“Mas, quanto mais Marcel falava, sem dúvida sendo muito repetitivo, mais eu me dava conta de que a descrição da melancolia de Rachelyne refletia em muitos aspectos a minha própria situação, com a estratosférica diferença de que eu, com pouco mais de 30 anos de idade e embora já com uma bagagem de sofrimento às costas, não tinha passado nem por um centésimo do que ela conhecera.” (Gostar de Ostras, Bernardo Ajzenberg)

O que torna alguém melhor ou pior em sua história de vida? Seu silêncio? Sua resiliência? Seu passado? Será mesmo que o passado pode contar quem realmente somos? Não sei. Mas o livro Gostar de Ostras, do jornalista e escritor Bernardo Ajzenberg, diz muito sobre isso.

Além da narrativa deliciosa, o livro nos contempla com três personagens que são como presentes. Um homem jovem, enterrado em dores que há muito deveriam ter partido e que fazem de sua vida um vazio sem tamanho. Um casal de idosos, que apesar da idade avançada, desfrutam de um desejo pela vida igualmente sem tamanho.

O que eles teriam em comum? O peso do passado. Mas como memórias podem tornar um homem terrivelmente deprimido enquanto outro se utiliza dele para ver o que ainda há por vir com a curiosidade de seguir em frente? É nesse embalo que Gostar de Ostras leva suas páginas.

Marcel e Rachelyne são franceses, idosos e tiram da vida tudo o que ela tem para dar, ainda que marcas tensas tenham sido cravadas em suas linhas. Jorjinho, um jornalista que mora sozinho e foge de sua própria existência, apenas conta as horas para ir ao trabalho e voltar para sua casa sem graça. Esses dois mundos antagônicos e que se repelem vão se cruzar. E é nesse momento que você não vai mais parar de ler esse livro até que chegue à última página.

Aposte, você vai gostar!

ostras Quando a tristeza é só um presente para mudar sua vida

Gostar de Ostras
192 páginas
R$ 29,90 (impresso)
R$ 19,90 (e-book)
Editora Rocco