Publicado em 11/12/2012 às 05:34

Se for para ler uma biografia de música, escolha a do Guns N´Rose Duff

duff 708x1024 Se for para ler uma biografia de música, escolha a do Guns N´Rose Duff

“É Tão Fácil (e outras mentiras)” . Fãs da banda que Duff McKagan formou, o Guns N´Roses, entendem o trocadilho do título no ato, em cima da música “It´s So Easy”. Mas o que vale no livro não é o fato de Duff ter formado a banda que foi a maior do mundo um dia, mas ter subvertido a ordem de tudo e apresentar sua história completa (não apenas o highlight) de maneira tão simples e simpática.

Enquanto tocou baixo no Guns e no Loaded e no Velvet Revolver e em outras, o cara ganhou estilo na escrita na base da dedicação. Primeiro ele saiu da natal Seattle, foi para Los Angeles viver o sonho de residir na música. Encontrou parceiros de crime - Izzy Stradlin, Slash, Axl Rose e Steven Adler – e formaram o maior fenômeno do final dos 80/início dos 90.

Mas essa época é pouco explorada no livro. Quer dizer, você entende que é pouco explorada na vida dos cinco, pois viviam à base de substâncias ilícitas (cocaína, crack e álcool eram os preferidos de Duff. O baixista chegava a beber duas garrafas de vodka por dia e rebater com cocaína o suficiente para deixá-lo acordado quatro noites seguidas).

Passada a tormenta, Duff resolveu aprimorar outros potenciais – entrou em faculdade comunitária, conseguiu estudar na Universidade de Seattle (administração e economia), praticou artes marciais, formou bandas, casou, teve duas filhas, competiu em corridas de bicicleta e escreve colunas para alguns veículos além de ter aberto uma empresa de consultoria de investimentos.

E tudo isso que parece a vida chata do cidadão médio é o tempero do livro, já que ele apresenta essas conquistas com a mesma simplicidade com que fala da época do clássico “Appetite for Destruction”, o clássico disco do Guns N´Roses. E, principalmente, bom humor.
Claro que tem histórias saborosas da vida na estrada. Algumas boas são:

-quando recebeu um telefonema de um estúdio que queria usar seu apelido para batizar a cerveja em um desenho que seria produzido – Simpsons;

- encontro com Mick Jagger no backstage de show que abririam para o Rolling Stones. Mick falou que como estava chovendo e como o palco da banda era de aço, ele escorregaria muito se usasse as costumeiras botas. Ofereceu tênis emprestado, perguntou o número que calçava e ao notar a igualdade, soltou um: “nosso pênis deve ser do mesmo tamanho”.

- as histórias de terem tocado no Brasil;

- quando teve uma crise fortíssima provocada pela bebida, o pâncreas destruído, queimaduras internas de terceiro grau e diante da dor, pedido para o médico matá-lo.

Mas isso é o que os caras que leram vão te contar em mesa de bar. E é 15 ou 20% da obra. Ela vale na totalidade.

Comente

"Se for para ler uma biografia de música, escolha a do Guns N´Rose Duff"

11 de December de 2012 às 05:34 - Postado por Luiz Cesar Pimentel

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com