Posts com a categoria: Baladas

7 mitos (ou verdades?) que você não sabia sobre cerveja

beer P 7 mitos (ou verdades?) que você não sabia sobre cerveja

Mito & Verdades: Tirando a limpo algumas histórias sobre cerveja

Já ouviu falar que existe cerveja feita de milho? E que a cerveja é a bebida que mais engorda? E aquele seu amigo, metido a esperto, que garante que a cerveja que se toma na cidade dele é melhor que a que você toma porque na região tem uma fábrica. Verdade ou mito?

Todo mundo adora dizer que entende de cerveja. Eu também. Mas às vezes a gente não sabe para quem perguntar, certo? Errado. Eu sei. Conversei com Luciano Horn, o mestre cervejeiro de Brahma, para tirar a limpo 7 mitos e verdades sobre a bebida favorita dos brasileiros.

 

Responda aqui e depois confira a resposta correta.

 

1. Chope e cerveja têm os mesmos ingredientes?  

(  ) MITO (  ) VERDADE

 

2. Cerveja de verdade só pode ter água, malte de cevada, lúpulo e levedura

(  )  MITO   (  )  VERDADE

 

3. O lúpulo, além de dar sabor, conserva a cerveja  

(  )  MITO   (  )  VERDADE

 

4. Uma cerveja que tem milho em sua composição é de menor qualidade  

(  )  MITO  (  )  VERDADE

 

5. A cerveja é uma das bebidas industrializadas com menos calorias

(  )  MITO   (  )   VERDADE

 

6. A qualidade da cerveja depende do seu estilo

(   )  MITO   (  )  VERDADE

 

7. O armazenamento e o transporte interferem na qualidade da cerveja

(  )   MITO   (  )  VERDADE

 

 

Já respondeu? Agora, com a palavra, o mestre e as respostas corretas:

 

1. Chope e cerveja têm os mesmos ingredientes?

VERDADE!

Os ingredientes são os mesmos. A diferença é que a cerveja passa pelo processo de pasteurização, um tratamento térmico que garante maior prazo de validade ao produto. Já o chope, por sua vez, não passa pelo mesmo processo e, por isso, tem um prazo de validade menor.

 

2. Cerveja de verdade é água, malte de cevada, lúpulo e levedura

MITO!

Essa história tem origem na “Lei da Pureza Alemã”, a Reinheitsgebot, instituída em 1516 na Bavária e que limitava os ingredientes permitidos na produção da cerveja. A lei foi constituída em um período bem específico da história e que não pode mais ser reproduzido hoje em dia. Isso tanto é verdade que ela já foi remodelada e hoje permite outros ingredientes, como trigo e açúcar de cana. Grandes cervejarias em todo o mundo utilizam outras fontes de carboidrato na produção e até o açúcar, diretamente. As escolas inglesa e belga sempre adicionaram outros ingredientes à cerveja como forma de torná-la mais complexa. No Brasil, não é diferente.

 

3. O lúpulo, além de dar sabor, conserva a cerveja

VERDADE!

A função do lúpulo vai muito além de garantir o amargor da cerveja. Ele é um dos principais ingredientes de todas as cervejas e um poderoso conservante natural que ajuda a preservar a essência da bebida.

 

4. Uma cerveja que tem milho em sua composição é de menor qualidade

MITO!

O papel do milho na cerveja é, basicamente, fornecer açúcares fermentáveis e tornar a cerveja mais leve. Afinal, o milho é um cereal de baixo teor proteico, o que garante uma cerveja mais refrescante e ideal para ser consumida em países de forte calor, como no Brasil. Os cervejeiros produziam a bebida com o cereal mais encontrado em cada região. Como o milho é o cereal mais cultivado no mundo, ganhou as receitas pelos quatro cantos do planeta.

 

5. A cerveja é uma das bebidas industrializadas com menos calorias

VERDADE!

Se comparada com o vinho ou até mesmo o suco de laranja, a cerveja possui menor valor calórico. Um copo de cerveja tem em média 120 calorias, já a mesma quantidade de vinho apresenta 240 calorias.

 

6. A qualidade da cerveja depende do seu estilo   

MITO!

Os estilos de cerveja refletem o modo de fazer a cerveja, os diferentes ingredientes usados em diversas regiões do mundo e até as condições climáticas locais. Por exemplo, as Weiss, mais encorpadas, nasceram na Alemanha, enquanto a Pilsen se difundiu no Brasil por ser uma cerveja mais leve, cristalina e refrescante, adequada ao nosso clima. Há cervejas boas em todos os estilos.

 

7. O transporte e o armazenamento interferem na qualidade da cerveja

VERDADE!

As alterações de temperatura durante o transporte e o armazenamento alteram o sabor e o aroma da cerveja. Por isso, procure guardá-la em locais arejados, frescos e que não bata sol. Armazene as garrafas em pé e cheque a data de produção: cerveja é como verdura, quanto mais fresca, melhor.

Luciano Horn Mestre cervejeirop 7 mitos (ou verdades?) que você não sabia sobre cerveja

Você também estaria sorrindo se fosse o Luciano Horn, mestre cervejeiro de uma das maiores cervejarias do mundo

Posts Relacionados

Uma noite de arte, design, gastronomia… e Stella Artois

StellaArtoiscoletivo Uma noite de arte, design, gastronomia... e Stella Artois

O Coletivo Stella Artois divulga os artistas e o cardápio para as baladas de hoje e amanhã - já o lugar, só descobre quem compra o ingresso

"Fidelio."

Saber a senha era a única maneira do Dr. Bill Hartford entrar na perturbadora festa armada por Stanley Kubrick em 'De Olhos Bem Fechados'. Mas não é apenas no mundo de Kubrick que acontecem eventos secretos: hoje e amanhã haverá em São Paulo uma festa onde os convidados, pelo menos até agora, não sabem sequer onde vai ser. Em vez das cenas proibidas do filme, no entanto, aqui a noite será de gastronomia, cerveja e interessantes experiências artísticas.

Serão duas noites do Coletivo Stella Artois, um evento que promete unir no mesmo local exposições fotográficas, design, gastronomia... e Stella Artois, claro. A balada híbrida vai reunir artistas e convidados em uma noite temperada pelas obras dos artistas gráficos Filipe Filippo, Pedro Nekoi e Anna Mascarenhas, e pelos sabores do cardápio do chef Raphael Despirite.

O mais interessante é que até agora o local escolhido para a festa é secreto – e será divulgado apenas para quem comprar o ingresso. Segundo a organização do Coletivo, no entanto, as pessoas vão se surpreender positivamente - o lugar foi descrito como "icônico" pela organização.

O ingresso dá direito a consumo livre de Stella Artois e das opções do cardápio, além de toda a programação musical e do acesso às instalações dos artistas.

Dos mesmos criadores do “Fechado Para Jantar”, o Coletivo Stella Artois transporta o público para uma noite de imersão na arte, repleta de histórias para contar. Junto às mostras, haverá também apresentação musical dos DJs Pedro Bertho e Pedro Noronha. A curadoria é de Hui Jin Park. “O prazer da apreciação nasce incorporada a essa edição do Coletivo, que convida as pessoas a expandirem suas percepções e dimensões de prazer”, diz a curadora.

Coletivo Stella Artois

Dias 1 e 2 de setembro, das 22h às 2h30
Ingressos: R$ 190
Open bar (chope e cerveja Stella Artois) e open food
Local: Secreto. O endereço será enviado junto com a confirmação da compra do ingresso.
Classificação: 18 anos

Artistas

Filipi Filippo

Artista gráfico, fotógrafo e designer gráfico. A sua busca não é sobre o significado das formas, mas sobre a transformação delas no mundo. A partir dessa pesquisa, sua mão rompe as formas em uma tentativa natural de transcender a uniformidade.

Pedro Nekoi

Formado em design gráfico, trabalha com arte digital, principalmente colagem digital. Transforma sua arte produzida digitalmente em impressos como zines, posteres, tecidos e estampas. Seus trabalhos permeiam o universo da moda, arquitetura e tecnologia, mesclado à influência pop japonesa com cores e informações saturadas.

Anna Mascarenhas

Fotógrafa Anna Mascarenhas é formada em comunicação e trabalha com fotografia contemporânea explorando principalmente a revelação analógica. Com trabalhos expostos por publicações como VICE e Dazed & Confused, Anna desenvolve novas linguagens de retratos e cenas do cotidiano através de um olhar estético único e inusitado.

Raphael Despirite (Fechado para jantar)

Raphael é chef de cozinha e transforma a gastronomia na melhor e mais simples forma de diversão, como um fio condutor para experiências incríveis. Ele é sócio da Casa Rauric, organizadora do evento ao lado da Stella Artois e idealizadora do projeto Fechado Para Jantar, em que o cozinheiro prepara refeições em espaços inusitados.

Curadoria: Hui Jin Park (Hashi)

Hashi é formada em Comunicação Social pela ESPM e tem mestrado em Design Studies – Applied Imagination for Creative Industries pela Central Saint Martins, na Inglaterra. Acaba de retornar da Coreia do Sul após uma temporada com a iris-Cheil Worldwide. Atua como consultora estratégica antecipando tendências e estéticas comportamentais e redesenhando culturas organizacionais.

Posts Relacionados

Grandes chefs juntos no ‘mesmo restaurante’: festival é o Rock in Rio da gastronomia brasileira

 

Taste2016 Grandes chefs juntos no mesmo restaurante: festival é o Rock in Rio da gastronomia brasileira

Taste of São Paulo: Edição do evento em 2016 reuniu mais de 15 mil pessoas e os restaurantes mais famosos da cidade no Clube Hipico de Santo Amaro

Feche os olhos e imagine um gigantesco restaurante ao ar livre, com vinte cozinhas funcionando ao mesmo tempo. Agora pense que por trás de cada uma está um grande chef brasileiro e sua equipe, oferecendo pratos incríveis a preços muito abaixo do que você vai encontrar 'na vida real'. E se, além dos chefs e seus famosos restaurantes, o local também abrigasse aulas, degustações e uma super variedade de produtos premium? Tudo isso regado a drinks e bebidas dos maiores produtores e importadores do país?

Já sei, você vai dizer que eu já bebi muito vinho e estou viajando. Nada disso. A segunda edição do Taste of São Paulo, que acontece entre os dias 24 e 27 de agosto, vai transformar o Clube Hípico de Santo Amaro nesse enorme restaurante dos sonhos. Um lugar que, até o ano passado, só existia no exterior. Mas se em 2016 o evento recebeu mais de 15 mil pessoas, a previsão para este ano é que o Taste of São Paulo seja ainda maior: mais restaurantes, mais atrações, mais público. Com tantas estrelas, dá para dizer que o Taste é uma espécie de Rock in Rio da gastronomia brasileira.

Os 30 principais restaurantes e bares da cidade

Estarão no evento os 30 principais restaurantes e bares da cidade. Quem comparecer vai assistir a uma verdadeira imersão no universo gastronômico e uma lista de dar água na boca: o ibérico Adega Santiago; a Bráz Trattoria, com os restaurantes Bráz e Bráz Elettrica; o Bar da Dona Onça e a Casa do Porco, reunidos em um só espaço; o Grupo Fasano, com os restaurantes Fasano, a Trattoria e o Bistrot Parigi; o Fechado para Jantar; o bistrô Le Jazz, junto com seu bar Petit, o brasileiro Mocotó; as carnes do NB Steak; a cozinha asiática do Tian e os drinques do bar Astor.

Outros grandes nomes da gastronomia paulistana também fazem sua estreia no evento como o Grupo D.O.M, com pratos do Dalva e Dito, Mercadinho Dalva e Dito e Açougue Central; o japonês Aizomê; o restaurante Arábia; o Buzina (com pratos novos); o Eataly, com receitas de seus vários restaurantes; o Jiquitaia (reforçado pelo novíssimo Vista); a Itália moderna do Nino Cucina e do Peppino; o brasileiríssimo Tordesilhas; o bistrô brasileiro TonTon e o bar Veloso, com caipirinhas. Os chefs estarão presentes, preparando e servindo suas criações e interagindo com o público.

Os restaurantes estão presentes no Taste of São Paulo em versões “pop-up” em instalações profissionais, o que possibilita a reprodução de pratos com a mesma qualidade encontrada nos restaurantes. Cada estabelecimento apresenta quatro pratos, sendo três deles parte de seu cardápio e um prato concebido exclusivamente para o evento. As porções custam de R$ 15 a R$ 30 e tem entre 100g e 120g, de modo que o visitante possa experimentar vários pratos em uma sessão de almoço (12h às 16h30) ou jantar (19h às 23h30) – uma pessoa consome em torno de cinco pratos.

O melhor do universo gastronômico

A curadoria do festival é assinada pelo consultor gastronômico Luiz Américo Camargo, crítico respeitado entre os chefs e autor do livro 'Pão Nosso', uma espécie de bíblia para os amantes dos pães artesanais. “Aprofundamos a proposta de proporcionar ao público um excelente entretenimento gastronômico: a melhor comida, a melhor bebida, aulas informativas e muito agradáveis. Reunimos um número maior de bares e restaurantes – sempre os principais em suas categorias –, buscando recriar a diversidade de São Paulo, só que num único espaço”, explica o curador. “Nesse momento, em que tanto se fala de confrontos, de polarizações, em que tanto se pensa em muros e fronteiras, acreditamos que podemos reunir todo mundo em torno da gastronomia. Comendo e bebendo bem, celebrando pratos, sem conflitos, sem importar se você gosta de carne, de comida brasileira, ou oriental: no Taste, a gente se diverte em harmonia”.

Para tornar a experiência ainda mais completa no universo gastronômico, os visitantes poderão inscrever-se em palestras e aulas ministradas por grandes chefs. O público ainda poderá participar de degustações de cervejas e vinhos, na Adega Taste. Todas as atividades terão vagas limitadas, com inscrição prévia. Os visitantes encontrarão um mercado com produtos premium como temperos, alimentos, bebidas e utensílios. Entre os expositores, nomes como BR Spices, Bombay, Pirineus, Cogushi, Basbuxca, Vecchio Cancian e Mustachio.

Festival acontece em 21 países

O Taste Festival é fenômeno entre os eventos gastronômicos em todo mundo. Realizado em 21 países, com a participação de mais de 100 dos melhores chefs de cozinha, conquista foodies em todos os lugares. A primeira edição na América Latina foi o Taste of São Paulo, em 2016. “No ano passado o Taste já foi um sucesso de público. 16 mil pessoas passaram pelo evento. Este ano nós estamos aumentando o espaço do evento dentro do Clube Hípico de Santo Amaro, o número de cozinhas, restaurantes e expositores. Outra novidade é que o público vai poder curtir ainda mais o evento, ao som das atrações musicais que estamos fechando. São Paulo merecia um evento como este, que já acontece em Paris, Londres, Toronto e outras tantas cidades do mundo”, diz Francisco Mattos, responsável pelo Taste of São Paulo na IMM, empresa que realiza o evento no Brasil.

Olha o balanço do Taste of São Paulo 2016:

  • 16 mil público total
  • 100 mil pratos de comida
  • 60 chefs participantes
  • 75 horas-aula
  • 750 kg carne de porco da Casa do Porco
  • 15,2 mil dadinhos de tapioca da Esquina Mocotó
  • 6 mil croquetes de jamón da Adega Santiago
  • 1,2 mil coquetéis do bar Astor
  • 2 mil porções de tiramisù do Fasano
  • 2,5 mil vidrinhos de tempero da BR Spices
  • 3,6 mil arancini da Bráz Trattoria
  • 80 mil pratos e talheres compostáveis

Para ingressos para o festival 2017 a R$ 60 a sessão (almoço ou o jantar) clique aqui.

Taste of São Paulo

Data: 24 a 27 de agosto de 2017
Horários: Almoço (12h às 16h30) ou jantar (19h às 23h30)
Local: Clube Hípico de Santo Amaro
R. Visconde de Taunay, 508 - Vila Cruzeiro, São Paulo – SP

O Taste of São Paulo tem o banco Santander como patrocinador máster, patrocínio do Mastercard Black, Get Net, Zurich Santander, Audi e Latam e apoio do Azeite Andorinha, Estácio, Águas São Lourenço, Granado e Nespresso.

Posts Relacionados

Dia da Cerveja: Finalmente uma data que me representa

Bohemia 8383 Dia da Cerveja: Finalmente uma data que me representa

Gosta de cerveja? Então você não pode perder o evento que valoriza a nossa querida Cultura de Boteco 

Digamos que seja apenas uma coincidência. Ou talvez as forças da natureza conspirem para que o universo seja regido por alguma ordem superior em meio a tanto caos. Não sei se a resposta é aleatória ou se existe alguma lógica nesse mundo. Só sei que o Dia Internacional da Cerveja cai no meu aniversário.

Nada melhor do que comemorar um aniversário com cerveja, mas também nada mais adequado à minha vida do que celebrar a data com muita música. Como não sou obrigado a escolher entre uma coisa e outra, muito pelo contrário, vou fazer um show hoje à noite, meu aniversário, no evento Cultura de Boteco.

Organizado pelo meu brother Miguel Icassatti e sua Sociedade Paulista da Cultura de Boteco, essa festa que celebrará a diversidade das cervejas contará com 8 bares clássicos e vai apresentar uma bela variedade de estilos e sabores nos dias 4 e 5 de agosto em São Paulo.  Além dos petiscos, haverá harmonização de rótulos de cerveja, palestras e diferentes atrações musicais ao vivo.

O evento tem como parceiro a Ambev, orgulho nacional por ser simplesmente a maior cervejaria do mundo. Hoje o happy hour acontece das 18h às 22h; amanhã, sábado, começa ao meio-dia e vai até às 10 da noite, com uma programação especialmente dedicada aos Beer Lovers.

A beer somellière Beatriz Ruiz e o mestre-cervejeiro Luciano Horn vão bater papo com o público sobre estilos de cerveja, a ocasião correta para beber cada um deles e a grande variedade de ingredientes que podem ser usados. As palestras acontecem durante a tarde de sábado (veja programação abaixo).

Entre os Botecos da Velha Guarda, estão confirmadas as presenças da Academia da Gula e do Pira Grill. A essa nata da gastronomia paulistana juntam-se o Veloso, o Jiló do Periquito e o Rota do Acarajé. Do interior, vêm a Linguiçaria Real Bragança, de Bragança Paulista, e a cantina Piovanelli, de São Roque. Já do litoral, está confirmada a presença do Taioba. Todos os petiscos e receitas estarão à venda por valores entre R$ 5 e R$ 20.

A entrada ao evento custará R$ 10,00 e poderá ser adquirida aqui ou na Unibes Cultural, na hora

Confira o cardápio do Cultura de Boteco - Dia Internacional da Cerveja:

Academia da Gula: bolinho de bacalhau, pastel de bacalhau de carne e de queijo, doces portugueses

Jiló do Periquito: carne louca na cerveja e croquete de carne

Linguiçaria Real Bragança: tradicional lanche de linguiça de Bragança

Pira Grill: polenta cremosa com ragu de costela, dadinhos de tapioca, bolinho de feijoada, brigadeiro

Piovanelli: sanduíche de porchetta romana

Rota do Acarajé: acarajé de mão recheado com vatapá e camarão seco defumado, bolo de manteiga de garrafa

Veloso: coxinha

Taioba: bolinho de taioba

 

Cultura de Boteco – Edição Dia Internacional da Cerveja

Local: Unibes Cultural – Rua Oscar Freire, 2500, ao lado do metrô Sumaré (linha verde)

Sexta, 4 de agosto, das 18h às 22h

Sábado, 5 de agosto, das 12h às 22h.

Entrada R$ 10,00 (www.sympla.com.br ou na Unibes Cultural)

 

Sexta, 4 de agosto:

20h: Acústico do projeto FM Solo, do guitarrista Felipe Machado (Viper)

Sábado, 5 de agosto:

* 14h: Beer class com Beatriz Ruiz, beer sommelière, que apresenta um GUIA RÁPIDO PARA ESCOLHER UMA CERVEJA A DEPENDER DA OCASIÃO

* 15h: Show de Juliano Juba, do bar Traço de União (samba rock)

* 16h: Beer talk com o mestre-cervejeiro Luciano Horn, que explica TUDO O QUE VOCÊ SEMPRE QUIS SABER SOBRE CERVEJA

* 17h: Show da banda Electric Pepper (blues, soul, Motown, classic rock)

*19h: Banda Zebra (Indie Rock)

 

 

Posts Relacionados

Petiscos e caipirinhas: Uma festa junina em homenagem aos grandes botecos de São Paulo

coxinha1 Petiscos e caipirinhas: Uma festa junina em homenagem aos grandes botecos de São Paulo

Coxinha do Veloso: Petiscos clássicos e novidades criadas para o 1º Arraiá da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco, que acontece no próximo sábado

Junho é mês do quê? Sim, de festas juninas. E a primeira grande festa do mês acontece no próximo sábado em São Paulo com a presença de oito botecos clássicos de São Paulo. É o 1º Arraiá da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco, que acontece no pátio da Unibes Cultural, bem ao lado do metrô Sumaré.

O evento vai reunir oito botecos clássicos da cidade de São Paulo e do interior em uma quermesse movida a petiscos e música ao vivo que vai durar o dia inteiro, das 11h às 21h. Os botecos prepararam receitas especiais para o evento, além dos itens que fizeram sua história. E para preparar as caipirinhas, ninguém menos que o mestre Derivan Souza, um dos barmen mais respeitados do país.

"A Sociedade Paulista de Cultura de Boteco foi criada no ano passado e deste então temos realizados uma série de eventos para valorizar os botecos clássicos da cidade e do interior. Este será o primeiro de seis eventos em parceria com a Unibes Cultural, sempre com muita música e valorizando a história e a cultura desses bares que fazem parte da nossa história", afirma o curador Miguel Icassatti.

Entre os botecos da Velha Guarda, estão confirmadas as presenças do Bar do Luiz Fernandes, da Academia da Gula e do Carlinhos Restaurante. A essa seletíssima nata da gastronomia paulistana juntam-se o Veloso, o Pompeia Bar, o Pira Grill e o Rota do Acarajé. Do interior, vem a Linguiçaria Real Bragança, de Bragança Paulista, que é fornecedora de embutidos artesanais para casas premiadas em todo o Brasil. Todos os petiscos e receitas estarão à venda por valores entre R$ 5,00 e R$ 20,00.

Durante o evento, estão confirmadas uma roda de samba comandada pelo bar Traço de União e um show do cantor Higor Rocha, vice-campeão do reality show 'Ídolos'. E pode trazer as crianças: haverá um espaço com brinquedos infantis e brincadeiras juninas.

O ingresso para o evento custa R$ 25,00 (menores de 12 anos, com adultos, não pagam) e pode ser adquirido antecipadamente nos bares participantes e por meio do site e aplicativo www.sympla.com.br.

Confira o cardápio do 1º Arraiá da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco:

Academia da Gula: alheira, caldo verde, bolinho de bacalhau e vinho quente

Bar do Luiz Fernandes: bolinho de carne, caldinho de feijão, pastéis de carne e de camarão, Rabo de Toro (bolinho de rabada); batida de amendoim com cacau

Carlinhos Restaurante: arais tradicional de carne, arais de carne com queijo

Linguiçaria Real Bragança: linguiça artesanal RB na farofa de farinha de milho da Serra do Lopo; Choripan; Buscapé (minirojão de panceta no espeto de cana-de-açúcar)

Pira Grill: polenta cremosa com ragu de costela regada ao molho de tomate fresco e parmesão; brigadeiro

Pompeia Bar: sanduíche de pernil, caldo de canjiquinha de xerém e frango

Rota do Acarajé: acarajé de mão; Bolinho do meu rei: bolinho caipira de massa de farinha de milho e carne moída temperada; bolo de paçoca; e cachaça branca com gengibre, capim santo, limão cravo e melaço

Veloso: coxinha

1º Arraiá da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco – Unibes Cultural
Unibes Cultural – Rua Oscar Freire, 2500, ao lado do metrô Sumaré (linha verde)
Sábado, 3 de junho, das 11h às 21h (os portões abrem às 10h).
Ingressos: R$ 25,00 (antecipados, nos bares participantes e www.sympla.com.br).

Mas quem é essa tal de Sociedade Paulista de Cultura de Boteco?

A SP Cultura de Boteco é um projeto gastronômico idealizado e que tem a curadoria do jornalista Miguel Icassatti (colunista de Cultura de Boteco da rádio Band News FM, do blog Boteclando e ex-editor deVeja Comer e Beber e do Paladar/Estadão). Por meio de eventos e ações especiais, tem como objetivo valorizar a cultura, a gastronomia e as pessoas que fazem dos Botecos um gênero protagonista da cultura paulistana. Em 2016, fez a curadoria da Botecaria do Lolla (Festival Lollapalooza) e organizou a Festa da Diretoria, no Sambódromo. Participou também da Virada Cultural de São Paulo e da Festa Junina do Club Athletico Paulistano. Além de tudo, é um grande brother deste blog e companheiro de boteco (menos do que gostaríamos) deste que vos escreve. Poucos caras no Brasil entende tanto de boteco como esse cara, grande Miguel!

Posts Relacionados

Pub da Jack Daniel’s reúne os craques do poker no templo do futebol

 

pub poker JD2 Pub da Jack Daniel’s reúne os craques do poker no templo do futebol

Pub&Poker no Estádio do Morumbi: Cartas na mesa e Jack Daniel's no copo

Do jeito que anda o futebol brasileiro, provavelmente o melhor jogo que você vai ver no Morumbi no mês de outubro será... um Royal Straight Flush. Pode ter certeza de que não estou blefando: o estádio do São Paulo acaba de ganhar um pub dedicado ao poker e assinado pelo whiskey Jack Daniel’s.

Com vista para o gramado, comidinhas e belos drinks, o Pub&Poker do Morumbi abre hoje para o público e receberá dois torneios por semana. Nos outros dias, funcionará como bar e restaurante com almoço, além de camarote nos dias de jogos e shows. O local tem capacidade para 110 pessoas.

O que poker tem a ver com futebol? Tudo. Foi justamente para popularizar o esporte que o maior site de poker do mundo, o PokerStars, contratou craques de peso, como Ronaldo, Neymar e Cristiano Ronaldo para serem embaixadores do esporte. E muitos outros craques já entraram nessa onda, como o zagueiro Piqué, do Barcelona, o goleiro italiano Buffon, da Juventus, e o meia Oscar, do Chelsea.

“A proposta do pub é unir várias paixões em um só lugar: futebol, poker e Jack Daniel’s”, explica o gerente de marketing da marca no Brasil, Adriano Santucci. A iniciativa é uma parceria entre a empresa Poker4All, São Paulo FC e Jack Daniel's.

Pub&Poker

EndereçoEstádio do Morumbi - Praça Roberto Gomes Pedrosa, 1 – Camarote 11A

HorárioDas 11h30 até às 15h e das 18h00 até à meia-noite. Em dias de torneio, o local funcionará até o torneio acabar

Posts Relacionados

Da história para o bar: as edições especiais de Jack Daniel’s

JD2 Da história para o bar: as edições especiais de Jack Daniels

Jack Daniel nasceu no mesmo ano em que o comunismo. Sou muito mais o Jack

O ano de 1848 foi simbólico para o mundo. Na Europa, os filósofos Karl Marx e Friedrich Engels publicavam em Londres o Manifesto Comunista, teoria política que inspirou revoluções e que foi usada para legitimar ditaduras e governos autoritários em todo o planeta. Do outro lado do mundo, na pequena cidade de Lynchburg, Tennessee, nascia Jasper Newton Daniel, um homem que viria a se tornar o oposto do comunismo e um símbolo da independência e liberdade representadas pelo sonho americano. Hoje, esse personagem lendário é mais conhecido pela criação que leva seu apelido: o whiskey Jack Daniel’s.

No ano em que comemora seu aniversário de 150 anos, a destilaria Jack Daniel’s decidiu homenagear o nascimento de seu fundador e outros momentos marcantes da história dos Estados Unidos com uma série de embalagens especiais. Além da edição que celebra o ano de 1848, há ainda kits (R$ 139,90) em homenagem a 1920 e 1969 com uma garrafa, copos personalizados e pôsteres colecionáveis.

O ano de 1920, na verdade, merece atenção pelo lado trágico: foi o ano em que o governo americano decretou a Lei Seca. Imagine um mundo sem Jack Daniel's? Já a edição em homenagem a 1969, ano do festival de Woodstock, expõe a relação de amor que continua firme até hoje entre Jack Daniel’s e o rock and roll.

O rock and roll, aliás, é a prova definitiva de que um mundo com Jack Daniel's é muito melhor do que um mundo com Karl Marx. Cheers!

Jack1 Da história para o bar: as edições especiais de Jack Daniels

Jack Daniel's lançou série comemorativa em homenagem a momentos históricos dos EUA

 

 

 

Posts Relacionados

FM Solo Acústico Digital e um drink chamado Perfect One

drink FM FM Solo Acústico Digital e um drink chamado Perfect One

Perfect One: Drink inspirado na abertura do album FM Solo e na foto da capa do CD, tirada por minha filha Isabel

Nunca me imaginei fazendo uma apresentação ‘banquinho e violão’ nos moldes da Bossa Nova, até porque na minha opinião a Bossa Nova se resume a uma série de músicas para velhos com letras para crianças. Por isso, quando me convidaram para fazer um acústico, pensei duas vezes... mas aceitei. Afinal, há grandes acústicos por aí, e seria uma boa chance de recriar um disco de rock cheio de guitarras... no violão.

Tocar apenas as músicas no violão, no entanto, me pareceu um pouco simplista. Acho meio chata essa onde de neo-folk, do estilinho Jack Johnson, gente que planeja minunciosamente ser totalmente desencanado. E daí veio a ideia: por que não um Acústico Digital?

Já que não dava para fazer um show com a banda por questões de espaço, pelo menos eu poderia ter a banda me acompanhando virtualmente, ou seja, a partir do meu iPod. E foi assim que o formato Acústico Digital nasceu: eu canto e toco violão, enquanto o produtor Val Santos dispara as bases gravadas da bateria, baixo, efeitos e backing vocals. É acústico e digital ao mesmo tempo.

Mas não bastava vir só com essa novidade. Sempre imagino bar de hotel como um lugar sofisticado, ainda mais o bar Taste It do Hotel Pullman. Então imaginei: ‘o que combina com um bar sofisticado, cosmopolita, com barman de primeira como o Carlos Zarza?’ Um drink. Um drink qualquer? Claro que não. Um drink inspirado no álbum FM Solo, mas especificamente em uma música cujo título cai perfeitamente como nome de coquetel: Perfect One.

Para não deixar dúvida de que o drink seria inspirado no álbum FM Solo, pensei que ele deveria ter exatamente as cores da capa do disco. E assim foi: criado pelo Zarza, Perfect One leva 50 ml de Vodka (minha bebida favorita), 20 ml de suco de laranja, 10 ml de xarope de Grenadine (groselha) e 20 ml de licor de café, para dar o degradê escuro que está na capa de FM Solo. A foto da capa, assim como todas as texturas do encarte do CD, foi tirada por minha filha Isabel quando ela tinha dois anos. É por isso que elas têm essa cor avermelhada: são fotos em que ela colocava o dedo na frente da câmera. Pai consegue enxergar arte até quando a foto que a filha tirou sai borrada.

Voltando ao drink Perfect One, se quiser aprender a fazer, basta ver o vídeo abaixo, onde o Zarza ensina a receita. Agora, para tomar o verdadeiro Perfect One, aquele realmente perfeito... basta aparecer no Hotel Pullman Ibirapuera no próximo sábado, 7 de novembro, a partir das 20h. De quebra, você ainda ganha um show Acústico Digital do FM Solo. Prometo que não vai ter nada de banquinho e violão! Quer dizer, violão até rola, mas banquinho é um negócio tão antigo... pelo menos um banquinho Philippe Starck, vai?

Posts Relacionados

Confraria vai reunir fãs de cervejas especiais em São Paulo

Confraria cerveja Confraria vai reunir fãs de cervejas especiais em São Paulo

Confrarias de cerveja são cada vez mais comuns graças à moda das cervejas especiais

Que as cervejas especiais caíram no gosto do brasileiro não é novidade para ninguém. Mas o que me surpreende é a sofisticação que esse mercado atingiu, com um número cada vez maior de eventos de degustação e harmonização envolvendo locais chiquérrimos e alta gastronomia. Para resumir: beber cerveja virou um negócio muito sério.

Uma das confrarias mais legais da cidade já está em sua 8ª. edição e acontece nessa sexta, 28 de agosto. O tema leva um nome sugestivo: ‘Cervejas Temperadas’. Você, que estava acostumado a sentar no balcão do bar e pedir uma simples gelada, precisa rever seus conceitos. Essas cervejas são mais caras que as, digamos, ‘normais’, mas o sabor delas é tão mais complexo e incrível que não dá para comparar. Tomar qualquer cerveja, tanto faz, com os amigos é uma coisa; participar de uma degustação como essa é outra. São atividades distintas, mas igualmente prazerosas.

A variedade de países produtores dessa confraria é tão grande que parece que você está entrando em uma reunião da ONU. Estarão na degustação cervejas como a Coronrado Organge Ave Wit (Estados Unidos), Steenbrugge Blond (Bélgica), Baladin Wayan (Itália) e 8.6 Absinthe (Holanda), entre outras.

A curadoria é feita pela importadora Bier & Wein. O convite custa R$ 75 e dá direito a 150 ml de cada cerveja. Se beber demais e quiser aproveitar o luxo, o hotel onde será feita a degustação fez um pacote com desconto especial para os participantes do evento.

Além das cervejas, a harmonização prevê o acompanhamento de porções bem interessantes. Por exemplo: a Coronado Orange Ave Wit, que tem raspas de laranja, coentro e mel, combina com o bolinho de frango ao curry e broto de bambu; a Gregorius, com tons de chocolate, vai bem com mousse de limão com crocante de castanhas.
E você pensando em pedir outra porção de torresmo!

8ª. Confraria Radisson Faria Lima – ‘Cervejas Temperadas’. Sexta-feira, 28 de agosto, das 19h às 21h. Restaurante Badebec – Avenida Cidade Jardim, 625, Itaim. Mais informações: (11) 2133-5960

Posts Relacionados

Filosofia de boteco: Capítulo número… sei lá, esqueci

cerveja gente feia Filosofia de boteco: Capítulo número... sei lá, esqueci
Cerveja: Ajudando gente feia a transar desde 1862

Poucas coisas na vida são mais gostosas do que sair com os amigos para tomar cerveja e ficar falando besteira. Quem acompanha esta coluna sabe que tenho o (estranho) hábito de anotar essas conversas em guardanapos de papel. É incrível constatar que algumas dessas histórias dizem muito sobre a condição humana e o comportamento masculino. O quê, exatamente, eu nunca descobri. Mas talvez você possa fazer a sua própria interpretação dessa filosofia de boteco.

Feche os olhos e imagine um barzinho da Vila Madalena com quatro caras sentados numa mesa de ferro minúscula e algumas (muitas) bolachas de chope sobre a mesa. Pois é. Os papos nasceram nesse lindo local. Se fosse no campo, seria um cenário bucólico. Como foi no boteco, foi um cenário 'botecólico' (desculpe, essa foi péssima).

Você conhece alguém Flex? Descobrimos que um dos nossos amigos é Flex: ele gosta de cerveja, mas 'roda' com qualquer combustível... Foi ele quem contou que chegou a sair com duas garotas que tinham o mesmo nome. Só que, por descuido, anotou apenas o primeiro nome das duas na agenda do celular, e sempre se confundia na hora de ligar. Ele queria sair com uma, mas acabava errando e ligando para a outra. Deu para entender? Achamos muito absurdo para ser verdade. Ele garantiu que era.

Tem coisa mais chata do que gente que arruma confusão na balada? Arranja briga, ou perde o cartão de consumação, ou esquece o celular e obriga o amigo a voltar para pegar, ou discute com uma garota que está na mesa do lado, ou só vê que esqueceu o convite na porta da festa... Todos concordaram que isso é inaceitável e que tal pessoa deve ser excluída do convívio social. Do nosso, pelo menos.

Outro cara na mesa começou a falar sobre uma garota com quem ele sai. O problema foi que ele a definiu como 'a minha peguete'. Como assim, 'peguete'? Perguntamos a idade dele e constatamos que era ridículo um marmanjo daqueles chamar uma garota de 'peguete', por mais que ele esteja, bem... pegando. A expressão virou o apelido desse cara desde então. Coitado.

Outro amigo (você reparou que eu só fico ouvindo, né?) contou uma história chocante: confessou que estava saindo com a irmã mais nova da ex-namorada com quem ele manteve um relacionamento durante sete anos. Ficamos revoltados, até que ele puxou o celular e mostrou uma foto da garota. Ela era linda. E ele foi imediatamente perdoado.

Depois de tantas histórias interessantes, pedimos a conta e fomos embora. Ao chegar em casa, descobri que poucas coisas na vida são tão divertidas quanto tentar entender uns garranchos escritos à mão em um guardanapo de papel.