Publicado em 11/09/2017 às 00h10

De Mariah Carey a Strokes: músicos foram afetados pelo 11 de setembro

Há 16 anos, acontecia um dos ataques terroristas mais emblemáticos e mortais da história. O atentado às Torres Gêmeas, em Nova York, até hoje persiste como um dos assuntos mais marcantes deste século. Apesar do distanciamento histórico, ainda não foi superado e esquecido.

Além do impacto geopolítico e de gerar uma guerra sangrenta no Afeganistão, o episódio teve influência em diversas áreas da sociedade, inclusive na cultura pop.

Por conta dos atentados, bandas e cantores precisaram mudar estratégia de divulgação de discos, alterar capas e excluir músicas que, de alguma forma, estavam relacionadas com o assunto.

Mariah Carey

Mariah Carey lançou o filme Glitter e sua trilha sonora exatamente na data em que aconteceu o ataque terrorista. Originalmente, o longa deveria estrear em julho, mas um problema de saúde da cantora afetou esse plano inicial e um adiamento precisou ser considerado. Não é possível dizer de forma acertada que o fraco desempenho do projeto está relacionado com o o incidente, mas uma estreia no cinema não comoveu o País naquele momento.

Mariah Carey   Glitter De Mariah Carey a Strokes: músicos foram afetados pelo 11 de setembro

Strokes

O clássico álbum de estreia da banda nova iorquina, Is This It, continha uma música chamada New York Cops, que ironizava o desempenho desses profissionais. Como ainda não havia sido lançado nos Estados Unidos, o CD teve essa faixa excluída. When It Started substituiu a canção original no álbum.

41C7YZXE2TL De Mariah Carey a Strokes: músicos foram afetados pelo 11 de setembro

Blink 182

No mesmo período, o trio de pop punk planejava lançar o clipe para o single Stay Together For The Kids. Originalmente, o vídeo mostraria cenários destruídos, mas a banda e o diretor acharam melhor amenizar as imagens e excluir uma parte das cenas com escombros.

701471476440 blink 182 stay together for the kids music video ov De Mariah Carey a Strokes: músicos foram afetados pelo 11 de setembro

30 Seconds to Mars

A banda de Jared Leto precisou alterar a imagem da capa do primeiro disco da banda, que mostrava um avião em chamas com um piloto sendo ejetado. A imagem foi substituída por uma foto de um jovem piloto.

 De Mariah Carey a Strokes: músicos foram afetados pelo 11 de setembro

Dream Theater

No dia 11 de setembro, o grupo de heavy metal lançou o CD Live Scenes From New York, cuja capa mostrava o skyline da cidade e as torres gêmeas em chamas, ao fundo. Imediatamente, a capa foi trocada por uma versão sem relação com os atentados.

Live scenes from a memory De Mariah Carey a Strokes: músicos foram afetados pelo 11 de setembro

Bush

A banda de Gavin Rossdale precisou trocar a capa de Golden State, que teria a foto de um avião. Para não atrasar o lançamento, o CD trouxe apenas o nome do grupo na arte.

416liaA3RtL De Mariah Carey a Strokes: músicos foram afetados pelo 11 de setembro

Rammstein

A banda de heavy metal alemã lançou um dia antes dos atentados o clipe de Ich Will, que mostra cenas de um ladrão com bombas amarradas no corpo. O vídeo teria estreia em 11 de setembro nos Estados Unidos, mas foi cancelado.

maxresdefault De Mariah Carey a Strokes: músicos foram afetados pelo 11 de setembro

Jimmy Eat World

Também em 2001 o Jimmy Eat World lançou um dos discos mais bem sucedidos do ano: Bleed American. O nome não foi bem aceito após o incidente e o disco foi disponibilizado novamente como Jimmy Eat World e a faixa título, rebatizada como Salt Sweat Sugar.

51dLHtqGq9L De Mariah Carey a Strokes: músicos foram afetados pelo 11 de setembro

 

Publicado em 09/09/2017 às 00h20

Com sucesso de Despacito, reggaeton se torna estilo que mais cresce no mundo

daddy yankee luis fonsi despacito 2017 instagram foto Com sucesso de Despacito, reggaeton se torna estilo que mais cresce no mundo

O reggaeton ainda não é a música mais consumida do mundo. Porém, nos últimos três anos, é que mais cresceu. Segundo estudo divulgado pelo Spotify, o gênero teve um salto de 119% desde 2014.

Em comparação, a participação do pop cresceu 13% no mesmo período, e a música country 4%.

Essa guinada é considerável, principalmente se levar em consideração que é um estilo produzido quase que exclusivamente por dois países pequenos: Colômbia e Porto Rico.

genre growth since 2014 Com sucesso de Despacito, reggaeton se torna estilo que mais cresce no mundo

Existe uma explicação para esse aumento de interesse pela música latina na plataforma de streaming. A divulgação de uma playlist oficial do Spotify dedicada ao reggaeton (a 3ª mais ouvida no mundo) promove os principais hits desse segmento e ainda ajuda na divulgação de lançamento de novos singles.

Exemplos de faixas que tiveram melhor desempenho apenas sete dias após a inclusão nessa coletânea não faltam. A música Si Ellas Quisiera, de Justin Quiles, saltou 322% após entrar na playlist. Mesmo exemplo de Obsesionado, de Farruko (376%) e Dancing Kizomba, de Alex Veliz (1455%). Mal comparando, estar em uma playlist oficial do Spotify atualmente é tão importante quando ter um clipe bem assistido no YouTube e uma música bastante tocada nas rádios.

br boosts Com sucesso de Despacito, reggaeton se torna estilo que mais cresce no mundo

Porém, como em nenhum lugar fora da Colômbia e de Porto Rico há espaço para um subgênero tão específico, essa foi a maneira encontrada pelos artistas e pela ferramenta para o gênero passar a ser consumido mundialmente e não apenas pelo mercado local.

Hoje, 95% do reggaeton ouvido no Spotify é “exportado”, uma vez que a reprodução acontece majoritariamente fora de seus países de origem.

E o fenômeno mundial Despacito, de Luis Fonsi e Daddy Yankee, não pode ser desprezado nessa história. Combinadas, a faixa original e o remix, com participação de Justin Bieber, contam com mais de 1,3 bilhão de streams até hoje (veja gráfico abaixo).

Enquanto na América Latina ambas as faixas seguiram dentro da taxa esperada, nos EUA os streams da faixa original cresceram após o lançamento do remix, mostrando que quando os artistas latinos se aliam a astros globais, o sucesso é ainda mais garantido.

despacito original remix Com sucesso de Despacito, reggaeton se torna estilo que mais cresce no mundo

 

 

Publicado em 08/09/2017 às 00h20

Suge Knight: o homem que quase matou o rap

 Suge Knight: o homem que quase matou o rap

Marion “Suge” Knight é uma figura que rondou e assombrou o cenário do rap nos últimos trinta anos. Apesar de Suge ser um apelido inspirado em Sugar Bear (ursinho fofo, em tradução livre), o empresário sempre foi o oposto disso. Perigoso, ameaçador e violento, poucas vezes uma figura importante do mercado musical causou tanto impacto negativo na história de um segmento.

Homem por trás do sucesso de Tupac Shakur, ele é possivelmente também responsável pela morte do cantor. Segundo o documentário Tupac e Biggie(Disponível na Netflix), existe uma teoria — bem fundamentada, inclusive — de que Suge teria armado a emboscada que colocou fim à vida do rapper. O motivo? Ele embolsou milhões de dólares que pertenciam a Tupac e posteriormente desmascarado.

Quando foi cobrado e ameaçado com a quebra de contrato, organizou uma equipe composta parcialmente por policiais de Los Angeles e até inimigos pessoais para forjar o assassinato do rapper como se fosse fruto de uma briga de gangues.

Ou seja: Notorious Big, adversário histórico de Tupac e apontado como mandante do crime, não teve absolutamente nada a ver com isso. Mas Suge Knight armou uma situação para que assim parecesse. Tanto que, alguns meses depois, encontrou uma forma de também mandar matar Biggie.

 

  Suge Knight: o homem que quase matou o rap

 

De uma só vez, ele forjou a suposta vingança dos amigos de Tupac e arranjou um álibi contra as acusações de ser o responsável por matar o próprio pupilo. O documentário mostra toda essa rede se conexões que investiga a participação dele nos dois assassinatos.

Snoop Dogg (que foi descoberto por Suge em 1993), concede entrevista no filme e diz que não resta nenhuma dúvida sobre isso. Para ele Suge é o único culpado. Mas assim como mostrou a série Making a Murderer, quando a polícia está envolvida em crimes nos Estados Unidos, as investigações não evoluem e se mantém obscuras. Até hoje as mortes dos dois astros são grandes mistérios para a Justiça. Mesmo com todas as provas apresentadas.

Em Straight Outta Comptom, o belo filme que conta história do grupo NWA, fica mais claro ainda o quanto Suge é uma pessoa descontrolada. Antes de se tornar um dos homens mais poderosos do rap, ele trabalhou como segurança de Bobby Brown e traficante (função que provavelmente nunca largou). Mas ele queria mais. E rondou os bastidores da fama até conseguir encontrar alguma oportunidade que rendesse milhões. E conseguiu isso quando o NWA tinha se tornado um fenômeno nos Estados Unidos.

 

 Suge Knight: o homem que quase matou o rap

 

No filme, ele já e retratado como o homem e violento e frio que pode estar por trás das mortes de big e tupac. Em uma cena, e revelada a surra que Eazy E leva ao tentar se desligar do selo de Suge.

De Dre, que também integrava o NWA, teve mais sorte. Quando notou que estava senso roubado e pediu para sair da Death Row “só” perdeu os direitos sobre o que havia criado até ali. O que não era pouco, já que a carreira solo do rapper foi um enorme sucesso logo de cara.

O mais impressionante é que mesmo com esse histórico ele conseguiu se aproximar de outros rappers e nunca tenha ficado preso por longos períodos. Pessoalmente, ele também se envolveu em diversas encrencas e crimes. É possível que tenha inclusive assassinado uma namorada, que, chamada para depor contra ele numa acusação de agressão, nunca mais foi encontrada.

Ironicamente, no início de 2015, ele foi à uma premier do filme Straight Outta Comptom em Los Angeles e se envolveu em mais uma confusão. Na saída, brigou com dois homens e matou um deles atropelado. O advogado de defesa alega que foi um acidente. Mas com o histórico dele, fica difícil convencer o júri com essa justificativa. (publicado originalmente no Medium em 17 de fevereiro de 2016)

Publicado em 07/09/2017 às 00h10

Live Nation contrata diretor brasileiro e expande operações no País

Alexandre Faria 00004 Live Nation contrata diretor brasileiro e expande operações no País

Líder mundial de entretenimento ao vivo, a Live Nation anunciou no fim de agosto a contratação de Alexandre Faria para ocupar os postos de vice-presidente e diretor de aquisição e talentos.

Com passagens pela T4F, Cie Brasil e Mercury Concerts, o executivo soma 25 anos de carreira na área e experiência na produção de shows de nomes como U2, Pearl Jam, Foo Fighters, Coldplay, EDC, Maroon 5, Black Sabbath, Madonna, One Direction, Justin Bieber, Metallica, Roger Waters, entre outros.

Agora, nessa posição estratégica, ele pretende explorar o potencial do país como líder regional de shows ao vivo, tanto para expandir a atuação nesse mercado, como para diversificar a atuação da Live Nation no Brasil e cartela de clientes que atuem como patrocinadores. Faria estará baseado em São Paulo e se reportará a Bruce Moran, Presidente da Live Nation para a América Latina.

Em entrevista ao R7, ele adianta como será a atuação da empresa no curto prazo, com a realização de shows de Coldplay, U2, Bruno Mars, John Mayer e Depeche Mode.

R7 — Qual foi a intenção da empresa ao te contratar?

Alexandre Faria — O objetivo era ter alguém com conhecimento do mercado local nessa posição e não depender de alguém com uma visão externa. Como sempre, estamos focados em turnês de nomes internacionais, mas não descartamos atuar com artistas brasileiros também.

R7 — E como seria a parceria com eles?

Faria — A ideia é criar projetos de turnê mais atraentes, às vezes até reunindo dois grandes nomes num mesmo projeto. Hoje, já fazem bastante isso em alguns estilos, tanto aqui quanto lá fora.

R7 — No exterior, vocês atuam no gerenciamento de carreiras e até na área fonográfica. Essas divisões serão implantadas aqui?

Faria — Em um primeiro momento, não. Estamos só focados no mercado de shows ao vivo.

R7 — Qual a principal dificuldade para contratar artistas estrangeiros hoje?

Faria — Temos três clientes no negócio: o artista, o público e o patrocinador. Existe o desafio de agradar todos eles, que só voltarão a fazer negócios se a experiência for positiva. E um dos pontos a nosso favor é que, pode parecer clichê, mas o público brasileiro é realmente diferenciado e mais "quente" que o europeu e americano. Isso faz o músico querer voltar. Mas a logística ainda continua sendo o grande problema por aqui. O nosso país, especificamente, é muito grande e qualquer turnê realizada aqui precisa ser muito bem planejada do ponto de vista logístico, tanto para evitar problemas, como para não gerar custos desnecessários aos artistas, que sempre contam com grandes equipes. Só o U2 viaja com 300 pessoas, por exemplo. E isso não é barato.

R7 — Mas a América do Sul hoje já não é mais descartada das turnês mundiais como antes. Por quê?

Faria — Isso porque melhoramos muito estruturalmente. Os shows se profissionalizaram, assim como os fornecedores de equipamentos, empresas de venda de ingressos e profissionais envolvidos na área. Temos uma rede hoteleira melhor e veículos mais modernos. Tudo isso conta. Às vezes, doenças endêmicas afastam os shows, como foi na época do surto de zika vírus. Nenhuma cantora jovem vai querer tocar aqui se isso acontecer. Por outro lado, a nosso favor, a América Latina, ao contrário da Europa, não é alvo de terrorismo. Hoje, muitos artistas têm receio de se apresentar em Paris e Londres, por contas dos recentes ataques. Aqui existe a violência urbana, claro, mas é diferente.

R7 — Há muita reclamação sobre as mesmas cidades receberem os shows dos artistas internacionais em todas as turnês. O que tem a dizer sobre isso?

Faria — Novamente, é uma questão de logística. Rio e São Paulo quase sempre estão inclusos no roteiro. E aí com esses locais sendo as bases, Salvador e Recife ficam distantes, entendeu? Para facilitar, basicamente contamos com apresentações em Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília. Outras localidades, acabam se tornando mais raras mesmo, porque prolongariam e encareceriam a estadia das equipes no Brasil.

R7 — O que vocês fazem a respeito das reclamações sobre preços de ingressos e "leilão" entre produtoras para trazer artistas?

Faria — Nós somos donos de diversas turnês e isso facilita o agendamento de shows por aqui. E concorrência por shows de grandes artistas é normal no mundo todo. Não particularidade do nosso mercado. Quanto aos ingressos, tentamos oferecer diversas faixas de preço, mas ainda temos obrigação de vender 40% dos bilhetes a estudantes. Isso acaba criando essa impressão de que o tíquete médio no Brasil é caro, quando na verdade não é. Por aqui, ainda tentamos criar parcerias com patrocinadores para que o valor final seja um pouco menor, pelo menos entre 10 e 20% abaixo do que é praticado na Europa e Estados Unidos.

Publicado em 04/09/2017 às 11h15

Morte de Walter Becker coloca fim ao Steely Dan, grupo que soube como poucos misturar rock e jazz

steelydanpressimagecrop Morte de Walter Becker coloca fim ao Steely Dan, grupo que soube como poucos misturar rock e jazz

Nenhuma outra banda soube explorar melhor a mistura entre rock e jazz do que o Steely Dan. Formada em 1971 por Donald Fagen e Walter Becker, que morreu no último domingo (3), o grupo é uma referência quando o assunto é fundir estilos com sofisticação e mesmo assim soar pop.

A banda teve uma carreira cheia de altos e baixos, inclusive por conta do vício em drogas de Becker. O duo, inclusive, até voltou a se reunir após a primeira separação, em 1981, e a lançar músicas novas, mas o que importa sobre o Steely Dan foi feito nos anos 70, como os clássicos álbuns Aja e Pretzel Logic.

Aja (1977), inclusive, foi gravado por grandes músicos do jazz, jazz-rock e da soul music, como Larry Carlton, o saxofonista Wayne Shorter, os bateristas Steve Gadd, Rick Marota e Bernard "Pretty" Purdie e o baixista Chuck Rainey. O disco vendeu mais de um milhão de cópias e consolidou a dupla como grandes compositores e músicos de estúdio. Desse disco, vale ressaltar as faixas Black Cow, Josie e Deacon Blues.

Mas esse não é o único álbum que mostra o perfeccionismo dos dois em estúdio. Menos jazz e mais rock, Pretzel Logic (1974) ainda é lembrado nos Estados Unidos por faixas como Rikki Don't Loose That Number, Any Major Dude Will Tell You e a faixa título, que continua a ser um dos maiores hits deles até hoje.

Nesse projeto a banda também conta com o apoio de grandes músicos, caso do baterista Jeff Porcaro, que futuramente seria consagrado nas baquetas do Toto. Foi também nessa época que Fagen e Becker resolveram fazer menos turnês para se especializar cada vez mais em atingir a excelência em estúdios. Não à toa, os discos da banda se tornaram referência quando o assunto é produção musical.

Dessa maneira, ouvir a discografia do Steely Dan é muito mais que um exercício para conhecer a banda, mas também tomar conhecimento dos trabalhos iniciais de músicos virtuosos que se tornariam consagrados no rock e no jazz ainda na década de 70.

Uma pena, porém, que ouvir essas músicas ao vivo nunca foi muito acessível, mesmo quando a banda estava no auge. Agora com a morte de Becker, infelizmente essa oportunidade não existirá mais. Os dois até estavam animados em voltar a tocar juntos, mas os problemas de saúde de Becker já haviam obrigado Fagen a se apresentar sozinho com o Steely Dan no início de agosto deste ano.

Resta torcer para que o pianista continue a excursionar com a banda Nightfliers, com quem apresenta músicas de sua carreira solo. Vontade de retornar aos palcos parece que ele tem. E inclusive, um novo disco pode estar por vir. Segundo o músico, ele já estaria escrevendo algumas faixas para o quinto álbum solo, sucessor de Sunken Kondos (2012). Mas não existe previsão para o lançamento ainda. "Eu tenho algum material novo. Não tivemos a chance de fazer muitas coisas, mas na estrada, eu estou esperando para mostrar aos caras algumas coisas novas que eu escrevi, e será divertido desenvolver isso com uma banda porque geralmente falando nos últimos anos, a maneira como eu trabalho é geralmente sozinho e fazendo arranjos sozinho, ou com Walter. Será divertido realmente ter uma banda para experimentar essas coisas. Não acho que faço isso desde o início dos anos 70, provavelmente", disse el em entrevista à Billboard pouco antes da morte de Becker. Resta saber se ele manterá essa ideia mesmo sozinho.

 

 

 

Publicado em 28/08/2017 às 11h25

Se Pabllo Vittar incomoda tanto, é sinal de que está no caminho certo

xINFOCHPDPICT000064525362.jpg.pagespeed.ic .a1gAsbzjYL Se Pabllo Vittar incomoda tanto, é sinal de que está no caminho certo

Pabllo Vittar pode até lamentar o fato de sua conta no YouTube ser invadida por um hacker. Afinal, o dano é considerável e o clipe de K.O., com mais de 100 milhões de visualizações, foi removido do canal oficial da cantora.

Mas se ela incomoda a ponto de alguém se dar ao trabalho de invadir o seu perfil e promover conteúdo relacionado ao deputado federal Jair Bolsonaro, isso prova que Pabllo tem feito tudo certo na carreira nesse pouco mais de um ano de exposição em nível nacional.

Porque não existe nada mais preocupante para um artista do que ser ignorado pela imprensa, pelos fãs e até mesmo pelos haters.

Na cultura pop, muitas vezes o ódio funciona com efeito inverso e alimenta ainda mais o culto em torno do artista. Exemplos sobre isso não faltam. Basta analisar como os fã-clubes de Anitta, Taylor Swift e outras cantoras pop se estruturam para combater quem detesta seus ídolos.

O grande problema nessa invasão é que as pessoas que não gostam de Pabllo Vittar acreditam que, por isso, ela também não deve existir.

Esse medo de conviver com o diferente e subversivo existe desde que Elvis, que hoje parece a coisa mais brega do mundo, apareceu na TV rebolando como um negro e hipnotizando milhões de adolescentes.

Lobo solitário, Bolsonaro sonha com a glória

Esse tipo de atitude tem como intenção desautorizar a cantora de ter o próprio trabalho. É aquilo: se eu não gosto, não deve existir. Mais ou menos como você chegar no seu trabalho de manhã e um desafeto estar sentado no seu lugar. Felizmente, o mundo não funciona assim.

O pior de tudo é que atitudes do tipo podem aumentar nos próximos meses e com a aproximação das eleições de 2018. Essas atitudes são puramente políticas e ideológicas.

A indústria cultural nacional se transformou em um eterno debate aberto após a polarização política. Se de um lado, temos a exposição de artistas misóginos, homofóbicos e racistas, de outro a tática é constranger a pessoa cuja ideologia ou orientação sexual incomoda. Aconteceu com Pabllo, aconteceu com Tico Santa Cruz (que teve o Facebook invadido no mesmo dia) e vai acontecer com outras pessoas.

Apesar de tudo, ela perde muito pouco com isso e ainda prova que sua condição de minoria fragilizada na sociedade não é exagero, como pregam alguns. 100 milhões de visualizações ela recupera. No longo prazo, nem vai fazer falta. E mesmo com clipe fora do ar, não tem como interromper o sucesso de K.O., que toca em todo canto do Brasil. É aceitar ou assumir o recalque indiretamente com essas atitudes, que inclusive são ilegais.

Publicado em 26/08/2017 às 10h02

Novo disco dos Tribalistas prova que a banda não precisava ter voltado

tribalistas 2017 696x521 Novo disco dos Tribalistas prova que a banda não precisava ter voltado

É até compreensível que o retorno dos Tribalistas tenha sido tão festejado pelos fãs. Afinal, o grupo ficou inativo durante 15 anos. Porém, esse longo período e tudo que ele representa na história da nossa música e do País é exatamente o que faz com que o trio formado por Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown soe tão diferente entre o primeiro e o segundo disco.

Enquanto o projeto de estreia primava por uma MPB radiofônica, o novo álbum se arrasta em músicas com arranjos pouco inspirados e letras engajadas ideologicamente, como Diáspora (sobre refugiados pelo mundo), Um Só (sobre as diferenças na sociedade) e Lutar e Vencer (sobre resistência das minorias).

Por isso, quem esperava um trabalho que repetisse a elegância daquele CD que vendeu 2 milhões de cópias em 2002, pode esquecer. Por um lado, é bom, já que não teremos que aturar uma nova Já Sei Namorar, típico caso de música excelente, mas que tocou até saturar e começar a incomodar.

Por outro, não atende as expectativas dos fãs, que terão que aprender a digerir um álbum quase hermético e demasiadamente focado na introspecção. As exceções ficam por conta de Aliança, Feliz e Saudável, Ânima e Fora da Memória. As quatro se destacam por trazer o DNA presente no trabalho anterior.

E para por aí. Mas talvez os Tribalistas quisessem mesmo inovar e lançar algo completamente diferente do disco que os consagrou. E conseguiram. E mudar é saudável. O problema é que nem sempre é para melhor.

Mas também não tinha como ser diferente. No primeiro CD, o controle era totalmente focado nos três. Nesse álbum, a participação de músicos jovens na maioria das composições afetou o resultado final e descaracterizou o que poderia ser um projeto que colocaria a MPB novamente no mainstream.

Publicado em 21/08/2017 às 10h41

Anitta grava clipe com diretor acusado de abusar sexualmente de jovens modelos

anittamodaagnewselastapetevermelhoclipe Anitta grava clipe com diretor acusado de abusar sexualmente de jovens modelos

O novo clipe de Anitta (Vai Malandra) ainda nem foi lançado, mas já causou comoção na internet. Gravado no Morro do Vidigal, o vídeo teve as primeiras imagens de bastidores divulgadas no domingo (20) e viralizou por mostrar a boa forma da cantora vestindo apenas um biquíni de fita isolante. Aparentemente, o vídeo vai apostar bastante na sensualidade dela e dos atores escalados.

Não poderia ser diferente. Afinal, quem está por trás do clipe é o renomado fotógrafo e diretor Terry Richardson, que já trabalhou com gente como Rihanna, Amy Whinehouse e Barack Obama. O norte-americano ficou conhecido internacionalmente pelos ensaios ousados e vídeos musicais que exploram a nudez feminina, como o mundialmente famoso Wrecking Ball, de Miley Cyrus.

Mas a fama de Terry é proporcional às polêmicas em que ele está envolvido. O fotógrafo foi acusado em 2014 de assediar inúmeras modelos.

Jamie Peck, por exemplo, foi fotografada por Richardson quando tinha 19 anos. Ela contou ao site The Gloss que Terry a fez dançar nua durante uma sessão. Em outra, ele teria tirado a roupa também, pedindo que ela o fotografasse enquanto mexia em seu pênis. "Na segunda sessão as coisas ficaram realmente estanhas. Expliquei que estava menstruada e, por isso, não gostaria de tirar a calcinha. Ele insistiu para que eu ficasse nua e ainda pediu para que tirasse meu absorvente interno", comentou à época.

A modelo Rie Rasmussen endossa as acusações e diz que muitas jovens não têm coragem de negar os pedidos de Terry com receio de perder trabalhos.

mc5 Anitta grava clipe com diretor acusado de abusar sexualmente de jovens modelos

"Ele manipula as meninas para que tirem as próprias roupas e se deixem fotografar em poses que irão envergonhá-las depois. Elas ficam com medo de dizer não porque foram indicadas para o trabalho por suas agências e são muito jovens para se defender", afirmou em entrevista ao The New York Post.

À época, o site Jezebel reuniu diversas acusações semelhantes sobre o comportamento de Rihardson, inclusive relatos em que ele teria obrigado mulheres a praticar sexo oral contra a vontade em sessões fotográficas.

O que causa estranheza é a equipe de Anitta sequer ter levado em consideração o histórico do profissional antes de chamá-lo para dirigir o clipe. É claro que, com a intenção de conquistar o mundo, a cantora enxerga nessas parcerias a possibilidade de ganhar os holofotes da imprensa internacional. Afinal, por mais problemático que Richardson seja, ele ainda é um dos fotógrafos mais requisitados do mundo, seja na indústria musical ou em editoriais de moda.

No entanto, cantoras que trabalharam com ele, cortaram relações e até deixaram de lançar clipes dirigidos por Richardson com medo da repercussão negativa que isso teria.

É o caso de Lady Gaga, que gravou o  vídeo de Do What U Want com ele. Pelas fotos de bastidores, o vídeo, como quase tudo no trabalho do americano, apostaria na estética soft porn. Mas até hoje, o projeto, feito na mesma época das acusações, está engavetado. E nunca deve ser lançado. Apesar dessa decisão da diva, o livro de fotos que Gaga fez com ele continua à venda, inclusive no Brasil.

Miley Cyrus, que gravou clipe e fez ensaio polêmico com Richardson, simplesmente rompeu relações com o profissional após as acusações de assédio. Ao ser questionado sobre todas essas alegações, ele apenas disse que se tratavam de 'histórias fabricadas e cheias de ódio'. E nunca mais se posicionou sobre os casos.

Se Anitta tinha a intenção de criar polêmica com seu novo clipe, com certeza está no caminho certo. Os figurinos e a locação já estão dando o que falar. E a parceria com o Terry Richardson não passará despercebida, seja pelo clipe ousado que vem por aí, seja por esse passado obscuro do profissional. Resta saber como ela se posicionará quando essas acusações vierem à tona, principalmente em um momento em que ela é considerada um ícone do empoderamento feminino. E não vai demorar até ser questionada pelos fãs, que nas redes sociais já estranham e torcem o nariz para essa parceria.

 

 

 

Publicado em 17/08/2017 às 09h03

Spotify exclui do catálogo músicas que promovem discurso de ódio e que defendem supremacia branca

3048852 poster p 1 spotify discover Spotify exclui do catálogo músicas que promovem discurso de ódio e que defendem supremacia branca

O Spotify resolveu tirar músicas que promoverm discurso de ódio do seu catálogo. A medida, anunciada na quarta-feira (16), foi influenciada por críticas dos usuários da plataforma de streaming e também por um levantamento feito pela ONG Southern Poverty Law Center acerca de grupos de música simpáticos ao racismo e à supremacia branca.

"Conteúdo ilegal ou materiais que promovem o ódio ou incitam violência contra raça, religião, orientação sexual não serão tolerados", diz anúncio publicado pela empresa na revista Billboard americana.

Os recentes confrontos raciais de Charlottesville, nos Estados Unidos, e o crescimento de grupos pró-Trump tornaram a conotação desse tipo de conteúdo ainda mais agressiva.

"Estamos felizes por terem nos alertado quanto ao conteúdo em questão — já removemos grande parte das bandas 'de ódi'’, mas seguimos revisando todo nosso acervo", se posicionou o Spotify.

O site Digital Music News listou 37 bandas que disseminavam mensagens de ódio, mas até o momento apenas dez delas foram excluídas: Ad Hominem, Freikorps, Geimhre, Grand Belial’s Key, Ravens Wing, Selbstmord, Standarte, The Spear of Longinus, No Remorse e Endless Pride.

A maioria desses grupos são marginais, com poucos ouvintes.  Há quem defenda que a exclusão dessas músicas fere a liberdade de expressão e promove censura. Segundo a mídia americana, grupos como a União Americana pelas Liberdades Civis provavelmente defenderiam uma grande porcentagem dessas bandas, mesmo que pessoalmente as desprezassem.

Além disso, uma lista de reprodução Spotify possui uma coleção de músicas de marcha nazista. Isso também poderia ser considerado tecnicamente como uma "banda de ódio", embora muitos defendam sua presença no Spotify como uma "coleção histórica importante".

nazi imperial marches Spotify exclui do catálogo músicas que promovem discurso de ódio e que defendem supremacia branca

Publicado em 16/08/2017 às 12h46

Nem Beyoncé, nem Lady Gaga: Madonna nunca será superada como a cantora pop mais influente

madonna termina relacionamento com modelo marfinense 296772 36 Nem Beyoncé, nem Lady Gaga: Madonna nunca será superada como a cantora pop mais influente

Todo ano surge uma nova Madonna. É assim desde o início da década de 80. Inclusive, é impossível esquecer uma capa da revista Bizz que apostava na cantora Patsy Kensit como substituta da musa norte-americana com o seguinte título: "Se cuida, Madonna, Patsy vem aí". A inglesa caiu no anonimato e hoje é mais conhecida por ser ex-mulher de Liam Gallagher, vocalista do Oasis.

Madonna nunca conseguiu ser substituída pelo simples fato de que todas as alternativas e apostas posteriores ao seu surgimento foram produzidas exatamente com o objetivo quase impossível de desbancar a loira como ícone da cultura pop. Ou seja: na maioria dos casos, não existia muita legitimidade conceitual e quem estava à frente do projeto não tinha nem a consciência de carreira e de produzir polêmicas, factóides e inovações estéticas como Madonna e toda sua equipe fizeram em quase 40 anos de carreira.

Isso é fruto, basicamente, de uma personalidade inquieta, que não se acomoda e nem se repete. Uma ouvida rápida na discografia da cantora demonstra que, entre um trabalho e outro, ela buscou inovar, se conectar com o que estava em evidência no momento (inclusive ao contratar dançarinos), mas quase nunca entregar algo derivativo e que poderia ser feito por qualquer outra cantora a não ser ela.

Basicamente, nesse sentido, Madonna seguiu os passos de David Bowie, que ficou conhecido como camaleão não só pelas mudanças no visual, mas por nunca lançar discos que repetissem a mesmo fórmula. E, claro, por ter a consciência que a música pop se torna ainda mais forte quando acompanhada de outros itens, como figurinos marcantes e shows que entregam para o público uma experiência inigualável. Tanto em uma carreira quanto em outra, essas ideias nunca foram deixadas de lado.

E Madonna, por surgir na época da MTV, foi além e explorou como poucos a venda da própria imagem em clipes que não eram encarados como meros acessórios para a divulgação da música. Pelo contrário, esses vídeos foram tão importantes quanto os singles. Não à toa, os três minutos de imagens em Like a Virgin, Like a Prayer, Frozen, Take a Bow ou What Feels Like For a Girl não foram esquecidos por quem teve a oportunidade de assistir quando foram lançados.

Capturar5 Nem Beyoncé, nem Lady Gaga: Madonna nunca será superada como a cantora pop mais influente

Essa personalidade se refletiu na inquietude da vida de Madonna. O que fica claro é que a carreira sempre esteve à frente dos planos. E, bom, nenhum relacionamento durou muito. O mais marcante foi com o então bad boy de Hollywood, Sean Penn. Os dois ficaram conhecidos pelo casamento intenso e que terminou, entre outros motivos, após o ator colocar a cabeça dela dentro de um forno.

Depois dele, vieram diversos famosos e anônimos como o jogador de basquete Dennis Rodman, os rappers Tupac e Vanilla Ice e o DJ e modelo brasileiro Jesus Luz. Com o diretor inglês Guy Ritchie, ela sossegou durante oito anos e chegou a constituir família. Mas após o fim, ambos se ofenderam pela imprensa e disseram se sentir encarcerados. Mesmo quando estava bom, estava ruim.

Apesar de ser a Rainha do Pop, Madonna tem uma vida e uma carreira que destoa completamente desse título de nobreza. A subversão da cantora nem combina com algo tão conservador e antiquado.

Essa postura de nobreza talvez combine melhor com Beyoncé e Jay Z, que se posicionam como o casal real da música pop mundial. Inclusive construindo um império profissional e pessoal que não é abalado por nada. Nem por críticas e nem por infidelidade. O interesse de ambos é claro: juntos, eles são mais fortes e podem lucrar como bem entender, inclusive patenteando os nomes dos filhos, que devem ser os primeiros na linha de sucessão de Justin Bieber e Taylor Swift. Afinal, se Beyoncé seguir os passos do pai, certamente criará os filhos para trilhar os mesmos passos dela rumo ao estrelato.

Obviamente que Madonna também soube ganhar todo centavo que estavam interessados a pagar por qualquer coisa que tivesse a assinatura dela.

8rxzu9ir8f 9u2r9fi10z file Nem Beyoncé, nem Lady Gaga: Madonna nunca será superada como a cantora pop mais influente

E isso não é errado. Afinal, ela está na pista para negócios. Mas na medida do possível para os padrões do show business, manteve a ética e poucas vezes se contradisse. Um dos poucos casos que arranham levemente a imagem dela foi retratado no documentário Strike a Pose, que conta a história dos sete dançarinos contratados para a turnê Blonde Ambition. No filme, disponível na Netflix, a maioria dos profissionais dessa equipe demonstra mágoa com a cantora, por não terem sido pagos pela participação no filme Na Cama com Madonna e serem desprezados por ela logo após o fim da turnê.

A atitude, claro, não é o que se espera de Madonna. Até porque remunerar os dançarinos não seria um problema pra ela. Mas, se comparar com Beyoncé, que lança um disco sobre representatividade e ao mesmo tempo explora trabalhadores do Sri Lanka que fabricam peças de sua grife, o que Madonna fez é só mais um dos milhares casos de desacordos contratuais no milionário mundos dos negócios do entretenimento. Muito pouco para abalar a imagem de ícone pop incontestável e figura feminina empoderadora e que jamais será alcançada ou superada. Inclusive musicalmente. Apesar de não ser tão boa cantora como Beyoncé, Madonna acumula uma dezenas de hits que vão de balada romântica a rock'n roll, passando por dance music. Versátil e oportunista no que realmente importa.

Assim como Bowie, Cher, Michael Jackson, Beatles e Elvis, ela integra o seleto grupo de figuras icônicas da cultura pop que influenciam a criação cópias derivadas e produzidas em série que jamais atingirão o nível da original.

 

Helder Maldonado

Sou Helder Maldonado, escrevo sobre música, cinema e teatro desde 2006. Atualmente trabalho como repórter do R7. Tive passagens pelo IG, Revista SUCESSO e publicações da Editora Escala. Este blog surgiu com o intuito de revelar as novidades do showbusiness e criar matérias e análises especiais sobre o mercado do entretenimento.

Leia mais

Galeria de Fotos

Últimas Notícias

Home de Blogs +