Alex Bezerra de Menezes, grande conhecedor de Machado de Assis e Alexandre, o Grande, explora em Depois do Fim o que estamos acostumados a chamar de “alma brasileira” (se é que ela existe). Será que o Brasil de ontem é o Brasil de hoje?

O desenrolar da trama se dá entre 1989 e 2003 – período marcado pela implementação da democracia política, pelo impeachent de Collor, a estabilidade econômica do Plano Real e a ascensão do presidente Lula –, em duas cidades aparentemente distantes em diversas esferas, mas que retratam um mesmo Brasil: a megalópole São Paulo e a pequena Sirinhaém, em Pernambuco.

Um professor medíocre recebe uma suposta herança – um quadro do pintor holandês Frans Post, o primeiro pintor a registrar as Américas, em nosso Nordeste –, mas este é apenas o princípio do fim, pois a obra pictórica esconde um mudo de lendas, imprecisões, lacunas, fofocas e fantasias, reveladoras do real personagem principal do romance, o Brasil.

depois Romance aborda impeachment da era Collor e o Brasil atual

Depois do Fim
192 páginas
R$ 49,90
Editora: Simonsen