Posts de 1 de fevereiro de 2013

TV

Publicado em 01/02/2013 às 15:26

Tráfico humano não justifica falhas de Salve Jorge

Tudo bem um autor ou canal fazer campanha a respeito de um determinado assunto seja para enaltecer ou combater algo. É o que Glória Perez vem fazendo em

nanda Tráfico humano não justifica falhas de Salve Jorge

Morena é vítima de tráfico de pessoas (Divulgação/Globo)

Salve Jorge, onde denuncia o tráfico de mulheres e bebês. Para isso, além dos personagens envolvidos, a novela também mostra depoimentos de pessoas que foram tiradas de suas famílias ainda pequenas e mulheres obrigadas a se prostituir em outros países.

Tudo muito bonito e válido, mas uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, já dizia o poeta. Salve Jorge, do ponto de vista artístico, é uma novela fraca. Ponto. Tem personagens que não emplacaram, não tem um bordão na boca do povo e sofre com falta de carisma. Só o que pegou de fato foi a música do Roberto Carlos. Não dá para apagar estes elementos justificando pelo lado de que o programa presta um serviço público.

Glória Perez é famosa por fazer este tipo de ação em suas novelas e é um jeito de também de tentar atrair atenção para seu produto. O que é justíssimo, veja bem. O que não dá para aturar é a lenga-lenga e apoiar todo o trabalho dizendo que “há crimes sendo solucionados” e que “a polícia desmonta esquema de tráfico de pessoas” por causa do que é mostrado na novela. Uma coisa não pode justificar a outra e nem servir como desculpa por eventuais falhas na trama.

Salve Jorge tem é que efetivamente cair na boca do povo, o que não vem acontecendo. E isso só se faz com boas histórias e personagens, coisa que a novela ainda está devendo.

Imprimir:

Cinema

Publicado em 01/02/2013 às 12:07

Tainá: A Origem tem índio nerd!!

A exibição para imprensa ainda nem aconteceu, mas Tainá: A Origemjá promete. Além de ser aquela coisa de fazer filmes “com temas nacionais”, tipo favela,

taina 204x300 Tainá: A Origem tem índio nerd!!

Como é um índio nerd?

pobreza e tal (índio também está nesta lista), este longa já chega às redações causando. A sinopse, divulgada nesta sexta (1), tem momentos incríveis sendo que o melhor de tudo é o seguinte: “Gobi, um indiozinho nerd”. Amigos, as palavras “índio” e “nerd” simplesmente não foram feitas para serem usadas juntas.

Mais um motivo para ficar longe do filme é Carlinhos Brown cantando o tema principal junto da Orquesta de Praga. Nada contra a orquestra, mas Brown é sempre sinal de vergonha alheia. Só faltava mesmo colocar o Seu Jorge para ficar “perfeito”.

Dito isso, Tainá: A Origem é a terceira parte da trilogia que tem Tainá: Uma Aventura na Amazônia e Tainá 2: A Aventura Continua.

Imprimir:

Cinema

Publicado em 01/02/2013 às 11:02

Veja o que estreia nos cinemas nesta sexta (1/2)

gangsteres1 Veja o que estreia nos cinemas nesta sexta (1/2)

Caça aos Gângsteres

Qual novo filme você vai ver neste fim de semana? Tem Caça aos Gângsteres, Inatividade Paranormal, Jorge Mautner - O Filho do Holocausto, Os Miseráveis e O Lado Bom da Vida.

Veja tudo aqui.

 

Imprimir:

Cinema

Publicado em 01/02/2013 às 10:16

Oscar 2013: Tarantino ou Spielberg?

Difícil saber para quem torcer esse ano no Oscar. Estarão lá competindo Django Livre e Lincoln, de Tarantino e Spielberg respectivamente. Os dois são

tarantino1 Oscar 2013: Tarantino ou Spielberg?

A dupla dinâmica

grandes diretores e dois dos meus preferidos em todos os tempos. E também não poderiam ser mais diferentes.

A questão aqui não é nem comparar seus dois novos filmes, que são ambos fantásticos, mas sim o que cada um representa. Spielberg é um caso bem mais antigo, afinal está na ativa há mais tempo que seu colega. E é engraçado quando você, como cinéfilo, acompanha um diretor desde a infância/adolescência. Não me lembro bem qual foi o primeiro filme que assisti de Spielberg, que começou fazendo episódios de séries de TV. Ele comandou um episódio de Columbo, ainda em 1971 e me lembro de assistir a alguns episódios com meu pai, anos depois, quando o seriado passava no Brasil. Dificilmente devo ter visto a este episódio específico. Mas me lembro bem de ter visto Encurralado, filme produzido para a TV, também lançado na TV americana em 1971. Possivelmente foi meu primeiro contato com o diretor e foi perfeito porque sempre gostei de carros e perseguições, então estava tudo certo. Aliás, revi este longa há pouco tempo e continua ótimo.

Mas Spielberg ficou famosão mesmo nos anos 80, quando – depois de Turabão e Contatos Imediatos do Terceiro Grau – lançou megassucessos de bilheteria como E.T. – O Extraterrestre, os três primeiros Indiana Jones, A Cor Púrpura e Império do Sol. Uma sequência fantástica de produções que só quem é muito bom é capaz de realizar. O fenômeno continua com vários outros longas famosos que vieram depois como os da série Jurassic Park, O Resgate do Soldado Ryan, A Lista de Schindler, Minority Report, Guerra dos Mundos, O Terminal e por aí vai. Nem todos são sensacionais e há escorregadas, como, por exemplo, o final melodramático de A.I.: Inteligência Artificial. Mas, na média, Spielberg consegue se superar e se manter na linha de frente dos grandes diretores do cinema em todos os tempos.

Quentin Tarantino já é bem diferente. Tem uma carreira mais curta e proporcionalmente com menos filmes que Spielberg. Com exceção de Cães de Aluguel, vi todos os seus filmes no cinema e é um relacionamento completamente diferente daquele que tenho com Spielberg. Enquanto este leva o espectador a outros mundos, outro tempo, personagens históricos e muita fantasia, Tarantino mostra o que mais gosta e sabe fazer: frases ácidas, violência total e humor negro. Na minha opinião, Pulp Fiction continua sendo sua obra insuperável e mistura tudo o que o diretor tem de melhor. E a competição para o segundo lugar também é acirrada, com Jackie Brown, Kill Bill e Bastardos Inglórios disputando cabeça a cabeça. Por sua vez, À Prova de Morte também me pega de jeito porque, como já disse, sou aficionado por carrões americanos dos anos 70. E Django Livre, seu mais recente trabalho (ainda nos cinemas, vá ver), mantém a qualidade e estilo tarantinesco. É um pouco diferente de seus trabalhos passados e poderia ser um tanto mais curto, mas não dá para reclamar. E também sou fã de mais dois filmes dos quais Tarantino é “apenas” roteirista: Amor à Queima Roupa e Um Drink no Inferno. Tudo isso, tanto de Spielberg quanto de Tarantino está disponível nas locadoras e merece ser revisto e conhecido por quem ainda não o fez.

Por tudo isso vai ser difícil saber para quem torcer no Oscar 2013, embora só Spielberg concorra ao prêmio de Melhor Diretor. Mas e aí? Lincoln ou Django Livre? Alguém aí falou em Argo, de Ben Affleck?

Imprimir:
1
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com