Publicado em 25/11/2014 às 12h46

3 Boas Novidades da Luigi Bosca na Decanter!

Evernote Camera Roll 20141030 151956 225x300 3 Boas Novidades da Luigi Bosca na Decanter!

 

Aproveitando a presença de Alberto Arizu no Brasil, pude provar com ele alguns vinhos que são novidades no mercado e que vou comentar abaixo:

Luigi Bosca Riesling 2014: um vinho que foge um pouco do que conhecemos de Riesling. Fugindo daquele tradicional e reconhecido mineral que remete a petróleo, este que é um dos únicos Rieslings comerciais argentinos (já bebi tbm o Doña Paula e o Humberto Canale Single Vineyard), tem muito floral, um mineral menos intenso e um cítrico. Muito fresco e agradável, um vinho que foge do padrão. Custa 86,00 na Decanter.
Luigi Bosca Gran Pinot Noir 2012 - Quando a elegância grita, todos respeitam. Afinal, ela é a grande responsável por alguém se impressionar  por um vinho. É o que se sente neste vinho. Madeira e equilibrada, sem excessos, acidez bacana e corpo médio e intenso. Foge dos Pinots de muita extração que são comuns na Argentina e também daqueles que é tentam imitar os estilos borgonhas. Um vinho com personalidade! Custa 120,00 Reais.
Malbec Terroir Los Miradores 2012 - Os Malbecs do Valle de Uco tem se mostrado cada vez mais diferentes e com personalidad única, em relação aos tradicionais Malbecs de Lujan e Maipu, regiões mais tradicionais do conhecidas de Mendoza. E este vinho mostra bem isto, com um estilo mais floral e menos aquela extração de geléia de frutas que conhecemos dos Malbecs argentinos. Belo vinho! Custa 114,00 Reais.
Todos eles, como já comentei, na Importadora Decanter!

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Siga o EnoDeco no Twitter!

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Posts Relacionados

Publicado em 12/12/2013 às 13h44

Fechando o ano com chave de ouro e com algumas Ferraris.

foto 4 300x225 Fechando o ano com chave de ouro e com algumas Ferraris.

 

A Decanter sempre se destacou pela excelencia de seus vinhos em seu portfolio, por eventos bem organizados e de alto nível de detalhes que poucos neste mercado tem. Mas agora acho que eles se superaram. Comandado pelo competente, estudioso e amigo Guilherme Correa, tivemos um jantar diferente e de alto nível, que colocou frente a frente os maravilhosos, premiados e deliciosos espumantes italianos FERRARI, feitos na região de Trentino (Norte do país) e que colecionam fãs ao redor do mundo e a culinária japonesa do Restaurante Huto. E é claro que sempre que se fala em Ferrari, vem a pergunta inevitável à cabeça: O que eles tem a ver com a escuderia de fórmula 1? Na verdade eles tem apenas um acordo para que possam usar o nome. E uma curiosidade: A equipe de Fórmula 1 foi fundada em 1947 e a vinícola em 1902, por Giulio Ferrari.

Falando do jantar e dos Ferraris, harmonizar espumante com comida japonesa é algo que eu sempre falo que vale a pena testar. Sei que o sakê é a bebida preferida para acompanhar sushis, sahimis e afins, mas fica aqui o desafio lançado para que façam este teste! Não vão se arrepender. Foram 6 espumantes, harmonizando perfeitamente com pratos exclusivos, de qualidade impressionante e feitos um a um com um cuidado sem igual. Um restaurante digno de figurar entre os melhores japas da cidade, sem a menor sombra de dúvidas.
foto 2 300x300 Fechando o ano com chave de ouro e com algumas Ferraris.
A Ferrari Brut por exemplo, espumante de entrada (todos os espumantes são feitos pelo método clássico), fica nada menos que 36 meses sobre as leveduras, no mínimo. Depois vieram os outros, um melhor que o outro, com estilos diferentes e ao mesmo tempo mantendo uma consistencia de qualidade impressionante.
E para não cansar e falar de todos eles, um a um, vou me render e ajoelhar para falar do Giulio Ferrari Riserva del Fondatore 2001. Um espumante safrado que dá pau em espumantes e champanhes safrados conhecidos, a um preço bem mais em conta. Além disto, enquanto uma Dom Perrignon por exemplo tem 6 anos sobre as leveduras e parece muito, a Giuilio tem nada menos que o dobro do tempo: 12 anos. Pra mim, seguramente um espumante que entra nos meus TOP 3 de espumantes e champanhes que já bebi em toda a minha vida!
foto 3 203x300 Fechando o ano com chave de ouro e com algumas Ferraris.
Sem dúvida, o ano agora pode acabar que eu já tô mais do que feliz!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Posts Relacionados

Publicado em 24/08/2012 às 21h13

VERTICAL DE LUIGI BOSCA ÍCONO. MAS TEVE MUITO MAIS…

foto 1 300x300 VERTICAL DE LUIGI BOSCA ÍCONO. MAS TEVE MUITO MAIS...

 

 

Tive o prazer de participar recentemente de um almoço que foi muito mais que um almoço. Organizado pela importadora Decanter, o dono da importadora, Adolar Hermann, o sommelier Guilherme Correa e Cezar França, Gerente Comercial, apresentaram uma degustação vertical do vinho ícone da importante e conhecida vinícola Luigi Bosca, o ÍCONO. E ninguém melhor para apresentar a degustação que o "pai"das crianças, o atual presidente da vinícola, Alberto Arizu. Arizu é hoje quem toca a operação da Luigi Bosca, vinícola de sua família. Além de tocar o negócio, Alberto é Presidente da Wines of Argentina.

 

 

O vinho, que atualmente está à venda na safra 2007 e custa por volta de R$ 430,00 é realmente um vinho exemplar. As safras degustadas foram 2005, 2006, 2007 e 2008 e começamos por um caminho não muito comum, que é o do mais novo para o mais velho. E foi essencial neste caso a inversão da ordem e nos permitiu ver melhor as diferenças. Começamos com o 2008, mais alcoólico, mais fechado e mais potente em frutas e fomos caminhando ao longo dos anos, até chegarmos ao 2005, que incrivelmente ainda apresentava muita fruta. Um vinho argentino de 7 anos que parecia fácil, um bebê de 2, 3 anos. Pouquíssima evolução na cor, mas no nariz haviam já alguns indícios de idade e de um vinho um pouco diferente, mas que para 3 anos, era muito pouco. Para mim, o melhor vinho foi o 2006, com um equilíbrio fantástico de acidez, taninos e corpo. Pra mim, o mais elegante e diferente de todos, com um toque de ervas que não tinha nos outros. Mas o que mais me chamou a atenção foi a consistencia entre uma safra e outra. E mesmo o 2008, apesar de novo para um vinho deste porte, já estava ótimo para beber, sem excessos de álcool, nem acidez. Mas é recomendável abri-lo uns 40 minutos antes!

 


 

O almoço seguiu em frente e vieram outros "monstros" da vinícola de Alberto. Começando com um maravilhoso e fresco Chardonnay Finca Los Nobles Chardonnay 2010 (Harmonização com uma Polenta com Taleggio), seguindo para um Gala 4 Cabernet Franc/Malbec que arrebentou harmonizando com uma massa maravilhosa e encerrou os pratos quentes com um cordeiro acompanhado por um vinho diferente e sensacional: Finca Los Nobles Cabernet Bouchet 2007. Depois vale um post para explicar esta uva, pouquíssimo conhecida! E a sobremesa que fechou com chave mais do que de ouro foi acompanhada por um Gewuztraminner Granos Nobles 2008 de sobremesa. Um vinhaço! Alías, 8 vinhos maravilhosos e um almoço como poucos que participei, seja pelo nível da comida do Tre Bicchieri, seja pelos vinhos estupendos da Luigi Bosca ou pelas companhias que lá estavam para presenciar esta verdadeira orgia eno-gastronomica! E sobre as harmonizações, um capítulo a parte para o show e as explicações do competente amigo Guilherme Correa, sem dúvida um dos grandes sommeliers que temos por aqui e por que não, um dos grandes que temos no mundo dos vinhos. Sempre carregando muita simplicidade e competencia, fatores que poucos que atuam no mercado hoje conseguem juntar tão bem!

 

 

CHEERS!!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

EnoDeco no Instagram: @enodeco

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

 

Posts Relacionados

Publicado em 13/06/2012 às 11h17

HESS FAMILY WINES: EXCELENTES VINHOS NOS QUATRO CONTINENTES.

the hess collection winery 300x199 HESS FAMILY WINES: EXCELENTES VINHOS NOS QUATRO CONTINENTES.

 

Recentemente estive num almoço especial, organizado pela Decanter, através da querida e competente Fernanda Fonseca, em que foram apresentados alguns vinhos do Grupo Hess. O Hess Family é um grupo grande que é dono de algumas vinícolas espalhadas pelo mundo, entre elas a Glen Carlou (Africa do Sul), Peter Lehmann (Australia) e Amalaya (Argentina), entre outras. E foram os melhores vinhos destas vinícolas que degustamos neste almoço. Abaixo um pouco, bem resumido sobre cada vinho e minhas impressões:

 

 

Hess Sauvignon Blanc Allomi 2009 - Hess Collection (Napa - EUA) - R$ 129,40

SB diferente dos demais. Coloração típca. Nariz intenso, com vegetais, citricos, álcool bem presente. Menos frescor na boca, mais corpo. Um SB diferente em que a madeira faz diferença.

 

. Pinot Noir Sarmento Vineyard Santa Lucia Highlands 2008 - Sequana (Santa Lucia - EUA) - R$ 241, 50

Rubi um pouco mais atijolado. Nariz de madeira, cereja, um pouco herbaceo. Apesar dos 15% de alcool, não aparece. Acidez media-alta, boca equilibrada, taninos sutis, final longo.

 

. Colomé Lote Especial Bonarda 2010 - Colomé (Salta - Argentina) - R$ 105,80

Cor rubi-púrpura intensa. Nariz de ameixas, pimenta, ervas, madeira média, sem excessos. Corpo médio, acidez equilibrada, taninos medios, macios. Final medio-longo.

 

. Gravel Quarry Cabernet Sauvignon 2007 - Glen Carlou (Paarl - África do Sul) - R$ 189,75

Cor Rubi intensa, reflexos atijolados. Nariz intenso, complexo. No nariz lembra um xarope medicinal, de ervas. Boca intensa, taninos intensos, macios mas ainda podem amaciar mais. Parece algo passificado. Acidez marcante. Um vinho diferente e polêmico pelo que conversei com os outros presentes.

 

. Hess Collection Cabernet Sauvignon Mount Veeder 2006 - Hess Collection (Napa - EUA) - R$ 224, 25

Cor Rubi, levemente atijolado. Nariz de frutas pretas, tabaco, madeira. Boca cheia, acidez media, correta, encorpado. Taninos redondos e final longo.

 

. Colomé 180 Años Malbec 2010 - Colomé (Salta - Argentina) - R$ 262,80

Cor púrpura. Nariz de frutas pretas - ameixa- e madeira. Novo, álcool equilibrado, encorpado e acidez correta. Fruta em compota. Madeira sem excessos.

 

. Stonewell Shiraz 2006 - Peter Lehmann (Barossa - Austrália) - R$ 448,50

Cor rubi levemente atijolado. No nariz, Fruta vermelha, cereja, madeira, pimenta, chocolate. Boca cheia, intensa, tipico shiraz. Encorpado, taninos intensos, mas macios. Acidez equilibrada e final longo. O melhor vinho do dia, sem sombra de dúvidas!

 

 

Foi uma bela degustação, com belíssimos vinhos. Estilos diferentes, regiões diferentes, mas todos com algo em comum: Complexidade e nitidamente vinhos bem feitos, com seriedade e competência.

 

 

CHEERS!!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Siga o EnoDeco no Twitter!
Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

 

Posts Relacionados

Publicado em 22/09/2011 às 11h36

VINHOS DIFERENTES E ESPECIAIS. QUE DEGUSTAÇÃO!

LOIRE 300x225 VINHOS DIFERENTES E ESPECIAIS. QUE DEGUSTAÇÃO!


Semana passada fui um dos poucos privilegiados a participar de uma degustação de vinhos mais do que especiais e diferentes, promovida pela Decanter, em sua bela enoteca, que fica no Itaim. Nesta degustação, comandada pelo amigo e competente Guilherme Correa, tivemos a honra de beber vinhos  diferentes, que são novidades no portfolio da importadora. Foram 10 vinhos ao todo e vou comentar os que mais me chamaram a atenção.



E o primeiro deles é o Espumante Vouvray Méthode Traditionelle Brut Resérve 2002. Um espumante feito na região do Vale do Loire (Noroeste da França), feito 100% com a uva Cheinin Blanc, de videiras com uma média de 38 anos de idade!! Um espumante feito pelo método tradicional (clássico), seguramente melhor que muitos champanhes que tem por aí, com uma cor dourada linda, perlage (bolhas) finas e constantes, aromas bem intensos de pão (aromas muitas vezes encontrados em espumantes feitos por este método), além de aromas cítricos e de flores brancas. Na boca uma persistência incrível, cremoso, acidez latente e final longuíssimo. Um espumante espetacular.



O segundo vinho que mais me impressionou foi um vinho branco da região de Jura, coladinho com a Borgonha. Feito com 100% com a uva Savagnin (Traminner), que é a ancestral da Gewurztraminner, o Cotes du Jura Savagnon 2004 (Domaine Rolet) é um vinho absolutamente diferente. Com 14% de álcool, relativamente alto para um vinho branco, no nariz ele mais parece um Jerez Fino, com aromas incríveis de nozes, amêndoas e especiarias. Numa degustação às cegas, pelo olfato pode facilmente ser confundido com um Jerez. Na boca, porém percebe-se que não é um Jerez. Um vinho intenso, untuoso, acidez maravilhosa e um final longo. Realmente um vinho diferente!



Depois, um maravilhoso Pinot Noir (lá esta uva chama-se Spätburgunder) alemão chamado  Spätburgunder Grosses Gewächs 2007, do tradicional produtor Meyer-Näkel. Um Pinot completamente diferente do que estamos acostumados, a começar pelos seus 14% de álcool. Um vinho de cor rubi intensa, com aromas que lembram cerejas, framboesas e um caráter mais herbáceo, com uma elegância impressionante. A madeira (envelheceu 16 meses em barricas) é na medida certa. Na boca tem uma persistência impressionante, taninos macios e ótima acidez. Um Pinot diferente para quem quer sair dos Pinots do novo mundo.



E por último, um vinho tinto que vem de uma região que estamos ainda muito acostumados aos brancos, que é o Vale do Loire. Feito 100% com Cabernt Franc, a melhor tinta desta região, o Chinon Clos de L’Echo 2008 é elegante até o último gole. Um vinho denso, extremamente gastronômico, para “beber de garfo e faca”. Feito com uvas provenientes de vinhas de 57 anos, é um vinho que passou 18 meses em barricas de carvalho e grandes cubas de madeira. Só este fato já lhe dá uma complexidade especial e uma persistência maravilhosa. Certamente um vinho que se bem acompanhado por uma carne como uma vitela ou uma carne de porco, vai crescer ainda mais.



Tiveram outros vinhos, todos extremamente especiais, mas para não ficar um texto muito grande e cansativo, optei por falar dos que mais me chamaram a atenção! Parabéns Decanter pelo altíssimo nível destes novos vinhos...



CHEERS!!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Siga o EnoDeco no Twitter!
Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Posts Relacionados

Publicado em 01/09/2011 às 14h45

#CBE: CAVA L’HEREU DE RAVENTÓS I BLANC BRUT 2007

cava lhereu de raventos 108x300 #CBE: CAVA LHEREU DE RAVENTÓS I BLANC BRUT 2007

 

Produtor: Raventós i Blanc
Origem: Penedés (Espanha)
Uvas: Viura, Xarel.lo e Parellada
Safra: 2007

Importadora no Brasil: Decanter
Preço Aproximado: R$ 82,60



O tema deste mês para a Confraria Brasileira de Enoblogs (#CBE) foi escolhido pelo amigo, blogueiro, são-paulino, publicitário, produtor de eventos e personagem de desenhos e filmes, Daniel Perches, do Blog Vinhos de Corte. E o tema é interessante, pois acho que este tipo de espumante que ele escolheu deveria ser mais valorizado e difundido no Brasil, principalmente por causa do custo-benefício. As CAVAS são espumantes espanhóis feitos de acordo com o rigoroso  método clássico, usado na região de champanhe. E as uvas são em sua maioria estas 3 que compõe a Cava que eu escolhi: Viura (Ou Macabeo), Xarel.lo e Parellada. E na maioria das vezes são espumantes de alta qualidade e em aguns casos, a preços bem abaixo dos tradicionais e famosos champanhes.


Esta Cava, a L'Hereu de Raventós i Blanc Brut 2007 doi uma paixão ao primeiro gole, quando tomei pela primeira vez experimentando vinhos que serviria em alguns cursos que dou. E desde que ela entrou nos cursos, nunca mais saiu e todo mundo adora. Sua perlage (bolhinhas) é fina e constante, linda! Cor amarelo pálido, meio esverdeado. No nariz o aroma típico de levedura é bem presente, assim como algo de mineral e cítrico. Na boca uma cremosidade impressionante, acidez perfeita, dando muita refrescância e um final extremamente longo! Uma "Senhora"Cava. Não por acaso tem 90 pontos do Parker e 92 da Wine & Spirits. Vale a pena...



CHEERS!!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Siga o EnoDeco no Twitter!
Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Posts Relacionados

Publicado em 21/07/2011 às 10h43

VINHO DA SEMANA: ESTIRPE SUPER PREMIUM 2005

Estirpe VINHO DA SEMANA: ESTIRPE SUPER PREMIUM 2005

 

Produtor: Filguera
Origem: Canelones (Uruguai)
Uvas: Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc e Syrah
Safra: 2005

Importadora no Brasil: Decanter
Preço Aproximado: R$ 85,00



Olhando o portfolio desta vinícola, importada pela Decanter aqui no Brasil, resolvi investir R$ 85,00 neste vinho uruguaio. Mas por que resolvi investir este valor neste vinho, se haviam outros a 20.00, 29.00, 39.00, 65.00 entre outros? Pelo simples motivo de ser um vinho diferente. Afinal, é um uruguaio, mas não é um Tannat! Aliás, de Tannat ele não tem absolutamente nada. Então, por que conhecer apenas os Tanntas do Uruguai, se há outros bons vinhos a serem descobertos? Aliás, voltando ao assunto dos preços, este vinho de R$ 85.00 é o mais caro da vinícola. Boa escolha da importadora, pois dá opções acessíveis ao consumidor.



Falando deste vinho, ele bem interessante. Até por ser de uma safra um pouco mais antiga que a maioria dos vinhos do novo mundo que vemos por aí, o vinho ganha complexidade e fica ainda melhor. Sua cor rubi já indo para o cobre por conta da idade é intensa. No nariz, frutas vermelhas e pretas, mas o predomínio é de algo que lembra couro e alguns traços mais herbáceos. Na boca, é um vinho de bom corpo, acidez moderada, taninos macios e um final médio-longo, agradável. Um uruguaio que poderia lembrar alguns vinhos do novo mundo... Um bom vinho que combina perfeitamente com uma carne assada ou um rosbife.



CHEERS!!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Siga o EnoDeco no Twitter!
Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Posts Relacionados

Publicado em 01/07/2011 às 13h45

#CBE: I PINI COLLI DELLA TOSCANA CENTRALE IGT 2008

I Pini #CBE: I PINI COLLI DELLA TOSCANA CENTRALE IGT 2008

 

Produtor: Renzo Mais – Fattoria di Basciano
Origem: Toscana (Italia)
Uvas: Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah
Safra: 2008

Importadora no Brasil: Decanter
Preço Aproximado: R$ 113,50


O tema da CBE (Confraria Brasileira de Enoblogs) deste mês foi sugerido pelo confrade e “Presidente” Alexandre Frias, do Diario de Baco. O tema é interessante: Supertoscanos de até R$ 200,00. Um desfaio legal que certamente vai nos trazer muitos vinhos bons.



Mas, “começando do começo”, o que é um Supertoscano? Poderia gastar muitas linhas aqui para explicar, mas serei objetivo e sucinto. Supertoscano é o todo vinho italiano que vem da região da Toscana, mas não se enquadra nas legislações de DOC e DOCG. Se quiserem um pouco mais de detalhes, já fiz um post falando sobre eles aqui



Falando sobre o I Pini. Bebi este vinho recentemente e ele me surpreendeu. Feito com um corte de Cabernet Sauvignon, Melot e Syrah, ele tem cor púrpura profunda e no nariz uma mistura deliciosa de diferentes aromas fazem o vinho crescer. Madeira sem excessos, lembrando baunilha se juntam às frutas vermelhas e pretas maduras e um toque de pimenta. Na boca, um veio “cheio” encorpado, intenso e com ótima acidez, seguindo a linha dos bons italianos. Persistente e final de boca maravilhoso. Um vinho que vale cada centavo!



CHEERS!!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Siga o EnoDeco no Twitter!
Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Posts Relacionados

Publicado em 24/06/2011 às 20h46

VINHO DA SEMANA: BOUZA TANNAT 2008

Bouza Tannat VINHO DA SEMANA: BOUZA TANNAT 2008

 

Vinho: Bouza Tannat 2008

Produtor:  Bodega Bouza

Origem: Montevideo (Uruguai)

Uvas: Tannat

Safra: 2008

Importadora no Brasil: Decanter

Preço Aproximado: R$ 59,00

 

Esta é uma das mais conhecidas vinícolas do uruguai e não é por acaso.  Desde 1952, Bouza vem fazendo vinhos premiados e de altíssima qualidade, seguindo sua filosofia de " El trabajo a pequeña escala ofrece siempre mejores resultados". Impressionante como este conceito é levado à risca desde seus vinhos mais básicos. Este Tannat 2008 por exemplo é um dos vinhos de entrada da vinícola e já mostra uma grande tipicidade, uma excelente estrutura, raramente vista em vinhos de entrada. 


Sobre o vinho: Aquela estória de que os Tannatas uruguaios são difíceis de beber por serem muito agressivos e duros é coisa do passado. Este vinho é agradável e fácil de beber. De intensa cor púrpura, ele traz no nariz alguns toques de madeira (passou 14 meses em barricas e acho que não devem ser de primeiro uso, pois certamente a madeira seria muito mais presente), ameixa e café. Na boca tem bom corpo, com taninos redondos e boa persistência. Um vinho que vale seus R$ 59,00 e excelente para quem quer começar a se aventurar no universo dos vinhos uruguaios! 



CHEERS!!
Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!

Siga o EnoDeco no Twitter!
Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Posts Relacionados

Publicado em 10/04/2011 às 11h14

A GARRAFA PERTO DA PERFEIÇÃO.

Bottle Decanter 300x180 A GARRAFA PERTO DA PERFEIÇÃO.


Vcs já viarm aqui a diferença entre arejar e decantar um vinho e que isto é frequentemente confundido por muita gente, inclusive sommeliers formados de grandes restaurantes. Mas este post não é "mais do mesmo". Este post é para exaltar uma "obra" de um premiado chef espanhol, que diz que inventou uma "GARRAFA-DECANTER, segundo o jornal inglês "The Guardian".


Martin Berasategui, chef que já tem 3 estrelas do renomado Guia Michelin criou esta garrafa, que conforme vcs podem ver acima, tem um fundo que retém os sedimentos e nos dá a possibilidade de tomar uma taça a mais daquele vinho especial que normalmente não tomaríamo pois é a parte do vinho que está com a borra.


Na Espanha, terra natal do chef e inventor, algumas vinícolas já estudam colocar a garrafa em sua linha de produção para os melhores vinhos como teste. Elas seriam destinadas aos vinhos que não sofrem filtração (processo que alguns vinhos passam para a retirada de sedimentos e que alguns produtores não fazem pois dizem que afeta a qualidade do vinho) e se aprovadas, certamente seriam uma grande revolução na indústria.


Agora só falta uma coisa para ela ficar completa: uma boca maior para cumprir também a estapa da aeração, onde o vinho, em contato com o oxigenio, ganha mais complexidade, aromas e sabores.


Ainda não é a garrafa dos nossos sonhos, perfeita. Mas já está bem próximo disso...



CHEERS!!


Posts Relacionados

Perfil

André Rossi (Déco), 37 anos, é formado pelo instituto inglês Wine & Spirits Education Trust (WSet) nos níveis 1 - Foundation, 2 - Intermediate e 3 - Advanced, cursados em Nova York. Atualmente está cursando o quarto e último nível do WSET, o “Diploma”.

É também um dos únicos cinco Brasileiros residentes no país a ser credenciado como Professor deste mesmo WSet, tendo sido aprovado pelo WSet Educator Training Program 2011, em Nova York.

Editor e Idealizador do Blog EnoDeco, que é hoje o blog oficial de vinhos do portal R7, um dos blogs de vinho mais acessados do Brasil, e que já foi indicado pelo Guia 4 Rodas 2009 como um dos 10 melhores eno-blogs do Brasil.

Colunista da Revista Cool Magazine, da Revista Online Bloggers e também Editor de Vinhos da 4a. Edição do Flavour Guide , projeto anual do crítico gastronômico Josimar Melo. É jurado e avaliador de vinhos de vários eventos e revistas especializadas.

Há 2 anos é o Relações Públicas da Wines of Argentina (WofA), associação das melhores e principais vinícolas argentinas, sendo o responsável pela comunicação, eventos, degustações e todas as ações que a WofA faz em todo o Brasil, para divulgar e comunicar o vinho argentino por aqui.

Foi o ganhador do concurso “Meu Vinho com Susana Balbo” que foi disputado por 30 blogueiros e jornalistas de vinho, onde o principal objetivo era fazer o seu próprio vinho, usando 5 variedades disponibilizadas pela mais importante e premiada enóloga argentina, Susana Balbo. Seu vinho foi escolhido entre os 30 competidores, numa degustação às cegas pela enóloga e sua equipe, tendo um vinho assinado em conjunto com Susana, o Dominio del Plata Essential Limited Edition 2011.

É Publicitário de formação e foi Diretor de Atendimento de grandes agências como W/Brasil e Lew’Lara/TBWA, tendo passado também por Young & Rubicam, DPZ, Leo Burnett e Publicis. Antes disto, trabalhou na área de marketing da importadora Expand.

Publicidade

Arquivo

dezembro 2014
S T Q Q S S D
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
Home de Blogs +
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com