Antes, é bom explicar o que significa (implica) assistir a um show em São Paulo.

Começa com a briga para compra de ingressos. Para shows bons, não tem jeito – será briga. Foi assim com Metallica, AC/DC e todos figurões que passaram recentemente pela cidade, de Paul McCartney a Madonna. Nessa, povo (produtoras) não tem vergonha em apelar – pista VIP pro Paul, em um ESTÁDIO, saía por R$ 800.

Aí você coloca no pacote o deslocamento até o estádio. Nos casos acima, Morumbi, distante uns 20 e tantos quilômetros do centro. Pense nisso numa sexta-feira à noite, como foi com AC/DC. Chovendo. Duas horas no carro. Por baixo.

Aí você chega e tem que estacionar o carro (não, ainda não tem transporte público que facilite a vida nesse caso). Em show recente estavam cobrando acima de R$ 100. Para estacionar na rua.
Some o comer ou beber algo, a volta etc.

Vale a pena?

Não, né?

Só faz sentido quando o show é como o que segue abaixo. Só nessa hora é que todo esse perrengue faz sentido.

É o mesmo show que trouxeram pra SP há uns dois anos e meio - no caso é a íntegra do DVD "AC/DC Live at River Plate Stadium (Argentina)".

AC/DC - Live at River Plate Stadium por luizcesar no Videolog.tv.