com um decanter e 8 taças para degustarmos um vinho às cegas, uma surpresa! Ninguém cravou uma nacionalidade, mesmo porque o vinho realmente era diferente. Era uma "porrada" de corpo nos Riojas que tomamos! tinha uma persistência incrível, muito sabor, aromas ainda fechados e na boca ainda um pouco verde. Mas claramente um vinho de grande guarda e que vai evoluir muito bem com o tempo e se tornar um belíssimo vinho. A origem dele: Líbano. Era um casal carioca que estava no restaurante, que está importando este e outros vinhos do Líbano, do produtor Massaya. O que degustamos foi o top deles, o Gold Reserve 2008. Aí veio a simpática Vanessa, explicar o vinho e dizer que tinha visto que estávamos em uma confraria e nos ofereceu aquela garrafa!



Enfim, uma noite cheia! Implementação de regras, desafio entre Riojas de Tradição x Riojas Modernos e uma surpresa vinda do Líbano! Próxima viagem: Borgonha! Esta promete...



CHEERS!!

 

Siga o EnoDeco no Twitter.

Posts Relacionados

Publicado em 23/02/2011 às 12h03

MENDELIZANDO VERTICALMENTE

IMG 2201 300x200 MENDELIZANDO VERTICALMENTE


Em primeiro lugar, peço desculpas pelo post um pouco mais longo que o habitual, mas é que não tem como ser mais curto e vocês vão entender!  Ontem tivemos uma noite memorável! O blogueiro e amigo Cris Orlandi, do Blog Vivendo Vinhos resolveu compartilhar com alguns poucos privilegiados, um arsenal argentino! Ele tinha uma “coleção” de Mendel Malbec, das safras 2004, 2005, 2006, 2007 e 2008 e juntamente com o Alexandre Frias, do Diário de Baco tiveram a ideia de entrar em contato com a Expand, importadora deles aqui no Brasil para colocar a ideia em prática. E não é que, para nossa sorte, deu certo? Era tanto vinho numa determinada altura, que o nosso amigo Daniel Perches (Vinhos de Corte) acho que tinha um Mendel 2009 também... Mas logo passou...rs!



Os blogueiros convidados e privilegiados para o evento, que aconteceu no Bar des Arts: Marcelo Di Morais (Bom di Vinho), João Filipe Clemente (Falando de Vinhos), Alvaro Cesar Galvão (Divino Guia), Daniel Perches (Vinhos de Corte), Beto Duarte (Papo de Vinho), Gustavo Kaufmann (Enoleigos), além de mim e dos idealizadores Alexandre Frias (Diario de Baco) e Cris Orlandi (Vivendo Vinhos). Ah, e quase esqueci... o Jeriel, do Blog do Jeriel, também apareceu. É que se pararmos para falar de como o Jeriel agitou a noite, desde antes da sua chegada, precisaremos de um post só para isto!!



Mas vamos ao que interessa: Os vinhos. Abrimos os trabalhos com um belíssimo Prosecco, novidade no catálogo da Expand, o Fontini Valdobbiadene, um espumante leve, frutado e com ótima persistência! Excelente custo-benefício por aproximadamente R$ 68,00. Depois, começamos a brincadeira, com uma bela e honrosa abertura feita pelos “Otávios”, pai e filho, que comandam hoje a Expand, agradecendo a nossa presença e explicando um pouco sobre o produtor Mendel. E depois, a condição da noite ficou por conta da Ana Rita, responsável pelo reconhecido programa Wine Education da Expand.



Às cegas, foram servidas a 5 safras do Mendel. Não vou me alongar e falar aqui sobre todas as características de cada um, mas o que mais destacou cada vinho:


Número 1: Típico Malbec na cor, um rubi com toques violetas, intensidade média no nariz com fruta preta e pimenta e uma boca intensa, taninos redondos e final médio-longo.


Número 2: Cor diferente, já tendendo para o rubi com reflexos alaranjados, o que já me chamou a atenção que poderia ser um dos mais antigos. Boa intensidade no nariz e na boca, mais que o primeiro, com toques de chocolate e algo como couro, o que me fez ter certeza que era o 2004  ou 2005.


Número 3: Mais púrpura que o primeiro, poderia ser um dos mais novos, até porque o nariz estava mais alcoólico, frutas maduras como ameixa e uma forte presença de baunilha, que vem da madeira. Pra mim, o “menos bom” da noite, ainda muito jovem.


Número 4: O melhor vinho da noite para mim e para 90% dos presentes. Cor parecida com o segundo vinho, o que me deixou em dúvida em ser o 2004 ou 2005. Mas o nariz e a boca me clarearam a cabeça: Muita fruta seca, uvas passas no nariz e na boca. O mais equilibrado de todos os vinhos!


Número 5: Púrpura na cor, parecido com o 3, com nariz semelhante também, porém um pouco menos alcoólico. A presença de fruta madura e taninos mais duros me levaram a acreditar que era o segundo mais novo.



A minha ordem final foi: 2006, 2005, 2008, 2004 e 2007. E o resultado final quase me deixou cheio de orgulho. Mas se não acertei todos, foram quase todos e o erro foi apenas trocar o 2006 pelo 2007. Fiquei satisfeito... J . A ordem final: 2007, 2005, 2008, 2004 e 2006.



E para arrebatar a grande noite, cheia de detalhes cuidadosos, com presentes (ganhamos uma garrafa do Prosecco Fontini, mas o Superiore, acima daquele que bebemos), um jantar magnífico regado a Mendel Unus 2007, um vinho “acima” do Malbec que tomamos, que leva também Cabernet Sauvignon e que estava fantástico!



Obrigado Cris pelos vinhos; Ale pela idéia e à Expand por ter cuidado com todo o carinho e atenção desta noite memorável! Ah, e obrigado ao Jeriel por existir... (Piada interna...rs)!!



CHEERS!!

 

Siga o EnoDeco no Twitter.

Posts Relacionados

Publicado em 21/02/2011 às 18h35

GEOGRAFIA DO VINHO: MARGEM DIREITA DE BORDEAUX.

bordeaux wine map 300x268 GEOGRAFIA DO VINHO: MARGEM DIREITA DE BORDEAUX.


No post anterior vimos um pouco sobre a margem esquerda de Bordeaux, onde está a maioria dos grandes Chateaux desta famosa região. Agora vamos atravessar o rio e passar para a margem esquerda, onde temos menos nomes importantes, em termos de quantidade, mas em relação à qualidade não podemos dizer que uma margem é melhor que a outra, até porque temos vinhos diferentes em estilo.


Se a margem esquerda do Rio Garonne tem como principal uva a Cabernet Sauvignon, misturada com menores partes de outras uvas como Cabernet Franc e Merlot, a margem direita tem na Merlot a sua principal uva, mas também sendo misturada com outras como Cab. Sauvignon e Cab. Franc, entre outras. Isto quer dizer que os vinhos de lá tendem a ser mais fáceis de beber que os do outro lado, pois a Merlot é uma uva menos austera e mais macia que a Cabernet Sauvignon. Mas tudo depende também de como o vinho foi feito, tempo e barricas, proporções usadas de cada uva e as condições climáticas de cada safra, logicamente. Mas de um modo geral, são vinhos mais macios e mais fáceis.


A principal apelação da margem direita é Saint Emilion AC, uma região quente e que a Cabernet Sauvignon é pouco usada. Lá, os melhores vinhos são os Saint Emilion Grand Cru AC. E dentro desta apelação, há 3 subdivisões: Grand Cru; Grand Cru Classé e Premier Grand Cru Classé (Divididos em A e B). Bagunça, não?


Bem ao lado de Saint Emilion, a oeste, com uma área menor que a vizinha, vem a outra grande apelação deste lado: Pommerol AC. É de lá que vem o famoso e badalado Pétrus e outro bem famoso (menos que o Pétrus), Chateau Le Pin. Estes dois são alguns dos mais caros vinhos franceses e por que não, do mundo! E por fim, ainda mais a oeste, as apelações de Fronsac AC e Canon-Fronsac AC, onde há vinhos não tão famosos e por isto não tão caros como seus vizinhos, mas com excelente qualidade. Por ser uma região menos badalada, vinhos de lá costumam ser bons custo-benefício, mas levando em consideração que para os nossos padrões, ainda são vinhos caros.



Estas foram as principais regiões dentro de Bordeaux. Ainda podemos citar a região que fica entre os Rios Garonne e Dordogne, chamada de  "Entre-Deux-Mers" que é uma região menos nobre e que faz vinhos mais simples, especialmente os brancos feitos a partir da Semmilion e mais recentemente, Sauvignon Blanc ou uma mistura Semillon-Sauvignon. Os tintos de lá são os Premières Côtes de Bordeaux. geralmente mais simples e de custo mais acessível.



De Bordeaux, no próximo post vamos a outra famosa região francesa, pra mim a região mais charmosa e com os vinhos mais sedutores do mundo: A Borgonha! Au revoir...



CHEERS!!

Siga o EnoDeco no Twitter.

 

 

Posts Relacionados

Publicado em 20/02/2011 às 12h32

O MELHOR PREMIO DEPOIS DE CORRER 42 KM…

marathon de sauternes 300x216 O MELHOR PREMIO DEPOIS DE CORRER 42 KM...


Realmente o mundo do vinho não serve de inspiração apenas aos enófilos e amantes da bebida. O esporte tem se aproxiamdo cada vez mais do vinho. e para quem acha que esporte e bebida não combinam, não é bem assim. Sim, beber e praticar esportes não é indicado, mas há outras formas de juntar o mundo do esporte ao mundo do vinho.



Ciclovia no Napa Valley; Corrida de Rua e Meia Maratona em Paso Robles (California); Bike Tour Down Under, no McLaren Valley (Australia) e possivelmente outros eventos pelo mundo afora são alguns exemplos da sinergia entre o esporte e o vinho. Mas um novo evento está por vir. E diga-se de passagem, extremamente charmoso e com um prêmio que muitos de nós gostaríamos de ganhar. A Maratona de Sauternes será realizada no dia 04 de Junho, na famosa região frances dos vinhos de sobremesa, que fica dentro dos limites de Bordeaux, ao sul. Devem estar presentes aproximadamente 1.000 atletas, que largarão no famoso Chateau Guiraud, passarão por um percurso com aproximadamente 30 vinícolas e terminarão 42 km depois, no Chateau Filhot.



Por conta do evento, os Chateaux estão penasndo em abrir suas portas para degustação e visita, além de alguns oferecerem refeições com alto teor de carboidratos para os atletas, na tarde da corrida. Todos os participantes ganharão uma camiseta e uma medalha de participação e os vencedores... ahhhh, estes não ganharão dinheiro! Mas ganharão algumas garrafas de Sauternes e ainda uma magnum do mítico Chateau d'Yquem. Um bom estímulo para começar a correr e ir pra lá em Junho e participar da prova, não?


Mais informações pelo site do evento: http://marathon-sauternes.com/z/index.php?lg=en

 

 

CHEERS!!

Siga o EnoDeco no Twitter.

Posts Relacionados

Publicado em 19/02/2011 às 17h57

MIOLO WINE DAY: EXPERIÊNCIA ÚNICA.

Spa do Vinho MIOLO WINE DAY: EXPERIÊNCIA ÚNICA.


Semana passada estive no Vale dos Vinhedos (Bento Gonçalves) a convite da Miolo, para participar do Wine Day, com mais 7 jornalistas. Fomos na sexta-feira a tarde, chegamos em Porto Alegre, nos encontramos com os outros participantes que vinham de Curitiba, Brasília e Recife, além de outros 2 de São Paulo e mais uma lá do sul mesmo. Depois, saímos rumo á serra gaúcha e chegando lá, fomos direto ao Hotel & Spa do Vinho, um hotel espetacular, no meio dos vinhedos e de frente para a Miolo. O dia estava lindo e tivemos algumas horas de descanso até o jantar.


O jantar, no restaurante do hotel, foi espetacular. Tudo muito bem organizado. Cada prato, um vinho para harmonizar. Além é claro de um bate papo bem interessante com Adriano Miolo, enólogo e presidente da vinícola. Falamos sobre o mercado brasileiro, sobre vinhos “bag in box”, sobre exportações, selo fiscal e outras coisas mais. Terminando o jantar, muito bem alimentados, ficamos um pouco no terraço do hotel conversando e resolvemos ir dormir, afinal o dia seguinte começaria cedo!


Acordamos às 7:00, descemos para o Café da manhã, onde a primeira surpresa nos aguardava: Espumante em pleno café da manhã! Desta vez minha teoria de que vinho não se recusa teve que ser deixada de lado. Era um pouco demais depois de termos bebido bastante vinho na noite anterior... Enfim, começamos o Wine Day: Uma primeira palestra com o próprio Adriano Miolo sobre produção de vinhos brancos e espumantes, com muitos detalhes e muita profundidade. Realmente interessante. Depois, sempre acompanhados do Adriano e da competente e jovem enóloga Gabriela Jornada e sua equipe, fomos à linha de produção e como a chuva insistia em cair, quando ela deu uma trégua, interrompemos uma parte da palestra e fomos aos vinhedos, colher chardonnay. Mas ela voltou a cair e mesmo assim fomos lá, de capa de chuva, colher um pouco de chardonnay. Voltamos e passamos etapa por etapa da produção, inclusive experimentando mosto do suco de uva antes de ser fermentado, direto dos tonéis de aço inox. E depois de passar por todo o processo, voltamos à sala de degustação e experimentamos de tudo um pouco: suco pré-fermentação, mosto pré-fermentação, vinho base para espumante, vinho em processo de fermentação e vinho pronto. No total, 15 taças à nossa frente encerraram a visita. E depois um delicioso almoço na Osteria Mamma Miolo, com muita comida!


Parabéns ao Grupo Miolo pela iniciativa e pelo convite! Realmente, para quem se interessa no tema e quer acompanhar a produção de vinho de perto, é uma bela experiência que está aberta ao público. No próximo post, falarei sobre as expectativas para a safra atual e alguns dados e perspectivas de mercado e colocarei algumas outras fotos!


 

CHEERS!!

Posts Relacionados

Publicado em 18/02/2011 às 19h10

VINHO DA SEMANA: CONO SUR 20 BARREL’S CABERNET SAUVIGNON 2005

cabernet sauvignon 105x300 VINHO DA SEMANA: CONO SUR 20 BARRELS CABERNET SAUVIGNON 2005

 

Vinho: Cono Sur 20 Barrels Cabernet Sauvignon 2005

Produtor: Cono Sur

Origem: Vale do Colchagua (Chile)

Uvas: Cabernet Sauvignon

Safra: 2005

Importadora: Expand

Preço Aproximado: R$ 57,00 (Em promoção! Preço original  R$ 95,00)


Uma bela barganha da Expand neste Sale que estão fazendo! O Cono sur 20 Barrel's Cabernet Sauvignon é um vinho estruturado, com ótimo corpo e um típico Cabernet Sauvignon chileno, de clima quente. Sua cor rubi intensa já mostra um vinho encorpado e no nariz as frutas vermelhas se misturam com um pouco de mineral, acho que terra e uma madeira bem presente, fruto de seus 12 meses em barricas novas. Na boca é cheio, suculento e com final longo. Um belo vinho, principalmente em promoção! Levou 90 pontos de Robert Parker e vai muito bem com carnes vermelhas ou um risoto mais denso, de sabor intenso, como um risoto de brie ou gorgonzola.



CHEERS!! 

Siga o EnoDeco no Twitter.

 

Posts Relacionados

Publicado em 17/02/2011 às 19h26

PAPO-VAI, PAPO-VINHO: BETO DUARTE – BLOG PAPO DE VINHO

DSC 08251 300x199 PAPO VAI, PAPO VINHO: BETO DUARTE   BLOG PAPO DE VINHO


O Papo-Vai, Papo-Vinho desta semana é com o Beto Duarte, do blog "Papo de Vinho". Beto é um dos mais ativos e competentes blogueiros e junto com o Daniel Perches, que já falou aqui conosco, é o organizador do Enontro de Vinhos. Blog com um texto leve e gostoso, é uma das boas leituras para quem quer mais informações e dicas sobre o eno-mundo. Além de tudo, sua família vem da Toscana, mais especificamente da cidade de Lucca, anche io (Como eu!)...


Beto, valeu pela participação!

 

 

Como começou sua história com o vinho?

Na verdade herdei essa historia. Meu avô paterno produzia vinhos com a família perto de Viseu, entre Dão e Douro, mas produziam licorosos que mais tarde foram para cooperativas do Douro e o bisavô materno, trabalhava em uma vinícola perto de Lucca, na toscana. Não existia refeição sem vinho!

 

 

Qual a sua leitura sobre o nível dos blogs de vinho atualmente?

Sou jornalista e gosto de muitos blogs, mas me assusto com outros. Não me refiro a erros de português, que por incrível que pareça isso não me incomoda tanto, principalmente a falta de conteúdo muitas vezes incomoda. Ainda assim, a rapidez da informação é fantástica. O que as revistas vão mostrar no próximo mês, todos os blogs já deram, e isso é muito legal.



Vc costuma trocar idéias com outros blogueiros de vinho ou vcs se consideram concorrente?

Nenhum concorrente! Troco idéias constantemente e respeito muito e admiro bastante outros blogs. Nesse caso somos donos do veículo e posso te garantir, pelos 28 anos de televisão, que nas emissoras de TV não é diferente. Todo mundo troca figurinhas.



Teve alguma decepção com algum vinho ou algo relacionado ao mundo do vinho?

Sim. Os que se acham mais que os vinhos me decepcionam. Os que acham que sabem tudo, os que pensam que precisa ser esnobe para falar de vinhos me decepcionam. Provei muitos vinhos ruins, mas nenhum grande vinho me decepcionou.



O que vc acha que falta para um real amadurecimento ao mundo do vinho?

Saber que o vinho é um alimento, saber que os gostos são diferentes, saber que esse é um alimento simples, feito por agricultores que amam seu trabalho e que a simplicidade e humildade ajudam a conhecer mais sobre esse alimento.



Qual vinho vc já tomou que mais marcou a sua vida?

Um Chateau Gazin, do Pomerol, no dia de um eclipse total na França.



Que vinho é o seu sonho de consumo?

Nunca provei o Petrus e sou louco pelos vinhos do Pomerol e o Romaneé Conti também. Quando morei na Borgonha consegui no maximo uma taça de Echezeaux!



CHEERS!!

Posts Relacionados

Perfil

André Rossi (Déco), 35 anos, é formado pelo instituto inglês Wine & Spirits Education Trust (WSet) nos níveis 1 - Foundation, 2 - Intermediate e 3 - Advanced, cursados em Nova York. Atualmente está cursando o quarto e último nível do WSET, o “Diploma”, curso este que tem duração de 2 a 3 anos e é preparativo para o Instituto Master of Wine
Leia mais

Publicidade

Arquivo

fevereiro 2011
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28  
Home de Blogs +
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com