Publicado em 23/12/2012 às 06:06

“Se eles se moverem, mate-os”

stevesam “Se eles se moverem, mate os”
(Steve McQueen, Ali MacGraw e Sam Peckinpah, nas filmagens de 'Os Implacáveis')

Na real, a frase fica melhor em inglês: “If they move, kill´em”. Causa uma certa dubiedade, dá pra ser lida também como: “mate tudo o que se move”. É a primeira frase do magistral “Meu Ódio Será Sua Herança” (“The Wild Bunch”), dita por William Holden. E também o melhor título de biografia do mundo, do diretor Sam Peckinpah, que assina o filme.

Escrevo tudo isso por ter encontrado uma entrevista desse meu diretor preferido (ao lado de Billy Wilder) concedida em 1976 à TV britânica. Peckinpah se coloca de forma brutal. Assim como o fazia em seus filmes. A violência, que encharcava seus trabalhos e à qual se referia como catártica, lhe valeu apelido de “Bloody Sam”.

À época, tinha recém lançado o quinto filme de sequência dos meus preferidos. A fila começa justamente com “Meu Ódio Será Sua Herança”, em 1969, que traz, além de William Holden, Ernest Borgnine em um dos papéis principais. Dois anos depois, “Sob o Domínio do Medo” (“Straw Dogs”), com Dustin Hoffman.

Em 1972, o ator perfeito para seus filmes, Steve McQueen, estrelando ao lado da atriz mais bonita à época, Ali MacGraw, “Os Implacáveis” (“Getaway”). “Pat Garrett e Billy the Kid” é a pérola de 1973, com atuação e trilha-sonora de Bob Dylan (é desse filme “Knockin´on Heaven´s Door”). E fecha em 1974 com “Tragam-me a Cabeça de Alfredo Garcia” (“Bring me the Head of Alfredo Garcia”).

Para não pular um ano entre 1969 e 74, dá pra encaixar “A Morte Não Manda Recado” (“The Ballad of Cable Hogue”), em 1970. E na entrevista, ele está prestes a lançar “A Cruz de Ferro” (“Cross of Iron”). E na entrevista, em 22 minutos de papo, puxa garrafa térmica de café, acende um cigarro e abre uma garrafa de uísque.

Fala aberta e diretamente sobre violência, diz que a de seus filmes não são páreo para as dos noticiários e se compara a uma boa prostituta. Sua tese é que boas prostitutas te dão a impressão de que é importante que você se mantenha vivo, enquanto a má prostituta faz você pensar que desperdiçou seu dinheiro. “I´m a good whore”, diz.

Vale assistir não só a entrevista, mas ao menos os cinco filmes que coloquei mais pra cima. Pode me cobrar depois.

entrevista com Sam Peckinpah por luizcesar no Videolog.tv.

1 Comentário

"“Se eles se moverem, mate-os”"

23 de December de 2012 às 06:06 - Postado por Luiz Cesar Pimentel

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Mário Latino
    - 23 de dezembro de 2012 - 8:25

    Pô, Pimentel. Acabou de chegar de Marte? Penso isso que vc falou do velho Peckinpah há uns 20 anos! Essa frase "If they move, kill them", cuspida por Holden no início do assalto é sintomática de tudo o que Peckinpah significa para o bom filme de ação. Abração

    Responder
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com