Posts com a tag: em família

Sete micos da televisão brasileira em 2014

Programação de TV

Apesar de ter produzido bons acertos, 2014 foi marcado também por algumas decepções e saias justas no mundo televisivo. O blog elegeu sete deles.

7) Arena SBT

Arena SBT Sete micos da televisão brasileira em 2014

A equipe do "Arena SBT"

Sem grande vocação para o tema, o SBT resolveu investir num programa esportivo que misturava locutores de rádio, o ex-jogador Edmilson, a modelo Lívia Andrade e o humorista de "A Praça É Nossa" Alexandre Porpettoni. Essa mistura sui generis durou pouco e não conseguiu levantar a audiência do horário. Sem decidir se falava sério ou fazia graça sobre o tema, o programa afugentou o público e teve vida curta.

6) O Rebu

rebu Sete micos da televisão brasileira em 2014

Sophie Charlotte numa cena de "O Rebu"

A ideia de fazer uma novela ambientada em 24 horas segue parecendo genial, mas parece funcionar mais na tese que na prática. O que se viu nesta trama foi um festival de personagens secundários sem função e pistas falsas que só conferiram gordura desnecessária à história. A qualidade técnica era inegável, ainda assim o espectador se assustou com as cores escuras da produção. Aliás, de que adianta caprichar e investir tanto num projeto para exibi-lo nos horários mais diversos. A Globo errou feio em não fixar a hora para começar os capítulos a cada dia.

5) Geração Brasil

geracao Sete micos da televisão brasileira em 2014

Murilo Benício, Claudia Abreu, Isabelle Drummond e Luis Miranda, em "Geração Brasil"

Outra aposta que pareceu mais acertada no papel que na tela, a novela das sete que abordaria tecnologia afugentou a audiência complicando a história com termos difíceis. Outro problema foi a falta de vilões, só corrigida da metade para o fim. O caráter dúbio de Jonas Marra (Murilo Benício) e a mal aproveitamento de Renata Sorrah também criaram desconforto. De acerto mesmo, só o personagem de Luis Miranda. A trama que deveria repetir o sucesso de "Cheias de Charme" quase afundou o horário.

4) Teste de Fidelidade vaza câmera

TesteFidelidadeCamera Sete micos da televisão brasileira em 2014

Operador de câmera surgiu no meio do "Teste de Fidelidade" e despertou suspeitas

Não é de hoje que o "Teste de Fidelidade" sofre com as suspeitas de armação. Esse ano o quadro de João Kleber aumentou ainda mais a desconfiança ao deixar vazar a imagem de um operador de câmera no canto da tela. Foram vários os espectadores que atentaram para a falha e o barulho foi tão grande que a Rede TV! passou a exibir os "bastidores" do quadro. Na época a desculpa da emissora foi que enquanto uma sedutora distraia o participante um técnico consertava o equipamento. A gente acredita, claro.

3) Datena de cueca ao vivo

image1 Sete micos da televisão brasileira em 2014

Datena surgiu de cueca em programa ao vivo

Todo mundo sabe que Datena às vezes fala o que vem à cabeça. Tudo certo, não fosse o fato de que ele prometeu apresentar o "Brasil Urgente" de cueca amarela caso o Brasil perdesse a Copa. Os 7 a 1 a favor da Alemanha o obrigaram a pagar o mico. Rendeu boas risadas, pelo menos.

2) Tá na Tela

bacci Sete micos da televisão brasileira em 2014

Luiz Bacci perdeu programa poucos meses após mudar de emissora

Tirado da Record a peso de ouro - com muitos garantindo que a mudança era prematura -, Luiz Bacci foi para a Band com a missão de levar à emissora os índices que atingia no "Balanço Geral". Não conseguiu, apesar de ter levado os números de maneira sensível. Com um programa jornalístico que pisou fundo no sensacionalismo, o apresentador acabou vendo o "Tá na Tela" ter a vida encurtada. A atração sai do ar no dia 31. Agora caberá a Bacci tentar salvar as manhãs da Band, outro horário problemático para o canal, e mostrar que o investimento valeu a pena. Tenso.

1) Em Família

familia Sete micos da televisão brasileira em 2014

Bruna Marquezine e Gabriel Braga Nunes numa cena de "Em Família"

Até mesmo o "Melhores do Ano" do "Domingão do Faustão", prêmio chapa branca da Globo, ignorou a última novela de Manoel Carlos. Chata, lenta e enrolada, a trama derrubou a audiência do horário e gerou ainda mais reclamações que as antecessoras "Salve Jorge" e "Amor à Vida". Nos bastidores, boatos davam conta de brigas entre o elenco e estrelismo de alguns protagonistas. Entre o público, ninguém entendia porque Luiza (Bruna Marquezine) queria namorar o ex-noivo e primo de sua mãe, Helena (Julia Lemmertz). Para completar, atores como Humberto Martins pagavam mico - a cicatriz do personagem mudava de lugar a cada capítulo. A novela foi tão ruim que acabou encurtada.

Posts Relacionados

Apesar de repercutir mais, ‘Império’ completa um mês no ar com audiência menor que ‘Em Família’

Novelas e minisséries

imperio Apesar de repercutir mais, Império completa um mês no ar com audiência menor que Em Família

Marina Ruy Barbosa e Alexandre Nero: cenas quentes foram cortadas

Não há dúvidas de que "Império" tem repercutido mais que a mal sucedida "Em Família", de Manoel Carlos. Curiosamente, se levado em consideração o primeiro mês da novela, ou melhor, os primeiros 30 capítulos, a trama escrita por Aguinaldo Silva, que entrou no ar em 21 de julho, tem audiência mais baixa que sua antecessora.

Até o último sábad0 (23), "Império" registrou média de 30,5 pontos, de acordo com dados do Ibope. Já "Em Família", no período dos 30 primeiros capítulos, obteve a marca de 31,17 pontos.

Na Globo, um grupo de discussão já ocorreu para tentar identificar os motivos de a audiência não reagir como esperado. Para a surpresa geral, o relacionamento homossexual de Claudio (José Mayer) e Leonardo (Klebber Toledo) não sofreu rejeição, bem como o antagonista vivido por Paulo Betti. Nas últimas semanas, a emissora tem corrido para "aliviar" cenas e já cortou dois beijos entre os rapazes. O mesmo ocorreu com cenas quentes gravadas entre Marina Ruy Barbosa e Alexandre Nero.

Posts Relacionados

Como previsto, ‘Em Família’ tem último capítulo com a menor audiência da história das novelas das nove

Audiência

familia fim Como previsto, Em Família tem último capítulo com a menor audiência da história das novelas das nove

Bruna Marquezine e Gabriel Braga Nunes numa cena do último capítulo de "Em Família"

Com final previsível e carecendo de surpresas, "Em Família" chegou ao fim nesta sexta-feira (18) com números decepcionantes. De acordo com dados prévios do Ibope, a trama de Manoel Carlos registrou média de 34,8 pontos, cerca de 10 pontos a menos que sua antecessora, "Amor à Vida". O índice é o menor já registrado num último capítulo de novela das nove. Compare abaixo:

“Em Família” – 34,8 pontos com pico de 40

“Amor à Vida” – 48 pontos com pico de 50

“Salve Jorge” – 46 pontos com pico de 49

“Avenida Brasil” – 52 pontos com pico de 54

“Fina Estampa” – 47 pontos com pico de 50

“Insensato Coração” – 47 pontos com pico de 51

“Passione” – 52 pontos com pico de 57

“Viver a Vida” – 47 pontos com pico de 52

“Caminho das Índias” – 55 pontos com pico de 60

“A Favorita” – 50 pontos com pico de 53

O recorde negativo não se limita apenas ao desfecho. "Em Família" é também o folhetim menos assistido das história do horário.

Posts Relacionados

‘Em Família’ não vai deixar saudades; trama aponta para esgotamento do estilo de Manoel Carlos

Crítica

familia Em Família não vai deixar saudades; trama aponta para esgotamento do estilo de Manoel Carlos

Bruna Marquezine e Gabriel Braga Nunes: casal da ficção não agradou

"Em Família" chega ao fim nesta sexta-feira (18) sem deixar saudades. Menor audiência da história das novelas das nove, a trama de Manoel Carlos foi criticada por público e crítica do começo ao fim. Os problemas foram inúmeros, alguns deles podem ser relembrados a seguir.

Escalação errada de elenco - Antes mesmo da estreia o folhetim despertou confusão. Como poderia Natália do Valle ser mãe de Julia Lemmertz tendo apenas 10 anos a mais que ela? Como Thiago Mendonça, sendo bem mais baixo que Guilherme Prates, poderia viver o mesmo personagem?

Sisudez - Em toda novela há um núcleo cômico, responsável por aliviar a tensão, criar bordões, popularizar a trama. Não foi o caso de "Em Família", que esbajou DRs e longos diálogos, mas esqueceu de fazer o espectador relaxar e rir.

Triângulo amoroso frustrado - Nem os mais bondosos conseguiram entender como uma jovem teria a coragem de se relacionar com 0 ex-noivo da mãe, ciumento, que, por sinal, tentou enterrar o pai vivo. O casal Luiza (Bruna Marquezine) e Laerte (Gabriel Braga Nunes) era natimorto antes mesmo de acontecer de fato.

Faltou vilão - Vivianne Pasmanter tentou e deu charme e carisma a Shirley, mas a personagem, pensada para ser uma grande vilã, decepcionou. Virou uma caricatura e deixou de lado a maldade dos primeiros capítulos, quando dava mostras de sangue frio. No núcleo do asilo, Telma (Monique Curi) e Miss Lauren (Betty Goffman) também não disseram a quem vieram. Sobrou pro então "mocinho" Larte virar um louco de ciúmes.

LEIA TAMBÉM: "Em Família" tem último capítulo de menor audiência da história das novelas das 21h

Vários outros poréns poderiam ser listados como causas da decepção dos espectadores, mas o que "Em Família" denuncia é um pouco mais profundo. Ela consolida uma desconfiança que já ocorria em "Viver a Vida". O estilo de Manoel Carlos, tão celebrado em outros tempos, parece ter chegado próximo do esgotamento para parte do público. Em tempos rápidos como hoje, a narrativa cotidiana, com diálogos excessivamente longos, torna-se maçante. Da mesma maneira, temas fortes deixaram de ser explorados em profundidade, como na época de "Por Amor" ou "Laços de Família". As emblemáticas Helenas passaram a ser mulheres frustradas e reclamonas - Taís Araújo sofreu questionamentos semelhantes aos de Julia Lemmertz na época.

Maneco é um excelente autor. Nos deu grandes histórias. Espera-se que continue criando-as. Mas há que se adequar aos novos tempos. E se atentar para o desenrolar da trama, respeitar os argumentos e cuidar melhor de seus roteiros. De nada adianta escrever diálogos primorosos e encher as cenas de referências a música clássica e literatura se elas de nada servem para a trama. Houve capítulos inteiros de "Em Família" nos quais era difícil apontar um único acontecimento relevante. Os fios das histórias estavam lá, prontos para serem puxados, mas acabaram solenemente ignorados. Que o fracasso de "Em Família" sirva de lição ao autor e à Globo.

Posts Relacionados

‘Em Família’: Laerte morre após levar tiro de pianista no último capítulo

Novelas e minisséries

Laerte Em Família: Laerte morre após levar tiro de pianista no último capítulo

Laerte (Gabriel Braga Nunes): morte na igreja

Todo mundo já sabe que Laerte (Gabriel Braga Nunes) levará um tiro assim que se casar com Luiza (Bruna Marquezine). O desfecho do mocinho que virou vilão, no entanto, seguia em aberto. A revelação irá ao ar no último bloco do capítulo de sexta-feira da "Em Família". Após sofrer um atentado, o flautista morrerá e deixará a filha de Helena (Julia Lemmertz) viúva logo após subir ao altar, repetindo mais uma tragédia durante o matrimônio.

E autora do atentado é uma das amantes do ciumento. Se não houver mudança no roteiro, Lívia (Louise D'Tuani) será a responsável pelo tiro, logo após ouvir o músico debochando dela. Sendo assim, Luiza deve terminar a história sozinha, na companhia do pais.

Durante toda a novela, a personagem de Gabriel Braga Nunes sofreu rejeição. Ninguém entendia se ele era bom ou mau. Para completar, tocava insistentemente flauta, e ainda viu sua trajetória ser atrapalhada por rumores conflitos de bastidor, dando conta de brigas entre o elenco e textos não decorados.

Posts Relacionados

Em busca de audiência, ‘Pânico’ pega carona em novela e mostra beijo entre Nicole Bahls e Amanda Ramalho

Programação de TV

panico Em busca de audiência, Pânico pega carona em novela e mostra beijo entre Nicole Bahls e Amanda Ramalho

Nicole Bahls e Amanda Ramalho: beijo ao vivo

Não é segredo que a audiência do "Pânico" este ano sofreu um abalo. O humorístico, que atingia dois dígitos há alguns anos, hoje patina entre os 5 e 6 pontos, índice considerado bom pela Band, mas abaixo dos bons tempos. Neste domingo (6), o humorístico tentou causar barulho anunciando que duas de suas integrantes dariam um beijo gay, assim como ocorreu em "Em Família". Ao final do programa, Nicole Bahls e Amanda Ramalho deram um selinho, para delírio dos humoristas. O mesmo foi repetido entre Edu Sterblich e um anão.

A estratégia é divertida, mas me pergunto se é de fato a mais acertada. Uma vez que o beijo não casou a repercussão esperada na novela ou alavancou a audiência, por que imaginar que seria diferente com o "Pânico"? Só uma pergunta, cujos números podem dar uma pista. De acordo com dados prévios, o programa registrou média de 5 pontos e pico de 6,2.

Posts Relacionados

Fracasso de ‘Em Família’ vira assunto proibido em lançamento de ‘Império’, próxima novela das nove da Globo

Novelas e minisséries

alexandre Fracasso de Em Família vira assunto proibido em lançamento de Império, próxima novela das nove da Globo

Alexandre Nero e Lilia Cabral serão os protagonistas de "Império"

O elenco de "Império", próxima novela das nove da Globo, se reuniu nesta terça-feira (1) para um encontro com a imprensa. Todos, no entanto, tinham uma ordem específica: focar na trama de Aguinaldo Silva e evitar falar do fracasso de audiência "Em Família". Quando questionada, a orientação se esquivar com respostas otimistas. Klebber Toledo, que viverá um caso com José Mayer na história, por exemplo, foi direto: "Sei que vamos fazer o que for preciso pelo sucesso".

Já Aguinaldo Silva e Rogério Gomes fizeram questão de frisar que a novela resgatará elementos tradicionais, sem muita firula. "É uma novelão com todos os elementos que uma novela precisa ter", disse o diretor. Uma das protagonistas, Lilia Cabral também se esquivou: "Tenho confiança que essa novela tem muito a oferecer". De fato, a julgar pelas imagens já mostradas, o folhetim parece bem mais movimentado que o marasmo de Manoel Carlos. O autor, aliás, foi responsável por um dos últimos grandes sucessos de audiência do canal, "Fina Estampa". "Sou funcionário da rede Globo. Vou lá faço o meu e pronto, mas não estou preparado para fracasso, claro que não!", afirmou.

"Império" tem previsão para entrar ar no próximo dia 21 de julho.

Posts Relacionados

Beijo entre Clara e Marina não levanta audiência de ‘Em Família’

Novelas e minisséries

beijo Beijo entre Clara e Marina não levanta audiência de Em Família

Clara (Giovanna Antonelli) e Marina (Tainá Muller)

A expectativa gerada pelo primeiro beijo de Clara (Giovanna Antonelli) e Marina (Tainá Muller) em "Em Família" não se refletiu em audiência. De acordo com dados prévios do Ibope, o capítulo desta segunda-feira (30), que mostrou a carícia entre as personagens, marcou média de 29 pontos e pico de 31, número que a trama já vinha marcando e abaixo dos 35 pontos de meta.

No mesmo horário, SBT e Record empataram com 5 pontos.

Nas redes sociais, houve queixa de que o beijo foi "fraco" para os padrões televisivos. Manoel Carlos já prepara um segundo beijo com mais, digamos, vontade para ser exibido no capítulo 135 da trama.

Posts Relacionados

‘Em Família’: Beijo entre Clara e Marina não rompe tabu, mas mostra que assunto passa a ser tratado com naturalidade

Crítica

beijo Em Família: Beijo entre Clara e Marina não rompe tabu, mas mostra que assunto passa a ser tratado com naturalidade

Clara (Giovanna Antonelli) e Marina (Tainá Muller): enfim, o beijo

Em 1964, nos primórdios da TV brasileira, Vida Alves e Georgia Gomide trocaram, ao vivo, um beijo. Na época, as duas encenavam "Calúnia", teleteatro baseado no filme "Infâmia", com Audrey Hepburn e Shirley Mclaine. Décadas depois, em 2000, Aline Moraes e Paula Picarelli trocaram um frustrante selinho interpretando Romeu e Julieta em "Mulheres Apaixonadas". Em 2011, foi a vez de Luciana Vendramini e Gisele Tigre, em "Amor e Revolução", do SBT, trocarem um beijo caloroso e entrarem para a história como as primeiras atrizes a fazerem isso numa novela. Passado tanto tempo - e ocorrido o mesmo com Felix (Mateus Solano) e Niko (Thiago Fragoso) em "Amor à Vida" -, o assunto voltou à baila com o casal formado por Clara (Giovanna Antonelli) e Marina (Tainá Muller) em "Em Família". Depois da resistência de parte dos espectadores e certa relutância da emissora, finalmente as personagens darão um passo adiante na relação e se beijarão em frente às câmeras. A cena vai ao ar na segunda-feira (30).

Tão logo a foto acima foi divulgada, o furor tomou conta das redes sociais. Erroneamente, passou a ser encarado como mais um tabu quebrado. Como citado acima, a tal barreira ideológica já foi quebrada por outras pioneiras nos anos 60 e 2000, mas não se deve ignorar o que o gesto de carinho entre as duas mulheres do folhetim de Manoel Carlos aponta para um caminho claro para a TV brasileira. A partir de agora, o assunto deve passar a ser tratado com maior naturalidade. A função de Clara e Marina é banalizar - no melhor sentido da palavra - um gesto de carinho.

Já se provou que ele não causa choque ou rejeição ou que nenhum heterossexual de qualquer idade mude de orientação ao assistir um beijo. O gesto é comum para todos. E tudo indica que assim deve ser nas novelas futuras. Dentro de algum tempo, ele deixará as manchetes pelo "ineditismo". Não há beijo gay. Há um beijo como qualquer outro. E pronto. Casais trocam carinhos, não há razão para o choque. Nesse sentido, ponto para Manoel Carlos, que, mesmo com a novela com índices de audiência claudicantes e alguma rejeição ao casal, soube contornar a questão e fazer do limão uma limonada.

Posts Relacionados

Faltando menos de um mês para o fim, ‘Em Família’ amarga o título de menor audiência das novelas das nove

Novelas e minisséries

familia Faltando menos de um mês para o fim, Em Família amarga o título de menor audiência das novelas das nove

Bruna Marquezine e Gabriel Braga Nunes numa cena de "Em Família"

Nem a Copa do Mundo levantou significativamente os números de "Em Família". Faltando cerca de três semanas para seu fim, a trama de Manoel Carlos deve chegar ao fim com o título de novela de menor audiência da história das novelas das nove. Atualmente, sua média geral está quase seis pontos abaixo do que marcava "Amor à Vida" no mesmo período, por volta do capítulo 120.

Usando como base de comparação somente o mês de junho, que, em tese seria alavancado pela disputa de futebol, a diferença ainda é grande: a história de Walcyr Carrasco marcou 34,4 pontos contra 29 da atual.

De acordo com dados do Ibope, "Em Família" acumula média de 29,2 pontos, número menos até que "Salve Jorge", considerada também um fracasso para o horário e obteve 31 pontos nos primeiros 120 episódios. Se comparado a sucessos como "Avenida Brasil" e "Fina Estampa", o folhetim de Maneco fica ainda mais longe, representando queda de 8 e 9 pontos respectivamente.

Compare a audiência das últimas novelas das nove até o capítulo 120:

Em Família - 29,2 pontos

Amor à Vida - 35,16 pontos

Salve Jorge - 31,6 pontos

Avenida Brasil - 38,1 pontos

Fina Estampa - 38,6

Insensato Coração - 32,86

Passione - 33 pontos

Viver a Vida - 34,6 pontos

Caminho das Índias - 36 pontos

A essa altura, a Globo já concentra esforços em "Império", de Aguinaldo Silva. Nos bastidores, já se aceitou que a última novela de Manoel Carlos não emplacou.

Posts Relacionados