TV

Publicado em 04/09/2015 às 09:16

Cabelo de Renata Vasconcellos no Jornal Nacional deixa espectadores intrigados

renata Cabelo de Renata Vasconcellos no Jornal Nacional deixa espectadores intrigados

Renata Vasconcellos e seu penteado diferente (Foto: Reprodução/Globo)

É engraçado esse lance dos cabelos femininos do Jornal Nacional. Primeiro foi com Patrícia Poeta. Quando a jornalista foi chamada para apresentar o programa, surgiu uma expectativa grande para saber qual seria o seu penteado, seu corte, enfim, como seus cabelos apareceriam. Foi uma coisa quase mais importante do que o cargo em si.

Agora, a mesma coisa aconteceu com Renata Vasconcellos, nesta quinta (4). Os internautas ficaram malucos com o novo penteado da moça, que deu uma mudadinha. Não presto atenção nessas coisas, mas o fato é que muita gente começou a comentar no Twitter. Teve gente que gostou e outros que acharam estranho. Veja alguns tuítes:

 

 

E por aí foi. Imagine o que aconteceria se William Bonner aparecesse de cabelo tingido.

Imprimir:

TV

Publicado em 02/09/2015 às 08:42

Jornal Nacional e Angélica causam a maior vergonha alheia do dia

jn Jornal Nacional e Angélica causam a maior vergonha alheia do dia

Angélica fala com a mãe ao telefone (Foto: Reprodução/Globo)

Não sei de quem foi a ideia genial, mas realmente foi um trocadilho infame. Parecia até que o Jornal Nacional estava meio sem notícia. A história é a seguinte: uma mãe, em trabalho de parto, pegou um táxi para ir ao hospital para a criança nascer. Estava muito trânsito e a menina nasceu dentro do carro mesmo. Ok, esta é uma história que já vimos centenas de vezes na TV. Mas é uma notícia. Rolou entrevista com a mãe, vimos que a bebezinha nasceu bem, chegou ao hospital e todos ficaram felizes. Fim da história? Não. É aí que a coisa pega.

Uma médica deu uma ideia de nome e começou o trocadilho infame. Como a bebê nasceu no táxi, a ideia foi chamá-la de Angélica, afinal ela cantava a música "Vou de Táxi", sucesso nos anos 80. E o que acontece? Ligam para a Angélica, que canta o refão da música. Sério, o que foi isso amigos? Vergonha alheia máxima. Muita gente pode achar bonitinho, fofinho, mas é um negócio que não tem absolutamente nada a ver. Uma forçada da amizade daquelas.

A reação no Twitter foi imediata. Veja umas postagens:

- O Bicho pegando na política e em outras coisas....mas aí o Jornal Nacional mete uma pauta com a Angélica falando no celular "vou de taxi"...

- Mãe teve filha dentro de um táxi e a matéria encaixa Angélica, ao telefone, cantando "Vou de táxi" para a mãe. É isso mesmo Jornal Nacional?

- A mulher n Jornal Nacional foi pressionada a colocar o nome de Angelica . Hahahaha que vergonha

- Alguém me explica qual a necessidade de ligar para a Angélica e mudar o nome do bebê só pq o parto foi no táxi??? #JN #JornalNacional

E assim foi.

Imprimir:

Cinema

Publicado em 01/09/2015 às 12:37

Idris Elba não pode ser 007; E isso não é racismo

 

idris Idris Elba não pode ser 007; E isso não é racismo

Idris Elba ficaria ótimo como um agente secreto da Rainha, mas não é Bond

Uma polêmica tomou conta do Twitter nesta manhã e é sobre a possibilidade de Idris Elba ser o próximo 007 do cinema. Isso já foi comentado há algum tempo, mas o assunto voltou forte nesta terça (1) por causa de uma entrevista que Anthony Horowitz, autor de novos livros de Bond, deu ao Daily Mail. Na conversa, Horowitz diz que não concorda com a escalação de Idris Elba para ser o agente secreto por ele ser "a bit too street", algo como "ser muito comum". O escritor ressalta que não é uma questão de cor de pele e que ele mesmo consegue pensar em outros atores negros que podem ser James Bond.

Enfim, o fato é que Idris Elba não pode ser 007 mesmo. E isso não é uma questão racista e nem por ser "comum demais". Colocar um ator negro, albino, ruivo, japonês, coreano ou loiro é mudar o personagem em sua essência. Quando Ian Fleming criou o agente secreto, em 1953, ele definiu suas características, mostrou como era o ser que havia criado: Bond é alto, caucasiano, viril, sedutor e refinado. Ele também é escocês, filho de um outro escocês e de uma mãe suíça. Estes elementos são o que definem James, além de ser um perito em artes marciais, saber atirar etc. Foram estas características que apareceram definidas lá nos livros iniciais e que depois, no início dos anos 60, foram reproduzidas no cinema. Lá está Sean Connery que não me deixa mentir. O ator personificava tudo o que Fleming havia colocado no papel em seus livros. E assim foi depois, com Roger Moore, George Lazemby, Timothy Dalton e Pierce Brosnam. Todos seguindo o mesmo padrão.

A coisa mudou um pouco de figura com a chegada de Daniel Craig ao papel, em 2006, com Cassino Royale. Até hoje, os fãs mais radicais do personagem reclamam de sua escalação. Primeiro por ser loiro, depois por ser um brutamontes, um trator que arrebenta tudo o que vê pela frente, sem a menor discrição. Ou seja, é um jeito de atuar completamente diferente do pregado por Fleming e que subverte tudo o que Bond sempre foi no cinema. Ok, foi uma opção do estúdio para "adaptar" o agente para o mundo moderno, para ser mais parecido com um Jack Bauer, por exemplo. Só que isso faz com que ele já seja um outro personagem, diferente do 007. Ele poderia ser um outro agente, mas não Bond.

O mesmo vale para Idris Elba. Não tenho dúvidas de que ele seria um ótimo James Bond. Tem presença, é atlético, forte. Mas colocar um ator negro — e, de novo, loiro, ruivo, albino, japonês, romano, neandertal, gordo, baixo, esquelético — muda totalmente quem James Bond é. Não é James Bond. Não é aquele personagem criado por Fleming. Como a nomenclatura do personagem mostra, ele é o sétimo agente de uma organização. Há outros: há o 001, 002, 003, 004, 005, 006, 008, 009, 010, quantos a imaginação permitir. Por que não tornar Elba o 003, por exemplo? Que, inclusive, poderia se encontrar com Bond e, a partir daí, ganhar seus próprios filmes. Por que não internacionalizar o personagem e diversificar a franquia, colocando um 00 alguma coisa no Brasil, no Japão, nos Estados Unidos, no Egito e por aí afora? 007 é aquele lá dos livros.

Colocar Idris Elba como James Bond é alterar o personagem. Assim como escalar Daniel Craig para o papel também foi modificar o que é o agente secreto. Eu não gostaria de ver um Saci-Pererê branquinho no cinema ou num desenho animado simplesmente porque o ser folclórico não é assim. Também não seria bom vê-lo com duas pernas e um uniforme especial. Seria alterar sua essência. Aliás, já chega inclusive de Craig como Bond. Já deu. Vamos voltar ao 007 original? Aquele lá de Ian Fleming?

Imprimir:

TV

Publicado em 30/08/2015 às 21:14

Faustão desmente atriz de Verdades Secretas ao vivo

faustao3 Faustão desmente atriz de Verdades Secretas ao vivo

Nesse domingo (30), a coisa ficou complicada para a atriz Agatha Moreira, no Domingão. É que Faustão desmentiu a moça ao vivo em relação à sua participação em Verdades Secretas.

O apresentador perguntou para Agatha, que participa da Dança dos Famosos, sobre o encontro que vai acontecer entre Giovana (sua personagem) e Angel (Camila Queiroz), que é apaixonada pelo pai da personagem de Agatha. A atriz disse que não poderia falar e que não sabia de nada e que ainda tinha muita coisa para acontecer. Daí, Faustão disse "mas a chamada já está no ar". A atriz, meio sem jeito, disse "já está?". E o apresentador completou: "Já tem você encarando a Angel". O programa até colocou a chamada no ar.

Apesar de a atriz ter ficado meio sem jeito, tudo foi feito ali na base da brincadeira. Faustão não foi grosso com ela, nem nada disso. No final, salvaram-se todos.

Imprimir:

TV

Publicado em 29/08/2015 às 10:37

Babilônia acaba em desastre total e com pior audiência da história

babilonia1 Babilônia acaba em desastre total e com pior audiência da história

Beatriz e Inês momentos antes de morrer (Foto: Reprodução/Globo)

Já estava desenhado há meses que o final de Babilônia seria uma coisa ruim. Não tinha como salvar a trama que foi totalmente desviada de sua rota original por causa da rejeição de parte do público. O encerramento foi de uma pobreza ímpar: sem brilho, sem grandes emoções, com reviravoltas toscamente arquitetadas, enfim, tudo péssimo e inaceitável para um final de trama das nove.

A revelação de que Otávio estava vivo (no penúltimo capítulo) já foi uma coisa sem o menor sentido. E, depois, revelou-se que ele matou Murilo por ciúmes. Tudo feito com um texto que não convenceria nem uma criança de cinco anos. As revelações foram sendo feitas uma atrás da outra, muito rapidamente, parecendo um final de episódio de Scoo-Doo. Só faltou Otávio dizer "eu teria conseguido se não fossem esses intrometidos".

O destino final de Beatriz e Inês não poderia ter sido mais clichê e sem graça, imitando o filme Thelma e Louise. Aliás, há uma cena que contraria até as leis da física: Beatriz sai acelerando o carro, na maior velocidade, e Inês entra nele correndo. Do jeito que foi mostrado, seria impossível ela entrar no veículo, a menos que tivesse superpoderes.

O resultado de toda essa trapalhada não poderia ser outro: o capítulo de encerramento teve 32 pontos de audiência, o pior final de uma novela das nove da história.

E não, Gilberto Braga, a culpa não foi do público de São Paulo.

Imprimir:

TV

Publicado em 28/08/2015 às 10:47

Babilônia tem um dos piores capítulos de sua história

babilonia Babilônia tem um dos piores capítulos de sua história

Adriana Esteves sofreu em Babilônia (Foto: Reprodução/Globo)

Foi um trabalho hercúleo assistir ao capítulo desta quinta (27) de Babilônia. Sério, os autores/roteiristas devem ter apertado o botão do "dane-se", porque não é possível. Tudo o que aconteceu foi feito na base do "deixa que chuto": morto "ressuscitou", execução no microondas (aquela com pneus) foi cancelada, casamento foi invadido e por aí afora. E o Murilo, então? Ninguém está nem aí para quem o matou. Assim, tudo de uma vez, que é para acabar logo com essa tortura que se tornou a novela.

Não posso afirmar com 100% de certeza, mas foi um dos piores penúltimos capítulos que me lembro de ter assistido. Geralmente, quando uma trama está acabando, a gente vê uma história crescendo em seus últimos dias justamente para criar aquela expectativa, uma curiosidade. Com Babilônia ninguém está nem aí. A trama fraca não consegue chamar a atenção do espectador. Assim como os autores estão escrevendo de qualquer jeito, as pessoas também assistem de qualquer jeito.

O mais engraçado é ver Gilberto Braga e os autores jogando a culpa no público pelo fracasso da novela. É bem verdade que audiência alta nem sempre significa história boa, mas no caso de Babilônia a audiência não subiu porque a trama não atraiu e não se conectou com o espectador. Simples assim.

Não vai deixar saudade.

Imprimir:

TV

Publicado em 27/08/2015 às 08:59

Preconceito faz Grazi tirar a roupa para virar atriz

grazi Preconceito faz Grazi tirar a roupa para virar atriz

Grazi em sua cena polêmica (Foto: Reprodução/Globo)

É engraçada a reação das pessoas em relação a algumas atrizes. Grazi Massafera sempre sofreu preconceito no meio artístico por ser uma ex-BBB que virou atriz. Não raro saíam muitas notas dizendo que ela vinha sofrendo rejeição numa novela aqui, em outra ali e assim a coisa andava. Para piorar, algumas novelas das quais participou — sempre das seis ou das sete, nunca das nove — quase sempre ficavam com audiência abaixo do esperado. Tinha gente que até colocava a culpa na moça, o que, obviamente, não era o caso.

Agora, do nada, só porque apareceu com os seios de fora, virou uma grande atriz. Tudo bem, Grazi era mais tosquinha no início de carreira, mas também não era o lixo que todo mundo pintava. Dava para o gasto assim como uns outros quinhentos atores só dão também para o gasto e, mesmo assim, estão lá na tela da TV todos os anos. Mais do que tirar a roupa, a atriz também teve de virar uma viciada em crack e mudar completamente o visual (veja a foto abaixo). Haja esforço para matar um preconceito, hein?!

E, vamos combinar, Grazi está bem em Verdades Secretas, mas também não dá para dizer que virou a Meryl Streep. Mas ela também nunca foi exatamente péssima no passado. Menos exagero, né? E também menos preconceito. Não é só porque ela é uma ex-BBB que não pode ser uma boa atriz, apresentadora, cantora ou coisa que o valha.

grazinova Preconceito faz Grazi tirar a roupa para virar atriz

Imprimir:

TV

Publicado em 26/08/2015 às 08:54

O racismo acabou com Edu Sterblitch no Pânico. Quem acredita?

africano1 O racismo acabou com Edu Sterblitch no Pânico. Quem acredita?

Edu e o seu Africano (Foto: Reprodução/Band)

Acompanhou toda a polêmica do personagem Africano, criado por Eduardo Sterblitch? Já falei sobre o caso aqui e a Band e o Pãnico se deram mal. É que a cria de Edu pegou mal e foi acusada de racismo, o que fez o programa não mais usá-lo. Como escrevi, não acredito que o programa tenha feito isso de caso pensado ou com a intenção de ofender alguém. Foi simplesmente uma bola fora, uma coisa feita sem pensar muito nas consequências.

Agora surge a notícia de que o comediante estaria deprimido e que teria se afastado do Pânico. Fabíola Reipert, minha colega de blog, conta que o canal não o afastou e também não explicou o motivo de sua ausência. O que se sabe é que o Carioca assumiu seu lugar, inclusive interpretando o Poderoso Castiga. Assim, nada se sabe com certeza o que está se passando com Sterblitch. Ele está mesmo deprimido? Se afastou para esperar a poeira baixar? Tudo isso junto ou nada disso?

Enfim, o fato é que não se pode confiar cegamente em nada quando o assunto é o Pânico. O programa já fez outras brincadeiras do tipo com seus integrantes. Lembra quando o Carioca sumiu e foi "visto" como um budista vendendo incenso (ou algo do tipo) na rua? A Sabrina Sato também desapareceu durante um tempo e inventaram uma história qualquer que depois foi desmentida. O Pânico é assim, gosta de pregar peças no público.

Pode até ser que Sterblitch esteja mesmo deprimido, vai saber. Mas também não dá para colocar a mão no fogo. Vamos aguardar os próximos capítulos.

Imprimir:

TV

Publicado em 25/08/2015 às 11:55

Na última semana, Babilônia chama o espectador de burro

beatriz Na última semana, Babilônia chama o espectador de burro

Beatriz já deveria estar na cadeia há anos

O início de Babilônia até que foi promissor. Glória Pires apareceu na estreia com a promessa de ser uma grande vilã, sem nenhum tipo de escrúpulo e ninfomaníaca. Pena que o texto não conseguiu manter isso e a personagem se perdeu ao longo dos meses. E a mesma coisa aconteceu com a trama, que descambou para situações absurdas e caiu no ridículo.

E, nesta última semana, a coisa só piora. Quer ver?

Situação absurda 1: Regina consegue finalmente uma prova de que Beatriz matou seu pai. O que ela faz? Entrega para a polícia? Não! Diz apenas para a vilã se separar de Diogo, seu irmão. Veja bem: a personagem de Glória Pires MATOU o pai de Regina e tudo o que a mocinha pensa é em acabar com o namoro de Diogo. Por favor, né? É uma piada de muito mal gosto, além do que chama o espectador de burro. É subestimar muito a inteligência das pessoas.

Situação absurda 2: Outra coisa que não deu para engolir foi o fato de Beatriz ter matado Carlos Alberto na frente da Regina e, pasme, não foi presa. Pior ainda: conseguiu convencer todo mundo que não foi ela quem matou o sujeito e jogou a culpa nas costas de Inês.

Se você não vê Babilônia pode estar pensando: "ah, você está exagerando só para falar mal da novela". Não, amigo (a), não há invenção aqui. É exatamente isso o que os roteiristas escreveram e que foi ao ar nestes últimos dias. O autor Gilberto Braga e os outros dois coautores ou estão num delírio coletivo ou estão mesmo achando que o espectador é burro. Só pode.

Imprimir:

TV

Publicado em 24/08/2015 às 09:14

Flavio Canto supera Fernando Rocha e é o pior da Dança dos Famosos

flavio Flavio Canto supera Fernando Rocha e é o pior da Dança dos Famosos

Flavio Canto não tem muito jeito para dança (Foto: Reprodução/Globo)

E não deu para Fernando Rocha. O apresentador do Bem Estar perdeu definitivamente o título de pior dançarino da competição do Programa do Faustão. Com Flávio Canto, outro apresentador e ex-judoca, na brincadeira, não tem para ninguém. O cara é ruim demais. Nem dá para acreditar nas notas que os jurados deram para ele, tudo 9,5, 9,8 e por aí afora. Canto e sua parceira não têm a menor química no palco e parece que a moça está dançando com um cone.

Enquanto isso, Fernando Rocha, como já falei aqui, vai se superando com seu carisma. Continua sem saber dançar direito, mas consegue divertir o público com suas performances engraçadas. Flávio Canto não faz nem isso, tanto é que ficou em último lugar na classificação. Deve ser o primeiro a sair do programa.

Agora a torcida é para que Fernando continue na atração. É quem consegue dar graça à coisa toda.

Imprimir: