marcosBBB1 Globo não queria expulsar Marcos e só o fez porque baixou polícia na casa

Marcos foi desclassificado do jogo (Foto: Reprodução/Globo)

Na noite de domingo (9), durante a edição ao vivo do programa, deu para ver que Tiago Leifert estava meio constrangido com o que iria ao ar em alguns segundos. O que vimos foi um show de horrores, daqueles que realmente não deveriam aparecer num programa que se pretende de entretenimento. Todo o discurso de que o BBB leva os participantes ao limite, que chegam ao extremo é conversa para boi dormir. Os caras estão lá, por três meses, sem fazer nada. Comem, dormem, nadam, se exibem, participam de festas, fazem exercícios, entre outras coisas. Absolutamente ninguém ali está sendo torturado, apanhando, tomando choques ou coisas do tipo. É um programa de entretenimento e quem está lá sabe disso. No máximo, o que se faz, são umas provinhas bestas e ter que aturar uma ou outra pessoa chata.

E é isso. Marcos vir com a desculpinha de que o "programa tem um formato destinado a levar o nosso emocional ao limite, e consequentemente nossos nervos à flor da pele", como escreveu em seu Instagram, é balela. Não estamos falando de "Jogos Vorazes" ou algum filme assim. Marcos pisou na bola, foi violento e agressivo pelo simples motivo de que quis se comportar assim. Ele é um desequilibrado na vida real? Não sei, não o conheço. Mas a julgar pelo que vimos na TV, ele pode muito bem ter reproduzido no BBB o que já faz nas ruas. É simples assim. Foi o exemplo que deixou.

Dito tudo isso, a Globo só tirou o médico da casa porque a polícia apareceu. Se não tivesse acontecido isso, aposto todas as fichas que ele ainda estaria por lá. Tanto é que o discurso de Leifert no domingo foi todo nesse sentido. Ele disse textualmente que a Globo não viu indícios de agressão e que Emilly não reclamou de nada. Para o canal — e para o jogo — é óbvio que a permanência do moço era bem melhor. Ainda mais em se tratando de reta final de reality, quando as coisas ficam mais mornas e pouca coisa acontece. Mas não se pode querer tudo ao mesmo tempo, né? Vale mais a audiência ou a segurança física de uma participante?

Aliás, a expulsão não aconteceu apenas por causa da polícia, mas também por toda a pressão feita nas redes sociais. Muita gente pediu a saída de Marcos após assistir a tudo no pay-per-view. Não fossem estes dois fatores — polícia e reclamações dos espectadores — o gaúcho continuaria por lá bancando o machistão.

Em todo o caso, foi bom que a Globo tenha enxergado o problema, mesmo que tenha demorado para isso. Ele não poderia continuar na casa.

http://r7.com/L_U6