Posts com a categoria: Top 10

Os Top 10 Guitarristas Base da história do rock

malcolm Os Top 10 Guitarristas Base da história do rock

Malcolm Young, guitarrista do AC/DC: O estilo seco e poderoso de seus riffs é a marca registrada de uma das bandas mais famosas da história do rock

Na semana passada, o AC/DC informou que o guitarrista Malcolm Young estava se afastando da banda por motivos de saúde. Malcolm, como todo mundo sabe, é irmão do grande guitarrista e símbolo da banda, o endiabrado e lendário Angus Young. Com sua roupinha de estudante, seu carisma e seu talento como guitarrista, Angus ofusca totalmente o resto da banda. Ao lado dos vocalistas - Bon Scott no início e, após sua morte, Brian Johnson -, Angus é o dono do palco.

Claro que isso é só a impressão que a gente tem: Malcolm sempre teve uma importância enorme na banda, mas, graças provavelmente a sua personalidade, nunca se incomodou de ser apenas o guitarrista-base.

E isso me chamou a atenção para o perfil do músico conhecido como 'guitarrista base'. É difícil imaginar por que um guitarrista se 'contenta' em ser apenas um guitarrista base, já que o solo é, teoricamente, o momento supremo de expressão artística de um músico. Nunca saberemos as razões que levaram cada um dos grandes guitarristas base da história a escolher esse caminho.

Há casos de guitarristas que são apenas base por alguma limitação técnica, o que não é o caso de ninguém que está nessa lista. Esses gênios da guitarra certamente optaram pela base por questão estética e artística ou por acumularem a função de vocalista da banda.

Não importa: em homenagem a esses músicos que geralmente não são muito reconhecidos, aqui está uma lista definitiva dos dez maiores guitarristas base da história do rock. Alguns deles também fazem solos, mas o critério usado aqui é que a marca desses músicos como 'guitarristas base' é a mais relevante dentro de suas respectivas bandas. Também não inclui músicos de outros estilos, porque daí seria obrigado a incluir nomes como o genial Nile Rodgers, do Chic, por exemplo.

Aqui estão os Top 10 Guitarristas Base da história do rock:

1. James Hetfield (Metallica)
2. Malcolm Young (AC/DC)
3. The Edge (U2)
4. Keith Richards (Rolling Stones)
5. Johnny Marr (The Smiths)
6. Dave Mustaine (Megadeth)
7. John Lennon (Beatles)
8. Pete Townshend (The Who)
9. Brad Whitford (Aerosmith)
10. Scott Ian (Anthrax)

Posts Relacionados

No Dia Mundial da Voz, os Top 10 vocalistas de rock da história

freddie mercury No Dia Mundial da Voz, os Top 10 vocalistas de rock da história

Freddie Mercury, do Queen, foi o maior vocalista de rock de todos os tempos

Hoje é dia de abrir a janela e gritar: Feliz Dia Mundial da Voooooooz!!!

Para comemorar, fiz uma listinha dos dez maiores vocalistas de rock da história.

Os critérios foram timbre vocal, personalidade, carisma, estilo, originalidade, afinação... enfim, analisei vários elementos além da voz, até porque não existe uma voz sem alguém para soltá-la...

Você concorda? Quem você acha que deveria estar aqui? Quem da minha lista você tiraria?

Sinceramente, acho que não dá para mudar nada...

1. Freddie Mercury (Queen)

2. Robert Plant (Led Zeppelin)

3. Mick Jagger (The Rolling Stones)

4. Bono (U2)

5. Ronnie James Dio (Black Sabbath, Dio)

6. Ian Gillan (Deep Purple)

7. Bruce Dickinson (Iron Maiden)

8. Chris Cornell (Soundgarden, Audioslave)

9. David Bowie

10. Elvis Presley

Posts Relacionados

Melhores do ano: As top 10 canções de 2011

adele1 Melhores do ano: As top 10 canções de 2011

Adele: A cantora britânica compôs a melhor música do ano, 'Rolling in the Deep'

Com a popularização da música digital, cada vez mais assistimos a um mercado parecido com o dos anos 50 e 60, ou seja, mais focado em canções (singles) do que em álbuns. Eu acho uma pena, porque o conceito de ‘disco’ é mais próximo, no correspondente literário, ao romance, uma obra complexa e repleta de camadas interessantes. Seguindo esse raciocínio, canções são contos, histórias curtas e prazerosas que nos levam ao céu em três minutos e depois nos deixam lá, abandonados. Mas tudo bem.

Isso dito, brinquei com amigos que não faria uma lista dos 10 melhores discos do ano porque o ano sequer teve 10 melhores discos. É claro que exagerei: saíram coisas bem legais do início ao fim, como ‘21’, da Adele, ou ‘Wasting Light’, do Foo Fighters. Mas acho que, como explicado na introdução deste texto, faz mais sentido fazer uma lista das 10 melhores canções do ano. E com alguma explicaçãozinha, vá lá, para não deixar tudo tão no ar.

 

1. Rolling in the Deep (Adele)

Sabe aquelas músicas que encheram o saco de tanto tocar na rádio? Pois é, ‘Rolling in the Deep’, da Adele, não é uma delas. Ela tocou à exaustão, sim, mas todas as vezes que isso acontecia eu aumentava o volume e pensava: ‘porra, como essa música é maravilhosa!’ Ela tem drama, uma sequência harmônica não-óbvia e, coroando, a bela voz da Adele. Confesso que nunca tinha ouvido falar dessa mulher, mas agora vou ficar atento a tudo que ela lançar. Acaba de sair, inclusive, uma versão CD-DVD ao vivo que corre o risco de se tornar presente de Natal para vários amigos meus.

 

2. Dear Rosemary (Foo Fighters)

Poderia escolher várias do ótimo disco ‘Wasting Light’, como a porrada ‘Bridge Burning’, mas optei por ‘Dear Rosemary’ por uma razão muito simples: é a que eu mais gosto. Simples assim. Além de estar no topo no quesito ‘músicas para ouvir no volume 10 no carro’, ela tem uma pegada de hard rock anos 70 no melhor estilo Kiss/Blue Oyster Cult, com riff que lembra aquela música ‘Burning for You’, do BOC, ou alguma saíd do ‘Dressed to Kill’, do Kiss. Tem participação do Bob Mould, do Husker Du, mas isso não importa: o que importa é que Dave Grohl é o cara mais legal do rock... e um dos mais talentosos.

 

3. Codex (Radiohead)

Tudo bem, eu poderia ter escolhido ‘Lotus Flower’, o single do disco ‘King of the Limbs’, mas teria sido muito óbvio. Além disso, ela me lembra muito o vídeo como Thom Yorke dançando aquela dancinha ridícula (e legal), por isso sempre dou um sorriso com o canto da boca toda vez que eu ouço. ‘Codex’, não. É música séria. Séria e linda. Linda e pesada. Pesada e melancólica. Melancólica e linda. Radiohead? Esses caras têm futuro.

 

4. ‘Hurts Like Heaven’ (Coldplay)

O Coldplay não é a segunda maior banda do mundo à toa (a primeira ainda é o U2, claro). ‘Mylo Xyloto’, apesar de ser um dos piores nomes de disco da história do rock, é um álbum bem legal e cheio de prováveis hits. É óbvio que o Coldplay compõe pensando no impacto que o repertório terá ao vivo, mas mesmo assim as músicas são sólidas também em estúdio.

 

5. ‘Lift Off’ (Jay-Z e Kanye West)

Não sou muito fã de rap, mas quem gosta de música tem que admitir que esses dois caras levaram o rap a outro nível. Legal ver os dois maiores nomes de um estilo se reunindo para gravar um disco junto, até porque o rap americano sempre foi marcado pela guerra (às vezes nem sempre apenas no campo artístico, mas literal) entre facções. O disco ‘Watch the Throne’ é inteiro interessante e original, mas escolhi ‘Lift Off’ porque, além de tudo isso, ainda tem a participação nos vocais da Beyoncé, mulher do Jay-Z.

 

6. ‘Lonely Boy’  (Black Keys)

Conheci essa banda graças ao clipe de ‘Lonely Boy’, o melhor clipe de dança desde que o Christopher Walken bailou ao som de ‘Weapon of Choice’, do Fatboy Slim. O clipe é simples que dói, e reflete exatamente a sensação que a música provoca: a sensação de que é impossível ficar parado.

 

7. ‘Não Existe Amor em SP’ (Criolo)

Único representante brasileiro na minha lista, não porque não gosto de música brasileira, mas porque não tenho ouvido nada muito legal mesmo. Nomes hypados como Marcelo Camelo e Mallu Magalhães não me agradam muito, questão de gosto. Pensei em colocar Chico Buarque, Michel Teló ou Caetano Veloso, mas daí lembrei que acho todos muito chatos. Essa música do Criolo, não: apesar de ser quase um cover de ‘Glory Box’, do Portishead, tem uma letra bonita e que há muito eu não via por aqui. Ouvi o disco inteiro do Criolo e confesso que achei um pouco desigual demais, cada música um estilo, etc. Quando ele encontrar uma marca, tomara que a partir dessa canção, será um dos grandes artistas brasileiros.

 

8. ‘The Death of You and Me’ (Noel Gallagher)

Poderia ter escolhido qualquer uma do disco ‘High Flying Birds’, mas escolhi essa porque o vídeo é bem bonitinho. A música também é ótima e nos lembra os melhores momentos do Oasis: pena que o Liam Gallagher é temperamental e maluco. O disco solo de Noel só comprova que o Gallagher normalzinho é um dos melhores compositores de rock & roll da história.

 

9. ‘Ethiopia’ (Red Hot Chilli Peppers)

De propósito ou não, muitas músicas do álbum ‘I’m With You’ vieram com uma pegada ‘das antigas’: linha de baixo do Flea na cara; batera grooveada e quebrada do Chad Smith, Antony Kiedis cantando com emoção; o novato Josh Klinghoffer imitando o grande John Frusciante. O disco inteiro é homogêneo e regular, mas ‘Ethiopia’ é um ponto fora da curva. Para cima.

 

10. ‘The Devil You Know (Anthrax)

Confesso que não tenho ouvido muito metal novo ultimamente, prefiro mesmo ouvir os discos antigos do Dio, Metallica e Iron Maiden. Mas um amigo falou que eu deveria ouvir o novo do Anthrax, e realmente achei legal. Riffs à moda antiga, melodias pesadas/rápidas e bateria do Charlie Benante nunca esteve tão afiada. Deve ter sido a convivência com Megadeth, Metallica e Slayer na turnê do Big 4.

 

Menção horrorosa de 2011

'Lulu' (Metallica e Lou Reed)

'Lulu' é um disco, não uma canção, portanto não deveria estar nessa lista. Está bem. Então vamos dizer que a 'menção horrorosa', ou seja, o troféu de pior música do ano fica com... todas do disco 'Lulu', patética parceria entre os gigantes Metallica e Lou Reed. Por favor não me cobre a música do Michel Teló ou algum funk carioca, porque isso nem entraria. Odiei o disco do Metallica e Lou Reed porque foi algo que eu esperava ansiosamente, um projeto que poderia ter sido muito interessante... e foi um lixo.

Nunca vi um desperdício tão grande de bons riffs de guitarra. As músicas começavam de forma razoável, daí vinha o Lou Reed e estragava tudo com aquela voz de drogado-esclerosado-vanguardista. Lou Reed, aqueles ruídos que você acha tão interessantes, são uma merda. Só para você saber. Ninguém quer ouvir cinco minutos de microfonia só porque você está lendo poemas sobre um personagem obscuro na escatológica Alemanha pós-guerra.

Metallica, por favor recolham-se a sua incrível posição de melhor banda de metal do mundo e não tentem fazer parte de algum movimento pseudo-cultural apenas para o Lars conhecer artistas hypados e engordar a coleção de arte dele. Isso é o que acontece quando uma grande ideia é engolida por egos maiores ainda.

 

 

Posts Relacionados

Top 10 – Coisas para se fazer em São Paulo

estaiada Top 10   Coisas para se fazer em São Paulo
Fiz a foto na inauguração da Ponte Estaiada, o novo cartão-postal de São Paulo. Lembro que, no dia, tive o prazer de assistir a um discurso inesquecível do Padre Marcelo

Hoje é aniversário de São Paulo, etc.

No dia 25 de janeiro de 2007, fiz uma lista com as 10 coisas que eu mais gostava de fazer em São Paulo. Hoje, quatro anos depois, vejo como minha vida mudou - mas meus programas, nem tanto. É bom saber que há tanta coisa para fazer em São Paulo... só para fazer sempre as mesmas coisas.

1. Sair para jantar
2. Tomar chopp com os amigos na Vila Madalena
3. Comprar umas revistas gringas e devorá-las tomando milk shake na Vila Boim
4. Pegar uma piscina no clube naqueles dias abafados (antes de chover) e depois almoçar com a minha filha
5. Assistir a um bom show de rock ou a um concerto na Sala São Paulo ou Auditório Ibirapuera
6. Almoçar sushi com saquê no sábado à tarde na Liberdade
7. Tomar café da manhã em uma das ótimas padarias de Higienópolis
8. Levar meu cão, minhas havaianas e meu iPod para passear
9. Ir a pé a um jogo do Corinthians no Pacaembu
10. Ficar em casa lendo e ouvindo música sem me preocupar com as milhões de coisas que estão acontecendo lá fora

Pois é. Nada de mais, não? Não tenho ido ao Parque do Ibirapuera, ao Mercado Municipal, à Galeria do Rock... Enfim, nada de muito interessante, algum turista vai dizer. Mas é essa São Paulo que eu gosto.

Provavelmente sua lista seria bem diferente... ou não?

Feliz 457, São Paulo.

Posts Relacionados

As Top 10 Músicas de 2009

[kml_flashembed movie="http://www.youtube.com/v/19rG2CHvCQY" width="425" height="344" wmode="transparent" /]

'I Gotta Feeling': A música do Black Eyed Peas é a síntese do pop perfeito

Para aproveitar que o ano acabou, que tal mais uma daquelas listinhas que todo mundo vai criticar? Tudo bem, acho que a função de fazer listas é exatamente essa: um olha e diz que não concorda com isso e aquilo; o outro tem certeza de que eu fiquei maluco; um terceiro reconhece que tem algumas coisas certas, mas a maioria é totalmente absurda.

Este não foi um ano muito bom para o rock. Não vi nada que me chamasse realmente a atenção no estilo. O disco do Arctic Monkeys foi legalzinho, o do U2 também. O Them Crooked Vultures veio como uma promessa, mas sabemos que é apenas um projeto sem muito futuro. Essa geração 'long tail' não tem produzido nada muito interessante, pelo menos em termos de artistas que 'vão ficar'. Há muitas bandas em termos genéricos, mas quase nenhuma que você olha e fica com vontade de saber como eles vão estar soando no próximo disco.

Sem ficar enchendo lingüiça, aqui vai minha lista das melhores músicas de 2009. Não inclui nenhuma música brasileira porque acho que não dá para misturar maçãs com laranjas e porque reconheço que não ouvi o suficiente para emitir uma opinião justa. Portanto, estão aqui apenas artistas internacionais. Espero que você discorde. Numa boa, claro. E que 2010 seja melhor.

1. 'I Gotta Feeling' (Black Eyed Peas)
2. 'New Fang' (Them Crooked Vultures)
3. 'Empire State of Mind' (Jay-Z e Alicia Keys)
4. 'Moment of Surrender' (U2)
5. 'Crying Lightning' (Arctic Monkeys)
6. 'Just Dance' (Lady Gaga)
7. 'Wrong' (Depeche Mode)
8. 'We Are Golden' (Mika)
9. 'All is Love' (Karen O & The Kids)
10.'Your Decision' (Alice in Chains)

Os Top 10 Rockstars de 2009

davegrohl Os Top 10 Rockstars de 2009
Dave Grohl: O cara foi baterista do Nirvana, canta e toca guitarra no Foo Fighters e ainda encontra tempo para fazer shows com um projeto com o ex-baixista do Led Zeppelin. Dave Grohl é demais

Eleger os 'melhores do ano' antes do ano acabar é arriscado. Mas quem disse que não devemos arriscar na vida? A revista Rolling Stone escolheu o premiê italiano Silvio Berlusconi como 'Rockstar do Ano'. Acho meio forçado escolher um cara fora do meio musical, por isso aqui vai uma lista dos Top 10 Rockstars de 2009:

1. Michael Jackson. Atolado em dívidas e decadente, ele anunciou a volta por cima em uma turnê monstruosa, morreu de overdose antes do primeiro show, voltou a vender milhões de discos, lançou um filme sobre seus últimos dias... se isso não é o roteiro perfeito para a vida de um rockstar, então eu não sei o que um rockstar é.

2. Lady Gaga. Fazia tempo que não aparecia uma cantora tão talentosa, barulhenta e divertida. Ela compõe, toca piano superbem e canta melhor que Amy Winehouse – e nem precisa ser pega com drogas para aparecer na mídia. A sucessora de Madonna vai a festas vestindo maiô e salto plataforma e inventou que era hermafrodita só para ser deixada em paz. Teve gente que acreditou, uau. Se quiser votar na cantora ou cantor da década, clique aqui.

3. Angus Young. Se você foi ao show do AC/DC, nem preciso explicar porque ele está aqui. O cara detona nos palcos há 36 anos. Imagina quando tirar a roupa da escola.

4. Dave Grohl. O cara foi batera do Nirvana, é vocal e guitarrista do Foo Fighters... e agora voltou a detonar a bateria no Them Crooked Vultures, dividindo o palco 'apenas' com John Paul Jones, ex-baixista do Led Zeppelin. Se você quiser votar na melhor banda da década, clique aqui.

5. Bono. Qualquer lista de rockstars desde 1980 tem de incluir o Bono. Tudo bem, sou suspeito porque sou fã do cara. Mas a nova turnê do U2 é a maior da história e, mesmo assim, ele ainda encontra tempo para salvar o Planeta. É o Super-Bono.

6. Paul McCartney. Paul fez turnê nos EUA, lançou disco ao vivo, ajudou a elaborar o videogame Rock Band e relançou a coleção completa dos Beatles. Paul é Paul, o resto é Rolling Stones.

7. Mika. Se tem alguém que merece pegar o cetro de Freddie Mercury (sem malícia, por favor), é ele. Mika é um dos artistas mais talentosos dos últimos tempos.

8. Scarlett Johansson. A gata de 25 aninhos é uma atriz maravilhosa (em todos os sentidos, inclusive nesses que você está pensando). Como cantora, já lançou dois disquinhos bem legais.

9. Billy Corgan. O líder do Smashing Pumpkins é o autor da frase do ano. Perguntado sobre o que ele achava do videogame Guitar Hero, respondeu: "Você não joga Guitar Hero quando você É um Guitar Hero". É isso aí, Billy.

10. Ronaldo. Ele está mais para samba do que para rock. Mas se a Rolling Stone pode escolher o idiota do Berlusconi como Rockstar, eu posso escolher o Fenômeno, certo? Timão, ê ô!

Para seguir Felipe Machado no Twitter, clique aqui

Música clássica, moderninha e… muito louca, bicho

Já fui fanático por heavy metal. Também já tive uma fase totalmente obcecada por jazz. Hoje tenho um gosto musical bem mais específico: só gosto de música... boa.

Meu fim de semana teve como trilha sonora exatamente esse estilo, música 'boa'. Ou seja, nada de pagode, sertanejo, axé, funk carioca, etc. A melhor parte de gostar de música boa é justamente não estar preso a nenhum estilo no sentido convencional da palavra, algo restritivo que não tem nada a ver com arte e música. Mas recomenda-se não torturar os ouvidos.

Esse fim de semana supermusical começou na tarde de sábado, quando fui ao teatro do CIEE, no Itaim, em São Paulo, assistir ao concerto da orquestra Bachiana Filarmônica. Não é sempre que se tem a oportunidade ver João Carlos Martins na regência, e ainda mais dando uma palhinha ao seu sempre genial piano. A novidade na apresentação era o convidado especial: Chris Brubeck. Mostrando talento no trombone, baixo elétrico e piano, o filho do imortal Dave Brubeck apresentou o 1° e 2° movimentos de seu Concerto para Trombone, além de 'Black & Blue', de Fats Waller (versão em que Chris também cantou), 'Unsquare Dance' (Dave Brubeck), 'Blue Rondo à la Turk' (Dave Brubeck) e 'Autumn Leaves'. Antes, a orquestra já havia apresentado a Sinfonia n° 40 em Sol Menor de Mozart.

Para quem quiser/puder: Martins e Dave Brubeck se apresentam no dia 2 de outubro com a Orquestra Bachiana no Lincoln Center, em Nova York. No repertório, Villa-Lobos e a homenagem que Brubeck compôs para Chopin, 'Thank You'.

Veja versão exclusiva para TV Estadão com João Carlos Martins e Chris Brubeck tocando 'Autumn Leaves'

À noite, um programa moderninho: show da banda Little Joy, no Via Funchal. Sempre fico com um pé meio atrás quando ouço falar de algum projeto que envolve alguém ligado à banda Los Hermanos. Confesso que é um pouco de preconceito, 'pré-conceito' mesmo. Acho que a banda exerce um fascínio sobre um certo tipo de público que não me incluo, daí a sensação. E mais uma vez estou errado, o que prova que qualquer tipo de preconceito é besteira: o Little Joy, com o ex-Hermano Rodrigo Amarante à frente, no vocal e guitarra, é uma banda muito legal. Não, eles não vão revolucionar a música ou mudar o mundo. E nem é o caso. A ideia da banda de Amarante, Binki Shapiro (teclado e vocais) e Fabrizio Moretti (baterista do Strokes, que aqui toca guitarra) é se divertir. E fazer música boa. Eles conseguem com sobra, de forma despretensiosa e com joie de vivre.

O som é exatamente o que se espera deles, ou seja, uma mistura de Los Hermanos com Strokes. Mas há o elemento Binki Shapiro, uma garota linda que dá um toque muito especial ao som da banda. Ela traz uma certa ingenuidade, uma pureza que contrasta bem com as melodias dramáticas de Amarante e as batidinhas modernosas à la Strokes.

Veja o vídeo de 'Next Time Around', do Little Joy

[kml_flashembed movie="http://www.youtube.com/v/dGHbOZBSv18" width="425" height="344" wmode="transparent" /]

A mulher mais sexy do mundo (segundo a FHM)

megan2 A mulher mais sexy do mundo (segundo a FHM)

Borracharia internacional: A revista FHM acaba de eleger as 100 mulheres mais sexies do mundo. (Antes que você pergunte, não, a sigla não significa 'Felipe Homem Machado' - piadinha infeliz), Enfim, aqui vai a lista das top 10, escolhidas por meio de 9.7 milhões de votos pela internet. Para ver a lista completa, acesse o site da revista. Como a revista é estrangeira, o site é em inglês, claro. Mas mesmo quem não fala o idioma não vai sentir falta: o que vale mesmo são as fotos, certo? As brasileiras, como sempre, estão na lista: a modelo Alessandra Ambrósio é a 15ª, Adriana Lima é a 21ª e Gisele Bündchen é a 22ª. A campeã é a atriz Megan Fox (foto: Matt Sayles/AP Photo), do filme 'Transformers'.

A seguir, as top 10 da FHM (For Him Magazine):

1. Megan Fox
2. Jessica Alba
3. Keeley Hazell
4. Elisha Cuthbert
5. Hayden Panettiere
6. Scarlett Johansson
7. Cheryl Cole
8. Hillary Duff
9. Angelina Jolie
10. Keira Knightley

Você concorda com a lista? Quem está faltando? Depois a gente faz um 'Top 10' do blog, acho que vai sair um pouco diferente.

Os top 10 das minhas férias

tahiti tikehau Os top 10  das minhas férias

Não sei se alguém notou, mas eu estava de férias. Talvez você não tenha percebido porque eu tentei aparecer por aqui de vez em quando, em tempo real ou virtualmente. Mas a verdade é que tirei férias do meu emprego diário, oficial, e passei 20 dias descansando e viajando para paraísos distantes. Acima, uma foto do meu bangalô no Tahiti. Mais perto do Paraíso, só se eu tivesse morrido.

Claro que gosto de viajar para lugares maravilhosos e conhecer novas culturas. Mas, para mim, a melhor coisa de se tirar férias é mudar a rotina e se desligar do mundo... Virar a ampulheta do tempo e começar tudo de novo, zerado. As dez melhores coisas (não proibidas para menores) para se fazer num dia perfeito de férias:

1. Acordar cedo e tomar um café da manhã bem demorado
2. Entrar no mar e ficar horas só com o rosto fora d'água
3. Brincar de 'cadê?...achou!' com sua filha
4. Deitar numa rede e ler até adormecer
5. Entrar na piscina e ficar horas só com o rosto fora d'água
6. Não usar relógio, não ver TV, não entrar na internet... e depois ficar surpreso quando os amigos contam as novidades do mundo
7. Conversar besteiras assistindo ao pôr-do-sol
8. Cama de hotel: dormir com 40 graus do lado de fora e o ar condicionado no máximo
9. Ouvir música no volume 10 às três da tarde
10. Almoçar na casa da mãe e depois tirar uma soneca no sofá

Os 10 Melhores Discos de Heavy Metal da História

iron Os 10 Melhores Discos de Heavy Metal da História
Foto: Os dois fundadores do Iron Maiden: os deuses Dave Murray (guitarra) e Steve Harris (baixo). Foto de Monica Quesada/Reuters, clicada ontem à noite no show da banda no estádio Ricardo Saprissa, em São José, Costa Rica.

Em homenagem ao show do Iron Maiden, no próximo domingo (2/3), segue aqui mais uma daquelas listinhas que geram muita polêmica mas rendem boa munição para os bate-papos no fim de semana.

Como vocês já devem saber, sou um grande fã da banda de Steve Harris e com certeza estarei no Parque Antártica no domingo, estádio onde já tive a honra de tocar duas vezes, na abertura dos shows do Metallica. Ver o repertório dos discos 'Piece of Mind', 'Powerslave', 'Somewhere in Time' e 'Seventh Son' será um sonho, ainda mais para quem passou a adolescência ouvindo (e tocando) rock pesado, como eu.

Quem quiser voltar aqui na segunda-feira está convidado a ler uma crítica sobre o show e um texto superespecial: um resumo do jogo de futebol que vai rolar contra o Iron Maiden no sábado à tarde. Eu vou jogar, claro. E se marcar um gol, prometo dedicar a todos os músicos de heavy metal do Brasil, que nunca abandonaram o estilo apesar de todas as dificuldades do mercado.

Enfim: vamos à listinha dos 'Top 10 Discos de Heavy Metal da História':

1. The Number of the Beast (Iron Maiden)
2. Master of Puppets (Metallica)
3. Paranoid (Black Sabbath)
4. Machine Head (Deep Purple)
4. British Steel (Judas Priest)
5. Alive I (Kiss)
6. Back in Black (AC/DC)
7. Appetite for Destruction (Guns 'N' Roses)
8. Reign in Blood (Slayer)
9. Van Halen I (Van Halen)

12