Publicado em 09/10/2009 às 21h17

Qual é a Solução?

 Qual é a Solução?Tinha lido a Veja São Paulo desta semana no domingo quando chegou em casa, mas ontem, folheando novamente, percebi que havia passado batido por uma reportagem interessante sobre “A Dança dos Rótulos”. Esta matéria fala sobre uma realidade latente que as importadoras andam vivendo e costumam viver ao longo de suas existências. A troca de importadoras exclusivas por parte de alguns produtores.

A matéria cita o exemplo da Expand, que perdeu a exclusividade de um dos seus produtores principais, que era a Viña Concha y Toro. Este produtor resolveu criar uma subsidiária chamada VTC (Vinícola Concha y Toro Brasil) para distribuir o ícone Don Melchor, o bom Trio e os populares Reservado e Sunrise. Restou à importadora de Octavio Piva as marcas Cono Sur, Palo Alto e Winemaker´s Lot. Além deste gigante chileno, eles perderam também a Família Zuccardi para a importadora Ravin e o Prosecco Rústico Nino Franco. Mas a Expand não é a única. A Terroir por exemplo vem dando um show de perder exclusividades. Alguns exemplos são o famoso Château de Beaucastel, os vinhos da italiana Frescobaldi, os gigantes chilenos Errazuriz e o francês Domaine Perrin e La Vielle Ferme, que também pertencem à mesma família que faz o Château de Beaucastel. E há outros casos de dança de rótulos entre outras importadoras também!

Mas o intuito do post não é transcrever a matéria, mas dar a minha opinião e experiência neste assunto.

É claro que os produtores, ao serem procurados ou procurarem uma importadora, vão levar em consideração vários aspectos, como saúde financeira da importadora, idoneidade, conhecimento e participação no mercado, distribuição e preço. Só por aí já podemos ter uma idéia de que qualquer falha em um destes aspectos pode ser crucial para o negócio acontecer.

Acontece que quando os produtores fecham um negócio com as importadoras, eles esperam que seus representantes ofereçam a seus clientes vinhos a preços atrativos, para que estes possam comprar mais. E esperam também que eles façam ações de marketing para ajudar as vendas. Imaginem só um produtor de renome que vem ao Brasil ver seus como andam seus vinhos e vêem que não estão cuidando bem deles? Ou que um vinho custa ao consumidor, em seu país de origem US$ 10 e que aqui eles são revendidos a US$ 50... É um choque, concordam? Mesmo sabendo de todos os impostos, um vinho não pode chegar a valer 5 vezes mais! E aí ele vai conversar com um outro importador e este fala para ele que se ele der exclusividade, vai vender a R$ 30 e conseqüentemente vai vender muito mais! Claro que a tendência é ele migrar de importadora, né?!

Pois isto é um exemplo do que acontece e existem também outros fatores, mas não vou me alongar aqui. O fato é que eu puder presenciar isto e sentir como os produtores ficam abismados com os nossos preços. Quando estive na Itália visitando algumas vinícolas, levei comigo os catálogos de algumas importadoras, para que eu pudesse fazer consultas e comprar vinhos que valessem a pena. E em uma destas visitas, o cara que estava me acompanhando me pediu para ver o catálogo e ficou sem palavras ao ver os preços. Pegou e tirou uma cópia da página onde estavam seus vinhos e guardou com ele.

Estas coisas acontecem muito neste mercado e vão continuar acontecendo. Mas fica aqui o recado para as importadoras que se sentem agredidas ao perder uma exclusividade: coloquem preços justos, pois certamente as vendas vão aumentar e os produtores vão pensar 2 vezes antes de mudar de importadora. Pelo menos no quesito preço...

CHEERS!!

Publicado em 07/10/2009 às 13h05

Os Melhores Sul-Americanos. Mas sem os Uruguaios…

 Os Melhores Sul Americanos. Mas sem os Uruguaios... No jornal Valor Economico de ontem há uma interessante matéria sobre o fechamento do Guia Descorchados Amércia do Sul 2010. Vale aqui uma primeira explicação: Este guia é uma evolução do tradicional guia chileno que existe há 12 anos, e reúne os melhores vinhos chilenos, argentinos e brasileiros. E minha primeira crítica vem exatamente neste ponto: Onde estão os vinhos uruguaios, com Tannats excelentes? Eles citam na matéria que estão pensando em incluir nas próximas edições, mas já estão atrasados, não?

Mas vamos em frente. O guia é elaborado por Patrício Tapia e Héctor Riquelme, críticos chilenos reconhecidos em seus países, Fabrício Portelli, também crítico reconhecido no país hermano e Jorge Lucki, que ficou responsável pela triagem dos nossos vinhos nacionais que entraram nas fases finais de avaliação.

O destaque positivo vai para 4 vinhos nacionais que entraram na lista dos 50 melhores: O Sauvignon Blanc 2009 da Vila Francioni, que prova mais uma vez a vocação da região catarinense de São Joaquim para produzir bons vinhos brancos; o Storia Merlot 2005, da Casa Valduga, que mostra que esta uva é realmente a principal uva tinta do nosso país; o Salton Talento 2005, um Cabernet Sauvignon já conhecido do público e uma grande sucesso desta vinícola e por último o RAR 2005, também um ótimo Cabernet Sauvignon, só que feito pelo Miolo Wine Group em parceria com o empresário Raul Anselmo Random.

Mas o destaque negativo vai para a expectativa frustrada de emplacar nossos espumantes, premiados e reconhecidos internacionalmente e nosso principal produto hoje. Não foi selecionado nenhum espumante nosso, o que não quer dizer que são ruins ou que caíram de qualidade. Quer dizer que mesmo já tendo bons produtos, tendo um crescimento de vendas de 20% de janeiro a julho deste ano, os produtores precisam abrir os olhos para não deixarem a quantidade ganhar da qualidade. Isto é, procurando um aumento no volume de vendas, nossos produtores podem ter errado a mão e diminuído a qualidade dos nossos espumantes. Então, olhos abertos gente!

Por último, seguem os 5 primeiros colocados do Guia. Caso queiram ver a lista completa dos 50 melhores, a matéria está no Valor Econômico de hoje, na página D8.

1. DV Catena Vineyard Designated Nicasia Vineyard – Malbec - 2003 (Catena Zapata)
2. La Reserva de Caliboro - Cab. Sauv. / Cab. Fr. / Merlot - 2006 (Viña Erasmo)
3. Reserva Especial Maycas Del Limarí - Syrah 2007 (Maycas Del Limarí)
4. Ribera Del Lago - Cab. Sauv / Merlot - 2007 (Ribera Del Lago)Nicolas Catena Zapata - Malbec - 2006 (Catena Zapata)

5. Nicolas Catena Zapata - Malbec - 2006 (Catena Zapata)

CHEERS!!
Publicado em 06/10/2009 às 12h55

Miolo Confirma Compra da Almadén

 Miolo Confirma Compra da AlmadénConforme antecipamos ontem, abaixo, foi confirmada a compra da vinícola Almadén pelo Miolo Wine Group. Agora que é realidade, vamos torcer para que nós, consumidores, sejamos diretamente afetados, positivamente por este negócio! Se isto acontecer, os enófilos agradecerão!

Segue parte do release distribuído à imprensa hoje cedo. Na foto (crédito ao Fabiano Mazzotti) ao lado, da esquerda pra direita, os empresários João Benedetti, Darcy Miolo, Raul Anselmo Randon celebram contrato com Bryan Fry, presidente da Pernod Ricard Brasil.

" Sempre atenta a novas oportunidades que possam aumentar a sua performance no País e ao redor de todo o mundo, a Pernod Ricard – multinacional co-líder mundial em destilados e vinhos – anuncia, hoje (06.10), que acaba de assinar o contrato de venda da sua marca Almadén para as Vinícolas Miolo e Lovara e o empresário gaúcho Raul Anselmo Randon, que integram a Miolo Wine Group – uma das empresas mais importantes do segmento de vinhos no mercado nacional.

A negociação prevê, além da comercialização dos direitos da marca, o vinhedo e a unidade fabril, ambos localizados em Santana do Livramento (RS). O processo deverá ser totalmente concluído até o final de dezembro deste ano, quando oficialmente a Miolo Wine Group passa a ter o controle sobre os direitos da marca, produção, engarrafamento e distribuição dos produtos, incluindo ainda o gerenciamento da fábrica e vinhedo.

“Com essa transação, temos a certeza de que a Miolo Wine Group dará continuidade ao trabalho que vem sendo feito e incrementará os investimentos para elevar o patamar de excelência de Almadén no mercado brasileiro de uma forma estratégica. O fato de a Miolo ser uma empresa nacional focada e consolidada em vinhos finos nos assegura de que a marca se tornará ainda mais forte, crescendo em todo o País”, afirma Bryan Fry, Presidente da Pernod Ricard Brasil.

Com a aquisição, a Miolo Wine Group se torna líder no mercado nacional de vinhos finos entre as vinícolas brasileiras. A produção total será de 12 milhões de litros de vinhos, e o faturamento, de R$ 100 milhões. O grupo também passa a ser o maior proprietário nacional de vinhedos próprios, com 1.150 ha, todos de uvas viníferas conduzidas pelo sistema vertical (espaldeira).
“Com o negócio, a Miolo Wine Group passa a ser líder nacional na venda de vinhos finos entre as produtoras brasileiras, detentora de um portfólio com mais de 100 rótulos e 530 funcionários. Com a aquisição, vamos antecipar em seis anos nossa meta traçada no planejamento estratégico da empresa para 2018”, afirma Marcelo Toledo, CEO da Miolo Wine Group. A meta da Miolo Wine Group é duplicar a participação da Almadén no mercado brasileiro de vinhos nos próximos 10 anos. Para atingir o objetivo, os novos proprietários planejam investir R$ 12 milhões iniciais em marketing, vinhedos, mecanização, tecnologia e na modernização da estrutura de enoturismo semelhante a do Vale dos Vinhedos. A empresa irá manter os 106 postos de trabalho direto e, na medida em que for aumentando a operação, deverá gerar novos empregos. A Almadén será uma empresa independente, mas terá as mesmas orientações técnicas dos demais projetos do grupo.

A compra da Almadén integra a estratégia da Miolo Wine Group de avançar nos mercados nacional e internacional de vinhos finos na mesma velocidade da evolução da qualidade de seus produtos, resultado de investimentos de mais de R$ 120 milhões nos últimos dez anos já reconhecidos por uma série de importantes premiações, como a divulgada recentemente pela revista Decanter, que destacou quatro vinhos do grupo. “A Almadén é muito tradicional e respeitada pelos brasileiros. Nosso objetivo será agregar a esta marca nossa filosofia na elaboração de vinhos”, afirma Adriano Miolo, enólogo e diretor técnico da Miolo Wine Group.

Além da liderança no mercado nacional de vinhos finos conquistada com a compra da Almadén, a empresa é líder das Américas na produção de espumantes pelo método champenoise e a 3ª maior produtora de espumantes do Brasil. Três anos após ingressar no mercado de brandies no Brasil a partir da parceira com a espanhola Osborne, também já é líder neste segmento.Lançada em 1984, Almadén é a marca mais tradicional do mercado brasileiro e pioneira no conceito de vinho varietal. Líder no segmento de vinhos finos nacionais há mais de duas décadas, continua a mais lembrada pelos consumidores em diversas pesquisas. Mais informações nos sites http://www.pernod-ricard.com.br/ e http://www.miolo.com.br/.

CHEERS!!
Publicado em 05/10/2009 às 21h49

Extra!!! Extra!!!

 Extra!!! Extra!!!Parece que agora vai! Conforme antecipado aqui pelo blog (aqui), hoje saiu uma notícia do site Enoblog, da RBS lá do Sul, que diz que hoje a Miolo Wine Group deverá selar a compra da unidade da Pernod-Ricard em Santana do Livramento, na Fronteira Oeste. Na vinícola, são produzidos os vinhos da linha Almadén.

Os dados da negociação ainda não foram revelados. Dirigentes da Miolo são esperados pelos representantes da Pernod-Ricard na unidade santanense. São 1,2 mil hectares, com 575 deles plantados. A produção é de 6 milhões de quilos de uva por ano, com capacidade de armazenamento de 8,6 milhões de litros de vinho.

Se for concretizada a venda, será um grande marco para o mercado vinícola nacional!

Assim que saírem detalhes, vou postar aqui!

CHEERS!!
Publicado em 05/10/2009 às 20h36

Vinho contra Vírus!

 Vinho contra Vírus!Este é mais um post que fala sobre pesquisas feitas com o Resveratrol, o antioxidante encontrado nos vinhos tintos e componente utilizado em pesquisas medicinais. Como já vimos aqui no blog em outros posts sobre Vinho e Saúde, ele pode ser capaz de prevenir doenças cardíacas e até ser usado contra o cancer. Mas agora parece também ser capaz de combater viroses, segundo pesquisas realizadas na Itália.

O elemento mostrou ter propriedades antivirais em estudos passados, e a nova pesquisa apontou que ele pode inibir a multiplicação de vírus. Novas análises terão que ser feitas para se definir o quão eficiente o reservatrol pode ser. Vírus responsáveis tanto por um fraco resfriado até a gripe suína são agentes infecciosos que conseguem se reproduzir apenas dentro das células do nosso corpo, por serem organismos "acelulares".
O novo estudo, publicado em julho pelo "Journal of Experimental & Clinical Cancer Research", mostrou que com o reservatrol no organismo, o vírus fica incapaz de utilizar os mecanismos internos de nossas células para a reprodução. O co-autor do estudo e biólogo molecular e genético, Gianfranco Risuleo, comentou que o componente mostrou efeitos na síntese do DNA viral (que produz novos vírus). O reservatrol também pode retardar a reprodução de alguns tipos de células cancerígenas, que são aceleradas quando estão em contato com um tipo de vírus específico.

Então, vamos beber vinho!! Suco de uva também vale, mas o vinho é melhor, não?

CHEERS!!
Publicado em 03/10/2009 às 14h26

Vinho da Semana – Chianti Barone Ricasoli 2006

 Vinho da Semana   Chianti Barone Ricasoli 2006**Chianti Barone Ricasoli 2006**
Produtor: Barone Ricasoli
Origem: Toscana (Itália)

Uvas: Sangiovese
Safra: 2006
Importadora: World Wine
Preço Aproximado: R$ 72,00

Dizem que a origem do vinho Chianti é atribuída justamente ao Barão Bettino Ricasoli, que foi também o segundo Primeiro Ministro da Itália na era moderna. Logo, este vinho já merece ser bebido pela história que carrega, além de contar também com o título de melhor produtor italiano do ano em 2000 pelo renomado guia italiano Gambero Rosso. Este vinho não foge das características dos Chiantis. Um vinho de corpo médio, bem frutado, mas com aquele toque sutil de madeira que deixa os Chiantis especiais.Logicamente a acidez italiana se faz presente, mas não em excesso. um belo e agradável vinho.

CHEERS!!

Publicado em 02/10/2009 às 13h03

Vinho Outlet…Excelente oportunidade de compra!

 Vinho Outlet...Excelente oportunidade de compra!Mais uma ótima notícia para nós! Não sei qual será o nível dos vinhos e nem a quantidade de bons rótulos, mas é um evento para se conferir, com certeza!

Apreciadores do vinho poderão degustar e comprar produtos nacionais e importados com até 50% de desconto na Vinho Outlet, este ano no Shopping e Centro de Convenções Frei Caneca.

O evento foi criado para atender a demanda crescente e potencial que tem surgido com o crescimento do interesse pelo vinho. O conceito do evento é apresentar bons produtos com preços convidativos, sendo o primeiro evento de vinhos voltado para o consumidor final e oferecer a conveniência de degustar e comprar bons rótulos de vinhos e espumantes com descontos de até 50%.

Esta é a 2ª edição e acontece de 15 a 18 de outubro, no Centro de Convenções do Shopping Frei Caneca. No evento os visitantes poderão conhecer e explorar as diferentes vinícolas e conferir a grande variedade em vinhos nacionais e importados, reunidos num mesmo espaço, com vendas diretas ao consumidor final e pronta entrega, com preços altamente convidativos. A expectativa para este ano é mais de cinco mil visitantes nos quatro dias do evento.

A programação de quatro dias é voltada tanto para quem já é conhecedor como para aqueles que querem se iniciar na arte de beber vinho. Nesse espaço, todos terão chance de esclarecer as dúvidas. Além de poder degustar antes de comprar, os visitantes poderão também acompanhar a programação de palestras e aprender como comprar, servir, beber, além de combinar com pratos e agregar mais conhecimentos sobre a cultura e história do vinho. Já estão confirmadas para o evento a presença das principais vinícolas brasileiras, como também aproximadamente 1.000 rótulos das Importadoras Bruck, Interfood, Magna e Winery.

Informações:
2ª Vinho Outlet
Entrada: R$ 30,00 com direito a taça de degustação
Centro de Convenções Frei Caneca
Avenida Frei Caneca, 569 – 5º andar, São Paulo, SP.
De 15 a 18 de outubro de 2009, das 14h às 22h.

CHEERS!!
Publicado em 01/10/2009 às 15h01

Geografia do Vinho – Itália (Pimonte)

 Geografia do Vinho   Itália (Pimonte)O Piemonte, localizado no Noroeste da Itália, produz vinhos que podem ser considerados os melhores tintos do país. Lá, há 38 zonas DOCG e alguns dos mais conhecidos e famosos vinhos estão lá.

Um deles, o Barolo é um potente feito com a uva Nebbiolo. Os Barolos Riserva tem quatro anos de envelhecimento. Os Riserva Speciale, contam com cinco anos de envelhecimento. Ele é conhecido como o vinho dos reis e o rei dos vinhos.O Barbaresco também é feito de Nebbiolo, mas é um vinho mais fácil de se beber, mais leve e mais jovem, mas ainda com bom corpo. É outro tipo de vinho que tem muita fama pela sua qualidade. Ficam pelo menos 2 anos envelhecendo.

O Gattinara é menos conhecido que seus primos, mas também tem muita qualidade. Também feito com Nebbiolo e leva este nome pela região que é feito. Na escala de “força” dos vinhos piemonteses, fica em terceiro lugar, atrás dos outros acima.
Porém, não é a Nebbiolo a principal uva plantada na região. A Barbera é a maior plantação do Piemonte e os vinhos Barbera D´Alba e Barbera D´Asti são os principais vinhos feitos com esta uva. Estes vinhos tem como caracterísitca a leveza e a acidez. São vinhos extremamente agradáveis!

Ainda há outro vinho tinto importante e reconhecido da região, que é o Dolcetto D´Alba DOC, também bem leve e fresco.

A região é produtora de dois grandes sucessos: O Asti Spumante e o Moscato d'Asti. São vinhos frisantes e espumantes feitos, geralmente, com uvas Moscato. São equilibradamente doces e agradáveis.

Os brancos mais famosos são o Gavi e o Arneis. O Gavi pe feito da uva cortese, naiva do piemonte. São vinhos secos e minerais. O Arneis é feito com a uva de mesmo nome e já foi mais reconhecido e produzido. Hoje, sua produção é bem menor. O vinho é seco e mais encorpado que o Gavi. Para completar a lista, há de se lembrar também do Grignolino, um vinho rosé seco suave e saboroso.

O mais renomado produtor do Piemonte é o “monstro” Gaja. Ângelo Gaja é talvez o principal nome da vinicultura italiana.É o rei dos Barolos e Barbarescos e foi também o primeiro a fazer um vinho 100% Cabernet Sauvignon do Piemonte, em 1978. Seus vinhos é claro, são extremamente caros! Mas deliciosos!

CHEERS!!
Publicado em 30/09/2009 às 12h41

Começam a nascer os vinhos angolanos…

 Começam a nascer os vinhos angolanos...Li esta notícia na Academia do Vinho e me chamou a atenção por ser mais um país que pode nos oferecer mais opções de vinhos! Já pensaram servir um vinho angolano em um jantar? É no mínimo curioso e inusitado, não? Mas parece que o enólogo português Mário Louro disse recentemente que Angola pode sim começar a produzir vinhos (a partir de 2014), para abastecer o mercado interno com produto nacional, gerar mais empregos e concorrer com marcas internacionais.

Ele justificou a sua afirmação pelo fato de notar em Angola muitas iniciativas empresariais no desenvolvimento da cadeia do vinho e também o sempre forte interesse de Portugal em apoiar os investidores do vinho. Outro fator a ser considerado e um dos principais é a condição de climas e solos da região central e também do sul do país africano.

Pelas altas temperaturas médias do país, os vinhos a serem produzidos em Angola seriam provavelmente vinhos mais leves e frescos, dando destaque aos brancos e rosés.

Mário Louro é membro da Associação de Promoção de Vinhos Portugueses e é um dos principais cabeças nesta empreitada de ter vinhos angolando de qualidade. Ele já formou agentes hoteleiros angolanos na área vinícola e capacitou um grupo de jornalistas em iniciação à prova de vinhos por iniciativa da ViniPortugal. Ele também está fazendo um intercâmbio com alguns profissionais angolanos, os levando para Portugal para tomarem mais conhecimento sobre o setor.

Não sabemos se vai dar certo ou ou não, mas só a possibilidade de podermos beber mais vinhos diferentes já me deixa extremamente curioso. Vamos ver o que vai ser...

CHEERS!!
Publicado em 28/09/2009 às 21h00

Uma Noite na Santa Rita

 Uma Noite na Santa RitaTerça-Feira passada, 22.09, conforme adiantei a vocês no blog, fui convidado gentilmente pelo pessoal da Grand Cru para um Wine Dinner muito interessante com a enóloga-chefe da Vinícola Santa Rita, Cecília Torres. Um evento que prometia e cumpriu o seu papel!

O restaurante escolhido, o EAU contribui bem com seu ambiente agradável e uma comida deliciosa. Vamos começar:

A entrada servida, uma sopa de batata com caviar harmonizou muito bem com o Floresta Sauvgnon Blanc 2007. Um vinho que não passa por madeira, mas que tem uma personalidade forte e marcante. Um vinho bem mineral, como esta uva costuma ser no Chile, mas sem excessos. Um vinho que mereceu 90 pontos da WS.

Logo depois, o prato principal, um filé mignon maravilhoso que foi servido junto com um Medalla Real Carmenère 2007. Um vinho que com seus R$ 83,00 vale o que custa. Muita madeira, muito álcool (14,5o), com um bom corpo, mas surpreendeu para mim, pois esperava um vinho extremamente carregado nos aromas de ervas, como a carmenère costuma ser. E eles estava mais equilibrado do que eu imaginei, principalmente quando se consumido junto com o prato. Aí ele ganhou uma nova vida, tornando-o ainda mais agradável.

Para harmonizar com um belo prato de queijos, a grande estrela da noite, o Casa Real Cabernet Sauvignon 1998. Um vinho fantástico, encorpado, já com toques legais de envelhecimento e muita fruta, apesar da idade. É um vinho caro (R$ 440,00), mas extremamente bem feito e para ser degustado com calma e muita atenção!

Por fim, o Late Harvest Moscatel 2007, que foi servido com uma sobremesa à base de figos e caiu muito bem como o Gran Finalle deste maravilhoso jantar.

Isto sem falar na agradável companhia de Cecília Torres, que sentou à nossa mesa, junto com Carlos Hakim da Revista DiVino e da Camila Perossi, assessora de imprensa da importadora e quem me convidou para o evento.

Obrigado Cecília pelos deliciosos vinhos e obrigado à Camila e à Grand Cru pelo convite!

CHEERS!!

Perfil

André Rossi (Déco), 37 anos, é formado pelo instituto inglês Wine & Spirits Education Trust (WSet) nos níveis 1 - Foundation, 2 - Intermediate e 3 - Advanced, cursados em Nova York. Atualmente está cursando o quarto e último nível do WSET, o “Diploma”.

É também um dos únicos cinco Brasileiros residentes no país a ser credenciado como Professor deste mesmo WSet, tendo sido aprovado pelo WSet Educator Training Program 2011, em Nova York.

Editor e Idealizador do Blog EnoDeco, que é hoje o blog oficial de vinhos do portal R7, um dos blogs de vinho mais acessados do Brasil, e que já foi indicado pelo Guia 4 Rodas 2009 como um dos 10 melhores eno-blogs do Brasil.

Colunista da Revista Cool Magazine, da Revista Online Bloggers e também Editor de Vinhos da 4a. Edição do Flavour Guide , projeto anual do crítico gastronômico Josimar Melo. É jurado e avaliador de vinhos de vários eventos e revistas especializadas.

Há 2 anos é o Relações Públicas da Wines of Argentina (WofA), associação das melhores e principais vinícolas argentinas, sendo o responsável pela comunicação, eventos, degustações e todas as ações que a WofA faz em todo o Brasil, para divulgar e comunicar o vinho argentino por aqui.

Foi o ganhador do concurso “Meu Vinho com Susana Balbo” que foi disputado por 30 blogueiros e jornalistas de vinho, onde o principal objetivo era fazer o seu próprio vinho, usando 5 variedades disponibilizadas pela mais importante e premiada enóloga argentina, Susana Balbo. Seu vinho foi escolhido entre os 30 competidores, numa degustação às cegas pela enóloga e sua equipe, tendo um vinho assinado em conjunto com Susana, o Dominio del Plata Essential Limited Edition 2011.

É Publicitário de formação e foi Diretor de Atendimento de grandes agências como W/Brasil e Lew’Lara/TBWA, tendo passado também por Young & Rubicam, DPZ, Leo Burnett e Publicis. Antes disto, trabalhou na área de marketing da importadora Expand.

Publicidade

Arquivo

maio 2016
S T Q Q S S D
« abr    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Home de Blogs +