31
mar
2014

A Bíblia das Uvas!

Postado por andrerossi às
09h00

resized 260x263 Wine Grapes US open A Bíblia das Uvas!

 

Se pararmos para pensar em quantas uvas viníferas conhecemos, veremos que somos completamente ignorantes neste assunto e que temos muito o que aprender no mundo do vinho. Isto eu geralmente falo na primeira aula dos meus cursos de vinho, para mostrar que por mais que estudemos muito, sempre saberemos pouco deste vasto e incansável universo. Apesar de que tem muita gente aí que insiste em falar que sabe muito e se diz especialista e entende tudo. Para estes, como diz a Valeska Popozuda (Que nível, hein?), mando um beijinho no ombro.

 

 

Desabafo feito, queria indicar aos que gostam de estudar e investigar o mundo do vinho, e principalmente as uvas, o meior e melhor guia de uvas já feito: WINE GRAPES, escrito pela grande Jancis Robinson, pra mim a maior entendedora e estudiosa de vinho do mundo, muito mais que o famoso Robert Parker e outras estrelas, com a colaboração de outros estudiosos, este guia disseca mais de 1.400 variedades de uva, todas estudadas por DNA e cientificamente analisadas. Um verdadeiro guia de uva soara quem gosta e quer aprender mais.
O Guia, que não tem a venda aqui no Brasil, pode ser comprado pela Amazon (O livro físico), mas também pode ser comprado como e-book para Kindle e para iOS (iPhone, iPad) na Apple Store . A cópia física custa US$ 112,99 e os e-books, US$ 62,99. Vale muito a pena para quem curte e se interessa pelo assunto. Pra mim, é a bíblia das uvas!

 

 

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

 

 

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
24
mar
2014

Os 20 Melhores Restaurantes de Vinícolas!

The Daily Meal é um site muito bacana, que eu costumava entrar sempre, mas a falta de tempo às vezes nos obriga a entrar menos para garimpar notícias e novidades. E  hoje resolvi dar uma olhada geral nas coisas e vi, no site da Revista Adega, que o Daily Meal elegeu os 20 melhores restaurantes de vinícolas do mundo.

 

 

Certamente este é um tema que cresce cada vez mais no interesse dos consumidores e das próprias vinícolas, uma vez que o esoterismo deixou de ser apenas algo pontual para as vinícolas, para virar um negócio importante, não só pelo boca a boca das pessoas que visitam ou jornalistas que fazem matérias, mas principalmente pelo lucro que a venda de vinhos e almoços/jantares dá às vinícolas.

 

 

Com este crescente interesse, as vinícola começaram investir em estrutura e também em staff, contratando até mesmo chefe renomeados, ou alugando o espaço para que estes chefs possam ter seus próprios restaurantes. É o caso da Escorihuela, bodega argentina que está entre as 20 e que tem, dentro de suas instalações, o restaurante 1884 do conhecido e premiado chef Francis Mallman.

 

05 2008 03 28 957 2010 01 13 372 Gallery 300x175 Os 20 Melhores Restaurantes de Vinícolas!

 

Outra bodega argentina que aparece na lista é a O.Fournier, do "multi-cultural" José Manuel Ortega y Fournier, competente amigo espanhol que tem vinícolas na Espanha, no Chile e em Mendoza. E em Mendoza, numa paisagem e terroirs fantásticos, ergueu sua bodega, com linhas e arquitetura moderna e funcional, e dentro dela, o restaurante de sua amada esposa, Nadia, chef premiada e reconhecida na argentina e no mundo. Já tive inclusive, o prazer de ter uma aula de culinária no próprio restaurante Urban com a Nadia, e lá revi meus conceitos sobre como cozinhar um bom Risoto. E uso esta receita até hoje, quando resolvo me aventurar na cozinha.

 

DSCF0129 300x225 Os 20 Melhores Restaurantes de Vinícolas!

 

O primeiro colocado, como já era de se imaginar, é americano. O Restaurante Étoile, dentro da Bodega Chandon (California) foi eleito o melhor do mundo. A lista dos 20 melhores restaurantes em vinícolas segue abaixo. E não tenham a menor dúvida que ela vai ganhar cada vez mais importância ano a ano!!

 

 

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
21
mar
2014

Cabernet Franc Encontra um Paraíso na Argentina.

Postado por andrerossi às
09h00

 

 Cabernet Franc Encontra um Paraíso na Argentina.

Vinhedos de Cabernet Franc Vale do Uco

 

Tendo falado bem sobre suas características principais e regiões, vou me ater agora aos Cabernet Francs argentinos, que tem surpreendido muita gente e no último Argentina Wine Awards arrancou aplausos e elogios de críticos importantes como Steven Spurrier, Jorge Lucki, Susana Barelli, entre outros.

 

 

Com mais de 600 hectares plantadas – mais da metade em Mendoza - a CF é uma uva que amadurece mais cedo que a Cabernet Sauvingon por exemplo. Por isto, o Vale do Uco, que fica um pouco ao sul da cidade de Mendoza, é uma região bem propícia para ela, já que apresenta um clima um pouco mais frio.  Há platações importantes também em San Juan (120 km ao norte de Mendoza), Patagonia (Rio Negro e Neuquen) e um com um pouco menos de importância, em La Rioja e Salta.

 

 

Não posso aqui citar todos os Cabernet Francs Argentinos, pois são muitos, mas vou comentar aqui os mais famosos e os que eu já experimentei. A começar pelos pontuados e premiados Andeluna Pasionado Cabernet Franc e Pulenta Gran Cabernet Franc. Estes vinhos, muito reconhecidos pela crítica, tem como principal característica o herbáceo intenso ao invés da fruta, que acredito, é o que buscam os enólogos das Bodegas: Expressar a máxima tipicidade da uva. E de fato eles entregam muito bem isto. Já o Benegas Meritage Cabernet Franc é também um bom exemplo de tipicidade, mas um pouco mais equilibrado com a fruta que o Andeluna e o Pulenta. Depois, colocaria numa mesma categoria, alguns outros vinhos, como o Lagarde Guarda Cabernet Franc, O La Celia Gran Reserva, o Casarena Cabernet Franc e o FIN Cabernet Franc (Bodegas Fin del Mundo – Patagonia). Pra mim, são exemplos de vinhos que equilibram a fruta e o herbáceo, se tornando assim, acredito, mais fáceis para o consumidor que não conhece muito a uva e quer conhecer, pois se mostram mais fáceis de tomar. Por fim, o agradável Humerto Canale Gran Reserva Cabernet Franc caminha mais para a fruta em detrimento ao herbáceo e talvez seja o vinho ideal de entrada para os que desejam conhecer mais esta uva. Entenda-se vinho de entrada não pelo preço, mas pelas suas características, de ter mais fruta. Importante dizer que todos eles envelhecem em barricas de carvalho, alguns mais e outros menos, mas esta é outra característica da Cabernet Franc: Envelhecer bem em barricas.

 

 

Como podem ter percebido, é uma uva especial, que merece maior atenção, sem falar no que ela agrega nos inúmeros blends que ela é colocada. Para mim, a grande queridinha no momento!!

 

 

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
19
mar
2014

Don Guernio, um projeto de futuro, já fazendo o presente.

Postado por andrerossi às
08h30

ft1 donguerino 300x212 Don Guernio, um projeto de futuro, já fazendo o presente.

 

 

Já havia ouvido falar desta vinícola, mas nunca tinha tomado seus vinhos. Fui recebido por Bruno Motter, enólogo que estudou em Mendoza e é parte da família. São 50 hectares plantados na região de Alto Feliz, que fica a 30 km de Bento Gonçalves, fundada em 2007, mas a área está plantada desde 2000 pela família.

Plantações de Chardonnay, Sauvignon Blanc, Moscato Giallo, Prosecco, Malbec, Teroldego, Cabernet Sauvignon, Ancelota e Tannat. Estão começando a elaborar um Torrontes para lançar no ano que vem. O primeiro nacional. Este eu tô curioso!
A Linha de entrada sai mais ou menos a R$ 20,00. Linha Reserva a R$ 35,00 e a Gran Reserva a R$ 50,00.
Então vamos aos vinhos que tomamos:
Varietal Moscato Giallo 2013: muito aromático, chega a lembrar um pouco o sauvignon blanc. Um vinho fresco, leve e excelente pra piscina.
Chardonnay Reserva 2013: Sem madeira, preserva a fruta e tem um nariz bem agradável e típico de Chardonnay. Na boca, um pouco mais leve que os chardonnays que estamos acostumados, até pela falta de barrica, mas que poderia ter um final mais longo. Vinho honesto e bem feito.
Teroldego Reserva 2012: uma boa expressão de fruta, com pouca madeira. Boca consistente, bom final de boca.
Cabernet Sauvignon Reserva 2012: nariz bem bacana, com ameixa, pimentão e um pouco de madeira. Na boca ele perde um pouco, pois o nariz entrega muito e a boca um pouco menos. Pelo custo, um vinho honesto e que expressa bem o que é o Cabernet.
Tannat Reserva 2012: nariz bem aromático e típico desta uva. Cor também bem característica, um púrpura bem intenso que chega a tingir a taça. Na boca, bom corpo, boa acidez e equilibrado. Pra mim, o melhor dos tintos da linha reserva.
Espumante Malbec Rosé Brut. Fresco, equilibrado e bem feito. É um espumante feito pelo método Charmat, mas que tem uma perlage bem consistente. Em média, uns R$ 30,00 para um espumante honesto e muito bem feito.
Blanc de Blanc Brut: Feito pelo método tradicional, é feito 100% com chardonnay. Muita fruta e a complexidade do método champenoise se mostra na perlage e no final de boca, pois não mostra muitos traços de leveduras e pão, como a maioria dos champenoises mostram. Chega no mercado por uns R$ 55,00.
Mais um novo projeto que ganha corpo e tem tudo para se destacar!

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
13
mar
2014

Cabernet Franc: Minha Atual Queridinha.

Postado por andrerossi às
09h00

cabernetfranc Cabernet Franc: Minha Atual Queridinha.

 

Amigos, vou começar uma série de posts para falar de uma uva que tem chamado minha atenção há pelo menos uns 2 anos e que não cansa de me surpreender. A Cabernet Franc é uma uva relativamente pouco conhecida perto do que deveria ser. Na verdade, muita gente nem sabe, mas em boa parte dos vinhos de Bordeaux que tomamos, há pelo menos uma pequena parcela desta uva, geralmente misturada com Merlot e Cabernet Sauvignon, principalmente na margem direita do Rio Gironde. Também no Vale do Loire, noroeste da França, nas regiões de Anjou-Saumur e Touraine ela se expressa muito bem, e muitas vezes é usada em vinhos varietais. Ela é tecnicamente, por exames de DNA realizados, uma parente de 2 uvas famosas: Cabernet Sauvignon e Sauvignon Blanc.

 

 

Em Bordeaux, onde ficou mais famosa, é bastante usada em blends como falei acima, e o maior e mais famoso exemplo de um vinho feito com maioria de CF é o cultuado Cheval Blanc, vinho que pode atingir valores altíssimos dependendo da safra. Mas ela já esteve mais em evidência do que hoje em dia. Na década de 60 ela tinha mais ou menos a mesma área plantada que a Cabernet Sauvignon, mas hoje em dia, sua prima tem aproximadamente o dobro em área plantada, pois é a uva que está na moda há um certo tempo.

 

 

Em relação à sua prima Cabernet Sauvignon, uma das uvas mais conhecidas no mundo, ela amadurece antes que a prima, tem menor intensidade de cor e tende a dar vinhos de corpo mais leve que a Cabernet Sauvignon, mas mesmo assim não são considerados vinhos leves, mas de médio corpo. Mas claro que tudo depende da região em que for plantada e do estilo de vinho que o enólogo quer.  Em geral, é uma uva que além da fruta bem presente, apresenta um característico  aroma herbáceo, que se não controlado, pode ficar em excesso no vinho.

 

 

No próximo post, falarei de outras regiões que ela tem destaque.

 

 

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
12
mar
2014

Campanha Gaúcha, uma região promissora!

Postado por andrerossi às
08h30

vinhos da campanha1 300x289 Campanha Gaúcha, uma região promissora!

 

A Campanha Gaúcha é uma região que fica no sul do RS, a uns 120 km do Vale dos Vinhedos e que tem tradição vinícola desde o começo do século. Mas tornou-se mais conhecida com a Almadén, em meados dos anos 70.

Falando um pouco do terroir, são 4 estações bem definidas e a seca é um problema que pode afetar um pouco as produções. Dias mais quentes que a Serra Gaúcha, mas as temperaturase oscilações térmicas vairam bastante mesmo dentro da região. Então, fica complicado falar de um terroir único para a região da Campanha. Fiz uma degustação especialmente planejada pela enóloga Maria Amélia Duarte Flores, em sua charmosa loja Vinho e Arte (Porto Alegre), só com rótulos desta região:

Espumante Guatambu Extra Brut (Método Tradicional). Espumante 100% Chardonnay, de boa persistencia e nariz complexo de minerais, frutas e um pouco de levedura. Final que poderia ser um pouco mais longo. R$ 55,00.
Routhier & Darricarrere Espumante Extra Brut: Primeira vez que tomo um espumante nacional feito pelo método ancestral. Explicando um pouco e bem rapidamente este método, ao invés de ter 2 fermentações, ela é apenas uma, com as mesmas leveduras do começo ao fim. Um espumante bem complexo, um pouco turvo até (Que faz parte do charme de ser feito por este método). Espumante bacana, gastronômico e longo em boca.
Dunamis Pinot Grigio 2012: Nariz bem atípico para os Pinot Grigios que conhecemos da Italia e outros. Ao invés da flor e das frutas brancas, muita mineralidade no nariz e principalmente na boca, que chega a dar uma leve sensação de salinidade. Bem seco, fácil de beber. Em média, R$ 40,00.
Miolo Reserva Pinot Grigio 2013: Muita fruta branca e flor, já se aproximando mais dos Pinot Grigios que conhecemos. Vinho agradável em boca, boa acidez e final médio. Um bom vinho de mais ou menos R$ 30,00 e honesto!
Santa Colina Chardonnay Estilo 2011: Um vinho que, por não ter muita estrutura de guarda, ele, com 2 anos já está com toques de oxidação. Mas este toque torna o vinho diferente. Quem compra esperando um Chardonnay tradicional, provavelmente vai estranhar. Bem mineral e cítrico, um vinho de aproximadamente de R$ 15,00 que vale ao menos experimentar, pois é um vinho diferente!
Dunamis Cor Merlot/Cabernet 2011: Ao contrário do que os mais apressadinhos podem pensar, não são 2 uvas, mas 3. Afinal, Cabernet não é só Sauvignon, mas Franc também. Então, com 50% Merlot, 40% CFranc e 10% CSauvignon: Um vinho fácil de beber, mas sem ser simples demais. Nariz de Café e frutas pretas, corpo médio e boa acidez. R$ 30,00.
Dunamis Cabernet Franc 2012: Muita fruta vermelha no nariz e na boca, mas ainda com pouca intensidade. Cabernet Franc é uma uva intensa, geralmente de cor mais intensa e este vinho foge um pouco deste perfil. É um vinho jovem, mais leve e fácil de beber. Custa por volta de R$ 40,00.
Campaña Cabernet Sauvignon 2011: Este vinho da Bodega Sossego, um pequeno produtor que tem apenas 5 hectares de terras. Foram produzidas 700 garrafas deste vinho, que deve custar em torno de R$ 50,00. A safra 2012 já terá 1.500 garrafas produzidas. Um vinho fácil de beber, com pouca madeira, bastante fruta e boa acidez.
Guatambu Rastros do Pampa Cabernet Sauvignon 2012: Um vinho bem encorpado, gastronômico e intenso, tanto no nariz como na boca. Boa acidez, bom final de boca e por R$ 40,00, uma boa opção!
Guatambu Rastros do Pampa Tannat 2012: Outro vinho com estrutura e taninos bem marcados. Pra quem espera um tannat, com intensidade e aquele toque rústico, se decepciona. É um vinho com muita flor e frutas vermelhas. também um vinho por volta de R$ 40,00 que pode agradar, mas pra mim, não apresenta a tipicidade da uva.
Bueno Paralelo 31: Um corte de Cabernet Sauvignon, Merlot e Petit Verdot. Ja falei deste vinho aqui no Blog e gostei do resultado final deste vinho que assina Michel Rolland para o narrador Galvão Bueno. Complexo, potente, equilibrado e extremamente gastronomico. Final longo e bem bacana! Um belíssimo vinho!
É uma região que eu classificaria como promissora. Não acho que tenha a consistência da Serra Gaúcha, mas mostra muito potencial. É só ver que o Bueno Paralelo e o Miolo Pinot Grigio, feitos por quem já tem boa experiência de vinhos em outra região (Serra Gaúcha), foram, para mim, os melhores. Mas sem dúvida, uma região que vai dar bons frutos num futuro próximo!

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
10
mar
2014

Máquina de Vinho Expresso? Um Milagre Que Pode Mudar o Mundo do Vinho.

Postado por andrerossi às
09h00

 Máquina de Vinho Expresso? Um Milagre Que Pode Mudar o Mundo do Vinho.

 

É, nosso mundo envolvi a passos largos e as modernidades e coisas futurísticas parecem cada vez mais palpáveis e reais. Mas confesso que algumas modernidades me assustam e esta agora entra nesta categoria, até que me provem o contrário:

 

Uma máquina expressa de fazer vinho! Isso, como uma cafeteira, destas que colocamos cápsulas de café de diversos tipos e tomamos nossos cafés expressos. Vi a notícia da MIRACLE MACHINE no site Business Insider e achei uma notícia um tanto quanto forte e revolucionária para o mundo do vinho. Com a ajuda de um smartphone, onde controla-se a acidez e o nível alcoólico por exemplo, vc escolhe os ingredientes e depois de 3 dias, o vinho desejado sai da máquina. Ele dura mais ou menos 2 semana.

 

 

A máquina, que deve custar por volta de US$ 500,00 será feita inicialmente numa tiragem de 2.000 unidades e vendida nos Estados Unidos. Com o tempo, a idéia dos fundadores, um deles o idealizador do famoso site de conteúdo de vinhos SNOOTH é aumentar as vendas e os países que serão vendidas as máquinas.

 

 

Sem dúvida, para os enólogos, vem aí uma aberração tecnológica que pode mudar a vida do consumidor de vinho. Para consumidores como nós, podemos estar vendo uma das maiores revoluções no jeito de tomar vinho!! É ver para crer. Ou, tomar para crer!

 

 

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
8
mar
2014

Pizzato, sempre uma boa escolha em vinhos nacionais.

Postado por andrerossi às
21h10

foto 280x300 Pizzato, sempre uma boa escolha em vinhos nacionais.

Vinhedos da Pizzato

 

 

A Vinícola Pizzato já é velha conhecida aqui do Blog. Pra mim uma das vinícolas mais consistentes e sérias que temos por aqui. E tive o prazer de voltar na vinícola, depois de 7 anos, quando fui a primeira vez, mas como turista apenas e não como profissional do vinho ou blogueiro. E pude ver o quanto a vinícola cresceu, o quanto ela se modernizou e o quanto ela melhorou.

 

 

A visita, guiada pelo competente amigo e enólogo Flavio Pizzato teve uma degustação bem completa, de vinhos que eu conhecia e outros ainda não. Vou fazer os comentários geral das principais linhas para não ficar muito extenso o post. Estou, neste post, excluindo a linha Concentus e o DNA, que são vinhos que vou falar num post aparte:

 

 

Chardonnay 2013: vinho fresco, com corpo e sem madeira. Muita fruta, mineral e final médio-longo. DO Vale dos Vinhedos. R$ 40,00.

Legno 2013: Primeira safra foi 2011. Veio para ser um vinho mais complexo e para seguir a tendência de mercado de um vinho mais amadeirado. 10 meses em barrica, com fermentação inclusive. A madeira é bem colocada, sem tapar a fruta. Final longo. Também é um vinho da DO. R$ 65,00
Fausto Rosé 2013: Merlot, de cor pink, bem elegante no nariz. Muita fruta vermelha. Fresco, final médio-longo. Boa opção por R$ 40,00.
Linha Fausto (Merlot, Cabernet Sauvignon e Tannat) - vinhos de ótima estrutura, nariz bem intenso e marcado. No geral, vinhos De excelente corpo, boa acidez e bom final de boca. Pelo custo de pouco mais de R$ 30,00, são ótimas alternativas.
Linha Pizzato (Tannat, Merlot e Cabernet Sauvignon) - Principal linha de vinhos da vinícola, com vinhos que entregam estrutura de nariz e de boca de uma linha reserva de outras vinícolas. Com uma boa vantagem: o preço de mais ou menos 40 Reais entrega um vinho acima da média para os vinhos nacionais!

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
17
fev
2014

Aracuri: Vinho Brasileiros Consistentes e com Futuro.

Postado por andrerossi às
19h53

Aracuri Vinhos Finos4 1024 1024 300x300 Aracuri: Vinho Brasileiros Consistentes e com Futuro.

 

Recentemente, em minha viagem ao Rio Grande do Sul a convite do Ibravin, tive a oportunidade de provar os vinhos de um projeto que sempre fui curioso para conhecer e num gostoso jantar com a enóloga Paula Schenato, conhecemos os vinhos de uma pequena e nova vinícola , a Aracuri, que foi fundada em 2005, localizada em Campos de Cima da Serra. Em 2008 começou a comercializar o primeiro vinho, safra 2007, que era um Aracuri Cabernet Sauvignon. É uma vinícola pequena, que produz 83.000 kg de uva e 48.000 litros de vinho/espumante.

 

 

 

 

Tem plantações de Chardonnay, Sauvignon Blanc, Pinot Noir, Merlot e Cabernet Sauvignon, são 8 vinhos em linha e 1 espumante, divididos da seguinte forma:

 

- Linha Campos Altos: R$ 25,00.

- Cabernet Sauvignon, Merlot, e o corte Cabernet/Merlot: R$ 38,00.

- Chardonnay, Sauvignon Blanc e Pinot Noir: R$ 45,00.

- Linha Collectors Cabernet Sauvignon: R$ 75,00.

 

 

 

 

Começando a degustação, provamos o Sauvignon Blanc 2012, bem fresco, sem aquele verde excessivo, equilibrado e bom final. Um vinho muito bem feito, por um preço também justo. Gostei! Depois, um Pinot Noir 2012. Aí vinha um grande desafio para mim, pois nunca provei um Pinot Noir brasileiro que me encantasse. Um vinho que tem um nariz bem aromático, bacana, mas que em boca perde um pouco o que se entrega no nariz, pois ele tem um final curto e a madeira que aparece no nariz, quase não aparece na boca. E conversando com a Paula, é este o estilo desejado. Então, para um vinho leve e rápido, aqui vai o vinho!

 

 

 

Seguindo pelos tintos, o Merlot 2009 é um vinho que tem pouco nariz, e boca melhor, com boa acidez e final de boca agradável. Deve ganhar uma boa complexidade com mais uns 2 anos de garrafa. Pelo preço (R$ 38,00), uma boa escolha! Indo para o Top da vinícola, o Collector's Cebernet Sauvignon 2009, um belo vinho! Enquanto alguns jogam o preço para além dos R$ 100,00 e alguns além dos R$ 200,00, este vinho de pouco mais de R$ 75,00 é muito bem feito. Madeira e fruta muito bem equilibrados, nariz e boca consistentes e um final longo. Belíssimo vinho, uma grande surpresa!! Por último, um Espumante feito 100% com chardonnay, método charmat e que custa em torno de R$ 40,00. Como era de se esperar, muita fruta e muito fresco. Um espumante fácil e agradável de se beber!

 

 

 

 

No geral, posso dizer que a Aracuri tem uma boa consistência e um futuro promissor, pois é um projeto novo e que tem um longo caminho pela frente. Qualidade, eles mostraram que sabem como fazer. Agora é deixar amadurecer e evoluir!!

 

 

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
10
fev
2014

Os Números do Vinho no Brasil

Postado por andrerossi às
12h04

NUMEROS 300x225 Os Números do Vinho no Brasil

 

Semana passada estive no Vale dos Vinhedos, a convite do IBRAVIN, para participar de um seminário sobre o mercado do vinho no Brasil, falar dos resultados de 2013 e das previsões para 2014. Muitos números foram passados, muita informação debatida, mas listarei para vcs os principais pontos para mim:

 

Os vinhos brasileiros retomaram o crescimento, com quase 10% a mais nas vendas. Isto é bom para todos e mostra que temos potencial para conquistar o paladar do consumidor. Mas este número mostra uma queda esperada de vinhos brancos, que não é o nosso forte mesmo e um aumento dos espumantes, que aí sim, é o nosso principal potencial de produto pela qualidade e visibilidade!

Mantivemos o pífio consumo de 1,8 Lts per capita, que continua sendo muito pouco e está estagnado há muito tempo! Este número preocupa ainda mais quando vemos que destes 1.8, 1.0 litro é de vinho de mesa!! Para se ter uma idéia dos países vizinhos, o Chile tem um consumo de 16 Lts por habitante, o Uruguai de 25 Lts e a Argentina de 26 Lts.
Segundo Adolar Herrmann, dono da importadora Decanter e que tem a vinícola Hermann, lá no Sul, nosso grande desafio é brecar o avanço das cervejas especiais. Segundo ele, existem mais de  mais de 2 mil clubes de cerveja no Brasil. Um número assustador se compararmos aos clubes de vinho, que não passam nem perto deste número.
Ainda segundo Adolar, as importações, que caíram 8,5% nos vinhos e 19% nos espumantes, devem continuar a cair devido aos grandes estoques que as importadoras estão. Outra coisa que ainda deve brecar as importações é a alta do dólar e a lei seca, que causou uma queda de 15% nas vendas dos restaurantes, mas que aumentou um pouco as vendas em supermercados em lojas, pois as pessoas estão bebendo mais em casa. Mas ainda assim, a lei seca atua contra o vinho e os destilados principalmente, já que tem teor alcoólico maiores que a cerveja.
Adolar ainda mostrou os números dos principais players do mercado de importados:
- Chile: Liderança de 31,5% value e 37,9% share - Queda de 3,10%, mas valorização custo 2,89%
- Argentina: Perdeu 13,89% volume, 10,83% valor. Queda de 14,42%.
- França: Aumento de 4,05%. Aumento 16% em valor. Bom crescimento no valor USD 3,9 a USD 6,9/garrafa, que no Brasil são vinhos que estão entre  100 e 150,00 Reais.
- Portugal: Queda de 1,48%. Desvalorização de 50% no custo médio.
- Italia: Queda de 1,09% share.
- Espanha: Aumento: 8,07% share. Aumentou valor 6,06%. Estão 90,7% mais caros que os portugueses.
Depois, foi a vez de Carlos Cabral, consultor do Grupo Pão de Açúcar, que contou um pouco sobre a política de vinhos do grupo. Mas um dado interessante que o Cabral passou foi que dos 800 rótulos cadastrados no Grupo, 45% das vendas é de vinho nacional, mas deste montante, 65% é de vinho de mesa, o que mostra que ainda temos um longo caminho a percorrer pelo vinho fino. E o valor Médio por Garrafa subiu de De 9,83 (2010) a 12,99 (2013).
Enfim, números são sempre importantes para balizarem nosso mercado. E eles mostram que precisamos continuar firmes e fortes na construção deste mercado e que temos um longo caminho a percorrer!!

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com