Publicado em 18/06/2012 às 06:33

Os 20 anos do Dead Fish – Eu estava lá

deadfish 1024x529 Os 20 anos do Dead Fish – Eu estava lá

Para escrever sobre a comemoração da segunda década do Dead Fish, e o DVD 20 Anos – Ao Vivo, tenho que retornar quase 10, para contar a primeira experiência que tive de fato com a banda e que se repetiu nos anos seguintes.

Era inverno de 2004, se não me engano. Já tinha visto shows deles e até acompanhado uma mini-turnê no mesmo ônibus com os gringos do Pulley, em carona até Belo Horizonte. Mas fui para a gravação do DVD MTV Apresenta Dead Fish, no Hangar 110, templo do punk-HC paulistano. Do mezanino, assisti à maior manifestação de delírio coletivo em um show desde sempre. Não coloco coletivo ao acaso.

Em shows de música extrema, o tradicional é ter uma roda de pessoas no mosh e as primeiras fileiras próximas a grade a bater punhos e cabeça ao som. Mas no show do Dead Fish o que via era o público inteiro tomado por convulsão, como se alguém tivesse gritado “tem uma bomba no recinto” e trancado as portas. Desde então, em todos os shows da banda que vou, procuro uma posição de plateia superior para justamente manter um olho no palco e outro no público.

Foi assim no sintomático 11/11/11, data da gravação deste DVD, no Circo Voador. Eles são capixabas, eu sou paulistano, mas voei para o Rio para participar da festa do meu irmão e padrinho Rodrigo Lima e seus comparsas e meus amigos Alyand (Baixo), Philippe (guitarra) e Marcão (bateria).

Queria saber se o público carioca reagiria da mesma forma. Reage. E queria ver a banda repassar os seis discos de estúdio.

Abre com uma paulada do último disco, Contra Todos (2009), “Asfalto”, e logo parte para a que dá título ao meu trabalho favorito deles, “Zero e Um”.

Quando gravaram o último, em 2004, o trabalho de duas guitarras foi o que mais me chamou a atenção. Hoje, Philippe segura a bronca sozinho no palco e não há sinal de vazio de seis cordas nos arranjos das canções ao vivo.

Do tradicional e querido Sonho Médio dispararam a canção homônima, “Paz Verde” e “Mulheres Negras”. Do debute, Sirva-se (1998), “Molotov”.

São 30 músicas no total, em duas horas de apresentação. Trajetória repassada entre constância (difícil pensar que algumas músicas tem quase 20 anos a separá-las na composição) e crocância (da pancadaria explícita de “Old Boy” a punks mais...digamos...amenos).

O DVD fecha com “Afasia”, do mesmo disco, de 2001. Sorte de quem estava lá. Sorte minha.

1 Comentário

"Os 20 anos do Dead Fish – Eu estava lá"

18 de June de 2012 às 06:33 - Postado por Luiz Cesar Pimentel

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Caio
    - 19 de junho de 2012 - 23:09

    Melhor HC do país

    Responder
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com