Publicado em 30/01/2015 às 10:41

Colunista de literatura do R7 lança livro neste sábado

Queria ter ficado mais, e ficaria sim, mas como dizem, tudo que é muiiiito bom, um dia acaba.

Minha história é sobre Berlim, cidade que tenho como minha segunda casa depois de São Paulo, onde nasci.

Cresci fisicamente em São Paulo, mas, em Berlim, definitivamente dei a cara a bater. Lá cresci como gente. Fui fazer o que jamais fizera em São Paulo para sobreviver: faxina residencial, limpeza de bar e, até, tocar no metrô para ganhar um troco.

Pera aí, para ganhar um troco? Tocar dentro dos vagões do metro diariamente, de segunda a sexta, foi meu principal trabalho em Berlim durante três anos.Esse trabalho foi o que me fez conhecer a cidade toda, conhecer gente.

Foi no metrô que  ganhei dinheiro e pote de maionese, onde fui xingada e aplaudida,onde a policia me mandou parar e os passageiros gritaram “zugabe”, ou seja, mais um. O resultado final tá no livro. Foi um prazer escrever esse capítulo. Espero que vocês também gostem! O lançamento é neste sábado, se puder, apareça por lá. De repente eu canto e você pode até me dar uma moeda!!!

queria ter ficado mais Colunista de literatura do R7 lança livro neste sábado

 

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Publicado em 29/01/2015 às 15:51

Antonio Bivar: ‘Mundo Adentro Vida Afora’

As décadas eram as de 60 e 70. No mundo inteiro, viviam-se tempos de Flower Power, Guerra do Vietnã, contracultura, Maio de 68, revolução sexual e as experiências psicodé­licas com o LSD. No Brasil, eram tempos de ditadura, luta armada e repressão.

Com esse pano de fundo, um grupo de jovens, inspirados pelo espírito combativo da época, despontava no teatro brasileiro com o que seria chamado de Nova Dramaturgia. Entre eles, Antonio Bivar, que escreveu algumas das mais emblemáticas e premiadas peças do moderno repertório teatral brasileiro.

Em Mundo Adentro Vida Afora - Autobiografia do Berço aos Trinta, Bivar revisita a infância no pacato interior de São Paulo nos anos 40, a adolescência passada nos anos 50, a juven­tude nos turbulentos e interessantes anos 60 até o raiar da década de 70 – com o distanciamento do tempo, mas com a proximidade de quem compartilha suas memórias com o coração aberto.

mundo adentro vida afora bivar Antonio Bivar: Mundo Adentro Vida Afora

Mundo Adentro Vida Afora

216 páginas
R$ 29.90
Editora L&PM

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Publicado em 27/01/2015 às 13:32

Vai aqui um elogio da anedota à arte da literatura

Escritas a partir de comentários sobre a vida de personagens ilustres da corte e as próprias vivências de Tallemant, Historiettes são mais que histórias picantes ou escatológicas de bufonaria: na verdade, em Jacques Bonnet, são um elogio à anedota em literatura. Em Algumas historietas, esse tipo de composição – por muito tempo mal vista por seu caráter jocoso e até escandaloso – encontra  importância máxima na criação de cenários históricos, culturais e, principalmente, no prazer da leitura.

A história da recepção de Historiettes – acompanhada pela análise comparativa entre o livro seiscentista e clássicos modernos e contemporâneos – tem papel central na discussão proposta por Algumas historietas.

Assim, descobre-se que Céline, Voiture e Pascal Quinard foram leitores e comentaristas ilustres do livro de Tallemant, e que a obra encontra ressonância em autores como Melville, Flaubert, Maupassant, o próprio Quinard, Stephen King e Proust. Este último, para deleite do leitor brasileiro, é apresentado em um diálogo afiado com Aluísio Azevedo. Tradução de Marcelo Jacques de Moraes.

algumas historietas jacques bonnet ligia braslauskas  Vai aqui um elogio da anedota à arte da literatura

Algumas historietas (Quelques Historiettes)

160 páginas
R$ 30
Editora Civilização Brasileira

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Publicado em 25/01/2015 às 13:32

Cantina de mulher má faz crianças virarem obesas

Era uma vez uma escola, onde as crianças tinham duas opções de cantina para se alimentar.

Uma era saudável, vendia sanduíches e salgados naturais e nutritivos. A outra, era o paraíso do açúcar e do sódio. Só coisa ruim.

O livro A Cantina de Dona Calabresa, de Liana Leão, com ilustrações de Márcia Széliga, é uma ótima dica para ensinar a criançada sobre os benefícios da boa alimentação. As autoras não se baseiam apenas em mostrar que frutas e legumes fazem bem, elas ilustram de forma real e divertida quão ruim é comer muita bobagem.

As crianças vão ficando gordas e sem energia, é um exemplo e tanto. Pode apostar!

livro a cantina da dona calabresa  Cantina de mulher má faz crianças virarem obesas

A Cantina da Dona Calabresa

32 páginas
R$ 23,20
Editora Cortez

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Publicado em 23/01/2015 às 13:28

Mulheres da elite norte-americana: da futilidade ao furacão

mulheres reproducao rocco Mulheres da elite norte americana: da futilidade ao furacão

 

1931. Dois jovens casais de namorados aproveitam a época em que as responsabilidades da vida adulta não começaram, entregando-se a romances sem se importar com as convenções sociais. O universitário Nick, que gostaria de seguir arquitetura, mas está fadado a assumir os negócios do pai, um empresário judeu, se apaixona por Lily, uma postulante a escritora. A companheira de infância de Lily é a sedutora Budgie, que namora o belo Graham, colega de time de futebol americano de Nick.

1938. Os dois casais voltam a se encontrar na temporada de verão em Seaview, uma Rhode Island, na costa leste dos Estados Unidos. Lily cuida de Kiki, sua irmã de seis anos de idade. Na localidade de veraneio, todas as atenções estão concentradas na chegada de Budgie e Nick, recém-casados. Graças ao marido, a alegre Budgie pode começar uma obra para reformar a casa de sua família e ser reintegrada ao grupo social do qual se distanciou. É Budgie também quem incentiva o ex-namorado, Graham, a aproximar-se de Lily, apesar dos boatos sobre Kiki ser filha da jovem e de Nick.

Intercalando relatos do tempo de namoro dos quatro protagonistas com o momento em que voltam a conviver, em Cem Verões, a escritora Beatriz Williams se volta para os anos 1930, traçando um panorama da alta sociedade da época e, principalmente, da situação das mulheres da elite norte-americana de então. A futilidade de Budgie, uma socialite festeira, que gosta de reunir amigos em festas barulhentas, contrasta com a dedicação de Lily à irmã e sua busca de uma carreira literária, embora não tenha qualquer necessidade financeira de trabalhar. Enquanto a belíssima Budgie sempre atrai as atenções masculinas e procura garantir seu futuro pelo casamento, Lily já demonstra o desejo de uma vida própria, sem depender do dinheiro da família ou do marido. O responsável, Nick, é rejeitado pelo grupo, que não perdoa seu afastamento de Lily.

Ao longo do verão, surgem indícios de que o casamento de Budgie e Nick está longe de ser feliz. A temporada é encerrada bruscamente com um desastre natural: o furacão que devastou a região em 21 de setembro de 1938, matando mais de 700 pessoas e derrubando casas e quase toda a cobertura de árvores local – a madeira foi reaproveitada para a reconstrução e o aquecimento de casas durante décadas, lembra Beatriz Williams em nota histórica que acompanha o romance.

A fúria do vendaval é um elemento importante na narrativa já que, durante o cataclismo, os abismos sociais já não existem. O furacão é o prólogo de um novo momento para os personagens de Cem verões e para o mundo – meses mais tarde, estoura a Segunda Guerra Mundial, que viria abalar as tradições da sociedade ainda mais profundamente do que uma manifestação da natureza. A tradução é assinada por Léa Viveiros de Castro.

 

cem veroes beatriz williams ligia braslauskas 600 Mulheres da elite norte americana: da futilidade ao furacão

 

Cem Verões

384 páginas
R$ 39,50 (impresso)
R$ 25,90 (e-book)
Editora Rocco

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Publicado em 19/01/2015 às 11:23

O palíndromo da volta e tudo de novo diferente

socorram me no marrocos andres sandoval ligia braslauskas livro 600 O palíndromo da volta e tudo de novo diferente

Socorram-me em Marrocos, organizado e ilustrado por Andrés  Sandoval, é o palíndromo mais conhecido da língua portuguesa e o primeiro deste livro, que apresenta mais 12 deles.

“Palíndromo” em grego significa “correr de volta”, e é exatamente isso que os define: todos esses versos podem ser lidos tanto da esquerda para a direita quanto da direita para a esquerda - como se as palavras corressem de volta para dizer exatamente a mesma coisa, só que ao contrário.

Eles foram selecionados e ilustrados por Andrés Sandoval, e vêm acompanhados, ao final do livro, por um texto sobre esse “fenômeno” da nossa língua.

Quem sabe, depois de tantas palavras e imagens inspiradoras, as crianças não se animam para inventar seus próprios palíndromos?

socorram me no marrocos 2 andres sandoval ligia braslauskas livro 600 O palíndromo da volta e tudo de novo diferente

Socorram-me em Marrocos

64 páginas
R$ 46
Companhia das Letrinhas

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Publicado em 17/01/2015 às 00:50

Duas irmãs, uma morte e uma vida nova

Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive.

Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, a garota se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente.

Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.

Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante.

Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram.

Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los. Jennifer Niven escreve criou uma história deliciosa que envolve a adolescência. Tradução de Alessandra Esteche.

por lugares incriveis jennifer niven ligia braslauskas livro 600 Duas irmãs, uma morte e uma vida nova

Por Lugares incríveis

336 páginas
R$ 29,90 (impresso)
R$ 20,90 (e-book)
Editora Seguinte (Cia. das Letras)

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Publicado em 15/01/2015 às 13:19

Biografia ilustrada apresenta Carmen Miranda aos pequenos

No próximo domingo (18), será lançada a biografia ilustrada Carmen, a Grande Pequena Notável, voltada para o público infantojuvenil. O livro tem a assinatura de Heloisa Seixas, em parceria com sua filha Julia Romeu e com a ilustradora Graça Lima.

O livro conta, com leveza, a história de um dos maiores símbolos do Brasil, que conquistou os quatro cantos do mundo com a sua forma alegre e irreverente de cantar e dançar, imitada por muita gente até os dias de hoje. A obra traz reconhecidas músicas da intérprete integradas na narrativa e ilustrações feitas a partir de minuciosa pesquisa iconográfica, em linguagem visual que remonta à época de J. Carlos e de outros grandes ilustradores brasileiros.

Carmen Miranda nasceu em Portugal e veio para o Brasil ainda bebê, em 1909. A família Miranda, composta por seis filhos, além do pai de Carmen – seu Pinto – e de sua mãe – dona Maria – levavam uma vida simples em um sobrado no Centro do Rio. Quando se mudaram para a Lapa, Carmen tinha apenas seis anos de idade, mas já gostava de cantar de dançar. Foi morando neste bairro que a menina aprendeu como a vida podia ser colorida.

Aos 14 anos, Carmen teve que deixar a escola para ajudar nas despesas de casa. Foi quando começou a trabalhar em uma fábrica de chapéus e conseguiu juntar duas coisas que adorava fazer: costurar e cantar. Certo dia, Josué de Barros, um dos fregueses de sua mãe, ficou maravilhado com a cantoria de Carmen e resolveu ensiná-la todos os truques para cantar ainda melhor e vencer no meio artístico. A jovem, claro, logo chamou atenção por seu jeito novo e alegre de cantar, bem diferente da maneira das cantoras da época.

O lançamento acontece na Livraria da Travessa de Botafogo (Rua Voluntários da Pátria, nº 97, Botafogo – Rio de Janeiro), às 16h.

carmen a pequena notavel heloisa seixas ligia braslauskas livro 600 Biografia ilustrada apresenta Carmen Miranda aos pequenos

Carmen, a Grande Pequena Notável

40 páginas
R$ 39,90
Edições de Janeiro

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Publicado em 14/01/2015 às 03:00

Já foi atacado na internet? Você não está sozinho

Você passou pela situação de postar um comentário em uma rede social e, segundos depois, ser bombardeado com palavras ofensivas, xingamentos e até ameaças? Pois é, muitos já passaram por isso e ainda vão passar.

Recentemente, por conta das eleições, internautas excluíram seguidores e, até, amigos antigos, por conta de reações desse gênero.

A Maldade Humana – Como Detonar uma Pessoa no Facebook, das psicanalistas Beatriz Breves e Virgínia Sampaio, é um relato sobre a agressão virtual sofrida por uma das autoras, com mais de mil postagens na rede social de Mark Zuckerberg.

Ao se debruçar sobre questões extremamente novas no mundo contemporâneo, a publicação propõe muitas reflexões: como reagir a ataques e ofensas, qual a diferença entre um e outro, a redução da sensibilidade, a violência dos novos games, a falta de uma legislação específica para balizar o uso das redes e por aí vai.

A internet tem sido território livre para a prática de cyberbulling. Indivíduos que inventam histórias pérfidas para praticar o prejudicar pessoas cometem diversos delitos e saem ilesos. Por meio de manipulação premeditada, podem chegar ao extremo de induzir pessoas ao suicídio, como tem acontecido com adolescentes do mundo todo.

Em pesquisa sobre o tema, as autoras exploram essa face má  de pessoas cujo comportamento tende sistematicamente a desestabilizar uma discussão, provocar e enfurecer as pessoas envolvidas.

maldade humana facebook ligia braslauskas livro 600 Já foi atacado na internet? Você não está sozinho

A Maldade Humana – Como Detonar Alguém no Facebook

Páginas: 104
R$ 24,90 (impresso)
R$ 17,90 (e-book)
Editora Mauad X

 

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Publicado em 13/01/2015 às 12:29

Menina receberá visita em 7 dias. Pode ser fatal

“Talvez você não queira comprar este livro. Eu sei, não se espera que um autor diga esse tipo de coisa. Mas prefiro ser honesto com você logo de saída. Acho justo avisar que esta é uma história um pouquinho estranha. Não gosto muito de dar spoilers, mas basta dizer que esta aqui é... diferente. Não tem um monte de coisas que se espera de uma história clássica.”

Esse aviso é de Patrick Rothfuss, autor de A Música do Silêncio, cuja trama  nos leva ao mundo de uma das personagens mais enigmáticas da série A Crônica do Matador do Rei.

Repleto de segredos e mistérios, A Música do Silêncio é uma narrativa sobre uma jovem ferida em um mundo devastado. A tradução é assinada por Viera Ribeiro.

Leia trecho:

"Quando acordou, Auri soube que tinha sete dias.

Sim. Tinha certeza. Ele chegaria para uma visita no

sétimo dia.

Um longo tempo. Longo para esperar. Mas não muito longo para

tudo o que precisava ser feito. Não se ela fosse cuidadosa. Não se

quisesse estar pronta."

a musica do silencio livro ligia braslauskas 6001 Menina receberá visita em 7 dias. Pode ser fatal

A Música do Silêncio

144 Páginas
R$ 24.90 (impresso)
R$ 16.99 (e-book)
Editora Arqueiro

    • Facebook
    • Twitter
    • Google Bookmarks
    • Orkut
    • RSS
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com