Ao contrário de Sabrina Sato, que tem sido paparicada pelos políticos, Monica Iozzi, a nova repórter do CQC, virou motivo de piadinhas maldosas nos corredores do Congresso.

A moça acompanhou uma reunião parlamentar, no começo desta tarde. Bastante perdida, ela só conseguia fazer perguntas com um produtor soprando em seu ouvido.

O apelido dela em Brasília, bem machista por sinal, virou "CQC fêmea".

(Colaborou Miguel Arcanjo Prado)

http://r7.com/u7YP