Posts com a categoria: Baladas

7 mitos (ou verdades?) que você não sabia sobre cerveja

beer P 7 mitos (ou verdades?) que você não sabia sobre cerveja

Mito & Verdades: Tirando a limpo algumas histórias sobre cerveja

Já ouviu falar que existe cerveja feita de milho? E que a cerveja é a bebida que mais engorda? E aquele seu amigo, metido a esperto, que garante que a cerveja que se toma na cidade dele é melhor que a que você toma porque na região tem uma fábrica. Verdade ou mito?

Todo mundo adora dizer que entende de cerveja. Eu também. Mas às vezes a gente não sabe para quem perguntar, certo? Errado. Eu sei. Conversei com Luciano Horn, o mestre cervejeiro de Brahma, para tirar a limpo 7 mitos e verdades sobre a bebida favorita dos brasileiros.

 

Responda aqui e depois confira a resposta correta.

 

1. Chope e cerveja têm os mesmos ingredientes?  

(  ) MITO (  ) VERDADE

 

2. Cerveja de verdade só pode ter água, malte de cevada, lúpulo e levedura

(  )  MITO   (  )  VERDADE

 

3. O lúpulo, além de dar sabor, conserva a cerveja  

(  )  MITO   (  )  VERDADE

 

4. Uma cerveja que tem milho em sua composição é de menor qualidade  

(  )  MITO  (  )  VERDADE

 

5. A cerveja é uma das bebidas industrializadas com menos calorias

(  )  MITO   (  )   VERDADE

 

6. A qualidade da cerveja depende do seu estilo

(   )  MITO   (  )  VERDADE

 

7. O armazenamento e o transporte interferem na qualidade da cerveja

(  )   MITO   (  )  VERDADE

 

 

Já respondeu? Agora, com a palavra, o mestre e as respostas corretas:

 

1. Chope e cerveja têm os mesmos ingredientes?

VERDADE!

Os ingredientes são os mesmos. A diferença é que a cerveja passa pelo processo de pasteurização, um tratamento térmico que garante maior prazo de validade ao produto. Já o chope, por sua vez, não passa pelo mesmo processo e, por isso, tem um prazo de validade menor.

 

2. Cerveja de verdade é água, malte de cevada, lúpulo e levedura

MITO!

Essa história tem origem na “Lei da Pureza Alemã”, a Reinheitsgebot, instituída em 1516 na Bavária e que limitava os ingredientes permitidos na produção da cerveja. A lei foi constituída em um período bem específico da história e que não pode mais ser reproduzido hoje em dia. Isso tanto é verdade que ela já foi remodelada e hoje permite outros ingredientes, como trigo e açúcar de cana. Grandes cervejarias em todo o mundo utilizam outras fontes de carboidrato na produção e até o açúcar, diretamente. As escolas inglesa e belga sempre adicionaram outros ingredientes à cerveja como forma de torná-la mais complexa. No Brasil, não é diferente.

 

3. O lúpulo, além de dar sabor, conserva a cerveja

VERDADE!

A função do lúpulo vai muito além de garantir o amargor da cerveja. Ele é um dos principais ingredientes de todas as cervejas e um poderoso conservante natural que ajuda a preservar a essência da bebida.

 

4. Uma cerveja que tem milho em sua composição é de menor qualidade

MITO!

O papel do milho na cerveja é, basicamente, fornecer açúcares fermentáveis e tornar a cerveja mais leve. Afinal, o milho é um cereal de baixo teor proteico, o que garante uma cerveja mais refrescante e ideal para ser consumida em países de forte calor, como no Brasil. Os cervejeiros produziam a bebida com o cereal mais encontrado em cada região. Como o milho é o cereal mais cultivado no mundo, ganhou as receitas pelos quatro cantos do planeta.

 

5. A cerveja é uma das bebidas industrializadas com menos calorias

VERDADE!

Se comparada com o vinho ou até mesmo o suco de laranja, a cerveja possui menor valor calórico. Um copo de cerveja tem em média 120 calorias, já a mesma quantidade de vinho apresenta 240 calorias.

 

6. A qualidade da cerveja depende do seu estilo   

MITO!

Os estilos de cerveja refletem o modo de fazer a cerveja, os diferentes ingredientes usados em diversas regiões do mundo e até as condições climáticas locais. Por exemplo, as Weiss, mais encorpadas, nasceram na Alemanha, enquanto a Pilsen se difundiu no Brasil por ser uma cerveja mais leve, cristalina e refrescante, adequada ao nosso clima. Há cervejas boas em todos os estilos.

 

7. O transporte e o armazenamento interferem na qualidade da cerveja

VERDADE!

As alterações de temperatura durante o transporte e o armazenamento alteram o sabor e o aroma da cerveja. Por isso, procure guardá-la em locais arejados, frescos e que não bata sol. Armazene as garrafas em pé e cheque a data de produção: cerveja é como verdura, quanto mais fresca, melhor.

Luciano Horn Mestre cervejeirop 7 mitos (ou verdades?) que você não sabia sobre cerveja

Você também estaria sorrindo se fosse o Luciano Horn, mestre cervejeiro de uma das maiores cervejarias do mundo

Posts Relacionados

Uma noite de arte, design, gastronomia… e Stella Artois

StellaArtoiscoletivo Uma noite de arte, design, gastronomia... e Stella Artois

O Coletivo Stella Artois divulga os artistas e o cardápio para as baladas de hoje e amanhã - já o lugar, só descobre quem compra o ingresso

"Fidelio."

Saber a senha era a única maneira do Dr. Bill Hartford entrar na perturbadora festa armada por Stanley Kubrick em 'De Olhos Bem Fechados'. Mas não é apenas no mundo de Kubrick que acontecem eventos secretos: hoje e amanhã haverá em São Paulo uma festa onde os convidados, pelo menos até agora, não sabem sequer onde vai ser. Em vez das cenas proibidas do filme, no entanto, aqui a noite será de gastronomia, cerveja e interessantes experiências artísticas.

Serão duas noites do Coletivo Stella Artois, um evento que promete unir no mesmo local exposições fotográficas, design, gastronomia... e Stella Artois, claro. A balada híbrida vai reunir artistas e convidados em uma noite temperada pelas obras dos artistas gráficos Filipe Filippo, Pedro Nekoi e Anna Mascarenhas, e pelos sabores do cardápio do chef Raphael Despirite.

O mais interessante é que até agora o local escolhido para a festa é secreto – e será divulgado apenas para quem comprar o ingresso. Segundo a organização do Coletivo, no entanto, as pessoas vão se surpreender positivamente - o lugar foi descrito como "icônico" pela organização.

O ingresso dá direito a consumo livre de Stella Artois e das opções do cardápio, além de toda a programação musical e do acesso às instalações dos artistas.

Dos mesmos criadores do “Fechado Para Jantar”, o Coletivo Stella Artois transporta o público para uma noite de imersão na arte, repleta de histórias para contar. Junto às mostras, haverá também apresentação musical dos DJs Pedro Bertho e Pedro Noronha. A curadoria é de Hui Jin Park. “O prazer da apreciação nasce incorporada a essa edição do Coletivo, que convida as pessoas a expandirem suas percepções e dimensões de prazer”, diz a curadora.

Coletivo Stella Artois

Dias 1 e 2 de setembro, das 22h às 2h30
Ingressos: R$ 190
Open bar (chope e cerveja Stella Artois) e open food
Local: Secreto. O endereço será enviado junto com a confirmação da compra do ingresso.
Classificação: 18 anos

Artistas

Filipi Filippo

Artista gráfico, fotógrafo e designer gráfico. A sua busca não é sobre o significado das formas, mas sobre a transformação delas no mundo. A partir dessa pesquisa, sua mão rompe as formas em uma tentativa natural de transcender a uniformidade.

Pedro Nekoi

Formado em design gráfico, trabalha com arte digital, principalmente colagem digital. Transforma sua arte produzida digitalmente em impressos como zines, posteres, tecidos e estampas. Seus trabalhos permeiam o universo da moda, arquitetura e tecnologia, mesclado à influência pop japonesa com cores e informações saturadas.

Anna Mascarenhas

Fotógrafa Anna Mascarenhas é formada em comunicação e trabalha com fotografia contemporânea explorando principalmente a revelação analógica. Com trabalhos expostos por publicações como VICE e Dazed & Confused, Anna desenvolve novas linguagens de retratos e cenas do cotidiano através de um olhar estético único e inusitado.

Raphael Despirite (Fechado para jantar)

Raphael é chef de cozinha e transforma a gastronomia na melhor e mais simples forma de diversão, como um fio condutor para experiências incríveis. Ele é sócio da Casa Rauric, organizadora do evento ao lado da Stella Artois e idealizadora do projeto Fechado Para Jantar, em que o cozinheiro prepara refeições em espaços inusitados.

Curadoria: Hui Jin Park (Hashi)

Hashi é formada em Comunicação Social pela ESPM e tem mestrado em Design Studies – Applied Imagination for Creative Industries pela Central Saint Martins, na Inglaterra. Acaba de retornar da Coreia do Sul após uma temporada com a iris-Cheil Worldwide. Atua como consultora estratégica antecipando tendências e estéticas comportamentais e redesenhando culturas organizacionais.

Posts Relacionados

Grandes chefs juntos no ‘mesmo restaurante’: festival é o Rock in Rio da gastronomia brasileira

 

Taste2016 Grandes chefs juntos no mesmo restaurante: festival é o Rock in Rio da gastronomia brasileira

Taste of São Paulo: Edição do evento em 2016 reuniu mais de 15 mil pessoas e os restaurantes mais famosos da cidade no Clube Hipico de Santo Amaro

Feche os olhos e imagine um gigantesco restaurante ao ar livre, com vinte cozinhas funcionando ao mesmo tempo. Agora pense que por trás de cada uma está um grande chef brasileiro e sua equipe, oferecendo pratos incríveis a preços muito abaixo do que você vai encontrar 'na vida real'. E se, além dos chefs e seus famosos restaurantes, o local também abrigasse aulas, degustações e uma super variedade de produtos premium? Tudo isso regado a drinks e bebidas dos maiores produtores e importadores do país?

Já sei, você vai dizer que eu já bebi muito vinho e estou viajando. Nada disso. A segunda edição do Taste of São Paulo, que acontece entre os dias 24 e 27 de agosto, vai transformar o Clube Hípico de Santo Amaro nesse enorme restaurante dos sonhos. Um lugar que, até o ano passado, só existia no exterior. Mas se em 2016 o evento recebeu mais de 15 mil pessoas, a previsão para este ano é que o Taste of São Paulo seja ainda maior: mais restaurantes, mais atrações, mais público. Com tantas estrelas, dá para dizer que o Taste é uma espécie de Rock in Rio da gastronomia brasileira.

Os 30 principais restaurantes e bares da cidade

Estarão no evento os 30 principais restaurantes e bares da cidade. Quem comparecer vai assistir a uma verdadeira imersão no universo gastronômico e uma lista de dar água na boca: o ibérico Adega Santiago; a Bráz Trattoria, com os restaurantes Bráz e Bráz Elettrica; o Bar da Dona Onça e a Casa do Porco, reunidos em um só espaço; o Grupo Fasano, com os restaurantes Fasano, a Trattoria e o Bistrot Parigi; o Fechado para Jantar; o bistrô Le Jazz, junto com seu bar Petit, o brasileiro Mocotó; as carnes do NB Steak; a cozinha asiática do Tian e os drinques do bar Astor.

Outros grandes nomes da gastronomia paulistana também fazem sua estreia no evento como o Grupo D.O.M, com pratos do Dalva e Dito, Mercadinho Dalva e Dito e Açougue Central; o japonês Aizomê; o restaurante Arábia; o Buzina (com pratos novos); o Eataly, com receitas de seus vários restaurantes; o Jiquitaia (reforçado pelo novíssimo Vista); a Itália moderna do Nino Cucina e do Peppino; o brasileiríssimo Tordesilhas; o bistrô brasileiro TonTon e o bar Veloso, com caipirinhas. Os chefs estarão presentes, preparando e servindo suas criações e interagindo com o público.

Os restaurantes estão presentes no Taste of São Paulo em versões “pop-up” em instalações profissionais, o que possibilita a reprodução de pratos com a mesma qualidade encontrada nos restaurantes. Cada estabelecimento apresenta quatro pratos, sendo três deles parte de seu cardápio e um prato concebido exclusivamente para o evento. As porções custam de R$ 15 a R$ 30 e tem entre 100g e 120g, de modo que o visitante possa experimentar vários pratos em uma sessão de almoço (12h às 16h30) ou jantar (19h às 23h30) – uma pessoa consome em torno de cinco pratos.

O melhor do universo gastronômico

A curadoria do festival é assinada pelo consultor gastronômico Luiz Américo Camargo, crítico respeitado entre os chefs e autor do livro 'Pão Nosso', uma espécie de bíblia para os amantes dos pães artesanais. “Aprofundamos a proposta de proporcionar ao público um excelente entretenimento gastronômico: a melhor comida, a melhor bebida, aulas informativas e muito agradáveis. Reunimos um número maior de bares e restaurantes – sempre os principais em suas categorias –, buscando recriar a diversidade de São Paulo, só que num único espaço”, explica o curador. “Nesse momento, em que tanto se fala de confrontos, de polarizações, em que tanto se pensa em muros e fronteiras, acreditamos que podemos reunir todo mundo em torno da gastronomia. Comendo e bebendo bem, celebrando pratos, sem conflitos, sem importar se você gosta de carne, de comida brasileira, ou oriental: no Taste, a gente se diverte em harmonia”.

Para tornar a experiência ainda mais completa no universo gastronômico, os visitantes poderão inscrever-se em palestras e aulas ministradas por grandes chefs. O público ainda poderá participar de degustações de cervejas e vinhos, na Adega Taste. Todas as atividades terão vagas limitadas, com inscrição prévia. Os visitantes encontrarão um mercado com produtos premium como temperos, alimentos, bebidas e utensílios. Entre os expositores, nomes como BR Spices, Bombay, Pirineus, Cogushi, Basbuxca, Vecchio Cancian e Mustachio.

Festival acontece em 21 países

O Taste Festival é fenômeno entre os eventos gastronômicos em todo mundo. Realizado em 21 países, com a participação de mais de 100 dos melhores chefs de cozinha, conquista foodies em todos os lugares. A primeira edição na América Latina foi o Taste of São Paulo, em 2016. “No ano passado o Taste já foi um sucesso de público. 16 mil pessoas passaram pelo evento. Este ano nós estamos aumentando o espaço do evento dentro do Clube Hípico de Santo Amaro, o número de cozinhas, restaurantes e expositores. Outra novidade é que o público vai poder curtir ainda mais o evento, ao som das atrações musicais que estamos fechando. São Paulo merecia um evento como este, que já acontece em Paris, Londres, Toronto e outras tantas cidades do mundo”, diz Francisco Mattos, responsável pelo Taste of São Paulo na IMM, empresa que realiza o evento no Brasil.

Olha o balanço do Taste of São Paulo 2016:

  • 16 mil público total
  • 100 mil pratos de comida
  • 60 chefs participantes
  • 75 horas-aula
  • 750 kg carne de porco da Casa do Porco
  • 15,2 mil dadinhos de tapioca da Esquina Mocotó
  • 6 mil croquetes de jamón da Adega Santiago
  • 1,2 mil coquetéis do bar Astor
  • 2 mil porções de tiramisù do Fasano
  • 2,5 mil vidrinhos de tempero da BR Spices
  • 3,6 mil arancini da Bráz Trattoria
  • 80 mil pratos e talheres compostáveis

Para ingressos para o festival 2017 a R$ 60 a sessão (almoço ou o jantar) clique aqui.

Taste of São Paulo

Data: 24 a 27 de agosto de 2017
Horários: Almoço (12h às 16h30) ou jantar (19h às 23h30)
Local: Clube Hípico de Santo Amaro
R. Visconde de Taunay, 508 - Vila Cruzeiro, São Paulo – SP

O Taste of São Paulo tem o banco Santander como patrocinador máster, patrocínio do Mastercard Black, Get Net, Zurich Santander, Audi e Latam e apoio do Azeite Andorinha, Estácio, Águas São Lourenço, Granado e Nespresso.

Posts Relacionados

Brasil é campeão da Copa do Mundo de… cerveja

cerveja Brasil é campeão da Copa do Mundo de... cerveja

Atenção, produção do evento World Beer Awards: Se quiserem me convidar para a próxima edição, estamos aí

Nossos craques fizeram feio na última Copa do Mundo de futebol, mas pelo menos nossa seleção de mestres-cervejeiros vai muito bem, obrigado. Há alguns dias a Ambev levou o título de cervejaria mais premiada do mundo no World Beer Awards, uma espécie de Copa do Mundo das cervejas realizada na Inglaterra: foram 25 troféus, cinco a mais do que no evento de 2016.

As cervejas premiadas na degustação às cegas foram da Bohemia, Wäls e Colorado, essas duas últimas cervejas artesanais - um segmento que a Ambev passou a investir pesado em 2015, comprando várias marcas. O que levou as cervejas brasileiras a ganhar o prêmio inglês? Criatividade. Com receitas originais e ingredientes diferentes (graviola, trigo, milho, entre outros), a Ambev levou a melhor entre as cervejarias de 35 países. Depois do futebol-arte, podemos dizer que somos o país da cerveja-arte.

Quando vi a notícia sobre esse título brasileiro, me veio à cabeça a variedade de cervejas que temos à disposição hoje em dia. Até há algum tempo, você chegava no bar e pedia uma cerveja. Quando o garçom perguntava 'qual?', invariavelmente a resposta era sempre a mesma: "a mais gelada". Hoje há dezenas de respostas possíveis, a maioria delas sem qualquer relação com a temperatura da bebida.

Pensei então que, como a diversidade está na moda, podemos aplicá-la também à cerveja. Muita gente conhece harmonização de vinho com comida, mas também é possível – e delicioso – harmonizar a comida com a cerveja. Como cada situação pede um tipo de cerveja, segue aqui algumas sugestões de harmonização:

Feijoada

Feijoada com cerveja é quase pleonasmo: existem poucas coisas tão brasileiras. A pedida natural seria uma cerveja Pilsen, mas há opções que também combinam muito e vai deixar a feijoada diferente: a Colorado tem uma linha com ingredientes bem originais, como os rótulos Murica (com graviola), Eugênia (com uvaia) e Nassau (com caju).

Churrasco

Churrasco e cerveja combinam mais do que arroz e feijão. Aqui também é mais comum curtir uma Pilsen,  bem gelada, mas quem preferir um sabor mais encorpado pode experimentar rótulos como Aura Lager e 838 Pale Ale, ambos da Bohemia. As duas possuem em sua composição maltes caramelados e lúpulos que acrescentam o amargor necessário para equilibrar uma bela picanha.

Hambúrguer

Uma das muitas coisas fantásticas a respeito da cerveja é a flexibilidade das suas regras de harmonização. Você pode casar sabores semelhantes ou sabores completamente opostos. Pode também basear a combinação no equilíbrio da intensidade dos sabores. Alguns pares, entretanto, existem porque são tradicionais – e nenhum sommelier vai dizer que estão errados. Ostras com stout, por exemplo, é uma dupla apreciada há muito tempo nas ilhas britânicas. É a lógica da cerveja local: você chega em um país e procura seguir os hábitos dos nativos. Hambúrguer é uma comida que define com perfeição o estilo de vida americano. Então, por que não escolher uma cerveja americana para acompanhar? Vá de Goose Island (tanto a IPA quanto a Honkers Ale caem muito bem) ou, para ser ainda mais clássico, de Budweiser.

Encontro romântico

Sair com quem a gente ama, luz baixa, um jazzinho rolando... Muita gente gosta de celebrar uma ocasião assim com champagne, mas há uma boa opção para quem prefere cerveja: a bière brut, estilo feito à imagem e semelhança do champanhe. Refermentada na garrafa e maturada em adega, ela possui sabor delicado e até a perlage – aquelas bolhinhas finas – característica dos melhores vinhos espumantes. Uma sugestão: a Wäls Brut, produzida aqui no Brasil.

Piquenique

Estique a toalha, tire o sapato e pise na grama: nada melhor para um piquenique do que uma cerveja leve e fresca. Quando o sol voltar, convide aquela pessoa especial para um piquenique e abra uma witbier. Seus aromas vegetais – de frutas cítricos e especiarias – combinam perfeitamente com uma tarde ensolarada. Abra uma Hoegaarden - sua única preocupação será evitar as formigas.

Ocasião formal

Pedido de casamento, primeiro encontro com os sogros, fechamento de um negócio importante... Nada como quebrar o gelo com uma cerveja à altura da ocasião. A Bohemia Reserva, uma barley wine densa e encorpada, já impressiona com seu estojo de madeira e a garrafa numerada. Depois de alguns goles, você terá a certeza de que tudo vai dar certo.

Posts Relacionados

Dia da Cerveja: Finalmente uma data que me representa

Bohemia 8383 Dia da Cerveja: Finalmente uma data que me representa

Gosta de cerveja? Então você não pode perder o evento que valoriza a nossa querida Cultura de Boteco 

Digamos que seja apenas uma coincidência. Ou talvez as forças da natureza conspirem para que o universo seja regido por alguma ordem superior em meio a tanto caos. Não sei se a resposta é aleatória ou se existe alguma lógica nesse mundo. Só sei que o Dia Internacional da Cerveja cai no meu aniversário.

Nada melhor do que comemorar um aniversário com cerveja, mas também nada mais adequado à minha vida do que celebrar a data com muita música. Como não sou obrigado a escolher entre uma coisa e outra, muito pelo contrário, vou fazer um show hoje à noite, meu aniversário, no evento Cultura de Boteco.

Organizado pelo meu brother Miguel Icassatti e sua Sociedade Paulista da Cultura de Boteco, essa festa que celebrará a diversidade das cervejas contará com 8 bares clássicos e vai apresentar uma bela variedade de estilos e sabores nos dias 4 e 5 de agosto em São Paulo.  Além dos petiscos, haverá harmonização de rótulos de cerveja, palestras e diferentes atrações musicais ao vivo.

O evento tem como parceiro a Ambev, orgulho nacional por ser simplesmente a maior cervejaria do mundo. Hoje o happy hour acontece das 18h às 22h; amanhã, sábado, começa ao meio-dia e vai até às 10 da noite, com uma programação especialmente dedicada aos Beer Lovers.

A beer somellière Beatriz Ruiz e o mestre-cervejeiro Luciano Horn vão bater papo com o público sobre estilos de cerveja, a ocasião correta para beber cada um deles e a grande variedade de ingredientes que podem ser usados. As palestras acontecem durante a tarde de sábado (veja programação abaixo).

Entre os Botecos da Velha Guarda, estão confirmadas as presenças da Academia da Gula e do Pira Grill. A essa nata da gastronomia paulistana juntam-se o Veloso, o Jiló do Periquito e o Rota do Acarajé. Do interior, vêm a Linguiçaria Real Bragança, de Bragança Paulista, e a cantina Piovanelli, de São Roque. Já do litoral, está confirmada a presença do Taioba. Todos os petiscos e receitas estarão à venda por valores entre R$ 5 e R$ 20.

A entrada ao evento custará R$ 10,00 e poderá ser adquirida aqui ou na Unibes Cultural, na hora

Confira o cardápio do Cultura de Boteco - Dia Internacional da Cerveja:

Academia da Gula: bolinho de bacalhau, pastel de bacalhau de carne e de queijo, doces portugueses

Jiló do Periquito: carne louca na cerveja e croquete de carne

Linguiçaria Real Bragança: tradicional lanche de linguiça de Bragança

Pira Grill: polenta cremosa com ragu de costela, dadinhos de tapioca, bolinho de feijoada, brigadeiro

Piovanelli: sanduíche de porchetta romana

Rota do Acarajé: acarajé de mão recheado com vatapá e camarão seco defumado, bolo de manteiga de garrafa

Veloso: coxinha

Taioba: bolinho de taioba

 

Cultura de Boteco – Edição Dia Internacional da Cerveja

Local: Unibes Cultural – Rua Oscar Freire, 2500, ao lado do metrô Sumaré (linha verde)

Sexta, 4 de agosto, das 18h às 22h

Sábado, 5 de agosto, das 12h às 22h.

Entrada R$ 10,00 (www.sympla.com.br ou na Unibes Cultural)

 

Sexta, 4 de agosto:

20h: Acústico do projeto FM Solo, do guitarrista Felipe Machado (Viper)

Sábado, 5 de agosto:

* 14h: Beer class com Beatriz Ruiz, beer sommelière, que apresenta um GUIA RÁPIDO PARA ESCOLHER UMA CERVEJA A DEPENDER DA OCASIÃO

* 15h: Show de Juliano Juba, do bar Traço de União (samba rock)

* 16h: Beer talk com o mestre-cervejeiro Luciano Horn, que explica TUDO O QUE VOCÊ SEMPRE QUIS SABER SOBRE CERVEJA

* 17h: Show da banda Electric Pepper (blues, soul, Motown, classic rock)

*19h: Banda Zebra (Indie Rock)

 

 

Posts Relacionados

‘Luzescrita’, uma exposição iluminada pelas palavras

expo luz Luzescrita, uma exposição iluminada pelas palavras

'Luzescrita' fica em cartaz no Espaço Cultural Porto Seguro até 30 de julho

É possível transformar luz em arte? Os artistas Arnaldo Antunes, Fernando Laszlo e Walter Silveira respondem a essa questão na exposição Luzescrita, em cartaz no Espaço Cultural Porto Seguro até 30 de julho. São cerca de 60 obras, entre vídeos, objetos, fotografias e instalações, que transformam poemas em imagens e versos em luz.

O projeto nasceu no início dos anos 2000, a partir de uma ideia do Fernando Lazlo em traduzir literalmente a palavra fotografia através dos poemas de Arnaldo e Walter. Primeiro, as palavras foram escritas com luz por meio de materiais como pólvora, lâmpadas e metal. Em seguida, foram fotografadas por Fernando, completando a metamorfose.

Luzescrita é resultado de um trabalho de 15 anos e foi apresentada pela primeira vez em Salvador. Já passou por cidades como Curitiba, Rio de Janeiro, Brasília e Vila Nova de Cerveira, em Portugal e agora culmina em São Paulo, cidade natal dos artistas. Inicialmente, o resultado dessa parceria seria apenas um livro de fotografias. Mas o curador Daniel Rangel viu o potencial de transformar o projeto em uma mostra, que revela também os bastidores por trás das imagens.

A cada montagem, a exposição é diferente, numa contínua transformação. É um projeto que se retroalimenta: os objetos produzidos para cada exibição dão origem a novas fotografias para a etapa seguinte do percurso, e assim por diante. Em São Paulo, Luzescrita chega ao auge com a adição de nove obras inéditas, como a instalação “Assombraluz”, a fotografia “Fogo n’Água” e várias obras site specific, que exploram a relação com o ambiente, como “Ilumina Elimina” e “Luz Negra”.

Os trabalhos são apresentados em duas salas complementares. Em uma delas, a Sala Clara, com as paredes totalmente brancas e cheia de luz, estão expostas as fotografias. À primeira vista, há uma sensação de que as imagens sejam manipuladas digitalmente, ou feitas inteiramente no computador. No entanto, essa impressão se dissipa na Sala Escura, pintada de preto e com iluminação controlada, que desvenda todo o rico processo por trás das obras da primeira sala. Ali é possível ver os objetos e instalações de luz feitos por Fernando a partir de muita experimentação e o contraste entre o produto tecnológico e os procedimentos artesanais.

Quem são os artistas?

Arnaldo Antunes é um poeta e escritor com livros publicados no Brasil e no exterior, mas é mais conhecido pelo público por sua carreira nos Titãs e no projeto Tribalistas, onde dividia os vocais com Marisa Monte e Carlinhos Brown. Em carreira solo, lançou mais de dez discos. O fotógrafo Fernando Laszlo já participou de várias mostras coletivas e individuais, além de ter trabalhos nas coleções da Pinacoteca do Estado de São Paulo e Museum of Fine Arts Houston, nos Estados Unidos, entre outros.

Graduado em Rádio e TV pela ECA/USP, Walter Silveira foi fundador da The Academia Brasileira de Vídeo, primeira escola de vídeo do país. Desde o final dos anos 1970, realizou mostras como artista e curador de várias exposições e publicações de poéticas visuais. Foi diretor da TV Cultura de São Paulo, TV Educadora da Bahia, e superintendente regional (centro-oeste e norte) da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Exposição Luzescrita

Local: Espaço Cultural Porto Seguro - Alameda Barão de Piracicaba, 610, Campos Elíseos, São Paulo | (11) 3226-7361.

Em cartaz até 30 de julho; terça a sábado, das 10h às 19h; domingos e feriados, das 10h às 17h

Entrada gratuita

Indicado para todas as idades

Posts Relacionados

Petiscos e caipirinhas: Uma festa junina em homenagem aos grandes botecos de São Paulo

coxinha1 Petiscos e caipirinhas: Uma festa junina em homenagem aos grandes botecos de São Paulo

Coxinha do Veloso: Petiscos clássicos e novidades criadas para o 1º Arraiá da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco, que acontece no próximo sábado

Junho é mês do quê? Sim, de festas juninas. E a primeira grande festa do mês acontece no próximo sábado em São Paulo com a presença de oito botecos clássicos de São Paulo. É o 1º Arraiá da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco, que acontece no pátio da Unibes Cultural, bem ao lado do metrô Sumaré.

O evento vai reunir oito botecos clássicos da cidade de São Paulo e do interior em uma quermesse movida a petiscos e música ao vivo que vai durar o dia inteiro, das 11h às 21h. Os botecos prepararam receitas especiais para o evento, além dos itens que fizeram sua história. E para preparar as caipirinhas, ninguém menos que o mestre Derivan Souza, um dos barmen mais respeitados do país.

"A Sociedade Paulista de Cultura de Boteco foi criada no ano passado e deste então temos realizados uma série de eventos para valorizar os botecos clássicos da cidade e do interior. Este será o primeiro de seis eventos em parceria com a Unibes Cultural, sempre com muita música e valorizando a história e a cultura desses bares que fazem parte da nossa história", afirma o curador Miguel Icassatti.

Entre os botecos da Velha Guarda, estão confirmadas as presenças do Bar do Luiz Fernandes, da Academia da Gula e do Carlinhos Restaurante. A essa seletíssima nata da gastronomia paulistana juntam-se o Veloso, o Pompeia Bar, o Pira Grill e o Rota do Acarajé. Do interior, vem a Linguiçaria Real Bragança, de Bragança Paulista, que é fornecedora de embutidos artesanais para casas premiadas em todo o Brasil. Todos os petiscos e receitas estarão à venda por valores entre R$ 5,00 e R$ 20,00.

Durante o evento, estão confirmadas uma roda de samba comandada pelo bar Traço de União e um show do cantor Higor Rocha, vice-campeão do reality show 'Ídolos'. E pode trazer as crianças: haverá um espaço com brinquedos infantis e brincadeiras juninas.

O ingresso para o evento custa R$ 25,00 (menores de 12 anos, com adultos, não pagam) e pode ser adquirido antecipadamente nos bares participantes e por meio do site e aplicativo www.sympla.com.br.

Confira o cardápio do 1º Arraiá da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco:

Academia da Gula: alheira, caldo verde, bolinho de bacalhau e vinho quente

Bar do Luiz Fernandes: bolinho de carne, caldinho de feijão, pastéis de carne e de camarão, Rabo de Toro (bolinho de rabada); batida de amendoim com cacau

Carlinhos Restaurante: arais tradicional de carne, arais de carne com queijo

Linguiçaria Real Bragança: linguiça artesanal RB na farofa de farinha de milho da Serra do Lopo; Choripan; Buscapé (minirojão de panceta no espeto de cana-de-açúcar)

Pira Grill: polenta cremosa com ragu de costela regada ao molho de tomate fresco e parmesão; brigadeiro

Pompeia Bar: sanduíche de pernil, caldo de canjiquinha de xerém e frango

Rota do Acarajé: acarajé de mão; Bolinho do meu rei: bolinho caipira de massa de farinha de milho e carne moída temperada; bolo de paçoca; e cachaça branca com gengibre, capim santo, limão cravo e melaço

Veloso: coxinha

1º Arraiá da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco – Unibes Cultural
Unibes Cultural – Rua Oscar Freire, 2500, ao lado do metrô Sumaré (linha verde)
Sábado, 3 de junho, das 11h às 21h (os portões abrem às 10h).
Ingressos: R$ 25,00 (antecipados, nos bares participantes e www.sympla.com.br).

Mas quem é essa tal de Sociedade Paulista de Cultura de Boteco?

A SP Cultura de Boteco é um projeto gastronômico idealizado e que tem a curadoria do jornalista Miguel Icassatti (colunista de Cultura de Boteco da rádio Band News FM, do blog Boteclando e ex-editor deVeja Comer e Beber e do Paladar/Estadão). Por meio de eventos e ações especiais, tem como objetivo valorizar a cultura, a gastronomia e as pessoas que fazem dos Botecos um gênero protagonista da cultura paulistana. Em 2016, fez a curadoria da Botecaria do Lolla (Festival Lollapalooza) e organizou a Festa da Diretoria, no Sambódromo. Participou também da Virada Cultural de São Paulo e da Festa Junina do Club Athletico Paulistano. Além de tudo, é um grande brother deste blog e companheiro de boteco (menos do que gostaríamos) deste que vos escreve. Poucos caras no Brasil entende tanto de boteco como esse cara, grande Miguel!

Posts Relacionados

‘Chef pela Cura: Pão com Pão’: Evento reúne expositores e aulas gratuitas no Shopping JK

Pao com Pao2 Chef pela Cura: Pão com Pão: Evento reúne expositores e aulas gratuitas no Shopping JK

Pães de Rogério Shimura, um dos expositores: Evento terá curadoria do crítico e consultor Luiz Américo Camargo, considerado o 'papa' do pão no Brasil

Quem gosta de pão (e tem alguém que não gosta?) já tem programa imperdível para o fim de semana em São Paulo: a 1ª Edição do Chef pela Cura: Pão com Pão, que tem concepção e curadoria do consultor gastronômico Luiz Américo Camargo. O evento acontecerá nos dias 20 e 21 de maio, no Jardim JK do Shopping JK Iguatemi e vai reunir, pela primeira vez, alguns dos mais conceituados padeiros para vender pães, a maioria de fermentação natural e produção artesanal.
Participarão do evento a PAO - Padaria Artesanal Orgânica, Ici Brasserie, Mocotó, Beth Bakery, Miolo, Requinte, Padoca do Maní, Moema Machado, Shimura Pães e Doces, TØAST e Iza Padaria Artesanal. Os consagrados artesãos e estabelecimentos venderão pães e sanduíches, em quantidades limitadas, até durar o estoque.

Durante o evento, haverá aulas expositivas, com receitas de pão artesanal, brioche, pão doce, focaccia, além de dicas sobre fermentação, entre outros temas. Com duração de uma hora cada, as oficinas serão ministradas pelos padeiros Rogério Shimura, Iza Tavares, Marcos Carnero, Papoula Ribeiro, Beth Viveiros, Raffaele Mostaccioli, Moema Machado, Marco Antônio Corrêa e pelo próprio curador do evento, Luiz Américo Camargo.

Luiz Américo é autor de 'Pão Nosso', livro publicado pela que já se tornou um clássico da gastronomia brasileira. Imagine assar em casa um pão melhor que o da padaria. Além de ensinar os segredos do levain, o fermento natural, Luiz Américo ainda propõe receitas caseiras que passaram pelo seu rigor de crítico de gastronomia. São dezenas de pães: integral, de nozes, de azeitona, de mandioca, baguete, até panetone tem. E você também vai encontrar refeições inteiras em torno das fornadas. Da irresistível salada panzanella, passando pela surpreendente rabanada salgada até um ragu de linguiça que é de limpar o prato — com pão, naturalmente. Para comprar, clique aqui.

O evento 'Chef pela Cura: Pão com Pão' é uma iniciativa dedicada a celebrar o bom pão, mas também em nome de uma boa causa: divulgar a mensagem da TUCCA – Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer.

O valor da inscrição de cada aula é de R$ 95 e será integralmente revertido para o tratamento de crianças e adolescentes carentes com câncer. Os interessados deverão se inscrever pela plataforma foodpass (www.foodpass.com.br). As vagas são limitadas.

Além de proporcionar uma experiência gastronômica ao público, o evento tem o intuito de arrecadar recursos para dar continuidade ao trabalho realizado pela TUCCA, em parceria com o Hospital Santa Marcelina. A realização do Chef pela Cura: Pão com Pão é uma iniciativa da TUCCA com o Shopping JK Iguatemi. A curadoria e a participação dos chefs são voluntárias, por acreditarem e apoiarem o trabalho realizado pela Associação.

EXPOSITORES

Dia 20
Ici Brasserie
Rafael Rosa - Padaria Artesanal Orgânica/PAO
Rodrigo Oliveira + Anderson Miranda - Mocotó
Beth Viveiros - Beth Bakery
Marcos Carnero – Miolo
Marco Antônio Corrêa – Rei da Broa/Requinte
Moema Machado + Papoula Ribeiro - Padoca do Maní
Rogério Shimura - Shimura Pães e Doces
Flávia Maculan - TØAST

Dia 21
Ici Brasserie
Rafael Rosa - Padaria Artesanal Orgânica/PAO
Rodrigo Oliveira + Anderson Miranda - Mocotó
Beth Viveiros - Beth Bakery
Marcos Carnero – Miolo
Marco Antônio Corrêa – Rei da Broa/Requinte
Moema Machado + Papoula Ribeiro - Padoca do Maní
Rogerio Shimura – Shimura Pães e Doces
Iza Tavares – Iza Padaria Artesanal

PROGRAMAÇÃO DAS AULAS

Dia 20
12h30 – Rogério Shimura: Fermentação pelo método direto e indireto: diferenças e utilização
14h00 – Marcos Carnero: Aprenda a preparar pão 100% integral com fermento biológico
15h30 – Moema Machado: Aprenda a preparar pão de fermentação natural assado na panela
17h00 – Beth Viveiros: Três pães, uma base: receitas de brioche, cinnamonroll e babka
18h30 – Luiz Américo Camargo: Dicas e receita de pão caseiro de fermentação natural

Dia 21
12h30 – Iza Tavares: Aprenda a preparar grissini com fermentação natural
14h00 – Papoula Ribeiro: Como organizar a produção de pães artesanais: aprenda a usar pré-fermentos, temperatura e tempo a seu favor
15h30 – Raffaele Mostaccioli: Aprenda a preparar pão com azeite extravirgem e chocolate com fermento biológico
17h00 – Luiz Américo Camargo: Dicas e receita de pão caseiro de fermentação natural
18h30 – Marco Antônio Correa: Aprenda a preparar pão doce, um clássico da panificação: variadas modelagens

SERVIÇO

Chef pela Cura: Pão com Pão
Data: 20 e 21 de maio de 2017 (sábado e domingo)
Hora: 12h às 20h
Local: Jardim JK – 3º piso - Shopping JK Iguatemi (Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041 - Itaim Bibi - São Paulo/SP)

Aulas expositivas: Lounge One (3º piso)

Valor por aula: R$ 95

Inscrições: pela plataforma Foodpass (www.foodpass.com.br)

Posts Relacionados

Temporada de cruzeiros pela costa brasileira em 2017 começa com os melhores sabores da Itália

costa fascinosa Temporada de cruzeiros pela costa brasileira em 2017 começa com os melhores sabores da Itália

Costa Fascinosa corta os mares brasileiros: Temporada 2017 já começou

Por Meg Guida

Navios são sempre surpreendentes. A mágica de estar a bordo não é pensar em um transatlântico de cinema, como o Costa Fascinosa, como um meio de transporte. Ele e seu 'irmão' Costa Pacifica vão percorrer até março a costa brasileira, descendo até a Argentina e Uruguai. Deixar o navio para fazer turismo em paraísos como Angra, Búzios e Portobelo, é uma parte interessante da viagem: o mais legal é olhar o gigante da perspectiva do barquinho, quase uma cidade de aço flutuando sobre as águas. Sem deixar de lembrar, claro, que o navio já é um destino maravilhoso e completo em si.

A visão da entrada nas cidades de escala é  mais bonita do convés, com a paisagem desenhada em frames e vento brincando no rosto. Sabe aquela hora mágica de céu rosa indeciso entre o dia e a noite? Em navegação, a linha do horizonte promete grandes cenas. Dá para  ver o sol mergulhando ou escalando o mar da proa ou da popa e ouvir o hipnotizante barulho do navio cortando as ondas. Dá para ver estrelas e até pegar carona sem querer no sinal de wi-fi das plataformas de petróleo no meio daquele nada de marzão. Aí você toma um aperitivo e sai em busca de novidades.

Verdade, se come bem e bastante. O que conta é descobrir o que cada deck reserva de insólito. Regra básica é aprender a andar no navio, saber por onde você chega mais rápido na sua cabine, nos restaurantes, teatros, cassino, bares, discoteca e piscinas. O navio é tão grande que corre-se o risco de caminhar a esmo pelos corredores dos quase três quilômetros de cada um dos seus nove andares.

O Fascinosa homenageia o cinema, de Lucchino Visconti a David Lynch. E muito de Fellini, claro. A principal ponte de acesso às áreas sociais é a Gradisca, no terceiro andar, ode à personagem de 'Amarcord', tão acolhedora em sua fartura. E aí a porta do elevador se abre e você dá de cara com um Marcello Mastroianni com a musa Anita Ekberg de 'La Dolce Vita'. Na companhia deles você continua a viagem -  e escolhe se encara um cafe Illy ou um bichiere de vino Ferrari, marcas que provam por que a Itália, mãe do Fascinosa e de sua tradição em navegação de turismo, é tudo de bom quando o tema é comer com qualidade.

Nessa temporada, aqui e pelo mundo, a frota Costa apresenta o Italy's Finest, festival gastronômico que representa o ato de degustar não só pelo comer, mas como uma experiência sensorial. A marca Barilla, por exemplo, famosa no planeta pelos seus granos duros, faz parte do cardápio criado pelos chefs Fabio Cuchelli e Bruno Barbieri, ambos estrelados pelo Guia Michelin.

O Fascinosa e Pacifica têm ainda postos avançados das pizzarias Pummid'Oro, um must italiano. Servem pizzas com massas feitas 100% com fermento natural, uma colaboração especial com a Universidade de Ciências Gastronômicas de Pollenzo. A bordo, os hóspedes podem ainda saborear sorvetes da marca Agrimontana na Gelateria Amarillo e os hambúrgueres gourmet com carne Fassona 100% italiana.

Nos bares, o destaque são os aperitivos italianos como o Spritz, feito a partir da marca italiana Aperol. Outra inovação  são os bares gourmet dedicados à mussarela de búfala, com queijo produzido diariamente a bordo dos navios.

Em entretenimento, os costumes italianos estão representados pelas festas temáticas La Notte in Maschera (inspirado no carnaval de máscaras de Veneza), La Notte Bianca (festival do branco) e o novo evento Abbronzatissima, que recria a diversão, a música e a atmosfera da Itália dos anos 1950 e 1960. Além disso, há chance de alguém virar astro no shows de talentos The Voice of the Sea. Para as crianças, a companhia da famosa personagem de desenho animado Peppa Pig dão uma folga para os pais curtirem ainda mais a vida, a viagem e o doce balanço do mar. La vita é dolce mesmo.

 

Posts Relacionados

Temporada de neve começa amanhã em Jackson Hole, melhor resort de esqui dos EUA segundo a revista Forbes

Ski Groomer 06p1 Temporada de neve começa amanhã em Jackson Hole, melhor resort de esqui dos EUA segundo a revista Forbes

Jackson Hole, no Wyoming: Estação norte-americana completa 50 anos

Comemorando 50 anos de sua inauguração, a estação de esqui de Jackson Hole, no Wyoming, abre no dia 1 de dezembro sua temporada 2016-2017 e com certeza vai  encantar mais uma vez os fanáticos por esportes de inverno nos Estados Unidos. A revista Forbes apontou o resort de esqui como o melhor do país pela quinta vez consecutiva. Além da neve em si, a revista destaca a evolução da área de gastronomia, o que até pouco tempo era uma característica exclusiva de outros resorts de luxo como Aspen, no Colorado, e Park City, em Utah.

Para chegar ao topo dos resorts de esqui dos Estados Unidos, a equipe da Forbes aplicou um critério criado pela revista e baseado numa sigla que eles inventaram: 'PAF' (Pure Awesomeness Factor). Seria algo como 'Fator Puro de Impressionância'. De acordo com esse critério, que classifica tudo que é impressionante no resort, Jackson Hole ganhou nota 9,9 e foi o primeiro colocado novamente.

Jackson Hole é considerada hoje uma das melhores estações de esqui do mundo não apenas graças às belezas naturais, mas aos milhões investidos nas últimas temporadas. Jackson Hole, no entanto, é famosa mesmo pela qualidade de sua neve. São 1.261 de nemetros verticais de terreno sem obstáculos e mais de 10 km² de pistas de esqui e snowboard. Inaugurada em 2009, o The Big Red Box continua sendo um dos seus cartões postais. No lugar de cadeiras e gôndolas para duas, quatro ou oito pessoas – o aerial tram transporta até cem da base de Teton Village ao topo da Rendezvous Mountain.

A região de Jackson Hole também tem várias outras opções de passeio além do esqui e snowboard, como patinação no gelo, snowshoeing, snowmobile e dezenas de quilômetros de pistas de cross country. Os visitantes podem fazer belos passeios em trenós ou ainda, visitar os Parques Nacionais de Yellowstone e Grand Teton, em funcionamento na Floresta Nacional de Bridger Teton.

Hospedagem de luxo e boa gastronomia

Jackson Hole fica na região oeste do estado de Wyoming, nos Estados Unidos, e é uma das comunidades de resorts de montanha mais acessíveis na América do Norte. Está localizada no coração das Montanhas Rochosas (Rocky Mountains), região que se estende desde a Columbia Britânica, no Canadá. Fica a apenas 16 km da cidade de Jackson e a 35km de Teton Village, na base da montanha, ou seja, acesso direto às pistas de esqui de Jackson Hole Mountain Resort.

Jackson Hole não deve nada a outras estações quando o assunto é gastronomia. As especialidades regionais e os novos sabores do oeste se contrapõem aos clássicos pratos e drinques sofisticados. Inaugurado na temporada passada, o Piste Mountain Bistro tem um design contemporâneo e uma bela vista, e acabou sendo um local perfeito onde os esquiadores e snowboarders podem celebrar suas experiências na montanha e relaxar. Mais informal, o Headwall Deli foi projetado para curtir o aprés-ski, como é chamado o happy hour depois de um dia de atividades. Em Jackson também há muita diversão nos famosos saloons, com música ao vivo, dança e cervejas locais, como o tradicional Million Dollar Bar, em frente a Town Square.

Em Jackson Hole, o visitante pode ficar hospedado na cidade de Jackson ou na montanha Teton Village, localizada próxima aos parques nacionais de Yellowstone e Grand Teton National Park. Em Jackson está a famosa Town Square, com seus imponentes arcos feitos de chifres de animais. A praça é uma atração em qualquer época do ano e um ponto turístico obrigatório para quem visita a cidade. A apenas 19 km ao norte de Jackson está Teton Village, onde ficam hotéis luxuosos, bares, cafés, lojas e opções de ski e snowboard. Localizada na entrada do Grand Teton National Park, Teton Village serve como ponto de partida perfeito para excursões nos parques nacionais.

Em Teton Village, há hoteis como o Amangani, da Aman Resorts, que fica em uma montanha independente e proporciona aos hóspedes uma experiência reservada e tranquila, além de vistas panorâmicas e incomparáveis dos Tetons. O hotel oferece serviço de traslado entre o resort e o seu lounge particular de esqui na base das pistas. Totalmente ski in / ski out, o Four Seasons Resort está situado nas paisagens majestosas das montanhas de Teton e conta com o talento gastronômico do chef Michael Mina.

O Hotel Terra é um misto perfeito de luxo e tranquilidade e oferece uma experiência incomparável nas montanhas: um refúgio ecologicamente correto  com atendimento de luxo e comodidades excepcionais, além dos melhores restaurantes de classe internacional, lojas e o premiado Chill Spa. Jackson Hole Resort Lodging oferece imóveis que podem ser alugados por temporada. As acomodações vão desde apartamentos ao estilo estúdio a acomodações de luxo com cinco quartos e acesso direto às pistas de esqui. Inclui cozinha completa, áreas de estar espaçosas, banheira de hidromassagem e piscina, além da opção pela arrumação diária do quarto.

Em Jackson, pertinho da famosa Town Square e a poucos metros de lojas de grife e galerias de arte, fica localizado o The Wort Hotel, que representa a herança e a essência do 'velho oeste' dessa comunidade - e ainda fica ao lado do famoso Silver Dollar Bar. Já o novíssimo Hotel Jackson é um hotel boutique, com 58 suítes, definindo um novo conceito em hospitalidade no oeste.

Como chegar – Jackson Hole Mountain Resort é o resort mais acessível das Montanhas Rochosas. Com voos diretos diários partindo de 12 grandes cidades dos EUA, as conexões internacionais no Aeroporto de Jackson Hole são frequentes e rápidas. Os voos da Delta partem de Atlanta, New York (JFK), Los Angeles, Minneapolis, Salt Lake City e Seattle. Os voos da United saem de Chicago, Denver, Houston, Nova York/Newark, Los Angeles e São Francisco. American Airlines oferece voos partindo dos aeroportos de Chicago, Dallas/Fort Worth e Los Angeles.

Ficha técnica
Jackson Hole (Wyoming)
Temporada: de 24 de novembro de 2016 a 9 de abril de 2017
Meios de Elevação (lifts): 12
Número de pistas: 133 (10% para iniciantes, 40% para intermediários e 50% para avançados)
Capacidade: 16.733 pessoas por hora
Altura da base: 1.924 metros
Altura máxima: 3.185 metros
Área esquiável: 2.500 acres (10 km²)

Posts Relacionados