Muitas vezes um simples gesto, uma palavra, uma coisinha qualquer pode transformar a vida de uma pessoa.

Eu tenho um irmão, mais velho do que eu 5 anos. E em nossa casa, todos começamos muito cedo a trabalhar. No dia do meu aniversário de 12 anos - (faz tanto tempo e mesmo assim me lembro como se fosse agora mesmo) - meu irmão chegou da escola bem de noite e eu já dormia. Ele me acordou, me deu um beijo e um pacote pesado, bem fechado. Era meu presente que ele, aos 17 anos, comprara com seu próprio dinheiro - com o dinheiro do seu trabalho. Meio sonolento, agradeci e abri o pacote.


COISAS GIU 065 300x225 A Chave da Imaginação

Esses são os 5 clássicos do Julio Verne, que vão comigo pra onde eu for, desde os 12 anos


Aos 12, eu já era um carinha que gostava de ler. Já tinha lido muito do Monteiro Lobato, mas ainda não era viciado em leitura.

Só no dia seguinte, quando peguei os livros, é que vi a dedicatória, que por causa do meu sono da noite anterior, meu irmão tinha me poupado de me dizer que havia escrito. Então, li:


COISAS GIU 063 300x225 A Chave da Imaginação

" Diz-se que livro é presente de amigo, mas posso lhe garantir que o amigo que te faz de presente um livro é um irmão. Para sua sabedoria, cultura e formação de um verdadeiro homem. Teu irmão, Nóbile"


Comecei a folhear as histórias do Julio Verne e aconteceu um encantamento imediato. Me apaixonei. Eu lia sem conseguir parar. Os cinco clássicos já estavam acabando - e eu já começava a sofrer - quando descobri na biblioteca do colégio - (no meu tempo um Colégio Estadual tinha biblioteca e laboratório) -  descobri a enorme coleção completa do Julio Verne. Todos, todos os livros estavam lá, enfileirados e vermelhos, como eram os meus. Foram meses insanos de leitura e encantamento. Minha cabeça voava...

Esse é um post meio piegas, meio boiola - mas dane-se.

Julio Verne despertou em mim a imaginação e o amor pelas palavras. Depois de ler seus livros passei a achar tudo possível e imaginável... E isso faz bem à minha vida porque mantém viva em mim a capacidade de sonhar.

E eu resolvi contar isso para homenagear meu irmão que, por essa e muitas e muitas outras, é meu herói.

E para homenagear Julio Verne, que morreu no dia 24 de março de 1905.