Publicado em 24/02/2016 às 11:27

O maior disco do Led Zeppelin faz 40 anos hoje

"Physical Graffiti", o disco duplo com a clássica capa que me fez pagar o mico abaixo.

NY O maior disco do Led Zeppelin faz 40 anos hoje

É o sexto disco da banda. Eles vinham numa sequência de três discos batizados com numerais, "I", "II" e "III", de um quarto que foi logicamente apelidado "IV", dono de clássicos como "Rock´n´Roll", "Black Dog" e "Stairway to Heaven", e de "Houses of Holy", que era mais experimental.
Esse quinto pesou a mão em influências ainda maiores de música negra, como funk, reggae, muito blues, claro, e até uso de sintetizadores.
Se a carreira deles terminasse ali, teriam feito um belo trabalho já e um discão com verdadeiros hinos.
Mas aí veio essa obra-prima, que me fez gostar até de músicas bem longas (coisa que não aturo muito), como "In My Time of Dying", de 11 minutos. Fora que tem outras como "Trample Under Foot" e "Kashmir", que mostra o absurdo do peso da mão do baterista John Bonhan.
É definitivamente o auge do Led Zeppelin, pois depois veio "Presence" e "In Through the Out Door", que são bons mas não se comparam, e o fraco "Coda", já depois da morte do baterista.
O prédio da capa fica em Nova York, na St. Marks Place.
Pra marcar de vez o local, abriram uma casa de chás embaixo chamada Physical Graffitea (sacou?). O curioso é que as latas de lixo em frente devem ser as mesmas.
Mais curioso ainda é você perceber que o prédio tem cinco andares e na capa do disco só tem quatro. Diz a lenda que no quarto andar morava o fornecedor de substâncias ilícitas favorito do guitarrista Jimmy Page, e que por conta disso, o andar foi suprimido da versão final da capa.

PS: agora que vi que sou eu que não sei fazer contas e foi lançado em 75, portanto 41 anos! Ainda assim, vale.

Publicado em 19/02/2016 às 15:55

tô viciado nessa senhorinha chinesa que canta de AC/DC a Michael Jackson

Na verdade não é chinesa. É nascida em Hong Kong mas mora na Nova Zelândia.
E tudo o que preciso saber dela está nos vídeos abaixo. (crédito por apresentá-la para a Carol Apple)

Back in Black

Beat It

Dancing Queen

Baby (Justin Bieber)

Publicado em 17/02/2016 às 14:23

A neta supermodel do Elvis

Ela não usa o nome Presley, apareceu já em uns filmes B, mas agora que vai virar matéria da Esquire certamente vai virar presença constante na mídia.

rileykeough1 A neta supermodel do Elvis

rileykeough2 A neta supermodel do Elvis

riley3 A neta supermodel do Elvis

riley4 A neta supermodel do Elvis

riley5 A neta supermodel do Elvis

riley6 A neta supermodel do Elvis

Publicado em 16/02/2016 às 11:36

Vinyl deixa (muito) a desejar

hbo viny 1024x682 Vinyl deixa (muito) a desejar

Juntou uma trinca e um tema que, considerava, não tinha como dar erro. Olha a escalação: Martin Scorcese, diretor do (talvez) meu filme favorito, “Os Bons Companheiros”, entre outros fodaços, Mick Jagger como escritor/consultor/produtor executivo, Terence Winter, que era um dos que assinavam “Sopranos”. Para fazer um seriado sobre música e a época mais glamorosa desta, o início dos anos 1970. “Vinyl”, a série, decepciona, porém.
Tudo bem que foi o primeiro capítulo, episódio, piloto, o que quer que seja. Mas foram quase duas horas para apresentar a que veio e espremendo tudo o que poderia sair tem umas boas pitadas de violência à Scorcese, drogas a rodo e na parte musical é uma ode à música negra pela qual Mick Jagger é obcecado. Pouquíssimo mais que isso.
O seriado é para ser sobre um executivo, dono de gravadora, calcada em rock. Tudo bem que o rock veio do blues blá-blá-blá, daí a imensa inserção do gênero na história, mas a distância entre o que a série poderia ser e o que é de fato é gigante.
Protagonista é o Bobby Cannavale, que fez Blue Jasmine com Woody Allen e tem o rosto conhecido de seriados norte-americanos. Lançam lá umas referências como “Lester Bangs retornou sua ligação” ou uma cena de backstage com Led Zeppelin em que o dublê do Robert Plant está mais para Ovelha do que para o vocalista zeppeliano.
Um dos parceiros de Richie Finestra (Bobby Cannavale) é Ray Romano, do “Everybody Loves Raymond”, e sua esposa é a Olivia Wilde. Mas os núcleos familiar e profissional são tão pobres que acabam meio deslocados.
Domingo tem o segundo episódio. Claro que por tudo isso deve-se dar nova chance à série. E torcer para que não decepcione, pois a música atualmente já está se encarregando desse papel.

Primeiro episódio na íntegra:

Publicado em 21/01/2016 às 15:26

Simplesmente não sei o que falar sobre o setlist da turnê final do Black Sabbath

Começou ontem.
Os caras tocaram "Hand of Doom"!
Quem é que pode com esses caras?

Setlist
Black Sabbath
Fairies Wear Boots
Tomorrow’s Dream
Into the Void
Snowblind
War Pigs
Behind the Wall of Sleep
N.I.B.
Hand of Doom
Rat Salad
Iron Man
Children of the Grave
Dirty Women
Paranoid

Página 5 de 133Primeiro...34567...Último